jul 112014
 

festival de ceramica casarao do cha mogi 2014

festival de ceramica casarao do cha mogi
O Festival de Cerâmica do Casarão de Chá de Mogi das Cruzes acontece no domingo, 3 de agosto de 2014, das 10 às 17 horas, reunindo mais de mil peças de cerâmica, de diversos artistas, para venda. Haverá demonstração de torno e de queima da cerâmica (raku), além de uma feira de artesanato, comida, plantas e animais, e também degustação de chá.

A promoção é da Associação Casarão do Chá, que fica na Estrada do Chá, no bairro do Cocuera, em Mogi das Cruzes. Tel. 11 4792-2164.

O interessante é a oportunidade de visitar o Casarão do Chá, um dos ícones da imigração japonesa no Brasil. A casa foi erguida pelo carpinteiro japonês Kazuo Hanaoka em 1942 para abrigar uma fábrica de chá preto para exportação. Mas o negócio foi declinando e a fábrica foi abandonada, ficando 17 anos aguardando restauração. Essa é uma construção única no Brasil. Feita toda de madeira, não utiliza um único prego ou parafuso, e até troncos de árvores tortas no formato natural foram utilizados em seu interior. A parte frontal lembra um pouco o estilo de um castelo japonês, o que é incomum, mesmo no Japão. O prédio faz parte do patrimônio cultural nacional e foi tombado pelo IPHAN. Vale a pena visitar! Se não puder ir na ocasião do Festival de Cerâmica, poderá visitá-lo qualquer domingo, das 9 às 17 horas. A entrada é franca.

A Associação Casarão do Chá, fundada pelo famoso ceramista Akinori Nakatani, idealizou a reforma, que devido a sua complexidade, demorou para ser executada, sendo inaugurada no dia 1º de junho de 2014.
Veja no vídeo uma matéria recente sobre o Casarão de Chá

mar 142014
 

exposicao ikebana rio

Coquetel de abertura: dia 20 de março de 2014, quinta-feira, das 19h30 às 21h30

Exposição: de 21 a 30 de março de 2014 – aberta de terça a domingo, das 10h às 18h

Oficinas de Ikebana: dias 22, 23, 28, 29 e 30 de março, das 15h às 17h

Vagas limitadas. Inscrições gratuitas através do e-mail: cultural@ri.mofa.go.jp

Local: Forte de Copacabana – Praça Coronel Eugênio Franco, 1, Posto 6, Copacabana, Rio de Janeiro

fev 212014
 

cintia souza

“Introdução ao Design Gráfico Japonês” é o tema de uma aula avulsa que a Abrademi está programando para o dia 9 de março, na sede da Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil, na Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – Vila Mariana.
A aula será ministrada pela Cíntia Regina de Souza, carioca formada em design gráfico no Brasil que se especializou no estilo japonês, cursando a conceituada escola Yoyogi Animation e a Escola de Belas Artes Yuzawaya, morando cinco anos no Japão onde trabalhou como designer.
Conteúdo da aula:
– Elementos gráficos japoneses e símbolos do Japão;
– Noções básicas de ordem de escrita japonesa e tipos de escrita;
– Teste de criatividade e estimulação visual para orientalização do design.
Público alvo: Pessoas do meio publicitário e de marketing que estejam sintonizados ou desejam entrar em contato com o mercado nikkei ou japonês. Artistas gráficos / visuais / diagramadores, ilustradores e estudantes de design, artes plásticas, etc., que tenham interesse em adquirir novos conhecimentos para agregar um diferencial em sua profissão.

INTRODUÇÃO AO DESIGN GRÁFICO JAPONÊS (Módulo 1)
Data: Domingo, 09 de março de 2014 – das 9h – 12h
Local: Associação Cultural Mie Ken – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – 1º andar – saída do metrô Vila Mariana – São Paulo.

Taxa Única: R$ 38,50 (incluindo apostila)
Maiores informações: ABRADEMI

maio 142013
 

nihon_no_biO evento Nihon no Bi – Beleza do Japão, que acontece nos dias 17 a 19 de maio, traz ao público exposições, música e arte, além do lançamento de um livro. A entrada é franca.
O hall do Grande Auditório do Bunkyo recebe a exposição dos professores da Associação de Ikebana do Brasil, num total de 100 arranjos de todas as 13 escolas de ikebana associadas. Além da exposição, os professores também promovem workshops fazendo uma breve introdução e demonstração dos princípios básicos da ikebana, visando estimular a prática dessa arte entre os visitantes.
No Salão Nobre, o Centro de Chadô Urasenke do Brasil promove várias sessões de demonstração da cerimônia do chá num cenário especialmente montado para a ocasião. Também, os professores da Associação Brasileira de Música Clássica Japonesa se apresentam com uma audição de koto, shamisen e shakuhachi.
O espaço ainda conta com a participação dos artistas das Comissões de Arte Craft e Artes Plásticas do Bunkyo, bem como seus convidados, numa exposição coletiva.
A cerimônia de abertura do evento acontece no dia 17 de maio, às 19h, quando também será realizado o lançamento do livro “Hana – Flor – A flor na natureza e cultura do Japão”, em português, publicado pelo Centro de Chadô Urasenke do Brasil.
18 e 19 de maio, sábado e domingo, das 10h às 18h, na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência, Rua São Joaquim, 381 – Liberdade – São Paulo – SP, Informações: (11) 3208-1755.

mar 192013
 

Radicado no Japão desde 2005, Roberto Maxwell levou sua câmera atenta para as regiões afetadas pelo tsunami um ano depois da tragédia que dizimou mais de 16000 vidas e deixou prejuízos na casa dos bilhões de dólares.
Foram diversas viagens que geraram material fotográfico e três documentários em vídeo, além de diversos outros registros. A partir do material coletado, o autor fez uma análise do processo de reconstrução do principal bem de uma sociedade: os laços comunitários.

Kome de Roberto Maxwell

Roberto Maxwell chegou ao Japão como professor, através de intercâmbio, na Universidade de Shizuoka. Durante o programa, estudou a comunidade brasileira de Yaizu, em Shizuoka, e passou a escrever sobre os imigrantes no Japão. Foi produtor da TV Record e da TV Globo no Japão, e fez parte da equipe da TV NHK World. Ele fotografou, filmou e escreveu sobre as regiões afetadas pelo tsunami e a reconstrução do Japão após a tragédia. O resultado é o livro digital que recebeu o título de “Kome”. ‘Kome’ quer dizer “arroz” em japonês. Além de ser a base da alimentação de diversas sociedades asiáticas, o arroz exerce um forte poder aglutinador entre os povos que o consomem. “Depois da grande tragédia de 11 de março de 2011, me interessei em entender como os sobreviventes estavam se reorganizando em comunidades”, explica o autor em seu site, onde apresenta alguns de seus documentários. No video abaixo, o artista brasileiro Titi Freak foi até Ishinomaki, uma das cidades japonesas mais atingidas pelo tsunami de 2011, para produzir murais nas residências temporárias e interagiu com os moradores.

O livro de Roberto Maxwell, Kome, que tem 70 páginas, pode ser baixado gratuitamente pelo itunes neste link, para ser lido num iBook ou iPad.