Cultura Japonesa

set 062017
 

Estamos realizado um curso completo de História do Japão, com aulas uma vez por mês, aos domingos, em São Paulo. A iniciativa é da Abrademi em conjunto com a Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil.

O objetivo é facilitar a compreensão da cultura japonesa através de explicações sobre o passado do Japão. O público alvo são as pessoas que apreciam ou têm curiosidade sobre o Japão, e aqueles que pretendem visitar o país no futuro, seja como turista, a negócios ou como estudante, para que tenham maior proveito da oportunidade à partir do conhecimento de sua história. Não é necessário ter participado da aula anterior para participar. No final de cada aula haverá um tempo para perguntas dos participantes.

O curso é gratuito e realizado na Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil, na Av. Lins de Vasconcelos, 3352, Vila Mariana (na saída da Estação Vila Mariana), São Paulo.

As próximas aulas são as seguintes:
Dia 24/09/2017 – História do Japão 6 – Fim do Período Edo e abertura dos portos
Dia 29/10/2017 – História do Japão 7 – Períodos Meiji e Taisho
Dia 26/11/2017 – História do Japão 8 – Período Showa antes da Guerra
Dia 10/12/2017 – História do Japão 9 – Período Pós-Guerra até hoje
Horário: sempre das 9 às 12 horas.
Reserve sua vaga (grátis) no Sympla. As inscrições são realizadas por aula. Essa inscrição refere-se somente à aula do dia 24/09/2017, domingo. Obs.: Caso não consiga se inscrever, é possível que todas as vagas estejam preenchidas. Nesse caso, envie e-mail para abrademi@abrademi.com, que avisaremos se houver desistência.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, embaixada e consulado geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo e em Publicidade pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, é presidente da Abrademi, diretor cultural da Associação Cultural Mie e editor dos sites culturajaponesa.com.br, imigracaojaponesa.com.br e kanazawa.net.br. Foi também bolsista da JICA, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016.
Apoio: Fundação Japão – Café Mitsuo Nakao, Loja Enman, Castella e Rancho da Traíra.

 

 

 

set 022017
 

Oficina prática “Aprenda Fazendo” de Kawaii Obentô, com o chef Cláudio Kitamura, no Domingo, dia 08/outubro/2017, das 15 às 17h30, na Associação Cultural Mie Kenjin, que fica na Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – na saída da estação Vila Mariana do metrô. A promoção é da Abrademi e da Associação Cultural Mie, com o apoio da Japan Foundation – São Paulo.

Chef Cláudio Hiroshi Kitamura – Com sua vasta experiência em conhecidos buffets de São Paulo, tem paixão pela culinária japonesa. Há seis anos ministra aulas pela Sakura Nakaya Alimentos, e há quatro está nas edições da Casa Cor, no Jockey Club de São Paulo. Atualmente é sócio proprietário do Buffet Pimenta Real Gastronomia.

Nessa oficina, o chef ensinará o preparo dos seguintes itens:
Gohan (como cozinhar o arroz corretamente)
Tempero de arroz
Tipos de temperos
Tipos de Recheios
Salmão grelhado
Oniguiris
Recheios
Furikake
Cozidos
Cada aluno poderá, depois da aula, saborear seu próprio Kawaii Obentô.
Taxa Única: R$ 55,00 – Inscrições até o dia 05/OUTUBRO/2017 pelo Sympla (há uma taxa de + 5,50 do Sympla)
Maiores informações: abrademi@abrademi.com

Fotos da última oficina Kawaii Obentô, em 2014:

 

 

 

 

 

 

ago 182017
 

O Imoni é uma sopa com imo (inhame) típica da região de Tohoku e é principalmente popular na província de Yamagata, onde acontece o festival Imonikai. É feito uma panela gigantesca de imoni e, reunindo familiares e amigos, saboreiam o Imoni em frente a um grande rio.
O 2º Imonikai do Yamagata Kenjinkai do Brasil acontece no dia 3 de setembro de 2017, das 12 às 15 horas, no bairro da Liberdade, em São Paulo.
Além do Imoni, haverá apresentações de Minyo (instrumentos tradicionais), Taiko, rodadas de bingo e venda de karague, refrigerantes, e sakeja!

Local: Iwate Kenjinkai – R. Thomaz Gonzaga, 95 – Liberdade – 1º Andar.
Entrada: R$15 – Inclusos: Imoni à vontade e 4 cartelas de bingo
(crianças de até 5 anos não pagam, de 6 a 9 anos pagam meia entrada, também com direito as cartelas).

Equipe que trabalhou no Imonikai 2016

Informações culturais: Consta que o inhame começou a ser consumido no Período Jomon no Japão, mas se tornou popular no Período Edo, quando passou a ser plantado intercalado com o arroz. Nessa época, o Imoni não deveria conter carne bovina ou suína, uma vez que isso não era acessível para os cidadãos comuns. A maior festa Imonikai de Yamagata serve 30 mil tigelas de Imoni, mas escolas e empresas também organizam eventos semelhantes para seus alunos e funcionários.

ago 152017
 

A Associação Brasileira de Imigrantes Japoneses está promovendo o Hanami, arte de contemplar o sakurá, na Cidade Universitária da USP, no Butantã, em São Paulo. O evento acontece no dia 20 de agosto de 2017, entre 10 e 15 horas. A entrada é franca e lindas moças de quimono estarão recepcionando os visitantes.

Hanami é um termo que aparece no livro Genji Monogatari, escrito no Período Heian (794 a 1185), mas sabe-se que o ato de apreciar o florescer da cerejeira já acontecia no período anterior, e no começo, se apreciava a flor da ameixeira (umê, aquele da conserva salgada). Hoje, quando se fala em Hanami, se imagina imediatamente a contemplação da flor de cerejeira, e isso acontece em todo o Japão, durante os meses de março a maio, dependendo da variedade da planta (existem mais de 500 tipos) e do clima. É um espetáculo de muita beleza, mas de duração efêmera, pois cada uma só estará florida no máximo durante duas semanas por ano. E é por isso mesmo que precisa ser contemplada.

Isso está na essência da cultura japonesa. Compreender que tudo é passageiro e aquele rápido momento ofertado pelas flores não deve ser desperdiçado. Japoneses viajam pelo país para ver as floradas em sua terra natal ou de determinados locais históricos. É que essas plantas vivem bastante e existem pés com mais de 400 anos de idade, que foram no passado contemplados por ilustres samurais ou poetas e serviu de inspiração para eles.

O Hanami em si é um ato de contemplar, mas os japoneses costumam levar comida e fazer festa debaixo dos pés de sakurá. Reúnem famílias e amigos para comerem e beberem, e isso já acontecia nos tempos de Genji. No passado, artistas pintaram muitos ukiyo-ê e os poetas registraram sua beleza nos versos de Haikai. Hoje, fotógrafos fazem sua imagem durar por mais tempo e jovens fazem selfies no meio do Hanami, mas cada um busca a sua inspiração.

Ukiyo-ê de Utagawa Kunisada (1852)

ago 082017
 

Estão abertas as inscrições para o Exame de Proficiência em Língua Japonesa. O exame será realizado no dia 03/12/2017 (domingo). Saiba como é o exame no nosso post anterior. Na hora de preencher o formulário de inscrição, a dica é deixar anotada a senha que você mesmo vai criar em local de fácil acesso. A senha permitirá acesso ao resultado do exame antes do envio do mesmo pelo correio.

Período de Inscrição: 01/08 (terça) a 02/09/2017 (sábado)
Taxa de Inscrição (Manual incluso):
N1 = R$ 180,00
N2 = R$ 150,00
N3 = R$ 140,00
N4 = R$ 130,00
N5 = R$ 120,00

Locais de Inscrição:
※ Será possível enviar pelo correio o formulário de inscrição que estará disponível à partir de 01 de agosto aos residentes em áreas distantes dos locais de inscrição. Neste caso solicitamos contatar as seguintes instituições:

INFORMAÇÕES E LOCAIS DE INSCRIÇÃO
① CBLJ – Centro Brasileiro de Língua Japonesa
Rua Manoel de Paiva, 45 – Vila Mariana – São Paulo – SP CEP 04106-020
Tel.: (11) 5579-6513
Site: www.cblj.org.br
E-mail: info@cblj.org.br

② Aliança Cultural Brasil-Japão
R. Vergueiro, 727 5º and. – São Paulo – SP, Cep.01504-001
Tel.:(11)3209-6630
R. São Joaquim, 381 6º and. – São Paulo – SP, Cep.01508-001
Tel.:(11)3209-9998
E-mail: alianca@aliancacultural.org.br
Site: www.aliancacultural.org.br

③ Associação Pan-Amazônia Nipo-Brasileira
Trav. 14 de Abril, 1128 – Belém – PA, CEP: 66060-460
Tel.: (91) 3229-4435
E-mail: escritorio@apanb.org.br / mami@apanb.org.br

④ Associação Nipo Brasileira da Amazônia Ocidental
R. Terezina, 95 – Adrianópolis – Manaus – AM, CEP: 69057-070
Tel.: (92) 3234-7185
E-mail: nippakumanaus@gmail.com / nippaku@netium.com.br

⑤ Associação  Estudos da Língua Japonesa de Brasília
SGAN 611 Módulo A. Bloco C – Brasília – DF, CEP: 70830-501
Tel.: (61) 3711-0721 / (61) 3703-1503
E-mail: aeljbdf@gmail.com

⑥ Federação Cultural Nipo Brasileira da Bahia
R. Campinas de Brotas, 104-E – Salvador – BA, CEP: 40275-160
Tel.: (71) 3359-5946 / (71) 98819-5030 / (71) 99129-1256
E-mail: fcnbb@hotmail.com

⑦ Associação Cultural Esportiva Nipo-Brasileira do Estado do Rio de Janeiro
Av. Franklin Roosevelt, 39 sala 919 – Castelo
Rio de Janeiro – RJ – CEP:20021-120 – Tel.: (21) 2533-0047
E-mail: renmei@nethall.com.br

⑧ Aliança Cultural Brasil-Japão do Paraná
R. Paranaguá, 1782 – Londrina – PR, CEP: 86015-030
Tel.: (43) 3324-6418
E-mail: aliancalon@gmail.com / alianca.cultural@hotmail.com

⑨ Associação da Cultura Japonesa de Porto Alegre
Centro de Estudos da Língua Japonesa de Porto Alegre
R. Gomes Jardim, 497 – Porto Alegre – RS, CEP: 90620-130
Tel.: (51) 3219-2664
E-mail: acj-poa@acj-poa.com.br

O Formulário de Inscrição também poderá ser retirado (apenas retirado) nos seguintes locais:

O exemplo da prova do Exame de Proficiência em Língua Japonesa poderá ser visto no site: www.jlpt.jp

ago 022017
 

No dia 06 de Agosto de 2017 será realizado o Quarto Festival de Cerâmica no Casarão do Chá, onde mais de 40 ceramistas estarão expondo e comercializando suas peças (mais de 2.000 peças).

Além da demonstração de queima de Raku como no ano passado, a novidade será a oficina de Raku na qual os visitantes poderão participar. A oficina consiste em pintar uma peça semi-queimada que irá ao forno durante o evento. É interessante acompanhar a abertura da queima onde as peças são retiradas incandescentes, a partir das 14hs.  Os participantes levarão suas peças queimadas (oficina com inscrição antecipada – Valor R$20,00).

Artesãos de diferentes ramos da tradicional Feira de Artes da Praça Benedito Calixto de Pinheiros, SP, estarão com a venda de trabalhos manuais de qualidade.

Crédito das fotos: Ernesto Stock e Brune Hampf

Ceramistas e ateliês participantes: 
Acáci
a Azevedo, Akinori Nakatani, Ateliê do Quintal – Karina Ignacio, Arte com Barro, Artes Gato de Ouro – Brune Hampf, Beth Shiroto Yen, Chá de Coisinhas – Ângela Florencio, Cleide Vieira, Dani Bedollo, Dinnouti, Drikatê, Donizete, Eliana Kanki, Cristina Rocha, Estela Braga Cerâmica, Leonardo Baruk, Liliane Ranchin, Grupo Temtempu, Iweth Kusano, Jane H, John Alexander Uribe, Kazue Matsuoka, Kenjiro Ikoma, Marcelo Conegliam, Mariana Zoccoli, Marli Brejeiro Almeida, Marli Nano, Miha Nakatani, Porcelana Kojima, Raquel Caseiro, Rita Tucci, Sergio Onodera, Studio Faby Cerâmica, Tatiane Kawata, Tradef – Trabalho de Apoio ao Deficiente, Vanessa Murakawa, Yuki e Yuuki Nakatani.

Atrações:
• exposição e venda de mais de 2.000 peças de cerâmica
• oficinas e demonstrações gratuitas de cerâmica:
– oficina de modelagem – Tebineri com Grupo Temtempu – das 10 ás 16h. Gratuita

– demonstração e oficina de torno – Rokuro taiken com Sergio Onodera – das 10 ás 11h e 14h ás 16h. Gratuita

– queima de Raku ao vivo – Raku com Marcelo Conegliam – das 10 ás 14h – a demonstração é gratuita e a oficina com inscrição antecipada – Valor R$20,00.
• degustação e venda de chás: – chá preto artesanal – chá preto nacional.
• comida caseira: – orientais: sushi, temaki (sushi em forma de cone), tempurá (vegetais e mariscos fritos), nikuman (tipo de pão recheado cozido no vapor), gyoza (pastelzinho recheado com carne de porco, verduras e temperos), manju (doce japonês), entre outros. – diversos: pastel, pizza no forno à lenha, café caipira no fogão à lenha, bolos, biscoitos e pães artesanais, doces cristalizados, queijos, picolés caseiros, geléias, massas artesanais secas e congeladas, molhos, azeites saborizados, porco no rolete, galinhada, feijão tropeiro, arroz carreteiro, pão com pernil, pão com linguiça, entre outros.
• bebidas: licores, cachaças e cervejas artesanais, chopp, café extraído a frio e cafés especiais, café no fogão a lenha, chás artesanais.
• cogumelos frescos e em conserva, verduras sem agrotóxico, verduras hidropônicas, conserva de hanaume (flor de hibisco) e de folha de shisso (herva utilizada na culinária oriental).
• artesanatos diversos: Miniaturas feitas de vidro, biscuit, arame, linha, madeira; Jogos de desafio e brinquedos educativos; Oshibana (plantas desidratadas naturalmente) compondo brincos, colares, anéis, cadernos e chaveiros; Sapatos, sandalhas e chinelos artesanais; Jóias de marchetaria em madeira; Pulseiras, colares, anéis e brincos, feitos em macramê; Encadernação artesanal; Buquês, arranjos, brincos e bonecas de origami; Bolsas e acessórios; Toalhas de crochê e ponto cruz, entre outros.
• orquídeas e outras plantas, animais.

* Há diversos produtos diferenciados para o consumo, mas como no Casarão não é possível passar cartão, recomendamos que o visitante traga dinheiro.
* A entrada é gratuita. Para participar das oficinas basta chegar e se inscrever na atividade aberta ao público. 

Associação Casarão do Chá – Tel: (11) 4792-2164 
Whatsapp: (11) 97222-7543
E-mail : acasaraodocha@gmail.com
Site: www.casaraodocha.org.br
Facebook da Associação Casarão do Chá: www.facebook.com/acasaraodocha

PARA IR DE TREM E ÔNIBUS AO FESTIVAL
Foi disponibilizado especialmente para o dia, o horário extra de ônibus saindo do Terminal Estudantes em Mogi das Cruzes para o Casarão do Chá.
Horários do ônibus E 494 Granja Nagao no dia 06/agosto:
– sai do Terminal Estudantes para a Granja Nagao: 06:00, 10:00, 12:10, 14:45, 18:10, 19:30
– sai da Granja Nagao para o Terminal Estudantes: 06:25, 10:45, 12:55, 15:30, 18:45, 20:10
Quem VEM DE TREM deve: descer na Estação Estudantes (Estação final de trem em Mogi das Cruzes) e sair pela catraca da direita (sentido de quem chega em Mogi) e andar 40 metros até o Terminal de Ônibus Estudantes (atenção para não confundir com a Rodoviária que é próximo do local). Dentro do Terminal, pegar o ônibus E494 Granja Nagao, descer no ponto final Granja Nagao e andar 300 m de estrada de terra até o Casarão do Chá. O ônibus de volta sai da Granja Nagao e para no Terminal Estudantes.

jul 252017
 

Há muitos anos não era realizada essa gincana poliesportiva da Associação da Província de Kagawa no Brasil. Agora, munidos de uma boa equipe de voluntários, os dirigentes da entidade resolveram voltar a realizar essa atividade cultural e esportiva tão tradicional, que tem muito a ver com a cultura japonesa.

O Undoukai Kagawa 2017 será realizado no dia 6 de agosto,  domingo, entre 9 e 16 horas, no Colégio Santa Amália, que fica na Avenida Jabaquara, pertinho da Estação Saúde do metrô. A entrada custa R$ 5,00 e concorre a um sorteio durante o evento.

Todos podem participar das divertidas provas, que são divididas por faixa de idade e ainda recebem brindes como prêmio. Haverá estande de alimentos variados para abastecer os atletas e suas famílias.

Saiba exatamente a história e o que é o Undoukai!

jul 252017
 

Nova unidade terá cursos de Língua Japonesa, Artes e Culinária. Inscrições com desconto de 50% até 05 de agosto nos cursos de Língua Japonesa na unidade Pinheiros.

O novo espaço, com arquitetura moderna e inovadora, terá 751 mdedicados à realização de cursos de língua japonesa, artes e gastronomia, além de palestras e eventos culturais, com auditório, salas multiuso e um espaço voltado exclusivamente aos cursos de culinária japonesa. A nova unidade está localizada na Rua Deputado Lacerda Franco, 328, em Pinheiros, São Paulo.

A Aliança Cultural Brasil-Japão foi fundada pelo poeta Guilherme de Almeida, em 1956, e já tem mais de 60 anos de história. Atualmente com 3000 alunos por ano, é a maior escola de língua japonesa da América Latina, atuando de maneira decisiva no intercâmbio entre o Brasil e o Japão.

Centro Cultural Aliança

Inauguração em 29/07/2017 – Início dos cursos em 02/08/2017
Rua Deputado Lacerda Franco, 328, Pinheiros
Telefone: 11-3209-6630
E-mail: pinheiros@aliancacultural.org.br
Site: www.aliancacultural.org.br

jul 242017
 

No dia 21 de julho de 2017, o deputado federal Mikio Shimoji, do Japan Innovation Party, esteve palestrando no salão nobre da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo) sobre o visto para descendentes de japoneses da quarta geração.

Atualmente, os descendentes da segunda geração (nisseis) e da terceira geração (sanseis) podem receber o visto de longa permanência e a ideia do projeto é que os da quarta geração (yonseis) também possam receber o mesmo tratamento. No momento, os yonseis conseguem vistos para entrar e permanecer no Japão somente se forem filhos biológicos, menores e solteiros, de pais sanseis que vivem no Japão como residentes com visto de permanência como Residente de Longo Período.

Pelo projeto, que está em estudo e deverá seguir tramitação na Câmara dos Representantes a partir de novembro de 2017, prevê-se também a concessão de visto para que o yonsei possa estudar e trabalhar no Japão durante o período de três anos, e depois solicitar visto para residir no país. Essa modalidade, conhecida como Working Holiday, já é aplicada para cidadãos de 18 países (é um acordo bilateral), porém, o período é de um ano e não inclui os brasileiros. Segundo o deputado, pretende-se também oferecer aos familiares (esposa e filhos) do yonsei, esse visto temporário de 3 anos.

Sem dúvida, é um passo para tentar resolver o problema da diminuição da população ativa no Japão, mas é uma providência tardia e tímida. Se em 1948, o Japão registrou o nascimento de mais de 2,5 milhões de crianças, em 2016, o número despencou para menos de 1 milhão, o que faz com que a população total diminua cada vez mais nos próximos anos. Nos últimos seis anos, o país perdeu 6 milhões de habitantes. Com a base da pirâmide social invertida, onde poucos estão na idade ativa para trabalhar enquanto muitos estão aposentados e com possibilidade de viver bastante, é claro que a conta não fechará nunca. Será preciso abrir outras portas imediatamente, mas isso não quer dizer que o Japão será capaz de atrair tantos imigrantes para suprir a demanda. É preciso ver se há emprego para todos e condições mínimas para eles permanecerem no solo japonês a vida inteira.

jul 122017
 

Estamos realizado um curso completo de História do Japão, com aulas uma vez por mês, aos domingos, em São Paulo. A iniciativa é da Abrademi em conjunto com a Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil.

Gueixa - Historia do JapaoO objetivo é facilitar a compreensão da cultura japonesa através de explicações sobre o passado do Japão. O público alvo são as pessoas que apreciam ou têm curiosidade sobre o Japão, e aqueles que pretendem visitar o país no futuro, seja como turista, a negócios ou como estudante, para que tenham maior proveito da oportunidade à partir do conhecimento de sua história. Não é necessário ter participado da aula anterior para participar. No final de cada aula haverá um tempo para perguntas dos participantes.

O curso é gratuito e realizado na Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil, na Av. Lins de Vasconcelos, 3352, Vila Mariana (na saída da Estação Vila Mariana), São Paulo.

As próximas aulas são as seguintes:
Dia 13/08/2017 – História do Japão 5 – Período Edo (isolamento do Japão)
Dia 24/09/2017 – História do Japão 6 – Período Edo final (abertura dos portos)
Dia 29/10/2017 – História do Japão 7 – Períodos Meiji e Taisho
Dia 26/11/2017 – História do Japão 8 – Período Showa até a Guerra
Dia 10/12/2017 – História do Japão 9 – Período Pós-Guerra até hoje
Horário: sempre das 9 às 12 horas.
Reserve sua vaga (grátis) no Sympla. As inscrições são realizadas por aula. Essa inscrição refere-se somente à aula do dia 13/08/2017, domingo.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, embaixada e consulado geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo e em Publicidade pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, é presidente da Abrademi, diretor cultural da Associação Cultural Mie e editor dos sites culturajaponesa.com.br, imigracaojaponesa.com.br e kanazawa.net.br. Foi também bolsista da JICA, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016.

Apoio: Fundação Japão – Café Mitsuo Nakao, Loja Enman e Rancho da Traíra