out 252013
 

Acontece neste final de semana, dia 27 de outubro, das 9 às 15 horas, na sala de exposições da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo, Rua São Joaquim, 381, estação São Joaquim, bairro Liberdade, São Paulo, a Feira de Livros e Mangás. São 10 mil volumes, entre livros comuns, livros infantis e mangás, todos em japonês, a preços baixíssimos. Eles são doados pelos japoneses para essa feira que acontece algumas vezes por ano. Os organizadores também pedem a ajuda de voluntários para os preparativos da feira na véspera dia 26 a partir das 9 horas, e também no dia 28 a partir das 8 horas. Para quem gosta de livro é um bom programa, mas atenção que os melhores acabam vendendo muito cedo.

out 242013
 

No dia 29 de outubro de 2013, das 12h30 às 13h30, na Praça da Esperança, em homenagem ao Dia dos Funcionários Públicos, o Serviço de Assistência Médica e Social aos Servidores (SAMSS), ligado ao Núcleo de Gestão de Pessoas (NGP), convida todos os colaboradores para assistirem a apresentação de Radio Taissô – uma ginástica rítmica japonesa.

O objetivo dos exercícios não é de tornar a pessoa um atleta, mas desenvolver a união entre os colegas de convívio. O Radio Taissô pode ser praticado em qualquer horário, lugar e por qualquer pessoa. Também é recomendado para executivos e operários que executam atividades repetitivas o dia inteiro e na mesma posição. Com a prática do Rádio Taissô pode-se evitar dores nas costas, lombares, pescoço, dores reumáticas, dores de cabeça, tendinite e mal estar. Ainda desenvolve o funcionamento do cérebro porque ativa a circulação sanguínea. As pessoas ficam mais dispostas e descontraídas porque relaxam os músculos e as articulações de todo o corpo. Participe!

Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP – Rua Dr. Ovidio Pires de Campos, 225 – Praça da Esperança – Hospital das Clínicas, Bairro Cerqueira Cesar (Av. Dr. Arnaldo x Av. Rebouças), São Paulo. Estacionamento pago no local.

out 222013
 

festival_japones-guarulhosO 1º Festival Japonês será realizado em Guarulhos, nos dias 26 e 27 de outubro de 2013, entre 10 e 20 horas, no Ginásio Poliesportivo Paschoal Thomeu, que fica na rua João Bernardo Medeiros, 762 – Bom Clima, Guarulhos/SP. A abertura oficial será às 14 horas do dia 26.

O festival contará com shows típicos, danças, culinária japonesa, bazar e terrá apresentações do ilusionista Mário Kamia, do cantor Joe Hirata e também de grupo de taikô. Haverá oficinas de ikebana, origami e karatê. O Festival Japonês tem apoio da Prefeitura Municipal de Guarulhos e o ingresso é um quilo de alimento não perecível. Maiores informações: guarulhosmatsuri@gmail.com.br.

Guarulhos tem um evento tradicional realizado há uma década, que é o Festival da Amizade Brasil-Japão, que ocupa o amplo Bosque Maia, com palco em área aberta. Esse Festival da Amizade é realizado em junho, em homenagem aos imigrantes japoneses.

out 182013
 

temaki_kodomo_no_sono2013O 5º Temaki Fest do Kodomo-no-Sono acontece dia 27/10, domingo, das 11 às 15 horas, em sua sede: Rua Professor Hasegawa, 1198, Itaquera, São Paulo. Essa entidade assistencial abriga 85 pessoas com deficiência mental, e o evento é realizado todos os anos pelos voluntários para gerar receitas para manutenção.

O grupo “Temaki da Amizade” (formado por médicos do Hospital Nipo Brasileiro e seus amigos voluntários) confecciona os temakis no dia, e nesse grupo há cozinheiros famosos como o Hugo Kawauchi, proprietário dos restaurantes Sea House, que abrilhantam a festa. Para o participante é uma pechincha, pois pode-se comer à vontade. No ano passado, o grupo preparou 5.500 unidades para aproximadamente 1.200 pessoas. Adquira já o seu convite! Kodomo no Sono: Tel. 11 3208-3949, 2521-6437 – kodomo@kodomonosono.org.br

O estacionamento é gratuito e menores de 10 anos não pagam desde que estejam acompanhados de pais ou responsáveis. Haverá show de taikô e outras atrações!

out 172013
 

Uma mudança política significativa ocorreu no que tange ao nikkei brasileiro que foi trabalhar no Japão. No dia 15 de outubro de 2013, o governo decidiu suspender a proibição do regresso dos nipo-brasileiros que receberam ajuda financeira em 2009, para voltar para casa, na ocasião da crise financeira mundial.
Naquela época, o governo japonês ofereceu ajuda ao desempregado nikkei dando-lhe uma média de 300 mil ienes para ser usada na passagem aérea para seus países de origem. Isso resultou no êxodo de cerca de 20 mil pessoas, incluindo 5.805 da Província de Aichi e de 4.641 de Shizuoka.
Embora parte desses migrantes tenha ficado verdadeiramente agradecida pela oportunidade de retornar ao país de origem para procurar uma nova ocupação, outros se sentiram insultados porque, ao aceitar o acordo, eles concordaram em não mais retornar ao Japão por um período mínimo de três anos. Isso foi visto como uma escandalosa artimanha do governo para se livrar dos trabalhadores estrangeiros cuja demanda havia diminuído.
Inicialmente, os trabalhadores foram banidos de reentrar no Japão por um período não especificado, mas depois de uma má repercussão nacional e internacional, o governo sinalizou que poderia permitir o retorno deles em três anos, dependendo da economia.
No dia 15, ao divulgar a suspensão da reentrada, o governo citou os recentes sinais da recuperação econômica. Num exemplo, o Ministro da Saúde, do Trabalho e do Bem-Estar disse que os empregos oferecidos em relação à procura têm registrado o índice de 0.95 em agosto. Isso representa um retorno ao nível anterior ao “Choque Lehman”, que causou uma queda vertiginosa na economia mundial.
“Quanto mais o governo alardeava o efeito positivo do “Abenomics” (medidas econômicas tomadas pelo ministro Abe), mais difícil ficava afirmar que a economia não era forte o suficiente para permitir a reentrada dos nikkeis”, observou Ângelo Ishi, professor de sociologia da Universidade Musashi.
Só que essa aparente concessão do governo veio com um entrave que provocou uma visível revolta dentro da comunidade nipo-brasileira. É que ao nikkei é permitido retornar ao Japão se ele tiver um contrato antecipado de trabalho de no mínimo um ano com uma empresa japonesa, o que é considerado quase impossível pela comunidade.
Giullyane Futenma, de 22 anos, diz que a maioria dos estrangeiros nessas circunstâncias pode achar um trabalho como temporário, renovando seu contrato a cada três meses. “Muitos dos meus amigos no Brasil dizem que eles gostariam de voltar aqui agora que a proibição foi suspensa, mas eles não sabem o que fazer com essas condições, afirmou Futenma”. Os pais dela ficaram na miséria quando perderam subitamente seus empregos após o colapso global de 2009 e voltaram para o Brasil.
Apesar disso, o professor Ishi acredita que a medida tenha algum mérito. Ele diz que essa condição dificulta a ação dos astutos empregadores japoneses e intermediários, que tradicionalmente fazem o recrutamento de trabalhadores estrangeiros sem ter nenhum compromisso com eles e sem se preocuparem com os contratos deles. Agora, os funcionários do governo serão obrigados a fiscalizarem os contratos e, se necessário, punir os infratores, além de garantir que o trabalhador esteja na folha de pagamento por pelo menos um ano. “Isso vai permitir que os trabalhadores comecem de novo com uma perspectiva de um trabalho mais seguro”, disse ele, que argumenta que isso sinaliza uma mudança histórica no Japão em relação aos trabalhadores nikkeis.

A bolha econômica do Japão

A aceitação oficial desses trabalhadores ocorreu em 1990, quando a lei de imigração foi revisada para garantir vistos por um período mais longo. O Japão estava desesperado por causa da bolha econômica e precisava de trabalhadores mais baratos para preencher aquelas vagas conhecidas como “3K”: “kitsui” (difícil), “kitanai”(sujo), e “kiken” (perigoso). Entretanto, o governo tomou o cuidado de não admitir que a nação precisasse de mais trabalhadores braçais estrangeiros porque os conservadores temiam que isso fosse tirar o emprego dos japoneses. Embora os oficiais do governo expliquem que a única razão para permitir o regresso desses nikkeis é que a economia está crescendo, alguns especialistas questionam a afirmação. Eles acreditam que isso tem a ver com a ação contra o governo iniciada por Futenma em maio. Futenma e muitos outros relutaram em concordar que suas famílias aceitassem tal acordo, em 2009, para usar o dinheiro e desistir da possibilidade de voltar ao Japão. Uma das conseqüências foi a separação das famílias e amigos que moravam em Hamamatsu, Shizuoka.
“Eu senti como se o governo estivesse dizendo que não precisavam mais porque nós perdemos nossos empregos. Eu gostaria de ter ficado, pois cresci e estava acostumada em morar no Japão, que eu considero minha casa”, disse Futenma, que veio para o Japão com seus pais quando tinha 7 anos.
Dois anos depois de retornar ao Brasil, ela casou-se com Lucas Futenma, que havia comprado sua própria passagem para o Brasil em 2009. Lucas retornou ao Japão em 2012 procurando emprego e pediu que sua esposa fosse readmitida no Japão, mas foi rejeitado por duas vezes.
“Dizer que aqueles migrantes estão impedidos de entrarem no Japão porque eles usaram uma verba de um projeto patrocinado pelo governo não tem qualquer base legal”, disse Ryo Takagai, o principal advogado no processo de Futenma.
Em uma inesperada reviravolta, o governo concedeu o visto de reentrada para Futenma, antes de o julgamento ser aberto. Observadores dizem que era como se o governo soubesse que seria derrotado no tribunal. Agora, os Futenmas estão reunidos e moram em Hamamatsu.
Quando o jornal The Japan Times procurou a informação, um oficial da Imigração explicou que Giullyane Futenma recebeu a permissão de reentrada porque seu estado civil mudou, e assim, a sua situação legal ficou diferente. Porém, o professor Kimihiro Tsumura da Universidade de Hamamatsu acredita que a vitória de Futenma, sem dúvida, foi o que forçou o governo a tomar essa atitude. “Eu espero que o Japão tenha aprendido a lição e nunca mais recorra a esse tipo de programa desumano, mesmo que a situação econômica piore novamente”, disse ele.
Embora Futenma tenha concordado em sair do país junto com seus pais, recebendo a ajuda do governo em 2009, muitos nipo-brasileiros de sua idade preferiram permanecer, disse Tsumura. Ele acredita que o governo provavelmente não percebe e trata os filhos dos trabalhadores como meros acompanhantes dos pais, mas é certo que eles possuem independência e sentimentos.
De fato, muitos desses jovens se manifestaram para ajudar Futenma, criando um forte clamor público que o governo não teve como ignorar. “De certa forma, esses jovens nikkeis deram um passo corajoso, mostrando que eles são totalmente capazes de tomar suas decisões e agir por conta própria”, concluiu Tsumura.

(tradução livre da matéria publicada pelo The Japan Times, edição de 15/10/2013, autor: Tomohiro Osaki)
out 142013
 

29akimatsuri2014A comissão organizadora do 29º Akimatsuri já começou o seu trabalho de divulgação desse tradicional evento cultural que acontecerá em dois finais de semana, dias 5, 6, 12 e 13 de abril de 2014, no Centro Esportivo da Associação Cultural de Mogi das Cruzes – Bunkyo, ocupando uma área de 20,4 mil metros quadrados.

Além das atrações culturais, o evento é um centro de negócios, onde mais de 100 estandes são divididos entre expositores de serviços, expositores automotivos, venda de produtos alimentícios e mini-shopping, com importados, roupas, eletrônicos, etc. Na parte de alimentação são 25 boxes. Em 2013, foram comercializados mais de 20 mil pratos no Akimatsuri.

O evento conta com amplo estacionamento com segurança, com capacidade para 6 mil veículos. Haverá também uma exposição cultural e agrícola, com venda de hortícolas, frutas, ovos, flores e cogumelos produzidos na região. Para 2014, o tema é “Gambarê Brasil”, que é um apoio à Seleção Brasileira de Futebol em seu ano da Copa do Mundo.

Para quem estiver interessado em reservar seu estande ou boxe, o telefone da secretaria do Bunkyo de Mogi das Cruzes, promotora do Akimatsuri, é 11 4791-2022. O e-mail é: bunkyo.mogidascruzes@gmail.com. O site oficial: www.akimatsuri.com.br

out 142013
 

radiojapanA Rádio Japan da rede NHK é transmitida em 18 idiomas. Ela começou a ser transmitida em 1935, ficando suspensa por muitos anos por causa da guerra e voltou ao ar em 1952. Trata-se de uma programação variada e confiável para tudo o que quiser saber sobre o Japão, a Ásia e o mundo. No idioma português, a transmissão acontece diariamente em dois horários, porém, um dos horários está disponível apenas para rádio via satélite.
Nas rádios AM 1370kHz (São Paulo), AM 1520kHz (Mogi das Cruzes), FM 96,5MHz (Campinas) e FM 94,1MHz (Brasília), a transmissão começa às 18h30 e vai até 19h. Pelo satélite, a programação inicia às 6h da manhã e vai até 6h30. O nome do satélite é IS-21, na posição 58,0ºW, faixa de 4040 MHz (C), polarização H, taxa símbolo 26590, FEC 1/2.

A primeira parte do programa é sempre destinada ao noticiário. O restante do horário está reservado para variedades. Na segunda-feira há o curso de japonês, na terça tecnologia e negócios, e assim por diante. Aos sábados, o programa está voltado para Japop, com música e outros assuntos da cultura pop japonesa.

out 082013
 

A canadense Sharla, que fala fluentemente o japonês, está em Tóquio e mostra as máquinas automáticas de bebidas neste vídeo, onde ela fala em inglês e legendou o vídeo em japonês. A novidade é que muitas dessas máquinas aceitam o pagamento com o cartão do metrô, bastando apenas encostá-lo no leitor. As máquinas vendem vários tipos de bebidas, como chás, café, frio ou quente, e há também aquelas que vendem sorvetes.