mar 032015
 
Apresentando teatro na viagem do Japão para o Brasil. Foto da década de 1930, livro: Zaihaku Doho Katsudo Jikyo

Apresentando teatro na viagem do Japão para o Brasil. Foto da década de 1930, livro: Zaihaku Doho Katsudo Jikyo

No dia 5 de novembro de 1895, foi assinado em Paris, o Tratado de Amizade, de Comércio e de Navegação, entre o Brasil e o Japão. Representou o Brasil o ministro plenipotenciário, Gabriel de Toledo Piza e Almeida, e pelo Japão, assinou o também ministro plenipotenciário, Soné Arasuke Jushü. O site do Ministério das Relações Exteriores do Brasil traz a íntegra do documento.

Certamente, ao longo desses 120 anos desde a assinatura do acordo, vendemos muito café e soja, e importamos eletrônicos e tecnologia, mas a parte mais importante desse intercâmbio foram as pessoas que emigraram e imigraram.

Tivemos, a partir de 1908, a imigração, que transferiu mais de 250 mil japoneses para o Brasil. Por outro lado, o movimento decasségui, na fase áurea da década de 90, chegou a manter mais de 350 mil brasileiros trabalhando no Japão. Em ambos os casos, os migrantes pretendiam inicialmente retornar ao seu país de origem, mas muitos acabaram se adaptando no novo país.

O decasségui é um herói

Shinichi Nakanishi, presidente da Associação das Famílias de Emigrantes de Ishikawa, órgão que congrega os familiares dos que estão morando no exterior, afirma que as pessoas que saíram do Japão para fugir da recessão econômica, da superpopulação e da falta de alimentos são heróis. Isso porque, ao deixarem o país, permitiram que as pessoas que ficaram pudessem ter uma vida melhor e ajudaram o Japão a se reerguer. De fato, os japoneses que vieram para o Brasil fizeram de tudo para manter a imagem de honestidade do seu povo, porque sabiam da responsabilidade ao sair do seu país.

No caso da província de Ishikawa, foi o sentimento de gratidão a esses heróis que levantou o prédio da Associação Ishikawa Kenjin do Brasil em São Paulo. O governo da província e os municípios de onde saíram os imigrantes dividiram os custos da construção. Além disso, a província ajuda os descendentes dos originários de Ishikawa com bolsas de estudos, como forma de agradecimento aos heróis. Fatos semelhantes ocorrem com outras províncias japonesas. Em Yokohama, existe o Museu da Migração Japonesa, como homenagem àqueles que, num momento difícil, deixaram seu país rumo ao Brasil, Estados Unidos, Peru, Canadá e outros países.

No Brasil, os decasséguis, que deixaram o país a partir de 1985, tiveram papel importante na recuperação econômica do Brasil. Não apenas os brasileiros que foram para o Japão, mas também aqueles que foram para os Estados Unidos, Portugal, Espanha e outras localidades. Comenta-se que são mais de 2,5 milhões de brasileiros que moram no exterior atualmente. Imagine o que seriam 2,5 milhões de pessoas disputando o seu emprego?

Espero que um dia, o Brasil reconheça o sacrifício desses trabalhadores e ajude-os, principalmente dando o apoio necessário quando eles retornarem.

Francisco Noriyuki Sato, jornalista e editor, autor de Banzai! História da Imigração Japonesa no Brasil e de História do Japão, e ex-estagiário da JICA na Kanazawa University, em Ishikawa.
 

ブラジルと日本の交流条約から120年

1895年11月5日に日伯修好通商航海条約が結ばれました。コーヒーや大豆の輸出も大切ですが、一番大事なことは、この条約によって人の交流が可能になったことです。それ以来25万人に上る日本人がブラジルに渡って、日本に残った家族や親戚の生活が少なからず豊かになったと思われます。日本政府は、そうしたことを理解してのことでしょうか、日系人に対して色々な形で援助を行っています。例えば日本政府負担の日系人を対象にした日本研修があります。つまり、その行為には、日系人に対する感謝の気持ちが入っていると考えられます。

時代が変わって、1985年からブラジルの日系人が出稼ぎを目的として日本へ行くことになりました。最盛期の90年代には、一時35万人ものブラジル人が日本で働いていました。国の経済が安定しないため、ブラジル人は日本だけではなく、北米、ポルトガルやスペインにも向かいました。現在外国に住んでいるブラジル人の数は、何と250万人だそうです。これだけの人数に上ると経済にはかなりのインパクトがあります。やはりこうした人たちが外国に渡り本国を支えたことによって、他のブラジル人の生活が豊かになったと思われます。

何時か、ブラジル政府も外国で働いているブラジル人の努力を認めて、お礼を言わなければならない時が来ると思います.

 

佐藤フランシスコ紀行 ・ 新聞記者、編集の仕事をしながら、漫画の本「日本の歴史」と「ブラジル移民の歴史」に作者として参加、2014年JICAの研修生として金沢大学でお世話に成りました。

dez 242012
 

Busca no Memorial do Imigrante

Projeto Ashiato

Passados 104 anos desde o início da imigração japonesa no Brasil, muitas famílias querem saber como o seu avô ou bisavô chegou ao Brasil, e quem veio com ele. Para facilitar essa busca, duas entidades possibilitam a localização gratuita desses dados. Será preciso fazer a pesquisa de várias maneiras e ter paciência, pois ambos os mecanismos são falhos.
O Memorial do Imigrante, que fica no bairro do Bras, em São Paulo, é onde ficavam os imigrantes que desembarcavam no Porto de Santos, os quais, depois de passarem por exame médico, aguardavam o trem que os levariam para as respectivas fazendas. Permaneciam por vários dias no local, junto com imigrantes de outras etnias. Aqui eram feitos os registros de todos os imigrantes.
O site do Memorial permite que você localize o imigrante pelo nome, sobrenome, ano de chegada e/ou o nome do navio. Como há falhas na digitação na conversão do documento manuscrito, é preferível tentar apenas com um desses dados. Mas a grande falha desse banco de dados é a completa ausência de imigrantes que chegaram entre os anos de 1931 a 1935, justamente o período anterior à 2ª Guerra, em que vieram mais estrangeiros ao Brasil.
O outro site é do “Ashiato“, um grande e árduo trabalho de levantamento de dados feito para a comemoração do Centenário da Imigração Japonesa, em 2008. Aqui, como é óbvio, só existem dados de japoneses, e permite-se pesquisar em idioma japonês também. Ao encontrar o nome do imigrante, com um clique no nome dele pode-se encontrar outros dados, como a grafia em japonês do nome e sobrenome, outras pessoas que vieram nesse grupo, e para onde foram primeiro (ou disseram que iam).

A base de dados é o mesmo livro da chegada dos imigrantes, mas a interpretação da grafia pode não ser igual. Na dúvida, o site do Memorial oferece o documento original (página do livro) em PDF. Lembre-se que o sobrenome pode ter a grafia mudada (ex: Uyemura para Uemura), e pessoas que vieram como filho adotivo numa família.

A história da imigração japonesa no Brasil, fotos e os endereços dos museus de imigração japonesa estão no www.imigracaojaponesa.com.br