set 112018
 

Projeto será realizado no Pavilhão Japonês, no Parque do Ibirapuera, de 7 a 23 de setembro

O Pavilhão Japonês do Parque do Ibirapuera recebe, de 7 a 23 de setembro, o projeto Kyojitsu-Hiniku: Between the Skin and the Flesh of Japan — Sob a Pele – Sobre a Carne do Japão. De 7 a 23 de setembro, serão realizados uma exposição coletiva e vários eventos públicos, com a curadoria de Naoko Mabon, com a cooperação da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (BUNKYO) e apoio da Fundação Japão em São Paulo e Consulado Geral do Japão em São Paulo.

O evento, que faz parte dos eventos em comemoração aos 110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil, coincide com a 33a Bienal de São Paulo, que também acontece no Parque do Ibirapuera.

Para a exposição, foram convidados cinco artistas a tratar de maneira poética, física ou conceitual questões de identidade nacional, social ou individual do Japão, da imigração ou de elementos que reflitam a memória ou experiência dos imigrantes.

Faz parte da programação evento com o artista Satoshi Hashimoto, performances de dança de Danilo Silveira e Beatriz Sano, conversa com os artistas Takanori Suga, Juliana Kase e performance sonora-visual de Rodrigo Amor Experimental e Evandro Nicolau.

O título do projeto, ‘Kyojitsu-Hiniku’, se refere à teoria artística de Monzaemon Chikamatsu (1653-1725), apresentada em seu primeiro ensaio sobre Joruri, a arte tradicional japonesa de bonecos.

O projeto apresentará diversas interpretações e entendimentos a respeito da história e da complexidade da imigração Japonesa no Brasil, representando uma oportunidade para refletir de forma muito mais abrangente, abrindo discussões amplas para além de origens, línguas e culturas específicas.

Mais informações sobre o projeto e sua programação estão disponíveis no site

https://kyojitsu-hiniku.tumblr.com/.

 

PROGRAMAÇÃO

(agenda de eventos: goo.gl/sGd9cH):
 09/09, domingo, às 15h: Evento com: Satoshi Hashimoto
 15/09, sábado, às 14h: Performance de dança: Danilo Silveira
 15/09, sábado, das 15h às 17h: Conversa com a artista Juliana Kase
 22/09, sábado, às 14h: Performance de dança: Beatriz Sano
 22/09, sábado, das 15h às 17h: Conversa com artista: Takanori Suga
 23/09, domingo, às 16h: Performance de sonora-visual: Rodrigo Amor Experimental e Evandro Nicolau

ARTISTAS

Juliana Kase –  Nascida em Curitiba, em 1980, Juliana atualmente vive e trabalha em São Paulo. Uma artista contemporânea nipo-brasileira, cuja prática artística abrange diversas linguagens da imagem bidimensional em relação ao contexto em que se insere – desde instalações em relação à arquitetura, até clichês usados de imprensa em relação ao contexto social-histórico-político ou, ainda, dirigindo um documentário sobre a obra poética do Editor Massao Ohno – sempre prestando atenção a função que a imagem e a arte desempenham. Sua exposição individual mais recente, Clichês (São Paulo, 2017), incluía uma instalação de um mapa alternativo da América Latina, em que os visitantes eram convidados a imprimir os nomes das línguas indígenas que compunham o Mapa. Para este projeto, Kase, que retornou recentemente de sua primeira visita ao Japão para pesquisar sobre o conceito de imagem no teatro Nô e outras artes japonesas, criará um novo trabalho em vídeo-projeção dialogando com o Pavilhão Japonês. Com base em entrevistas e encontros presenciais, seu novo filme explora nossas memórias pessoais e sociais e como esses elementos se sobrepõem ou produzem lacunas, além do tempo, da cultura e da localização. Para dar uma dimensão material à pesquisa, dois artistas de São Paulo – Danilo da Silveira e Beatriz Sano – serão convidados para a apresentação de dança durante a exposição em diálogo com o filme de Kase. Mais sobre a artista em http://galeriapilar.com/en/artistas/juliana-kase/

Danilo Silveira – Bailarino, natural da cidade de Araçoiaba da Serra, interior de São Paulo, é doutorando em Artes Cênicas pela USP e Bacharel em Dança pela Universidade Estadual do Paraná. Estudou dança na Universidad Mayor, em Santiago, no Chile. Criou o solo de dança Garoa, aprovado pelo Edital Proac 2014. Atualmente integra o coletivo Olho D’Água: Proposições Artísticas, do qual é propositor do projeto Paisagens Invisíveis, aprovado pelo Edital Proac 2017.

Beatriz Sano – Coreógrafa, dançarina e professora, graduou-se em dança pela Unicamp e faz parte da Key Zetta & Cia desde 2009. Em 2015, ganhou o prêmio Denilton Gomes de bailarina revelação pelo espetáculo SIM da cia. Em 2013, foi contemplada pela bolsa Rumos Itaú Cultural, na carteira de residência artística. Em 2016, foi ao Japão aprofundar a técnica de seitai-ho e teatro noh, que pratica no Brasil desde 2011 com Toshi Tanaka.

Takanori Suga – Nasceu em Nagasaki, em 1985, e atualmente vive e trabalha em Chiba. A prática artística de Takanori Suga se refere com frequência ao graffiti, uma forma de street art, na qual a existência humana é evidenciada pela inscrição de uma assinatura própria ou uma imagem simbólica que a representa. Para este projeto, Suga visitará São Paulo para criar um novo trabalho público em local específico de sua série Dripping Project, que será uma resposta artística direta à construção singular do Pavilhão Japonês. A série Dripping Project é conhecida por sua intervenção marcante e expressiva em nossa paisagem cotidiana através da instalação de imagens de gotejamentos de tinta brancos gigantes em frente a arquiteturas históricas e construções, como por exemplo, a antiga Casa Oficial de Kyoto; a antiga escola de ensino fundamental em Kagoshima; um parque em Asakusa, com a icônica torre Skytree de Tokyo ao fundo; o histórico portão de entrada da cidade Kakeo Onsen em Saga; entre outros. A imagem do gotejamento branco pode nos lembrar uma cachoeira, que é tradicionalmente um motivo frequente nas artes e ofícios japoneses ou mesmo nos lembrar do início energético da vida primitiva. A cor branca é escolhida para representar a ideia oriental do ‘intervalo’ ou ‘MA’ (espaço ou relação entre as coisas). Assim, esta série almeja evocar a paisagem e construir um ambiente que vemos diariamente de um ponto de vista ou contexto totalmente diferente ao inserir ‘o intervalo como caos’ ou ‘MA como um espaço e tempo brancos’ na arquitetura ou paisagem organizada.

Detanico Lain – A dupla é formada por Angela Detanico, nascida em Caxias do Sul, em 1974, e Rafael Lain, também de Caxias do Sul, em 1973. Atualmente, vivem e trabalham em Paris, na França. No centro de seus interesses artísticos está a visualização do conceito de linguagem ou de objeto. Sua abordagem estabelece um diálogo com a Poesia Concreta, que surgiu nos anos 1960 e se desenvolveu desde então espontaneamente pelo mundo. Detanico Lain participou de uma residência artística por seis meses em Villa Kujoyama, administrado pelo Instituto francês do Japão, em Quioto, investigando o trabalho de Katsue Kitazono (1902-78), um poeta e crítico japonês que introduziu a Poesia Concreta no Japão e desenvolveu ‘Plastic Poetry’ (Poesia Plástica) como resposta ao movimento. ONDA é uma peça escultural, feita de sal e instalada no chão. A forma de onda é baseada na tabela de linguagem visual que os artistas desenvolveram, traduzindo cada letra do alfabeto em uma forma de onda. Esta peça se torna uma representação particularmente poética e bela se pensarmos sobre a história e memória dos imigrantes japoneses que atravessaram inúmeras ondas entre os dois países por anos e gerações. Mais sobre a dupla em http://detanicolain.com/

Satoshi Hashimoto – Nascido em Tóquio, 1977, local onde vive e trabalha ainda hoje. Criou muitas obras em que envolve os visitantes, questionando-os sobre o seu papel na experiência de apreciação artística, em forma de performances, ações e instruções visando a indução de suas próprias reações. Para este projeto, Hashimoto criará uma instalação site-specific dedicada ao Pavilhão Japonês. A instalação será baseada em trabalhos recentes, como Untitled (Rio / Tokyo), que leva sua referência de Untitled (Perfect Lovers), de Felix Gonzalez-Torres, consistindo de dois relógios procedendo exatamente na mesma velocidade. Hashimoto dá ao trabalho um segundo título, Untitled (Rio /Tokyo). O Japão e o Brasil estão em lados exatamente opostos da Terra, assim os ponteiros do relógio apontam para os mesmos números, mas na verdade representam tempos opostos do dia. Esta peça levou-o a perceber que as bandeiras dos dois países também correspondem dessa maneira. A bandeira japonesa tem um círculo vermelho no centro representando o sol, enquanto a bandeira brasileira apresenta o céu noturno. Quando as duas bandeiras são sobrepostas no mesmo tamanho, o círculo do céu noturno cobre o sol vermelho, formando assim um eclipse total. Hashimoto também conduzirá um evento durante o período da exposição em que abordará e questionará os papéis dos ‘jogadores na exposição com a participação dos visitantes.

Hikaru Fujii – Nasceu em Tokyo, em 1976, onde vive e trabalha atualmente. É conhecido por seu trabalho que lida com material de arquivo com foco nas linguagens do vídeo e filme para apresentar reinterpretações de eventos sociais, história, memória e relacionamentos, assim como uma nova esperança para o futuro. Sua produção abrange não apenas instalações e vídeo, mas também workshops, documentários e escrita e direção para teatro e cinema. Playing Japanese é uma instalação de vídeo, desenvolvida a partir de material colhido durante um workshop. O artista convidou membros do público para “performar” o que significaria ser japonês, como entendemos e identificamos “a singularidade dos Japoneses”, explorando identidades e construções sociais, assim como problemas políticos com a cultura japonesa. O workshop foi uma recriação de eventos ocorridos 100 anos atrás – na época da Exposição Industrial Nacional de Osaka, de 1903. Esta peça recebeu o Grande Prêmio no prestigioso Nissan Art Award em 2017.

 

Pavilhão Japonês – O Pavilhão Japonês está localizado no Parque Ibirapuera, no coração da cidade de São Paulo. Foi construído conjuntamente pelo governo Japonês e pela comunidade nipo-brasileira e foi doado à cidade de São Paulo em 1954, em comemoração ao aniversário de 400 anos da cidade. Foi projetado pelo famoso arquiteto japonês Sutemi Horiguchi (1895-1984), conhecido por seu anseio em encontrar uma forma harmoniosa entre a arquitetura tradicional japonesa em madeira e a arquitetura moderna ocidental. Toda a madeira utilizada na construção foi enviado do Japão e montado no local, utilizando-se uma técnica tradicional que dispensa pregos. O estilo Shoin também pode ser notado em sua estrutura, acredita-se que inspirada na Vila Imperial de Katsura, de Quioto. O edifício principal possui uma sala de exposições com arte e arte popular japonesa e uma sala de chá. Perto do Pavilhão há um jardim em estilo japonês repleto de plantas, árvores ornamentais e uma rocha vulcânica trazida do Japão. Há também um lago cheio de carpas, que podem ser alimentadas pelos visitantes.

Kyojitsu-Hiniku: Between the Skin and the Flesh of Japan — Sob a Pele – Sobre a Carne do Japão

CURADORIA: Naoko Mabon (Curadora japonesa independente, vive na Escócia)
COOPERAÇÃO: Comissão Comemorativa dos 110 Anos de Imigração no Brasil – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (BUNKYO)
COLABORAÇÃO: Evandro Nicolau e Rodrigo Munhoz
APOIO: Consulado Geral do Japão em São Paulo e Fundação Japão em São Paulo

Kyojitsu-Hiniku: Between the Skin and the Flesh of Japan — Sob a Pele – Sobre a Carne do Japão

Datas: de sexta-feira, 7 de setembro, a domingo, 23 de setembro de 2018
Local: Pavilhão Japonês, Parque Ibirapuera – Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3 e 10, s/n – Parque Ibirapuera, São Paulo
Horário de funcionamento: 10h às 12h, 13h às 17h, às quartas, sextas, sábados e domingos
Ingressos: R$ 10 | Estudantes e maiores de 60 anos: R$ 5 reais | 65 anos e mais: grátis
Mais informações: info@wagonart.org

set 062018
 

A sétima aula (do total de 9) aborda o Período Taisho e o começo do Período Showa. São aulas avulsas, mesmo quem não assistiu as anteriores poderá participar.

Essa aula aborda o Japão que já alcançou as potências ocidentais e o mundo passa por uma fase de turbulência, com a Primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa, e caminhando para a Segunda Guerra Mundial.

Aula 7 – História do Japão. Dia 06/10/2018, sábado, das 9 às 12 horas.

As inscrições são realizadas por aula. Cada aula tem o valor de R$ 35,00 (mais a taxa do Sympla de R$ 3,50).

A inscrição também poderá ser feita no local da aula, sem a taxa do Sympla, mas com antecedência e até o dia 03/10.

Não haverá reembolso por desistência. Mas se a desistência for comunicada até o dia 03/10/2018 pelo e-mail abrademi@abrademi.com, o valor pago poderá ser transferido para a aula seguinte (de 10/11/2018).  Quando não houver mais vaga, o interessado poderá enviar e-mail para ficar na lista de espera.

Local: Associação Cultural Mie, na Avenida Lins de Vasconcelos, 3352, Vila Mariana, na saída da Estação Vila Mariana do metrô. Há estacionamento pago no prédio.

Esse curso, com algumas diferenças na distribuição do conteúdo por aula, foi realizado em 2017 alcançando grande sucesso. Foi ministrado gratuitamente para mais de 200 alunos em cada uma das aulas, e os próprios alunos sugeriram que fosse realizado para um público menor, para que o aproveitamento fosse maior. Assim, o grande salão utilizado anteriormente foi substituído por uma sala menor, e os alunos disporão de mesa ou cadeira universitária para possibilitar as anotações. Por isso, as vagas são limitadas. A sala está equipada com ar condicionado, projetor e microfone. As aulas são avulsas, portanto, não é necessário ter assistido as anteriores para participar desta.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, Embaixada e Consulado Geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, e é presidente da Abrademi e editor do site culturajaponesa.com.br. Trabalhou na Jetro, Japan External Trade Organization, foi também bolsista da JICA, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016. Desde 2017 ministra o curso de História do Japão.

apoio: Fundação Japão e Centro Brasileiro de Língua Japonesa

ago 092018
 

Para celebrar a vida e a obra de Yukio Mishima, a Fundação Japão promove, de 9 a 23 de agosto, o evento Redescobrindo Yukio Mishima: cinema, literatura e performance. O especial inclui mostra de cinema, rodas de leitura, palestras e performance, em uma extensa programação em diversos pontos da capital paulista.

Esta é uma excelente oportunidade para o público brasileiro conhecer ou se aprofundar na história e obras de Yukio Mishima, pseudônimo escolhido pelo japonês Kimitake Hiraoka (1925-1970). O evento contará com a vinda de dois especialistas japoneses em Mishima: a Professora Makiko Kitani, da Universidade Doshisha, e o Professor Kin’ya Sugiyama, da Universidade Kanazawa, acompanhados pelo Professor Andrei Cunha, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e de jovens pesquisadores brasileiros do Curso de Letras – Japonês da Universidade de São Paulo.

Outro destaque será a performance de butô de Emilie Sugai, baseada na obra Sol e Aço, traduzida pelo escritor Paulo Leminski. Todas as atividades deste especial terão entrada gratuita, muitas delas com vagas limitadas, portanto a retirada de ingressos poderá ser necessária.

Confira a programação completa e as informações sobre ingressos aqui.

A vida e a morte de Yukio Mishima

Nascido em Yotsuya, um bairro localizado em Shinjuku, Tóquio, em 14 de janeiro de 1925, o artista é hoje conhecido e reconhecido no Japão e em várias partes do mundo. Yukio Mishima desenvolveu diversas habilidades ao longo do tempo. Entre elas, trabalhou junto ao governo japonês e percorreu o mundo como correspondente do Jornal Asahi. Foi nessa época, 1952, que visitou o Brasil, passando pelo Rio de Janeiro, Lins e São Paulo.

Ao longo de sua carreira, escreveu romances, poemas, ensaios e peças teatrais e atuou no cinema. Suas obras literárias estão entre as primeiras a serem divulgadas no Brasil, tendo o auge ocorrido na década de 1980. Mishima concorreu a três prêmios Nobel de literatura em sua vida.

Grande admirador das tradições milenares japonesas, especialmente dos samurais, Yukio Mishima planejou sua morte com o mesmo cuidado e dramaticidade com que trabalhou suas obras. Depois de um discurso patriótico, cometeu suicídio, em um ritual denominado seppuku. Assim, de acordou com a tradição samurai, rasgou o próprio ventre com um sabre, em 25 de novembro de 1970.

Mostra de Cinema

A Mostra de Cinema do evento Redescobrindo Yukio Mishima: cinema, literatura e performance acontece na Cinemateca Brasileira, localizada na Vila Clementino, com ingressos distribuídos uma hora antes de cada sessão.

Compõem a programação os clássicos O homem do vento cortante (Karakkazeyarô / からっ風野郎), de Yasuzô Masumura; Ken: A espada (KEN, ), de Kenji Misumi; Conflagração (Enjô, 炎上), de Kon Ichikawa; O Templo do Pavilhão Dourado (Kinkakuji, 金閣寺), de Yôichi Takabayashi; Mar inquieto (Shiosai, 潮騒), de Senkichi Taniguchi; O equívoco da virtude (Bitoku no yoromeki, 美徳のよろめき), de Kô Nakahira; e Neve de primavera (Haru no yuki, ), de Isao Yukisada.

Os filmes serão exibidos em cópias de 35mm ou 16mm, com legendagem eletrônica.

A exibição do dia 18 de agosto, sábado, será precedida de apresentação dos professores doutores Makiko Kitani (Universidade Doshisha) e Kin’Ya Sugiyama (Universidade Kanazawa), que vieram do Japão especialmente para o evento. Após a exibição, os convidados seguirão no auditório para a palestra “Yukio Mishima – às vésperas dos 50 anos de sua morte”, ministrada pela Profa. Kitani, seguida de bate-papo com o público, acompanhada do Prof. Dr. Andrei Cunha, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Rodas de Leitura

Duas rodas de leitura convidam os apreciadores da literatura de Mishima a um debate sobre as obras Confissões de uma Máscara, Neve de Primavera e outras obras do autor. Com a coordenação de Thainá Garcia e Davi Vassão Rodrigues, ambos da USP, os eventos acontecem, respectivamente, nos dias 10 e 11 de agosto.

A primeira roda acontece às 20h, na Sala Multimídia da Casa da Cultura Japonesa, na Universidade de São Paulo. A segunda, das 15h às 16h30, na Cinemateca Brasileira.

Performance de Butô

A performance Sol e Aço da performer Emilie Sugai, é livremente inspirada na obra de mesmo nome, um dos últimos livros de Mishima.

Coreógrafa, dançarina de butô e performer, Emilie Sugai desenvolve uma linguagem própria e singular, em criações solos e em grupos, fruto de suas inquietações artísticas e de vida.

“Em Sol e Aço, vislumbro um caminho para o ato criativo do corpo, a busca pela loquacidade do corpo, o pensamento do corpo que emerge do silêncio e da corrosão das palavras: a linguagem da carne na compreensão do sentido da existência e da ação”, afirma Emilie Sugai.

Palestras

Além da palestra dos professores doutores Makiko Kitani (Universidade Dooshisha) e Kin’ya Sugiyama (Universidade Kanazawa), no dia 18 de agosto, durante a Mostra de Cinema, também haverá a participação dos convidados nos dias 22 e 23 de agosto.

No dia 22, quarta-feira, a Profa. Dra. Makiko Kitani estará na Japan House, às 19h, para a palestra “Yukio Mishima – o Kabuki, a Era Meiji e o Brasil”. No dia 23, às 19h30, será a vez do Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama na Sala Multimídia da Casa de Cultura Japonesa na USP, com “Confissões de uma Máscara e o mar”.

Profa. Dra. Makiko Kitani

Especialista em literatura moderna japonesa, atualmente é Professora Doutora no Center for Japanese Language and Culture, da Universidade Doshisha, no Japão. O foco de sua pesquisa está em Yukio Mishima e teatro, com várias publicações sobre o assunto. O filme Neve de Primavera, de Isao Yukisada, que será exibido no dia 18 de agosto, contou com a sua participação na supervisão da linguagem de Kyoto.

Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama

Concluiu o doutorado na Universidade de Tsukuba e desde o ano de 2009 leciona na Universidade de Kanazawa, Japão, no Instituto de Ciências Sociais e Humanas. Especialista em literatura japonesa, foi professor visitante na Universidade de São Paulo, entre 2016 e 2017. Dentre suas publicações, há vários livros sobre Yukio Mishima.

 

Prof. Dr. Andrei Cunha

Tradutor literário (japonês-português), concluiu o doutorado em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua no curso de Bacharelado Tradutor Português/Japonês e no Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS, na linha de pesquisa Teoria, Crítica e Comparatismo. É pesquisador na área de Letras, com ênfase em Estudos de Tradução e Literatura Comparada.

ENDEREÇOS

Cinemateca Brasileira
Endereço: Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino, São Paulo-SP
Informações: (11) 3512-6111

Universidade de São Paulo (USP)
Endereço: Av. Professor Lineu Prestes, 159 – Cidade Universitária, São Paulo-SP
Informações: (11) 3091-2426

JAPAN HOUSE São Paulo
Endereço: Av. Paulista, 52 – 1º andar – Bela Vista, São Paulo-SP
Informações: (11) 3090-8900

MOSTRA DE CINEMA

Data: 9 a 19 de agosto, de quinta a domingo
Local: Cinemateca Brasileira – Programação e sinopses: Clique aqui!
(necessário retirar senha uma hora antes do evento, no local)

RODAS DE LEITURA

“Confissões de uma máscara” e “Neve de Primavera”, de Yukio Mishima
Data: Sexta-feira, 10 de agosto – Horário: das 20h às 22h
Local: Sala Multimídia da Casa de Cultura Japonesa, USP
(30 vagas, necessário retirar senha uma hora antes do evento. Leitores de outros livros do autor são bem-vindos.)

“Confissões de uma máscara” e “Neve de Primavera”, de Yukio Mishima
Data: Sábado, 11 de agosto – Horário: das 15h às 16h30
Local: Cinemateca Brasileira
(Necessário retirar senha uma hora antes do evento. Sujeito à lotação da sala. Leitores de outros livros do autor são bem-vindos.)

PALESTRAS

Yukio Mishima – às vésperas dos 50 anos de sua morte”, palestra da Profa. Dra. Makiko Kitani, com comentários do Prof. Dr. Andrei Cunha (Com participação do Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama, que ao lado da Profa. Kitani comentará pontos importantes antes da exibição de Neve de Primavera)
Data: Sábado, 18 de agosto – Horário: 17h
Local: Cinemateca Brasileira
(Necessário retirar senha uma hora antes do evento. Sujeito à lotação da sala.)

“Yukio Mishima – o Kabuki, a Era Meiji e o Brasil”, com a Profa. Dra. Makiko Kitani
Data: Quarta-feira, 22 de agosto – Horário: 19h
Local: Japan House
(Necessário retirar senha uma hora antes do evento. Sujeito à lotação da sala.)

“Confissões de uma Máscara e o mar”, com Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama e comentários da Profa. Dra. Makiko Kitani
Data: Quinta-feira, 23 de agosto – Horário: 19h30
Local: Sala Multimídia da Casa de Cultura Japonesa, USP
(50 vagas, necessário retirar senha uma hora antes do evento.)

PERFORMANCE DE BUTÔ

Sol e Aço, com Emilie Sugai
Data: Sábado, 11 de agosto – Horário: 19h
Local: Foyer da Sala BNDES, Cinemateca Brasileira

Para mais informações sobre Yukio Mishima conheça os artigos dos pesquisadores e colaboradores do Centro de Estudos Japoneses da USP

Histórico – Yukio Mishima
(Neide Hissae Nagae)
PDF

Kinjiki – As Cores Proibidas e o encontro de Mishima com o Butoh
(Ana Cristina Yokoyama)
PDF

Comentários sobre os filmes da mostra Redescobrindo Yukio Mishima
(Claudia Ideguchi e Ana Cristina Yokoyama)
PDF

Trechos e comentários dos livros de Yukio Mishima
(Davi Vassão Rodrigues e Thainá Bertrille Garcia)
PDF

jul 172018
 

O sistema Marugoto é adotado no mundo inteiro para o ensino do idioma japonês pela Fundação Japão. Trata-se de um método prático, que utiliza diálogos básicos do dia-a-dia como exemplos. E o material didático é colorido e bastante divertido para se aprender (clique nas imagens abaixo para ampliar).

Antecipando as aulas do Marugoto, que se iniciam a partir de 1º de Agosto de 2018, a Fundação Japão está oferecendo uma miniaula gratuita para aqueles que não possuem conhecimento do idioma japonês. Para quem pretende um dia estudar esse idioma, vale a pena experimentar, porque é bem diferente do sistema tradicional.

Só no dia 25 de julho de 2018, quarta-feira, nos horários das 14, 15 e 16 horas. Inscreva-se já para não perder a oportunidade!

Envie e-mail com seu nome completo, telefone para contato, data de nascimento, e o horário disponível nesse dia. Inscrições só até dia 23/7. Envie e-mail para: info@fjsp.org.br

Local: Fundação Japão – Avenida Paulista, 52 – 3º andar. Ao lado da Japan House. Metrô Brigadeiro

jul 172018
 

A quinta aula (do total de 9) aborda o final Período Edo, de grandes transformações, quando o Japão teve que abrir os portos após mais de 200 anos de isolamento. As reações dos governantes e as providências para a nova realidade. As aulas são avulsas, portanto, não é necessário ter assistido as aulas anteriores.

Aula 5 – História do Japão. Dia 04/08/2018, sábado, das 9 às 12 horas.

As inscrições são realizadas por aula. Cada aula tem o valor de R$ 35,00 (mais a taxa do Sympla de R$ 3,50).

Não haverá reembolso por desistência. Mas se a desistência for comunicada até o dia 31/07/2018 pelo e-mail abrademi@abrademi.com, o valor pago poderá ser transferido para a aula seguinte (de 01/09/2018).  Quando não houver mais vaga, o interessado poderá enviar e-mail para ficar na lista de espera.

Local: Associação Cultural Mie, na Avenida Lins de Vasconcelos, 3352, Vila Mariana, na saída da Estação Vila Mariana do metrô. Há estacionamento pago no prédio.

Esse curso, com algumas diferenças na distribuição do conteúdo por aula, foi realizado em 2017 alcançando grande sucesso. Foi ministrado gratuitamente para mais de 200 alunos em cada uma das aulas, e os próprios alunos sugeriram que fosse realizado para um público menor, para que o aproveitamento fosse maior. Assim, o grande salão utilizado anteriormente foi substituído por uma sala menor, e os alunos disporão de mesa ou cadeira universitária para possibilitar as anotações. Por isso, as vagas são limitadas. A sala está equipada com ar condicionado, projetor e microfone. As aulas são avulsas, portanto, não é necessário ter assistido as anteriores para participar desta.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, embaixada e consulado geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, e é presidente da Abrademi e editor do site culturajaponesa.com.br. Foi também bolsista da JICA, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016.

As datas das próximas aulas

apoio: Fundação Japão e Centro Brasileiro de Língua Japonesa

jul 112018
 

Um espaço temático foi montado na biblioteca da Fundação Japão com foco no Tanabata, e também serão apresentadas as principais princesas que representam as fábulas japonesas como: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

Será uma oportunidade para os visitantes familiarizarem com o significado de um dos tradicionais eventos japoneses e algumas das fábulas que envolvem as princesas.

As narrativas populares antigas do Japão, conhecidas como mukashi banashi, e aqui designadas genericamente de fábulas, têm sua origem na tradição oral e eram transmitidas dentro do cotidiano popular, por isso não têm autoria e nem data definida. São muito difundidas em todo o Japão nas mais diferentes formas regionais. Elas são compostas por contos folclóricos, mitos, lendas, entre outros, que apresentam características estruturais tanto dos contos de fadas como das fábulas. Pode-se dizer que elas apresentam peculiaridades distintivas que enriquecem a nossa compreensão da cultura e da personalidade do povo japonês. Para Gary Snyder (2007), “todos os folclores do mundo possuem figuras femininas poderosas, mas o Japão talvez seja especialmente rico nesse assunto. Donzelas mágicas que são pássaros supersensíveis, velhinhas amáveis que são canibais, noivas que devoram tudo, bruxas das montanhas que admiram os dançarinos, e muito mais”.

Com o intuito de explorar um pouco mais o universo feminino dos mukashi banashi, a Biblioteca da Fundação Japão apresenta este espaço temático com foco, sobretudo, no Tanabata e também em três princesas que tão bem representam esse universo: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

O que é o Festival Tanabata?

Conhecido também como Tanabata Matsuri ou Festival das Estrelas, é comemorado anualmente no sétimo dia do sétimo mês no Japão, único dia do ano em que, segundo o folclore chinês e mais tarde o japonês, as estrelas Vega e Altair, amantes separados pela fúria de uma divindade, podem se reencontrar. Quando a lenda foi introduzida no Japão, por volta do século VIII, Tanabata era celebrado apenas na corte imperial. Era considerado um evento gracioso, elegante e erudito, muito associado ao período Heian (794-1185). Nele, lanternas eram acesas e poemas eram escritos em folhas de kaji, uma variedade de amoreira conhecida no Brasil como amoreira de papel (kaji no ha, nome científico Broussonetia papyrifera).

Mais tarde, à medida que os costumes se espalharam para as comunidades locais, as cidades passaram a se cobrir de bambus e o festival assumiu mais dos valores inerentes à consciência e aos propósitos dos japoneses, agregando gradativamente tradições religiosas japonesas.

Tanto na China como no Japão, Tanabata era uma festividade que celebrava o grande esforço de Vega em se tornar uma hábil tecelã, ou seja, que celebrava o aprimoramento de suas habilidades técnicas, para que conseguisse enfim se reencontrar com Altair. Diz-se que no período Edo (1603-1868), talvez inspirados por esse espírito, crianças de pequenas escolas de templos religiosos passam a usar a festividade como oportunidade para demonstrar suas habilidades caligráficas. Elas passam a escrever orações em tiras estreitas de papel, os tanzaku com o intuito principalmente de aprimorar a caligrafia, e os penduravam em galhos de bambu. Acredita-se que esta prática deu origem as decorações e costumes de Tanabata tão familiares atualmente.

De 7 de julho (sábado) a 31 de agosto (sexta) de 2018

Horários: • Terça a sexta das 10h30 às 19h30 • Sábados, das 9h às 17h

Local: Biblioteca da Fundação Japão em São Paulo – Endereço: Avenida Paulista, 52 – 3º andar, São Paulo-SP, Brasil

Aproveitando: o Festival das Estrelas Tanabata Matsuri da Liberdade, em São Paulo, está marcado para dias 28 e 29 de julho de 2018.

maio 142018
 

©Lasta29

Já está aberta a mini-exposição Tango No Sekku – Símbolos e tradições do Dia dos Meninos (端午の節句), promovida pela Fundação Japão, com entrada gratuita. A mostra acontece na Biblioteca da Fundação, aberta de terça à sexta, das 10h30 às 19h30, e aos sábados, das 9h às 17h.

Os visitantes poderão conhecer um pouco mais sobre o Dia dos Meninos, que é comemorado anualmente no Japão em 5 de maio. Nesta data, é celebrado o crescimento saudável e a felicidade dos meninos, desejando que se transformem em adultos fortes, corajosos e inteligentes.

A mostra apresenta ornamentos e exposições de elementos típicos utilizados na decoração das residências, como o kabuto, elmo samurai; e também em áreas externas, nas casas ou em lugares públicos, como o koinobori, flâmulas em forma de carpa.

O Dia dos Meninos é tradicionalmente associado à carpa, símbolo de resistência, perseverança e força, e também à flor de íris e ao cálamo aromático. As folhas longas e pontiagudas de ambos remetem ao formato de espadas e serviam de brinquedo nas encenações infantis de batalhas.

Dia das Crianças

Em 1948, com o fim da Segunda Guerra Mundial, o governo japonês estabeleceu que o Dia dos Meninos fosse renomeado Dia das Crianças, para que se passasse a valorizar a personalidade das crianças em geral, e não apenas dos meninos, buscando a sua felicidade e cultivando a gratidão às mães.

No entanto, ainda hoje a tradição de comemorar os meninos prevalece, mas tem sido marcada mais pela decoração dos lares de famílias com filhos meninos com koinobori, flâmulas em forma de carpa, do que pela exibição de bonecos guerreiros.

Além dos adereços, a data é marcada por duas comidas típicas, que servem de oferenda no Dia dos Meninos: o kashiwamochi e o chimaki. O primeiro, feito com farinha de arroz e recheado com doce de feijão, é cozido no vapor e servido enrolado em folhas de carvalho.

Embora haja variações regionais de recheio, o costume busca trazer boa sorte e prosperidade. A explicação está nas árvores de carvalho, que não perdem suas folhas até que novos brotos comecem a surgir. Suas folhas, portanto, representam o desejo de continuidade da família e que ela prospere constantemente de geração em geração.

Já o chimaki, que parece ter origem na culinária chinesa, é feito com arroz glutinoso embrulhado em folhas de bambu e cozido no vapor. Possui vários formatos e inúmeras variedades regionais. Seu nome derivaria do fato de, originalmente, ser enrolado em folhas de chigaya. No sentido literal, chi (folhas de chigaya) e maki (enrolado).

A origem da comemoração

A tradição desta comemoração é originária da China, onde as épocas marcadas pela mudança de estações eram celebradas com oferendas de comidas para espíritos e divindades, com o intuito de afastar os maus espíritos.

Tal prática deu origem ao Gosekku, cinco festividades sazonais, que ainda hoje são celebradas no Japão. Uma delas é o Dia dos Meninos, também conhecido como Tango no sekku (端午の節句), ou Festival do primeiro dia do cavalo, já que o quinto mês do ano é o mês do cavalo no calendário chinês; ou Shobu no Sekku (菖蒲の節句), ou Festival da Íris.

Figuras como elmos e armaduras de samurais, armas, símbolos marciais e bonecos guerreiros (武者人形musha ningyo), representando personagens heroicos do passado japonês, fazem parte das decorações, materializando valores como a coragem, a persistência, a destreza marcial e a lealdade.

Mini-exposição Tango No Sekku – Símbolos e tradições do Dia dos Meninos (端午の節句)
Data: até 30 de junho de 2018
Local: Biblioteca da Fundação Japão São Paulo
Horário para visitação: de terça à sexta, das 10h30 às 19h30, e sábados, das 9h às 17h
Classificação: livre
Ingressos: Gratuitos
Endereço: Av. Paulista, 52 – 3º andar – Bela Vista, São Paulo
Mais informações: (11) 3141-0110 | biblioteca@fjsp.org.br

abr 302018
 

Curso de História do Japão – A terceira aula (do total de 9) aborda o Período Sengoku, de intensas guerras internas e o início do Período Edo, quando o Japão expulsa os jesuitas e persegue os católicos. É quando o governo adota medidas importantes que irão transformar o Japão e manter um período de paz.

Aula 3 – História do Japão. Dia 05/05/2018, sábado, das 9 às 12 horas.

As inscrições são realizadas por aula. Cada aula tem o valor de R$ 35,00 (mais a taxa do Sympla de R$ 3,50), clicando no “inscreva-se” ao lado. Como alternativa, a taxa pode ser paga em dinheiro na secretaria da Associação Mie (sem a taxa do Sympla), em horário comercial, e somente até o dia 03/05/2018. Não é necessário ter assistido as aulas anteriores para participar.

Não haverá reembolso por desistência. Mas se a desistência for comunicada até o dia 02/05/2018 pelo e-mail abrademi@abrademi.com, o valor pago poderá ser transferido para a aula seguinte (de 02/06/2018).  Quando não houver mais vaga, o interessado poderá enviar e-mail para ficar na lista de espera.

Local: Associação Cultural Mie, na Avenida Lins de Vasconcelos, 3352, Vila Mariana, na saída da Estação Vila Mariana do metrô. Há estacionamento pago no prédio.

Esse curso, com algumas diferenças na distribuição do conteúdo por aula, foi realizado em 2017 alcançando grande sucesso. Foi ministrado gratuitamente para mais de 200 alunos em cada uma das aulas, e os próprios alunos sugeriram que fosse realizado para um público menor, para que o aproveitamento fosse maior. Assim, o grande salão utilizado anteriormente foi substituído por uma sala menor, e os alunos disporão de mesa ou cadeira universitária para possibilitar as anotações. Por isso, as vagas são limitadas. A sala está equipada com ar condicionado, projetor e microfone.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, embaixada e consulado geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, e é presidente da Abrademi e editor do site culturajaponesa.com.br. Foi também bolsista da JICA, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016.

apoio: Fundação Japão e Centro Brasileiro de Língua Japonesa

mar 132018
 

A Fundação Japão promove, a partir de 13 de março, a exposição Hina Ningyo: purificação, proteção e arte. Realizada em sua biblioteca, a mostra ficará aberta ao público até o dia 28 de abril, com entrada gratuita.

No mês de março, além de comemorarmos o Dia Internacional da Mulher, também no Japão é comemorado o Hinamatsuri, ou Dia das Meninas, celebrado sempre no dia 3. Para comemorar a data, serão expostos diversos modelos de hina ningyo, bonecas feitas a partir de origami, washi-e e oshi-e, além das tradicionais, de porcelana. 

Hinamatsuri 

Acredita-se que o Hinamatsuri tem origem em um antigo ritual chinês, introduzido no Japão durante o período Heian (794-1185), e desde o período Edo (1603-1868), é celebrado oficialmente no dia 3 de março como o Hinamatsuri (Festival das Bonecas ou Dia das Meninas), data em que são ofertadas orações por uma vida feliz e saudável para as meninas da família. 

No início, num ritual de purificação, as pessoas costumavam esfregar em seus corpos o hitogata, figuras humanas estilizadas, geralmente feitas de papel, para as quais se acreditava que eram transferidos seus pecados e impurezas. Essas figuras eram depois colocadas num rio, para que flutuassem em direção ao mar. Acredita-se que o hitogata deu origem aos hina ningyos, e o ritual de purificação continua vivo nos dias de hoje, celebrados em diversas regiões do Japão. 

Mais tarde, as celebrações incorporaram a exposição do dairibina, casal imperial, e alguns poucos acessórios. Pouco a pouco, passaram a ser produzidas bonecas e acessórios decorativos cada vez mais sofisticados e diversificados, incluindo ningyos serviçais, comidas típicas e diferentes acessórios decorativos. A exposição ocorria em grandes altares, com vários degraus, chamados hinadan

Hoje, o Hinamatsuri é uma celebração colorida e esteticamente bem elaborada, geralmente composta de modelos mais compactos. Os altares suntuosos são geralmente vistos em museus, templos ou nas escolas. Um aspecto, no entanto, segue vivo até hoje: o desejo de assegurar às meninas saúde e felicidade. 

A cultura dos ningyos 

No Japão, desde a antiguidade, os ningyos fazem parte da vida cotidiana. Eles representam não apenas um item de entretenimento e decoração, mas principalmente um artefato encantado, de veneração. Embora os ningyos tenham constantemente mudado sua forma ao longo das eras, o amor dos japoneses por eles continua intacto. 

Os ningyos não são somente importantes como verdadeiras formas de arte, mas, sobretudo, como uma inestimável fonte de informação sobre costumes e tradições japonesas. Eles refletem as aspirações do povo japonês; ilustram eventos históricos e folclóricos, práticas e crenças; possuem distintos e variados atributos regionais; e representam tanto a vida cotidiana da nobreza como da população.

Hina Ningyo: purificação, proteção e arte

Data: de 13 de março a 28 de abril de 2018

Local: Biblioteca da Fundação Japão São Paulo – Horário para visitação: de terça à sexta, das 10h30 às 19h30, e sábados, das 9h às 17h

Classificação: livre – Entrada franca – Endereço: Av. Paulista, 52 – 3º andar – Bela Vista, São Paulo – (11) 3141-0110 biblioteca@fjsp.org.br

fev 212018
 

O 7º Festival do Japão em Minas acontece no próximo fim de semana, de 23 a 25 de fevereiro, no Expominas, em Belo Horizonte. Realizado desde 2012, o evento é o maior do Estado de Minas Gerais sobre a cultura japonesa. Nessa edição, a temática do evento abordará a mitologia, as divindades, as crendices, as lendas, os talismãs e amuletos da sorte.

Um dos destaques da programação será a dupla japonesa Waon Wagi, trazida pela Fundação Japão especialmente para o evento. A dupla, composta pelo performer de Kendama (bilboquê japonês), Yusuke Ito, e pelo artista de Shamisen (instrumento musical tradicional japonês de corda, similar ao banjo), Pierre Ono, se apresentará no palco principal e apresentará workshops e demonstrações no estande da Fundação Japão ao longo dos três dias.

Ainda nesta edição do Festival do Japão, haverá diversas apresentações de grupos culturais, além de exposições, vendas de produtos, área gastronômica e muito mais.

Waon Wagi

A proposta do Waon Wagi é a criação de uma nova arte através da fusão entre a técnica e o som japonês. Formado por Yusuke Ito, performer de Kendama, um brinquedo tradicional japonês, similar ao bilboquê, e Pierre Ono, instrumentista de Tsugaru Shamisen, um instrumento tradicional japonês que ao mesmo tempo em que é intenso, toca na alma através da sensibilidade de seu som.

Yusuke Ito

Performer profissional de Kendama, detentor de dois recordes no Guinness Book com suas técnicas, realiza performances em todo o Japão e também apresentações em vários países como Estados Unidos, Alemanha, Rússia entre outros, além de participações em programas de TV em prol da difusão da arte do Kendama.


Pierre Ono

Instrumentista de Tsugaru Shamisen, nascido em Tóquio, possui seis discos gravados ao longo de sua carreira. Além dos trabalhos solo, participa em colaboração em diversos projetos musicais e de dança contemporânea, incluindo participação na trilha sonora do filme “Zatoichi The LAST”, de Junji Sakamoto.
PROGRAMAÇÃO – Palco Principal

Sábado, 24 de fevereiro, 19h – Domingo, 25de fevereiro, 15h30

7º Festival do Japão em Minas

No próximo fim de semana, Belo Horizonte se transformará em um pedacinho da terra do sol nascente durante a realização do 7º Festival Japão em Minas, nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro, no Expominas. O evento contará com exposições das crenças e tradições japonesas, apresentações culturais, oficinas de arte e muitas outras atrações.

Esse ano, além da dupla japonesa Waon Wagi, estão confirmados Hikari Daiko e Ryukyu Koku Matsuri Daiko, de Brasília, e Ishin Yosakoi Soran e Kagura do Brasil, de São Paulo, e grupos locais com diversas apresentações.

O Festival contará com oficinas de cultura japonas gratuitas, Miss Nikkey Minas Gerais, concurso de moda Harajuku e de Cosplay, exposição inédita Japan Dolls da Cultura Pop, estandes institucionais e empresariais, saúde, games, gastronomia, bazares, entre outras atrações.

Mais informações: http://www.festivaldojapaominas.com.br