out 062014
 

capaJapopMais do que exótico, o Japão hoje é sinônimo de algo legal, “cool” e “fashion”. A forma pela qual o Japão passou de consumidor a exportador de cultura pop, tornando-se a primeira nação oriental a quebrar a hegemonia dos Estados Unidos na exportação de influência cultural no pós-guerra, é o assunto de JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa.

Escrito pela pesquisadora Cristiane A. Sato, da Abrademi e da Associação de J-Fashion, o livro é um passeio por várias formas da cultura popular japonesa: o karaokê, a música enka e o J-Pop, mangás e animês, novelas e séries de TV, filmes de samurais e de terror, ídolos do esporte e do showbiz, a dança Yosakoi Soran e a ópera Takarazuka, e ícones do consumo e da moda. Trata-se de um livro de fácil leitura, por não ser uma tese acadêmica, e tem a vantagem de estar dividido por assuntos.

O JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa contou com o apoio da Fundação Japão, assessoria cultural do Consulado Geral do Japão, sendo uma leitura recomendada para todos aqueles que querem estudar a cultura japonesa.

Informações: Livro: JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa
ISBN 978-85-60626-00-7 – Editora NSP
Formato: 160x230mm, 352 páginas, impressão preto e branco com fotografias.

JAPOP está à venda por R$ 35,00 na livraria do Museu da Imigração Japonesa, no Bunkyo, Rua São Joaquim, 381 – 3º andar, Liberdade, São Paulo/SP, de terça a sexta, das 9:00 às 17:30 sem intervalo e na segunda-feira e no sábado das 13:00 às 17:30. Quem visita o Museu também poderá encontrá-lo no 9º andar do prédio.

Para adquirir diretamente ou pelo correio:
LIVROCERTO Comércio Ltda. Av. Francisco Tranchesi, 1031, CEP 08270-460 – Parque do Carmo – São Paulo livrocerto@terra.com.br – tel.11 2527-2631
Mais informações sobre cultura pop japonesa: http://www.japop.com.br/

ago 192014
 

Uma teoria do século 17, que recebeu o nome de Nichiyu Dousoron (日ユ同祖論), levantou a hipótese de que o povo do Japão descende em parte das dez tribos perdidas de Israel. O primeiro a falar nisso foi um missionário jesuita chamado João Rodrigues (1561~1634). Ele disse, em 1608, que os povos da China e do Japão descenderiam das tribos perdidas de Israel, embora, posteriormente, ele tenha mudado de ideia.
Em 1870, o escocês Nicholas McLead publicou “Epitome of the Ancient History of Japan”, citando semelhanças entre o Imperador Jimmu e Moisés, e xintoísmo e judaísmo. No Japão, em 1908, o professor Saeki Yoshiro (1872~1965) da conceituada Universidade de Waseda, publicou um livro falando do mesmo assunto e teorizando que o clã Hata (família de presença marcante em Tokushima), que chegou ao Japão passando pela Coreia, era na verdade um grupo judeu.

De tempos em tempos a teoria volta à tona. Não há como comprovar essa ideia, mas os indícios são pelo menos interessantes. Nesta matéria apresentamos um desses indícios, de que o lendário ser das montanhas, o narigudo Tengu, era um judeu.

Tengu é o mais famoso dos espíritos que habitam as montanhas, explica o site oficial da Japan National Tourism Organization. Acredita-se que ele tenha ensinado a arte da espada a um garoto chamado Ushiwakamaru, no século 12. O garoto era o nono filho de um poderoso nobre, mas ao ter seu pai assassinado num conflito, foi recolhido por monges do templo Kurama, e teria sido adotado pelo Tengu, um ser estranho, que habitava no monte Kurama, em Kyoto. Após duros anos de treinamento, Ushiwakamaru recebeu de seu mestre um documento valioso chamado “Tora no Maki” e deixou o monte. Ushiwakamaru se tornou um grande guerreiro, com o seu nome verdadeiro de Minamoto no Yoshitsune e liderou o clã Guenji para derrotar a rival Taira que governava o Japão.

Yoshitsune é um personagem real e o templo e o monte Kurama existem de fato. Agora, o Tengu teria existido? Esses personagens ainda hoje são lembrados no Japão. “Kurama Tengu’ é uma famosa peça do Teatro Noh, e a cena do treinamento de Ushiwakamaru está num belo ukiyoe de Utagawa.

Observação: A nossa ideia é dar abertura para se falar sobre um assunto tão curioso, e que, a partir da simples curiosidade, todos possam pesquisar e aprender mais sobre a história, a geografia e os costumes desses dois povos culturalmente ricos. Acreditar ou não fica a critério de cada um. Publicaremos outras matérias na sequência, apresentando outros indícios apontados por estudiosos do Japão e de Israel. Aguarde!

mar 202014
 

O uniforme escolar feminino japonês, conhecido como sailor fuku, foi derivado do uniforme da escola naval européia e está em uso desde o final do século 19. Os trabalhadores também usam seus uniformes e todos se sentem pertencer a um determinado grupo. O programa Begin Japanology produziu um belo documentário sobre o uso de uniformes no Japão. Esse programa pode ser visto semanalmente na TV NHK do mundo inteiro, mas no Brasil só passa de vez em quando.

Para quem lembra de 'Sound of Music' com a Julie Andrews. há a famosa cena com os uniformes das crianças

Para quem lembra de ‘Sound of Music’ com a Julie Andrews, há a famosa cena com os uniformes das crianças

mar 172014
 

A pesquisadora Cristiane A. Sato, autora de Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa, recomenda esses vídeos do programa Begin Japanology, da TV NHK World. Apresentado por Peter Barakan, o programa é falado ou legendado em inglês e é exibido em várias partes do mundo, mas no Brasil, infelizmente, a programação da NHK World não é a mesma de outros países. Mesmo assim, alguns desses Begin Japanology são exibidos no Brasil, de vez em quando (lá fora é um por semana). Se o público se manifestar, talvez isso seja alterado. A TV NHK faz parte do pacote étnico da TV paga.

Um belíssimo documentário sobre quimonos:

As revistas de moda japonesa são muito segmentadas. O documentário mostra parte desse universo:

jan 052014
 

takashi yanase anpanmanQuem morou no Japão, com certeza, conhece o Anpanman, um personagem de cara redonda, que há 10 anos é o mais querido das crianças japonesas entre 0 e 12 anos. Os números assustam. Com 1170 episódios para TV, a série nunca deixou de ser exibida no Japão desde 1988. A produtora Tokyo Movie Shinsha produziu 24 filmes de longa-metragem com o personagem e mais desenhos de curta-metragem de 24 minutos para acompanhar os longas. Além disso, desde 1988, 24 filmes especiais para o Natal foram produzidos pela mesma empresa.Os livros ilustrados do personagem já venderam mais de 50 milhões de cópias. Seu criador, o desenhista, poeta, escritor, editor e diretor de teatro, Takashi Yanase, criou 1.768 personagens coadjuvantes do Anpanman e figura, desde 2009, no Guinness World of Records como o autor da série animada com a maior quantidade de personagens do mundo.
O sucesso do Anpanman, na verdade, chegou muito tarde para Yanase. Embora a primeira aparição do personagem num livro esteja datada de 1969, só após várias publicações se tornou conhecido. Takashi Yanase, nascido na província de Kochi em 6/2/1919, tinha 69 anos quando o primeiro episódio de Soreike! Anpanman (Vamos lá! Anpanman) foi ao ar pela Nippon TV e ganhou notoriedade. Antes disso, era um ilustrador free-lancer, embora já tivesse recebido importantes prêmios por outros trabalhos de mangá e animê.
takashi_yanaseA TV NHK fez um documentário sobre o autor Takashi Yanase, onde ouviu seus amigos, e constatou que a história do Anpanman não é tão infantil como aparenta ser. “Anpan” é aquele pão doce com “anko” (doce de feijão). Já no primeiro livro publicado, Anpanman arranca um pedaço da sua cabeça para alimentar uma pessoa que está passando fome. Assustador? É que Yanase perdeu o pai quando tinha 5 anos e teve que ir morar com um parente após sua mãe casar novamente. Com 24 anos, teve que ir lutar na Segunda Guerra Mundial. Sobre aqueles anos, ele escreveu mais tarde que passou fome e estava muito fraco, mas sobreviveu. Talvez, a idéia de um super-herói que possa oferecer um pedaço de si para matar a fome tenha originado nessa época. Depois da guerra, trabalhou como ilustrador de um jornal de Kochi e como operador da loja de departamentos Mitsukoshi até se tornar um desenhista independente.
As músicas de abertura e de encerramento da série de TV, compostas por Yanase, alcançaram grande sucesso nacional. Curiosa é a letra da música de abertura, “Anpanman no March” (A Marcha do Anpanman) onde se diz “ikiru yorokobi”, ou seja, “alegria de viver”, seguido por “nanno tame ni umarete, nani wo shite ikunoka”, que pode ser traduzido como “para que se nasce e o que vamos fazer em vida”, reflete o lado existencial e a mensagem que o autor queria deixar para as crianças. Essa música foi tocada repetidamente no Noroeste do Japão, no abrigo das vítimas do terremoto e tsunami de março de 2011, porque ela encorajava as pessoas a prosseguirem, após perderem as casas, pais, filhos e tudo que possuíam. Yanase teria composto essa música lembrando do seu irmão mais novo e brilhante que estudava na Universidade Imperial (atual Universidade de Tokyo) quando foi chamado para a 2ª Guerra e acabou falecendo como piloto kamikaze. Ele sempre questionou a razão dessa perda, que foi irreparável, pois era o seu único irmão e ele não tinha mais os pais.
O sucesso do Anpanman foi transferido para Game Boy, Nintendo, Play Station, Wii e Sega, e em 2007 foi inaugurado o museu infantil Anpanman em Yokohama. Seguiram-se os museus de Sendai e Kobe, e o museu e parque temático em Nagoya.
Takashi Yanase faleceu no dia 13/10/2013, em Tóquio, com 94 anos de idade.

Takashi Yanase conheceu a Abrademi

Foto histórica: desenhista Yoko Imamura, Noriyuki, Sonia Luyten, Ryotaro Mizuno e Takashi Yanase, no hotel Shibuya Tokyu Inn, em 1985

Foto histórica: desenhista Yoko Imamura, Noriyuki, Sonia Luyten, Ryotaro Mizuno e Takashi Yanase, no hotel Shibuya Tokyu Inn, em 1985

“Como presidente da Abrademi, tive a oportunidade incrível de conhecer pessoalmente Takashi Yanase, no Japão. Fui conhecer a terra dos meus pais graças a uma bolsa da Associação de Intercâmbio Brasil-Japão e estava representando a Universidade de São Paulo. Como a bolsa era de apenas um mês, tinha apenas alguns dias livres para fazer o que eu queria. Pedi para agendar uma visita à Associação de Mangá do Japão (JCA) para apresentar a Abrademi, e consegui almoçar com alguns representantes dessa Associação em Tóquio. Era 1985, e a professora Sonia Luyten, que na época morava em Osaka, foi comigo nesse encontro.

Naquele ano, Takashi Yanase ainda não era um autor conhecido, porque o Anpanman ainda não tinha estourado no mercado. Lembro dele como um profissional independente, que publicava livros ilustrados. Até saber do falecimento dele, eu achava que ele era muito mais novo, porque eu tive a impressão de estar falando com alguém mais jovem, que poderia ter uns 45 anos (ele tinha 64) naquela época. Aprendi com ele que ainda tenho muito o que fazer, e que eu estou apenas começando…”

Francisco Noriyuki Sato
Ex-presidente da Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações (Abrademi)

yoko imamura himitsu no akkoPara quem não conhece, o principal trabalho da desenhista Yoko Imamura foi o shojo mangá “Himitsu no Akko-chan”, publicado na década de 60 e 70 (desenho ao lado).

Outros textos sobre mangá estão no site da Abrademi