Mestres da arte de construir Butsudan, o altar budista

 

Embora o budismo esteja presente em Kanazawa há muito tempo, pois o monge Keizan Zenji (1227 ~ 1325) levantou ali perto o templo Sojiji, que iria ser a base da escola Soto Zen, foi a difusão do budismo Jodo Shinshu que propagou a utilização do Butsudan nas casas das pessoas comuns. Jodo Shinshu chegou na região por volta do século 17, e coincidiu que havia em Kanazawa muitos artesãos disponíveis, uma vez que o chefe do clã Kaga, Toshitsune Maeda, havia investido no ensino dessas técnicas, trazendo mestres de Kyoto e Osaka. Posteriormente, seus descendentes difundiram a idéia de que todas as famílias deveriam ter seu próprio Butsudan em casa.

Assim, Kanazawa passou a ser o maior produtor de Butsudan do Japão. No meio do Período Edo, com a proibição de transferência de artesãos entre os feudos, fortaleceu-se um estilo próprio da região, diferente dos estilos praticados nos altares de outras regiões.

Primeiro, a madeira, geralmente das árvores Ginkgo e Hiba Arborvitae, são trabalhadas, fazendo-se encaixes precisos e detalhes, sempre levando em conta a espessura que terá o acabamento laqueado. Separadamente são feitos os enfeites do altar, com entalhes minuciosos e muitas pequenas peças são feitas e encaixadas.

Entalhes – É utilizado o pinho vermelho para as peças externas a serem entalhadas. As peças são laqueadas manualmente ou recebem as finas folhas de ouro.

Na decoração interna são utlizados os “maki-e” decorados em papel japonês “washi” que são adornados com pó de ouro ou prata.

Todas as peças, exceto os papéis, são polidos, recebendo camadas de verniz transparente e uma pasta oleosa, os quais irão corrigir quaisquer imperfeições na superfície. Cada uma das fases é executada por um especialista, portanto, são vários artesãos trabalhando para um Butsudan. Depois, chega a fase da montagem, e aqui aparece um profissional que produz na mão as peças metálicas, como dobradiças, testeiras e travas de fechamento. Essas peças, feitas em finas chapas de liga de cobre (latão, bronze) também são trabalhadas, entalhadas e obedecem a estética geral do altar construído.

O latão ganha forma e desenho, e muda de espessura na mão do artesão

DSCN4209reduzTakayuki Sugibayashi é um hábil artesão, com experiência de 46 anos na arte de esculpir chapas de latão. Das mãos dele saem as dobradiças e outras peças metálicas, cuidadosamente adornadas com o uso de ferramentas simples feitas por ele mesmo. Esses artesãos estão desaparecendo no Japão. Kanazawa, que é o maior centro produtor, só tem dois profissionais (incluindo ele). Primeiro, a chegada do Butsudan feito na China, mais barato, diminuiu o mercado de trabalho. O mestre Sugibayashi conta que o seu filho aprendeu a técnica e estava trabalhando, mas como tinha poucos pedidos, ele desistiu e foi trabalhar numa outra área. Depois, quase todas as famílias já possuem Butsudan em casa e há casos daquelas que não as querem mais e acabam levando para depositar nos templos. Muitas famílias moram em pequenos apartamentos, onde qualquer espaço faz diferença. O que há hoje são reparos dos altares antigos em uso. “Os Butsudans de boa qualidade duram 200 anos, mas é preciso fazer manutenção a cada 50 anos”, explica o mestre. É quando a tinta começa a perder o brilho e alguns Butsudans mais antigos, onde foram utilizadas as dobradiças de cobre, que é mais mole, precisam da substituição de peças. Ele faz questão de confeccionar a peça exatamente como era o original da época.

butsudanN4201O mestre Sugibayashi conta que iniciou na profissão por acaso. Ele havia terminado o colegial e não havia conseguido um emprego que almejava. Ele participava de um grupo que fazia teatro amador de marionete, e um dos colegas tinha um pai que trabalhava no setor. Certo dia, ele disse que o pai estava precisando de ajuda para fazer alguns trabalhos. E assim, ele foi aprendendo e acabou se dedicando a vida inteira àquele ofício.

Há um esforço do governo de Ishikawa e também dos artesãos para dar continuidade à tradição. O governo instalou o Museu de Artes e de Manufaturas Tradicionais, onde faz exposições e os visitantes podem participar de oficinas e conversar com os próprios mestres sobre as várias modalidades artísticas da arte de Kaga (nome antigo da região de Ishikawa).

O Museu fica no meio da cidade de Kanazawa, no maior parque da cidade, o Kenrokuen. http://ishikawa-densankan.jp/

O site está em japonês, e tem a descrição de todos 36 tipos e estilos artísticos praticados tradicionalmente na região, além do mapa de localização.

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)