ago 092018
 

Para celebrar a vida e a obra de Yukio Mishima, a Fundação Japão promove, de 9 a 23 de agosto, o evento Redescobrindo Yukio Mishima: cinema, literatura e performance. O especial inclui mostra de cinema, rodas de leitura, palestras e performance, em uma extensa programação em diversos pontos da capital paulista.

Esta é uma excelente oportunidade para o público brasileiro conhecer ou se aprofundar na história e obras de Yukio Mishima, pseudônimo escolhido pelo japonês Kimitake Hiraoka (1925-1970). O evento contará com a vinda de dois especialistas japoneses em Mishima: a Professora Makiko Kitani, da Universidade Doshisha, e o Professor Kin’ya Sugiyama, da Universidade Kanazawa, acompanhados pelo Professor Andrei Cunha, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e de jovens pesquisadores brasileiros do Curso de Letras – Japonês da Universidade de São Paulo.

Outro destaque será a performance de butô de Emilie Sugai, baseada na obra Sol e Aço, traduzida pelo escritor Paulo Leminski. Todas as atividades deste especial terão entrada gratuita, muitas delas com vagas limitadas, portanto a retirada de ingressos poderá ser necessária.

Confira a programação completa e as informações sobre ingressos aqui.

A vida e a morte de Yukio Mishima

Nascido em Yotsuya, um bairro localizado em Shinjuku, Tóquio, em 14 de janeiro de 1925, o artista é hoje conhecido e reconhecido no Japão e em várias partes do mundo. Yukio Mishima desenvolveu diversas habilidades ao longo do tempo. Entre elas, trabalhou junto ao governo japonês e percorreu o mundo como correspondente do Jornal Asahi. Foi nessa época, 1952, que visitou o Brasil, passando pelo Rio de Janeiro, Lins e São Paulo.

Ao longo de sua carreira, escreveu romances, poemas, ensaios e peças teatrais e atuou no cinema. Suas obras literárias estão entre as primeiras a serem divulgadas no Brasil, tendo o auge ocorrido na década de 1980. Mishima concorreu a três prêmios Nobel de literatura em sua vida.

Grande admirador das tradições milenares japonesas, especialmente dos samurais, Yukio Mishima planejou sua morte com o mesmo cuidado e dramaticidade com que trabalhou suas obras. Depois de um discurso patriótico, cometeu suicídio, em um ritual denominado seppuku. Assim, de acordou com a tradição samurai, rasgou o próprio ventre com um sabre, em 25 de novembro de 1970.

Mostra de Cinema

A Mostra de Cinema do evento Redescobrindo Yukio Mishima: cinema, literatura e performance acontece na Cinemateca Brasileira, localizada na Vila Clementino, com ingressos distribuídos uma hora antes de cada sessão.

Compõem a programação os clássicos O homem do vento cortante (Karakkazeyarô / からっ風野郎), de Yasuzô Masumura; Ken: A espada (KEN, ), de Kenji Misumi; Conflagração (Enjô, 炎上), de Kon Ichikawa; O Templo do Pavilhão Dourado (Kinkakuji, 金閣寺), de Yôichi Takabayashi; Mar inquieto (Shiosai, 潮騒), de Senkichi Taniguchi; O equívoco da virtude (Bitoku no yoromeki, 美徳のよろめき), de Kô Nakahira; e Neve de primavera (Haru no yuki, ), de Isao Yukisada.

Os filmes serão exibidos em cópias de 35mm ou 16mm, com legendagem eletrônica.

A exibição do dia 18 de agosto, sábado, será precedida de apresentação dos professores doutores Makiko Kitani (Universidade Doshisha) e Kin’Ya Sugiyama (Universidade Kanazawa), que vieram do Japão especialmente para o evento. Após a exibição, os convidados seguirão no auditório para a palestra “Yukio Mishima – às vésperas dos 50 anos de sua morte”, ministrada pela Profa. Kitani, seguida de bate-papo com o público, acompanhada do Prof. Dr. Andrei Cunha, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Rodas de Leitura

Duas rodas de leitura convidam os apreciadores da literatura de Mishima a um debate sobre as obras Confissões de uma Máscara, Neve de Primavera e outras obras do autor. Com a coordenação de Thainá Garcia e Davi Vassão Rodrigues, ambos da USP, os eventos acontecem, respectivamente, nos dias 10 e 11 de agosto.

A primeira roda acontece às 20h, na Sala Multimídia da Casa da Cultura Japonesa, na Universidade de São Paulo. A segunda, das 15h às 16h30, na Cinemateca Brasileira.

Performance de Butô

A performance Sol e Aço da performer Emilie Sugai, é livremente inspirada na obra de mesmo nome, um dos últimos livros de Mishima.

Coreógrafa, dançarina de butô e performer, Emilie Sugai desenvolve uma linguagem própria e singular, em criações solos e em grupos, fruto de suas inquietações artísticas e de vida.

“Em Sol e Aço, vislumbro um caminho para o ato criativo do corpo, a busca pela loquacidade do corpo, o pensamento do corpo que emerge do silêncio e da corrosão das palavras: a linguagem da carne na compreensão do sentido da existência e da ação”, afirma Emilie Sugai.

Palestras

Além da palestra dos professores doutores Makiko Kitani (Universidade Dooshisha) e Kin’ya Sugiyama (Universidade Kanazawa), no dia 18 de agosto, durante a Mostra de Cinema, também haverá a participação dos convidados nos dias 22 e 23 de agosto.

No dia 22, quarta-feira, a Profa. Dra. Makiko Kitani estará na Japan House, às 19h, para a palestra “Yukio Mishima – o Kabuki, a Era Meiji e o Brasil”. No dia 23, às 19h30, será a vez do Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama na Sala Multimídia da Casa de Cultura Japonesa na USP, com “Confissões de uma Máscara e o mar”.

Profa. Dra. Makiko Kitani

Especialista em literatura moderna japonesa, atualmente é Professora Doutora no Center for Japanese Language and Culture, da Universidade Doshisha, no Japão. O foco de sua pesquisa está em Yukio Mishima e teatro, com várias publicações sobre o assunto. O filme Neve de Primavera, de Isao Yukisada, que será exibido no dia 18 de agosto, contou com a sua participação na supervisão da linguagem de Kyoto.

Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama

Concluiu o doutorado na Universidade de Tsukuba e desde o ano de 2009 leciona na Universidade de Kanazawa, Japão, no Instituto de Ciências Sociais e Humanas. Especialista em literatura japonesa, foi professor visitante na Universidade de São Paulo, entre 2016 e 2017. Dentre suas publicações, há vários livros sobre Yukio Mishima.

 

Prof. Dr. Andrei Cunha

Tradutor literário (japonês-português), concluiu o doutorado em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua no curso de Bacharelado Tradutor Português/Japonês e no Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS, na linha de pesquisa Teoria, Crítica e Comparatismo. É pesquisador na área de Letras, com ênfase em Estudos de Tradução e Literatura Comparada.

ENDEREÇOS

Cinemateca Brasileira
Endereço: Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino, São Paulo-SP
Informações: (11) 3512-6111

Universidade de São Paulo (USP)
Endereço: Av. Professor Lineu Prestes, 159 – Cidade Universitária, São Paulo-SP
Informações: (11) 3091-2426

JAPAN HOUSE São Paulo
Endereço: Av. Paulista, 52 – 1º andar – Bela Vista, São Paulo-SP
Informações: (11) 3090-8900

MOSTRA DE CINEMA

Data: 9 a 19 de agosto, de quinta a domingo
Local: Cinemateca Brasileira – Programação e sinopses: Clique aqui!
(necessário retirar senha uma hora antes do evento, no local)

RODAS DE LEITURA

“Confissões de uma máscara” e “Neve de Primavera”, de Yukio Mishima
Data: Sexta-feira, 10 de agosto – Horário: das 20h às 22h
Local: Sala Multimídia da Casa de Cultura Japonesa, USP
(30 vagas, necessário retirar senha uma hora antes do evento. Leitores de outros livros do autor são bem-vindos.)

“Confissões de uma máscara” e “Neve de Primavera”, de Yukio Mishima
Data: Sábado, 11 de agosto – Horário: das 15h às 16h30
Local: Cinemateca Brasileira
(Necessário retirar senha uma hora antes do evento. Sujeito à lotação da sala. Leitores de outros livros do autor são bem-vindos.)

PALESTRAS

Yukio Mishima – às vésperas dos 50 anos de sua morte”, palestra da Profa. Dra. Makiko Kitani, com comentários do Prof. Dr. Andrei Cunha (Com participação do Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama, que ao lado da Profa. Kitani comentará pontos importantes antes da exibição de Neve de Primavera)
Data: Sábado, 18 de agosto – Horário: 17h
Local: Cinemateca Brasileira
(Necessário retirar senha uma hora antes do evento. Sujeito à lotação da sala.)

“Yukio Mishima – o Kabuki, a Era Meiji e o Brasil”, com a Profa. Dra. Makiko Kitani
Data: Quarta-feira, 22 de agosto – Horário: 19h
Local: Japan House
(Necessário retirar senha uma hora antes do evento. Sujeito à lotação da sala.)

“Confissões de uma Máscara e o mar”, com Prof. Dr. Kin’ya Sugiyama e comentários da Profa. Dra. Makiko Kitani
Data: Quinta-feira, 23 de agosto – Horário: 19h30
Local: Sala Multimídia da Casa de Cultura Japonesa, USP
(50 vagas, necessário retirar senha uma hora antes do evento.)

PERFORMANCE DE BUTÔ

Sol e Aço, com Emilie Sugai
Data: Sábado, 11 de agosto – Horário: 19h
Local: Foyer da Sala BNDES, Cinemateca Brasileira

Para mais informações sobre Yukio Mishima conheça os artigos dos pesquisadores e colaboradores do Centro de Estudos Japoneses da USP

Histórico – Yukio Mishima
(Neide Hissae Nagae)
PDF

Kinjiki – As Cores Proibidas e o encontro de Mishima com o Butoh
(Ana Cristina Yokoyama)
PDF

Comentários sobre os filmes da mostra Redescobrindo Yukio Mishima
(Claudia Ideguchi e Ana Cristina Yokoyama)
PDF

Trechos e comentários dos livros de Yukio Mishima
(Davi Vassão Rodrigues e Thainá Bertrille Garcia)
PDF

jul 172018
 

O sistema Marugoto é adotado no mundo inteiro para o ensino do idioma japonês pela Fundação Japão. Trata-se de um método prático, que utiliza diálogos básicos do dia-a-dia como exemplos. E o material didático é colorido e bastante divertido para se aprender (clique nas imagens abaixo para ampliar).

Antecipando as aulas do Marugoto, que se iniciam a partir de 1º de Agosto de 2018, a Fundação Japão está oferecendo uma miniaula gratuita para aqueles que não possuem conhecimento do idioma japonês. Para quem pretende um dia estudar esse idioma, vale a pena experimentar, porque é bem diferente do sistema tradicional.

Só no dia 25 de julho de 2018, quarta-feira, nos horários das 14, 15 e 16 horas. Inscreva-se já para não perder a oportunidade!

Envie e-mail com seu nome completo, telefone para contato, data de nascimento, e o horário disponível nesse dia. Inscrições só até dia 23/7. Envie e-mail para: info@fjsp.org.br

Local: Fundação Japão – Avenida Paulista, 52 – 3º andar. Ao lado da Japan House. Metrô Brigadeiro

jul 112018
 

Um espaço temático foi montado na biblioteca da Fundação Japão com foco no Tanabata, e também serão apresentadas as principais princesas que representam as fábulas japonesas como: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

Será uma oportunidade para os visitantes familiarizarem com o significado de um dos tradicionais eventos japoneses e algumas das fábulas que envolvem as princesas.

As narrativas populares antigas do Japão, conhecidas como mukashi banashi, e aqui designadas genericamente de fábulas, têm sua origem na tradição oral e eram transmitidas dentro do cotidiano popular, por isso não têm autoria e nem data definida. São muito difundidas em todo o Japão nas mais diferentes formas regionais. Elas são compostas por contos folclóricos, mitos, lendas, entre outros, que apresentam características estruturais tanto dos contos de fadas como das fábulas. Pode-se dizer que elas apresentam peculiaridades distintivas que enriquecem a nossa compreensão da cultura e da personalidade do povo japonês. Para Gary Snyder (2007), “todos os folclores do mundo possuem figuras femininas poderosas, mas o Japão talvez seja especialmente rico nesse assunto. Donzelas mágicas que são pássaros supersensíveis, velhinhas amáveis que são canibais, noivas que devoram tudo, bruxas das montanhas que admiram os dançarinos, e muito mais”.

Com o intuito de explorar um pouco mais o universo feminino dos mukashi banashi, a Biblioteca da Fundação Japão apresenta este espaço temático com foco, sobretudo, no Tanabata e também em três princesas que tão bem representam esse universo: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

O que é o Festival Tanabata?

Conhecido também como Tanabata Matsuri ou Festival das Estrelas, é comemorado anualmente no sétimo dia do sétimo mês no Japão, único dia do ano em que, segundo o folclore chinês e mais tarde o japonês, as estrelas Vega e Altair, amantes separados pela fúria de uma divindade, podem se reencontrar. Quando a lenda foi introduzida no Japão, por volta do século VIII, Tanabata era celebrado apenas na corte imperial. Era considerado um evento gracioso, elegante e erudito, muito associado ao período Heian (794-1185). Nele, lanternas eram acesas e poemas eram escritos em folhas de kaji, uma variedade de amoreira conhecida no Brasil como amoreira de papel (kaji no ha, nome científico Broussonetia papyrifera).

Mais tarde, à medida que os costumes se espalharam para as comunidades locais, as cidades passaram a se cobrir de bambus e o festival assumiu mais dos valores inerentes à consciência e aos propósitos dos japoneses, agregando gradativamente tradições religiosas japonesas.

Tanto na China como no Japão, Tanabata era uma festividade que celebrava o grande esforço de Vega em se tornar uma hábil tecelã, ou seja, que celebrava o aprimoramento de suas habilidades técnicas, para que conseguisse enfim se reencontrar com Altair. Diz-se que no período Edo (1603-1868), talvez inspirados por esse espírito, crianças de pequenas escolas de templos religiosos passam a usar a festividade como oportunidade para demonstrar suas habilidades caligráficas. Elas passam a escrever orações em tiras estreitas de papel, os tanzaku com o intuito principalmente de aprimorar a caligrafia, e os penduravam em galhos de bambu. Acredita-se que esta prática deu origem as decorações e costumes de Tanabata tão familiares atualmente.

De 7 de julho (sábado) a 31 de agosto (sexta) de 2018

Horários: • Terça a sexta das 10h30 às 19h30 • Sábados, das 9h às 17h

Local: Biblioteca da Fundação Japão em São Paulo – Endereço: Avenida Paulista, 52 – 3º andar, São Paulo-SP, Brasil

Aproveitando: o Festival das Estrelas Tanabata Matsuri da Liberdade, em São Paulo, está marcado para dias 28 e 29 de julho de 2018.

dez 282017
 

Chega ao Brasil no dia 20 de janeiro de 2018 a missão do diretor de arte e artista plástico japonês Sebastian Masuda. Denominada Time after Time Capsule, a cápsula do tempo tem viajado pelo mundo desde 2014, com o objetivo de difundir a cultura japonesa, em especial a chamada cultura kawaii.

Trata-se de um movimento bastante popular no mundo inteiro, inclusive no Brasil, de compartilhar o amor por meio desta cultura pop, na qual cores, formas, objetos, figurinos e acessórios infantis resgatam a inocência, a pureza e a alegria de adeptos de todas as idades. Para Masuda, sua cápsula do tempo é um projeto participativo global, que convida as pessoas a compartilhar o amor em uma série de atividades, abertas a todas as pessoas, independentemente de sexo, idade, origem ou nacionalidade.

“Ao conhecer que uma parte das novas gerações no mundo cultuam a cultura de Harajuku fervorosamente, constatei que esse fato ultrapassa fronteiras de países, etnia e gênero, e que é um conceito indispensável para a atualidade”, revela Masuda, sobre sua motivação para o projeto.

A cada parada, são promovidos workshops e diversas atividades ao redor de um enorme personagem transparente elaborado especialmente para esta ocasião. Ao longo do dia, os participantes poderão participar de uma palestra ministrada por Sebastian Masuda, e depois terão à sua disposição papéis, canetas coloridas e diferentes materiais para produzir, em um workshop, cartas decoradas, que serão inseridas na escultura gigante. O conteúdo contido nas cartas será direcionado a seus próprios autores, que no futuro terão a oportunidade de rever suas mensagens.

Isso porque, após percorrer diversos países, a cápsula retorna ao Japão em 2020, permanecendo em Tóquio durante a realização dos Jogos Olímpicos. A partir de 2035, as cápsulas iniciarão uma viagem de retorno, para reencontrar, em cada país onde havia estado, os participantes de cada um dos eventos e devolver-lhes suas cartas, para que possam relembrar as mensagem ali deixadas.

Até 2020, terão recebido as cápsulas do tempo de Sebastian Masuda, além do Brasil, as cidades norte-americanas de Miami, Nova Iorque, Seattle, Washington DC, São Francisco, Los Angeles e Alasca, e também Paris, Londres, Cingapura, África do Sul (Cidade do Cabo), Angola e Bolívia.

A cultura Kawaii no Brasil 


Uma de suas mais recentes passagens com a cápsula do tempo, Sebastian Masuda esteve na África, em Angola. A passagem surpreendeu o artista pela quantidade de informações que os residentes locais tinham sobre o Japão e a cultura pop, por meio do acesso à internet, principalmente através de sites brasileiros.

Esta popularidade no Brasil também pode ser percebida por Masuda pelas visitas de brasileiros à sua loja, 6%DOKIDOKI, em Harajuku, bem como pelas mensagens que recebe no Facebook.

“Há algum tempo sabia que a cultura Kawaii é popular na América do Sul, no entanto ainda não havia tido oportunidade de visitar esses países. Agora, com a minha nomeação como Embaixador da Cultura, visitarei o Brasil para verificar a comentada popularidade com meus próprios olhos.”

Esta será a sua primeira vinda ao país, e sua expectativa com a realização da palestra e do projeto de arte é que os brasileiros tenham a oportunidade de se aproximar do Japão, mais e mais.

Sebastian Masuda


O diretor de arte e artista plástico Sebastian Masuda nasceu em 1970, na província de Chiba, no Japão. Após atuar no universo do teatro e da arte contemporânea, inaugurou em 1995, em Harajuku, a “6%DOKIDOKI”, uma loja de temática Kawaii.

Em 2009, iniciou a turnê internacional “Harajuku Kawaii Experience”, para divulgar a cultura de Harajuku ao mundo. Recebeu destaque mundial ao produzir o videoclipe “PONPONPON”, para o lançamento do single de estreia da Kyary Pamyu Pamyu, ícone do pop japonês.

Atua ativamente na promoção da cultura kawaii de Harajuku como artista e diretor de arte. Também criou um restaurante-conceito, o “KAWAII MONSTER CAFÉ”.

Sua primeira exposição individual, “Colorful Rebellon – Seventh Nightmare”, foi realizada em Nova Iorque, em 2014. Em 2015, recebeu o Prêmio New Wave, no Yubari International Fantastic Film Festival.

Em maio último foi nomeado Embaixador da Cultura pela Agência de Assuntos Culturais do Governo do Japão. Atualmente também atua como professor visitante nas Universidades de Arte e Design de Quioto e de Yokohama.

Mais informações sobre o artista podem ser encontradas em seu site oficial: http://m-sebas.com ou em sua página no Facebook: https://www.facebook.com/sebastian.m.art/

Serviço: Data: 20 de janeiro de 2018 (sábado)

Horário:
• Palestra: das 11h às 13h (em japonês, com tradução consecutiva)
• Workshop: das 15h às 18h

(A palestra tem vagas limitadas. As senhas para participação serão distribuídas uma hora antes, no local)

Local: Japan House São Paulo – Av. Paulista, 52, São Paulo

fev 262015
 

cup lamen_nissinVocê sabia que o lámen instantâneo foi inventado no Japão por Momofuku Ando, em 1958? Sua empresa, a Nissin, cresceu e chegou aos Estados Unidos em 1970, e chegou ao Brasil no início da década de 1980, como Cup Noodle Nissin, no copo de isopor. Não deu certo na primeira investida porque o produto não agradou ao paladar brasileiro, que já consumia o Miojo Lámen instantâneo em saquinho. Depois, a Nissin comprou a Miojo, e aí é outra história. Mas o lámen se propagou no mundo e hoje muitos acreditam que o lámen surgiu no Japão, o que não é verdade. O lámen instantâneo sim! Há até um museu do Cup Noodle em Yokohama!
Haverá uma inusitada palestra com o tema “Os bastidores da criação e desenvolvimento do macarrão instantâneo”, organizada pela Fundação Japão, em São Paulo. Quem ministra é um profundo conhecedor do assunto: Masaki Kato foi diretor do departamento de propriedade intelectual da Nissin Foods Co., no Japão e membro da Japan Food Industry Association – JFIA.
A palestra, aberta ao público, acontece em 5 de março, no auditório do Club Homs, na Avenida Paulista, com tradução consecutiva. No evento, o público terá a oportunidade de conhecer os bastidores do processo de inovação na indústria de alimentos idealizada por Momofuku Ando.
Além deste evento, Masaki Kato também participará de um evento fechado dirigido aos estudantes de Engenharia de Alimentos.
Palestra
Os bastidores da criação e do desenvolvimento do macarrão instantâneo
Com Masaki Kato (com tradução consecutiva)

Data: 5 de março de 2015 (quinta-feira) – Horário: 19h30

Local: Club Homs – Auditório – Endereço: Avenida Paulista, 735 – Bela Vista
Capacidade: 144 lugares

ENTRADA GRATUITA (vagas limitadas). As senhas serão distribuídas no local, 1 hora antes da palestra. Limitado a 2 senhas por pessoa, por ordem de chegada. Informações: Fundação Japão em São Paulo. Tel: (11) 3141-0110

Apoio: Consulado Geral do Japão em São Paulo, Nissin-Ajinomoto Alimentos Ltda., Instituto de Tecnologia Mauá

jan 192015
 
setsubun_mamemaki_siteVenha conhecer como os japoneses afastam o diabo de suas casas e iniciam um novo ciclo de vida nesta época do ano.

A Fundação Japão em São Paulo promove, no dia 24 de janeiro, a partir das 13h, a Marugoto Oficina Cultural. O tema do evento nesta edição será o Setsubun.

O tema está ligado à época do ano, que no Japão separa o inverno da primavera. Assim, Setsubun significa, literalmente, “separar uma estação da outra”, representando um novo ciclo de vida. Neste período, dizem que surgem os Oni (ogros) para causarem mal às pessoas.

Estes rituais e histórias sobre o surgimento do Setsubun, tanto em japonês como em português, serão revelados na oficina. Também serão realizadas brincadeiras e origami envolvendo o tema, bem como curiosidades sobre o mamemaki, uma das tradições neste dia, criada para afujentar o Oni.

A duração da oficina é de cerca de 1h30, com participação gratuita a partir de 14 anos de idade. Interessados devem realizar inscrição antecipada, pois as vagas são limitadas (20 participantes).

Serviço: Marugoto Oficina Cultural – SETSUBUN

Data: 24 de janeiro de 2015, sábado – Horário: a partir das 13h

Local: Fundação Japão em São Paulo, Avenida Paulista, 37 – 2º andar
Próximo a estação Brigadeiro do metrô – Vagas limitadas (máximo de 20 participantes)

Informações e inscrições até 22 de janeiro de 2015. Tel.: (11) 3141-0110
E-mail: info@fjsp.org.br (Para inscrição, enviar no e-mail o nome completo, telefone para contato e indicar o evento “Marugoto Oficina Cultural”)

set 182014
 
"Meu Homem", produção de 2013

“Meu Homem”, produção de 2014

“Sakuko viaja no verão com sua tia para uma cidade ribeirinha no Japão, com o objetivo de encontrar paz e tranquilidade para estudar para o vestibular. Lá, ela amadurece, conhecendo diversos personagens do passado de sua família e um jovem refugiado da cidade de Fukushima, devastada por vazamentos radioativos. Uma homenagem declarada ao cinema do autor francês Eric Rohmer.” Essa é a resenha do filme “Hotori no Sakuko”, traduzido estranhamente como “Adeus Verão”. O longa de 125 minutos foi dirigido por Koji Fukada e é uma produção nipo-americana de 2013. Esse filme poderá ser visto no Indie Festival, que acontece no Cine SESC de São Paulo.

“Adeus Verão”, entretanto, não é o filme japonês mais novo a ser exibido na mostra. O longa “Yamamori Clip Koujo no Atari”, ou “Anatomia de um Clipe de Papel”, do diretor Akira Ikeda, é de 2014. Eis a sua sinopse: “Kogure não é o tipo combativo, na verdade, ele é um típico loser. Ele aceita passivamente o abuso de todos e trabalha o dia inteiro em uma fábrica minúscula de clipes de papel. Mas um dia uma borboleta fica presa em sua casa e ele deixa a borboleta ir. No dia seguinte, surge uma mulher, se expressando em uma linguagem desconhecida, e Kogure acredita que ela é a forma humana da mesma borboleta. Um novo olhar sobre a tradição dos contos folclóricos japoneses e um retrato agridoce do país”. “Watashi no Otoko” ou “Meu Homem” é outra produção de 2014, dirigido por Kazuyoshi Kumakiri.

Outro filme japonês presente na mostra é “Seventh Code” ou “O Sétimo Código”, de 2013, que parece não ser um típico romance, pois o seu diretor, Kiyoshi Kurosawa é especialista no gênero suspense e terror. Veja seu trailer:

O Indie Festival começa no dia 17 de setembro e vai até 1º de outubro, e conta com produções recentes do mundo inteiro e algumas sessões de debates. Vale a pena dar uma olhada na programação completa que está no site: Indie Festival. O Cine SESC fica na Rua Augusta, 2075, bairro de Cerqueira César, São Paulo/SP.

Filmes Japoneses da Mostra Mundial do Indie Festival
18/SET – 16:30 – CineSESC – Adeus verão
19/SET – 15:00 – CineSESC – Meu homem
27/SET – 17:15 – CineSESC – O sétimo código
29/SET – 19:30 – CineSESC – Anatomia de um clipe de papel

(pena que cada filme só seja exibido uma única vez, e em horários ruins para a maioria…)

SITE www.indiefestival.com.br

CINEMACineSESC – Rua Augusta, 2.075 – Cerqueira César – São Paulo/SP. Perto da Av. Paulista (metrô Consolação ou Trianon Masp). A entrada é franca, mas deve-se retirar o ingresso com uma hora de antecedência. Indie Festival tem o apoio da Fundação Japão de São Paulo.

jul 242014
 

okinawa teatro gazeta 2014Em comemoração aos 10 anos de sua fundação, o Teatro Nacional de Okinawa e a Fundação Japão promovem o espetáculo Danças e Canções de Okinawa – Novos Ares de Ryukyu. O evento acontece no dia 20 de agosto de 2014, no Teatro Gazeta, com entrada gratuita.

São cinco dançarinos e quatro músicos selecionados pelo mestre Michihiko Kakazu, diretor de arte do Teatro Nacional de Okinawa, que também vem ao Brasil para dirigir o espetáculo. A apresentação inclui desde as peças mais clássicas até as mais alegres e dinâmicas, reunindo em um único espetáculo o diversificado encanto da dança, dos cantos, da música e das narrativas de Okinawa. Além do figurino vistoso, a música chama atenção por ser inteiramente executada ao vivo, no palco, ao som de instrumentos tradicionais japoneses, como o koto, taiko ou o sanshin, o clássico instrumento de três cordas.

Os ingressos (até dois por pessoa) poderão ser retirados a partir de 5 de agosto, na bilheteria do Teatro, de terça a domingo das 14h às 20h.

Danças e Canções de Okinawa – Novos Ares de Ryukyu
Data: 20 de agosto de 2014 (quarta-feira) –Horário: 20h
Local: Teatro Gazeta – Endereço: Av. Paulista, 900 – Estacionamento conveniado: Multipark – Rua São Carlos do Pinhal, 303 – subsolo (desconto com selo do Teatro Gazeta, válido somente no horário de apresentação do espetáculo). Vá de metrô!
Duração: 120 minutos

Os artistas – A apresentação no Brasil contará com a participação dos artistas Osamu Aka, Naoya Ishikawa, Satoru Arakaki, Yoshikazu Sanabe, Shigeo Miyagi; e dos músicos Toshimichi Arakaki, Itsuo Nakamura, Sanehito Takamiyagi, Kazuki Tamashiro. Além da direção de arte, de Michihiko Kakazu, o espetáculo conta com a direção de palco de Michiaki Nakamura.

okinawa ryukyuKumiodori de Okinawa – Okinawa é uma bela ilha cercada por mar azul, localizada a Sudoeste do Japão. Conhecida como o Reino de Ryukyu no passado, estabeleceu contato com diversos países da Ásia, o que permitiu que reunisse uma rica cultura. Típico no local, o Kumiodori, que ao pé da letra significa “dança em conjunto”, é estruturado por canto, música e dança. Em 2010, no intuito de preservar a arte clássica teatral da ilha de Okinawa, o Kumiodori foi designado Patrimônio Cultural Imaterial pela UNESCO. A denominação refere-se a práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados. Acredita-se que a primeira apresentação de Kumiodori tenha ocorrido em 1719, durante um banquete. Na ocasião, duas peças tradicionais – Shushin Kaneiri e Nido Tekiuchi – foram apresentadas com o intuito de entreter diplomatas chineses que viajavam ao local.
Passadas de geração para geração, as apresentações passaram a incluir o público em geral, não apenas na plateia, mas também praticando a arte.

Michihiko Kakazu – Dançarino da dança de Ryukyu e divulgador do Kumiodori, Michihiko Kakazu nasceu na cidade de Naha, em 1979, e já aos quatro anos de idade começava a praticar a dança de Okinawa. Discípulo do já falecido Nozo Miyagi, hoje é mestre na Associação Nori no Kai do Estilo Miyagi, com vasta atuação como roteirista e ator de teatro contemporâneo e também de novas peças de Kumiodori.
Em abril de 2013, foi nomeado diretor de arte do Teatro Nacional de Okinawa. Sua trajetória inclui diversas apresentações no exterior, incluindo participação como dançarino no espetáculo da Comitiva de Artes de Okinawa organizado pela Fundação Japão no ano de 2000, em comemoração ao encontro do G8. Em 2011, foi membro do Conselho de Artes de Okinawa em turnê de espetáculos pela Europa. A convite da Associação da Província de Okinawa do Brasil, realizou uma apresentação em São Paulo, em agosto de 2012.

Teatro Nacional de Okinawa – Inaugurado em 2004, o Teatro Nacional de Okinawa, na cidade de Urasoe, é um marco para a cultura local. Construído pelo governo federal japonês, é o primeiro no gênero a ser construído fora das cidades de Tóquio e Osaka. A construção do novo teatro é a prova do reconhecimento e prestigio de sua cultura na região. O novo templo da cultura tem 14 mil metros quadrados de área construída, numa área de 24 mil metros, e capacidade para 600 pessoas.

Depois da apresentação em São Paulo, o grupo segue para o Rio de Janeiro, e depois para apresentações na Bolívia, nas cidades de Santa Cruz de La Sierra e La Paz.

mar 302013
 

A Fundação Japão promoveu uma palestra e desfile da estilista Sueko Oshimoto, no dia 7 de março de 2013, no auditório do MASP em São Paulo. O público, formado principalmente por estudantes de moda, lotou o espaço. Em sua palestra, a estilista falou sobre o quimono tradicional e o moderno, e explicou as partes que compõem essa vestimenta.
Sueko Oshimoto nasceu em Okinawa, no Japão, e desde 1999, mora em Los Angeles, Estados Unidos. Ela teve a sua formação no Japão, e desde 2005, é diretora executiva da Yamano-ryu Kimono Dressing School, ensinando a arte do quimono em Los Angeles e Las Vegas. É estilista de revistas como Vogue, e também criou modelos para artistas para a entrega do prêmio Grammy. Criou modelos para diversos filmes, para Miss Asia EUA, e para o ator George Takei. Sua empresa recebeu o nome de Kimono Suehiro, e no dia 24 de março, lançou o livro fotográfico digital “Visions of Kimono”, que está à venda na Amazon.com.
Aqui está uma entrevista da Sueko Oshimoto para a TV Nikkey, em duas partes.

mar 142013
 

O Livro do Travesseiro

Escrito no século X em Heiankyô, atual Quioto, por Sei Shônagon (c. 966-1020), dama da corte da Imperatriz Teishi, O Livro do Travesseiro é a principal obra da literatura clássica japonesa. É também a porta de entrada mais certeira para o universo de costumes, valores e atitudes mentais que moldam, até hoje, a base de vida no Japão.

Com cerca de trezentos textos curtos, que podem ir de algumas páginas a uma única linha, e que podem ser lidos em sequência ou com a liberdade do acaso, o livro compõe um belo inventário da cultura do Japão da corte, vista pelo olhar poético de uma grande escritora.

Verdadeiro recenseamento dos costumes e práticas do período Heian — aquele em que se forma e sistematiza a estética propriamente japonesa, O Livro do Travesseiro compõe um registro dos afetos, da sensibilidade e do conhecimento de uma época. Sei Shônagon narra e descreve grandes acontecimentos festivos (como os festivais religiosos e musicais) e os complexos códigos de conduta, que se estendem desde as relações entre a Imperatriz e suas damas, entre pessoas de diferentes sexos, gerações e distintos graus na hierarquia do poder, até os mínimos e surpreendentes detalhes da etiqueta e do vestuário.

Organização de Madalena Hashimoto Cordaro, tradução de Geny Wakisaka, Junko Ota, Lica Hashimoto, Luiza Nana Yoshida e Madalena Hashimoto Cordaro. O Livro do Travesseiro tem 616 páginas e é vendido a R$ 78,00 nas livrarias.

Sobre a autora: Sei Shônagon, como é conhecida hoje, recebeu tal nome enquanto atuava como servidora da Consorte Imperial Teishi, esposa principal do Imperador Ichijô (980-1011, no trono desde 986 até a morte). Nascida por volta de 966, filha e neta de poetas renomados, é convocada no ano de 993 pelo Conselheiro-Mor Fujiwarano Michitaka para servir à Corte de sua filha, Teishi, em Quioto, então capital do Império. Sei Shônagon inicia então, possivelmente aos 27 anos, suas atividades na Ala Feminina do Palácio Imperial, e logo começa a escrever os textos que comporão O Livro do Travesseiro, obra concluída no ano 1001. Em 1000, Teishi falece após complicações de parto, aos 24 anos, e, em 1011, morre o Imperador Ichijô. Afastada da corte, Sei falece em Quioto, por volta do ano 1020.

O lançamento de “O Livro do Travesseiro” acontecerá no dia 23 de março de 2013, das 11 às 14 horas, na Livraria Martins Fontes Paulista, Av. Paulista, 509, prox. Estação Brigadeiro do metrô.