jul 162021
 

Publicado pela primeira vez em capítulos semanais na revista “Margaret” de abril de 1972 a dezembro de 1973, o mangá “A Rosa de Versalhes” se tornou um imediato sucesso ao contar a história trágica da Rainha da França, Maria Antonieta, e da Revolução Francesa. O próprio mangá se tornou um marco ao revolucionar o chamado mangá feminino, antes visto com desdém pelo mercado editorial uma vez que até então os quadrinhos para meninas de 8 a 15 anos não passavam de melodramas superficiais e altamente fantasiosos.

Apesar de romancear a história com referências ao glamoroso Palácio de Versalhes e à vida de luxo da corte, o mangá também mostrou temas que hoje seriam muito politicamente incorretos para crianças, como a vida de crimes, pobreza e revolta nas favelas de Paris e a prática de corrupção, pedofilia e vícios diversos de membros da aristocracia e da igreja. Maria Antonieta é mostrada como a primeira grande vítima de fake news da história, humanizada por sua ingenuidade e redimida por seu amor incondicional aos filhos. Axel von Fersen, aristocrata sueco que foi amante da Rainha, é mostrado como a personificação da devoção e do cavalheirismo.

Os fatos históricos que culminaram na Revolução Francesa são contados no mangá sob a ótica de Oscar, filha caçula de uma tradicional família de militares criada pelo pai como homem para poder herdar os privilégios da família e de André, seu criado e amigo mais terno e leal. Ao longo da série o relacionamento entre Oscar e André evolui da amizade fraternal na infância ao amor adulto proibido pela diferença de classes sociais. Às vésperas da Revolução o ato supremo de rebeldia de Oscar e André foi assumir o amor que tiveram por toda a vida e lutar pelos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Por serem Maria Antonieta e Fersen personagens históricos todos já sabiam qual era o final deles, mas sendo Oscar e André personagens fictícios o destino deles era uma incógnita e o desenrolar dessa história prendia os fãs. Assim, foi um grande choque coletivo quando Oscar morreu lutando por seus ideais comandando a Queda da Bastilha e André morreu heroicamente tentando salvá-la, o que desencadeou uma crise real quando milhares de fãs manifestaram surtos de choro e sintomas de luto sincero – tudo causado por um mangá!   

Desde então “A Rosa de Versalhes” virou um cult. A história ganhou versões em teatro, TV, cinema, se espalhou pelo mundo e popularizou o estilo rococó e o setecentismo como o auge das artes do Ocidente no Japão, Taiwan e Coréia do Sul. Na Europa a série em animê foi um grande sucesso, especialmente na Itália onde gerações de senhoras ainda se lembram do impacto de “Lady Oscar”: apesar de ser um desenho animado, muitas mães assistiram a série com os filhos pois a história também cativou um público adulto. Assim como no Japão, na Itália a comoção geral e as lágrimas se repetiram: em tempos sem Internet a TV reinava absoluta e todos viam os mesmos programas ao mesmo tempo.

Para entender mais sobre o tema:

“O Culto ao Barroco Romântico no Japão”. Palestra on-line ministrada e gravada no dia 11 de setembro de 2021, às 9 horas. Palestra com a profa. Cristiane A. Sato. Promoção da Abrademi e da Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil. Assista a gravação no Youtube (acima).

Caso queira, há a versão falada em inglês da mesma palestra: English Version “Japan’s Romantic Baroque Culture”

 

jun 172021
 

No dia 20 de Junho, um bate-papo on-line reunirá dois destacados nipo-brasileiros.

Oscar Satio Oiwa, é artista plástico, nascido em São Paulo, que mora em Nova Iorque. Ele, enquanto estudante de arquitetura da USP, foi bolsista da Associação de Intercâmbio Infanto-Juvenil Brasil-Japão, e depois, em 1991, se mudou para o Japão onde permaneceu por 11 anos, e desde 2002 mora nos Estados Unidos. É um artista contemporâneo e, além de pintar quadros, produz grandes instalações, como a obra com navios de imigrantes montada no Museu de Imigração da JICA de Yokohama este ano.

A conversa será conduzida pelo professor Ângelo Ishii, formado em jornalismo pela USP, com pós-graduação na Universidade de Tóquio e na Universidade de Niigata, e foi redator-chefe de um jornal para brasileiros publicado no Japão. É especialista em sociologia internacional e imigração, e leciona na Universidade Musashi desde 2004. É diretor administrativo da Associação Kaigai Nikkeijin Kyokai.

Data: 20/06/2021 (domingo) 2:00 ~ 3:15 (Horário de Brasília)

O link é do YouTube. Após esse horário, o vídeo estará à disposição permanente.

海外日系人協会Youtubeチャンネル(https://www.youtube.com/user/wwtjadesas)

Dia Internacional Nikkei

O dia 18 de junho, que é a data da chegada do navio Kasato Maru ao porto de Santos, é o Dia da Imigração Japonesa. O Dia Internacional Nikkei é o dia 20 de junho, que marca a chegada dos primeiros imigrantes japoneses no Havaí, em 1886. 

Veja texto relacionado: http://www.culturajaponesa.com.br/index.php/veja-como-foi-60a-convencao-dos-nikkeis-e-japoneses-do-exterior/

fev 272021
 

Jiro Kawarazaki foi a estrela do filme “Gaijin – Caminhos da Liberdade”, da estreante diretora Tizuka Yamasaki, de 1980. O filme conta a história da imigração japonesa à partir da chegada de uma família numa fazenda de café no interior de São Paulo. Jiro e Kyoko Tsukamoto representam Yamada e Titoe, que formam o casal principal do enredo.

Jiro faleceu em julho de 2020, vítima de uma parada cardíaca. Tinha 79 anos de idade. A família não divulgou o fato, e a mídia só tomou conhecimento um mês depois, mas deu poucas linhas à respeito desse ator.

No currículo de Jiro constam 19 filmes longa-metragens feitos no Japão, entre 1961 e 1992. Num filme de 1974, “Wagamichi”, de Kaneto Shindo, Jiro tem um papel secundário, mas é um filme interessante porque trata de problemas das famílias de decasséguis da região do Tohoku, sobre uma história real de 1966. Jiro teve uma carreira mais longa e respeitável na TV, atuando em vários episódios da série de samurai “Mitokoumon” da TBS e em muitos outros, de vários estilos. Jiro também atuou nos palcos onde trabalhou em várias peças. O pai de Jiro era um famoso ator de Kabuki em Tóquio, já na quarta geração de atores dessa modalidade, e seus dois irmãos, duas irmãs e uma prima também seguiram a carreira de artística.

Comentário pessoal:

Lembro do Jiro Kawarazaki quando tinha acabado de chegar do Japão e estava num hotel de Atibaia, cidade onde seriam realizadas as primeiras tomadas com os atores japoneses. Jiro, Kyoko e Yuriko Oguri foram contratados pela Tizuka, e dentre eles, Jiro era o mais famoso naquela época. Mas era bastante humilde.

Na época, eu trabalhava e estudava à noite, e não tinha tempo, mas queria praticar o idioma japonês. Daí eu me oferecia ao Sanenari Oshiro, que era redator do jornal São Paulo Shimbun, para ir entrevistar artistas japoneses nos finais de semana. Nem sempre os artistas eram profissionais. Na maioria das vezes eram grupos de estudantes que vinham por intercâmbio e traziam alguma coisa para apresentar. Claro, o trabalho era voluntário e mesmo as despesas de transporte não eram reembolsadas. Não havia nenhuma espécie de apoio. Eu recebia um número de telefone e um nome, e depois eu ia atrás. Nesse caso, eu procurei o contato da Tizuka, a diretora do filme, liguei, marquei e fui no escritório dela. Os atores ainda não tinham chegado, mas fiquei sabendo que chegariam e fariam a primeira tomada naquele final de semana. Peguei o ônibus e fui para Atibaia. No hotel, a Tizuka disse que o intérprete não estava, e que iria chamar os japoneses.

Assim fiquei conhecendo o trio de atores, todos muito simpáticos, apesar de cansados da viagem. Naquele dia, como não ia ter filmagem, eu os levei até a praça de Atibaia onde estava tendo uma feira de artesanato. E lá comprei um pacotinho de coquinho doce. O Jiro gostou tanto daquilo, que voltou sozinho e comprou um monte deles.

Voltei a Atibaia novamente, num outro final de semana. Os atores já tinham feito várias cenas e estavam todos bastante integrados com o ambiente. Antonio Fagundes, Gianfrancesco Guarnieri, Ken Kaneko e José Dumont faziam parte do elenco e, por sorte, todos estavam lá. Conversei bastante com o José Dumont e com o Jiro Kawarazaki. Foi a última vez que o vi.

“Gaijin” foi o melhor filme do Festival de Cinema de Gramado de 1980. José Dumont recebeu o prêmio de melhor ator coadjuvante. Quem não assistiu deveria assistir.

Francisco Noriyuki Sato

dez 292020
 

Hyakunin Isshu é uma antologia de poemas curtos “waka”, reunidos pelo poeta Fujiwara no Sadaie (ou Teika), que viveu de 1162 a 1241, e também é o nome de um jogo de baralho “Karuta”, muito popular no Japão. Trata-se de um jogo aparentemente intelectual, onde os participantes procuram entre as cartas o poema que está sendo lido. Atualmente, após o sucesso do mangá “Chihayafuru” de Yuki Suetsugu, depois transformado em animê e mais tarde em filmes para cinema (foto), são os jovens que mais praticam essa modalidade no Japão e no mundo. O jogo de Hyakunin Isshu exige muita velocidade e, por isso mesmo, um bom preparo físico dos participantes.

No Brasil também existem muitos praticantes, e o grupo Meguriai Karuta Kai, de São Paulo, resolveu fazer a cobertura da primeira partida ao vivo, com comentários em português. O evento é presencial e reúne os melhores do mundo e estará acontecendo no Templo Omi Jingu, na província de Shiga, que homenageia o Imperador Tenji (626 a 672). O Imperador Tenji é o autor do primeiro dos 100 poemas que compõem o jogo de Hyakunin Ishuu, e por isso, o Omi Jingu é considerado o santuário de Karuta. O local ficou famoso depois que foi cenário do filme “Chihayafuru”, mas o local sedia há muito mais tempo os tradicionais campeonatos de Karuta.

No dia 8 de janeiro de 2021 (sexta-feira), serão transmitidas pelo Youtube as partidas que decidem os melhores jogadores de karuta do mundo, em que os vencedores recebem o título de Queen e Meijin. As partidas acontecem no formato melhor de cinco (ganha quem vence três). Os membros do Meguriai realizarão a cobertura ao vivo da primeira partida, com chamada no Google Meets por volta das 21h30 (horário a confirmar) para explicar as regras do jogo e esclarecer dúvidas dos participantes. O evento tem previsão de terminar por volta das 23h30, será gratuito e aberto a todos.

A inscrição será realizada mediante preenchimento do formulário: https://forms.gle/HbCRdWxdoYTEwYRK8

Para quem quer entender um pouco mais sobre o jogo antes da transmissão, veja aqui os comentários escritos pelo grupo Meguriai sobre as partidas que definiram os competidores do Campeonato de Queen e Meijin. https://meguriaikai.wordpress.com/2020/11/16/a-partida-do-desafiante-2020-impressoes/

 

out 042020
 

História do Japão - período HeiseiAula on-line de História do Japão. No periodo Heisei, depois de experimentar um crescimento econômico fabuloso, o Japão começa a perder força, com sua população envelhecendo, e os eletrônicos sofrendo concorrência dos vizinhos da Ásia. Há também grandes desastres naturais, que acabam influindo bastante na vida das pessoas. Em compensação, a cultura pop e a culinária japonesa são mais difundidas, atraindo turistas de todo o mundo.

A iniciativa é da Abrademi (Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações) em conjunto com o departamento cultural da Associação Cultural e Assistencial Mie Kenjin do Brasil. O objetivo é facilitar a compreensão da cultura japonesa através de explicações sobre o passado e o presente do Japão. Este curso segue o currículo do curso de história para universitários estrangeiros no Japão, e contém as atualizações mais recentes da reforma de ensino japonês. O público alvo são as pessoas que apreciam ou têm curiosidade sobre o Japão, e aqueles que pretendem visitar o país no futuro, seja como turista, a negócios, para trabalhar ou como estudante, para que tenham maior proveito da oportunidade à partir do conhecimento de sua história.

O curso será realizado on-line.

As aulas que fazem parte do curso são as seguintes:
Programação (domingos – 9h às 10h30) – Local: On-Line
– 21 jun – Aula 01 – Ocupação do arquipélago. Períodos Jomon, Yayoi e Kofun (já realizado)
– 28 jun – Aula 02 – Períodos Asuka e Nara – A família imperial
– 05 jul – Aula 03 – Período Heian
– 12 jul – Aula 04 – Período Kamakura – O governo dos samurais
– 19 jul – Aula 05 – Período Muromachi
– 26 jul – Aula 06 – Período Sengoku – guerra civil e chegada dos portugueses
– 02 ago – Aula 07 – Período Edo 1 – isolamento do Japão e a proibição do catolicismo
– 09 ago – Aula 08 – Período Edo 2 – formação urbana e construção de estradas
– 16 ago – Aula 09 – Período Edo 3 – terakoya, gueixas e comércio
– 23 ago – Aula 10 – Período Edo Final 4 – abertura de portos e queda de Tokugawa
– 30 ago – Aula 11 – Período Meiji 1 – governo em torno do Imperador
– 06 set – Aula 12 – Período Meiji 2 – modernização e reformas
– 13 set – Aula 13 – Período Taisho
– 20 set – Aula 14 – Período Showa antes da Segunda Guerra
– 27 set – Aula 15 – Segunda Guerra Mundial
– 04 out – Aula 16 – Perído Showa 3 – reconstrução e crescimento
– 11 out – Aula 17 – Era Heisei
– 18 out – Aula 18 – Era Reiwa e atualidades
– 25 out – Aula 19 – História de Okinawa – Enquanto era o reino de Ryukyu
– 01 nov – Aula 20 – História de Okinawa – Após se tornar uma província japonesa até hoje

A taxa para participar da aula é de R$ 20,00. Esta inscrição é somente para a aula 17. O Sympla cobra uma taxa de 2,50 sobre o valor da aula, portanto, será R$ 20,00 + 2,50 = R$ 22,50. Poderá ser pago com cartão de crédito ou débito on-line Itaú. Pagamento por boleto somente é aceito até 5 dias antes da data. (Clique no “inscreva-se”, e depois, na página do Sympla, é preciso clicar no sinal de (+) antes de clicar em “realizar inscrição”).

Esse curso, com algumas diferenças na distribuição do conteúdo, foi realizado em 2017 na Associação Cultural Mie para mais de 200 alunos em todas as aulas. Foi repetido em 2018 e 2019 alcançando também grande sucesso e sofreu algumas atualizações para 2020. Agora, por causa da pandemia, o curso está no formato on-line e são aulas mais curtas e o dobro da quantidade de aulas. Alunos já matriculados no curso presencial, cujas aulas ministradas foram três, poderão participar de todas as aulas, desde a primeira, se desejarem.

As aulas serão transmitidas utilizando-se o Zoom. Os alunos precisam instalar o Zoom no equipamento que vai utilizar para assistir as aulas (https://zoom.us/) , tanto no desktop, notebook, tablet ou celular. O aluno inscrito receberá um tutorial de como fazer o acesso pelo ingresso do Sympla. A aula terá o mesmo conteúdo da aula presencial e o professor responderá as perguntas dos alunos ao final de cada aula. Aqueles que não conseguirem assistir a aula on-line, receberão o link para acessar o vídeo da aula pelo YouTube.

: As aulas anteriores poderão ser adquiridas na modalidade de “Pós-Aula”, quando os alunos que se inscrevem recebem links da aula completa para assistir no YouTube e a apostila da aula. Veja em Pós-Aula (outubro) até 31/10/2020.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, embaixada e consulado geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, e é presidente da Abrademi e editor do site culturajaponesa.com.br. Foi também bolsista da JICA na Universidade de Kanazawa, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016 e 2019.

Para qualquer comunicação, utilize o endereço: abrademi@abrademi.com

Apoio: