maio 262014
 

ichiban playTV

Uma revista semanal com tudo que há de mais interessante na cultura pop oriental. Assim se define o programa “Ichiban” da emissora Play TV, que apresenta clipes de pop asiático (J-pop, J-rock e K-pop) .
A atração é comandada pela apresentadora Frana Ayumi que deve falar tudo sobre música, animê, mangá, cinema, comportamento, tecnologia e tendências do outro lado do mundo.
O Ichiban vai ao ar todos os domingos às 18h. Reprises às terças, quintas e sábados (sem informação de horários).

A Play TV pode ser vista pelos assinantes do Sky (canal 181) , Claro TV (118) e da Net (122) em todo o Brasil, além da Oi TV (109) para Minas, Paraná, Santa Catarina, RS e Rio, Net Caraguatatuba e Ubatuba (114), Multimidia TV Jandira e Osasco (75), CTBC (372) e outros. Se não encontrar Play TV nesses canais, uma dica: Play TV é aquela emissora que transmite o programa Mil e Uma Noites (venda direta de jóias, tapetes, quadros…) depois da meia-noite e todas as noites.

maio 162014
 

Será neste domingo, dia 18 de Maio de 2014, na Praça João Mendes (Não será mais na praça da Liberdade!). A principal atração é a Banda Gaijin Sentai, que vêm se apresentando em todas as Viradas Culturais de São Paulo nos últimos anos. Programação – Palco Liberdade
09:00 – YUZO AKAHORI & YOOHEY KAITO – SHAMISEN e TAIKÔ
09:30 – SAKURÁ FUBUKI WADAIKO (Apresentação de Taikô)
09:50 – Banda TONTONMI (Musical Okinawa)
11:00 – Dança do Leão e Dragão Chinês (Academia de Kung-Fú Garras de Águia – Taboão da Serra Li Ly Lau
11:30 – CHINESE POP MUSIC JAM – Thiago Chang / Oscar Wei / Karina
12:00 – BRAVE GIRLS CHINA DANCE & YO-YO CHINÊS
12:15 – KENDI YAMAI (CHECK IN NO MON – Escolinha do Barulho
12:45 – K-POP DANCE – WIDE VISION vs PLAY GIRL
13:00 – Grupo Korean Voice´s – Luiz / Erick / Samuel Won / Lucca
13:30 – Instrumental Coreana – SAMULNORI
13:45 – Cantor JOE HIRATA
14:45 – Grupo Street Dance THE FACE FAMILY x GHETTO JAM x SOUL BASE x HAYSTEN & YUKA
15:05 – Banda Gaijin Sentai – Anime & Tokusatsu
16:10 – Cantora Mariana Suzuke e Banda
16:50 – Banda Mr. BLACK 80´S
17:50 – PSY COVER – GOHAN & IVAN
18:10 – Encerramento do Evento
Apresentação de Kendi Yamai. A Praça João Mendes fica entre as Estações Sé e Liberdade do metrô.

maio 142014
 

karen tairaNo dia 25 de maio, das 11 às 15 horas será realizado o 2º Temaki Matsuri, na Assistência Social Dom José Gaspar (Ikoi no Sono), que fica na Rua Jardim de Repouso São Francisco, 881, em Guarulhos.

Os ingressos custam R$ 45,00, e o temaki é à vontade! Há transporte gratuito saindo da Rua da Glória, 326 – Liberdade. Na ida, sairá das 9 às 10 horas, e no retorno, das 15 até 18h.

Vários artistas jovens estarão se apresentando, como o Grupo Mary Nishimura (dança japonesa), Ryukyu Koku Matsuri Daiko (o famoso taikô de Okinawa), Shinkyo Daiko (taikô tradicional), e os cantores Ryu Jackson, Rafael Yassunaga, Teddy Shigueyama e Karen Taira (foto).

Além de assistir shows e comer à vontade, você estará ajudando a entidade beneficente Ikoi no Sono, que dá assistência a idosos.
Ikoi no Sono – Tel. 11 2480-1122, eventos@ikoinosono.org.br www.ikoinosono.org.br

maio 132014
 

Pai de Lyoto Machida, lutador meio-pesado da UFC, Yoshizo é um dos mais respeitados professores de caratê do Brasil. 8º Dan de caratê Shotokan, 7º Dan de JKA e 3º Dan de Aikidô, ele tem a aparência de um verdadeiro samurai e educou seus filhos como guerreiros, mas conta nesta entrevista exclusiva que quando jovem gostava de brigar.

yoshizo machidaFoi a vontade de brigar que o trouxe ao Brasil. Ou melhor, foi a fama de briguento que o afastou do Japão. Quando estava prestes a terminar a faculdade de engenharia elétrica, Yoshizo foi o primeiro a levantar a mão quando um professor perguntou à classe, se tinha alguém que queria trabalhar na América do Sul.

No Japão, os estudantes do último ano distribuem seus currículos e comparecem às entrevistas de emprego, para serem contratados para o próximo ano fiscal. Yoshizo fez o que os outros fizeram, mas nenhuma empresa quis contratá-lo. Em parte, porque suas notas não eram boas, mas em grande parte porque sua fama não era boa. Tendo vencido um campeonato de caratê em Okinawa, berço dessa modalidade, ele era conhecido por gostar de brigar, no sentido físico da palavra.

“Sempre gostei de desafios e eu queria testar minha força em alguma coisa”, justificou o carateca sobre a sua decisão de deixar o seu País. Nascido na província de Ibaraki em janeiro de 1946, Yoshizo Machida praticou kendô, a esgrima japonesa, dos 6 aos 15 anos de idade. Mas não se identificava com o “esporte dos samurais”, porque gostava mesmo é de brigar. Resolveu começar o caratê para ser mais forte na briga, numa época em que essa modalidade não era bem vista e não era muito praticada, tanto é que Yoshizo foi o primeiro em sua cidade a praticar o caratê. Terminando o segundo grau em Tóquio, pensou em parar os estudos para trabalhar. Mas o gosto pelo caratê falou mais alto e resolveu fazer a faculdade para poder praticar o caratê por mais quatro anos. Treinava quatro horas por dia, não parava nem nos finais de semana, quando visitava outras academias para aprender mais. “Era um louco pelo caratê, meus pais incentivavam e eu treinava sem parar, e até tinha perdido a vontade de brigar”, lembra Yoshizo, que afirma ter estudado o mínimo possível, só para não se reprovar.

Quando avisou que viria para o Brasil, seus pais foram contra, não entendiam como um jovem que terminou a faculdade queria deixar o País. Mas, no final, eles concordaram: “Se é isso mesmo que você quer, que vá, mas é para ir com determinação de vencer”, disseram. O ano era 1968.

Yoshizo veio contratado como funcionário da Jamic, empresa de colonização do governo japonês, e foi parar no meio da mata amazônica, num lugarejo a 100 km de Tomé-Açu, no Pará. O trabalho era duro, pois seu serviço era construir estradas junto com os trabalhadores braçais. Mas isso não era problema e nem o fato de não ter energia elétrica. O problema é que não tinha onde praticar seu esporte predileto. Agüentou um ano e depois pediu demissão, levando bronca de seus superiores. “Eu estava determinado a vencer, mas eu queria vencer lutando caratê”, conta. Foi morar em Belém, capital do Pará, onde abriu uma academia de caratê.

Sem alunos e sem dinheiro, chegou a viver alguns meses só com água e farinha. “Eu limpava a academia, que era também a minha casa, lavava o banheiro e arrumava o tatame, para ficar esperando algum eventual interessado”. Embora acreditasse que um dia daria certo, não agüentou mais e resolveu ir para a Praça da Sé, em São Paulo, onde Keisuke Inoki (irmão do Antonio Inoki, ex-lutador profissional e senador do Japão), tinha uma academia de caratê. Morando no local, ajudava Keisuke como instrutor, mas, por ser estrangeiro, não podia competir. A sua sorte começou a mudar, quando, em 1970, um campeonato foi realizado em Brasília, onde se permitiu a participação de estrangeiros. Yoshizo venceu na categoria katá e kumitê, e ganhou admiradores imediatamente. Vieram vários convites e ele aceitou ir para Salvador, para trabalhar numa academia de caratê. Durante os 10 anos que ele permaneceu na capital baiana, viajou por todo o Nordeste ensinando caratê, e a sua academia se tornou a maior do Brasil, com mais de mil alunos. Naquele período, ele foi técnico da seleção brasileira nos Jogos Pan-Americanos e se casou com a baiana Ana Cláudia, com quem teve seus quatro filhos.

“Que educação daria a meus filhos? O de um samurai” pensou. E como não tinha nenhum parente com quem pudesse trocar idéias, resolveu encomendar um livro do Japão, que tinha o título de “Seiko no Tetsugaku” (A Filosofia do Sucesso, de Myouhou Fujii). Esse livro explica como os samurais educavam seus filhos, e Yoshizo seguiu cada linha daqueles ensinamentos. Em primeiro lugar, o samurai não pode mentir em hipótese alguma. “Nunca menti para eles, e nem mesmo cheguei a dizer que se não fossem dormir, um diabo viria buscá-los”, conta.

A educação rigorosa de samurai durou até cada um completar 10 anos de idade. “Para o samurai, a responsabilidade de educar seu filho vai até essa idade. Depois, a criança fica esperta, conversa com amigos e passa a ter sua própria identidade”. Os três filhos nascidos na Bahia e o caçula nascido no Pará praticaram caratê na infância.

Yoshizo conta que pretendia continuar morando na Bahia, quando um ex-aluno de sua extinta academia de Belém procurou-o pedindo para voltar para Pará e reabrir sua academia. O carateca brincou dizendo que só voltaria se ganhasse uma fazenda. Esse ex-aluno havia feito uma bela carreira, e para sua surpresa, arrumou uma fazenda para a família Machida. “A propriedade tinha 75 hectares, era muito grande, e não podia recusá-la, pois um dos meus sonhos quando estava deixando o Japão era ter uma fazenda no Brasil”. Morando no Pará, tentou administrar a academia e a fazenda ao mesmo tempo. Pegou todo o dinheiro que havia ganhado na Bahia e plantou cacau e mamão, e chegou a ter 15 funcionários. Entretanto, a fazenda não deu certo e ele canalizou sua atenção na academia.

No Pará, seus filhos cresciam. Lyoto, o terceiro filho, foi campeão pan-americano de caratê em 2001, bicampeão brasileiro de sumô, ganhou faixa preta de jiu-jitsu e se formou em educação física. Foi para o Japão e treinou durante três anos na academia de Antonio Inoki, além de ter praticado muay thai na Tailândia. Com esse vasto currículo e físico (1,88 m e 95kg), Lyoto começou a competir no MMA, no Japão.

Yoshizo Machida afirma que foi contra a decisão de Lyoto disputar MMA. “Havia poucas regras naquele esporte, por isso era muito violento e o juiz não interferia na partida”, lembra. “Depois, com o tempo, as regras foram criadas e se tornou um esporte de verdade”. Lyoto Machida, foi campeão dos meio-pesados da UFC em 2009, cujo título perdeu no ano seguinte. Hoje, após vitória contra o armêmio-holandês Gergard Mousasi em fevereiro, disputa novamente o título contra o atual campeão Chris Weidman, no dia 24 de julho de 2014 (UFC 175). Lyoto reside nos Estados Unidos, onde vive com a esposa e seus dois filhos.

yoshizomachida net divulgacaoyoshizo e familia machidacomTirando o caçula que é jornalista e trabalha na TV Globo de Brasília, os demais continuaram treinando e competindo, sendo que os dois mais velhos dirigem sua academia, agora com dois prédios de três andares e mais de 1.500 alunos.

Machida recorda que sempre ensinou a seus filhos que se deve fazer tudo da maneira correta, e que, com a dedicação, tudo vai acabar dando certo. “Eu sempre falo que é para treinar para melhorar e não para ganhar medalhas”.

Uma frase em japonês, cunhada por um nobre samurai no século XVIII, é o que sempre norteou esse imigrante japonês naturalizado brasileiro, e é essa frase que define a essência de Yoshizo Machida:

為せば成る、為さねば成らぬ何事も

Naseba naru, nasaneba naranu nanigotomo.

Frase que diz: “Tudo pode ser realizado se desejarmos profundamente, mesmo aquilo que é considerado impossível”.

Entrevista concedida para o jornalista Francisco Noriyuki Sato

maio 112014
 

A inédita Oficina Prática de Como Fazer um Verdadeiro Yukata Japonês, realizada ontem, dia 10 de maio de 2014, na Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil, na Vila Mariana em São Paulo, alcançou sucesso total.

A Abrademi, a Associação J-Fashion e a Associação Mie agradecem à professora Ryuka Hanayagi e à sua equipe, que deram uma oficina bastante completa e monitoraram os participantes no trabalho de fazer um Yukata em tamanho real, com TNT. No final, os participantes puderam ver o “kitsuke”, a arte de vestir o quimono / yukata, com variados tipos de yukatas. Participaram 56 alunos previamente inscritos, que era a lotação total do espaço. Lamentamos que muitos não tenham conseguido uma vaga por termos atingido o total estabelecido. Para esses, solicitamos que enviem e-mail para: cursos@abrademi.com, para avisarmos quanto à próxima Oficina de Yukata.

Atividades relacionadas a J-Fashion poderão ser vistas na página da Associação Brasileira de J-Fashion no facebook.

As fotos são do fotógrafo Roberto Kakazu.

maio 092014
 

A seleção japonesa de futebol estréia dia 14 de junho, às 22 horas, na Arena Pernambuco no Recife, contra a seleção da Costa do Marfim. No dia 19 de junho, às 19 horas, enfrenta a Grécia no Estádio Dunas em Natal, e no dia 24 de junho, `s 16 horas, pega a Colombia, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

A equipe conta com o apoio do Pikachu, da série Pokémon, que é o mascote oficial, mas precisará mais do que a descarga elétrica do bichinho amarelo para seguir em frente. Quem vai jogar pelo Japão?

Enquanto o técnico Alberto Zaccheroni, que foi campeão italiano dirigindo o Milão em 1999 e comandou a vitoriosa equipe japonesa na Copa Ásia 2011, não divulga o seu elenco, vamos ver a seleção do Japão que disputou a Kirin Challenge Cup contra Nova Zelândia, em 5 de março de 2014:

Eiji Kawashima, Shusaku Nishikawa e Shuichi Gonda (goleiros), Yūichi Komano, Yasuyuki Konno, Yūto Nagatomo, Maya Yoshida, Masahiko Inoha, Hiroki Sakai, Gōtoku Sakai e Masato Morishige (defesa), Yasuhito Endō, Shinji Kagawa, Keisuke Honda, Hajime Hosogai, Hiroshi Kiyotake, Hotaru Yamaguchi, Manabu Saitō e Toshihiro Aoyama (meio-campo), Shinji Okazaki, Yūya Ōsako, Masato Kudo, e Yōhei Toyoda (atacantes).

O goleador é Shinji Okazaki, que joga no Mainz da Alemanha. Ele tem 28 anos e 38 gols marcados pela seleção. Outro detaque é Keisuke Honda, de 27 anos, que veste a camisa do Milan e tem 20 gols. Mais jovem, Shinji Kagawa tem 25 anos, defende o Manchester United e tem 17 gols. Embora não esteja nessa última convocação, Ryoichi Maeda, do Jubilo Iwata, pode surpreender. Ele tem 10 gols pela seleção e defendeu seu país na Copa das Confederações em 2013.

O Japão aparece em 47º lugar no ranking da FIFA e está disputando a Copa pela sexta vez.

maio 052014
 

Com o objetivo de reunir piscicultores, autoridades, produtores de derivados do pescado e interessados em geral, para aprimorar o conhecimento sobre a criação de peixes e sua comercialização, será realizado o 2º Encontro de Piscicultura de São Paulo. Especialistas discutirão o desenvolvimento do setor e a capacidade do Brasil em se tornar grande produtor de peixe de água doce.

2º Encontro de Piscicultura de São Paulo
Data: 23 de maio de 2014, sexta-feira, com início às 9h
Local: Pavilhão Japonês – Parque do Ibirapuera, São Paulo-SP
Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 10 (o Pavilhão Japonês fica próximo ao Planetário e ao Museu Afro
Brasil) – > Recomendamos o uso de transporte público: informações sobre itinerário ligue 156 (Central da
Prefeitura de São Paulo)
Estacionamento: entrada pelo Portão 3, com zona azul
Participação gratuita com Vagas limitadas
Inscrições: encaminhar nome, e-mail e telefone para comunicacao@bunkyo.org.br
Informações: (11) 3208-1755
Realização: Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Comissão Bunkyo Rural)
Colaboração: Grupo Amigos do Pirarucu – Brasil (GAP-BR) e Associação Brasileira de Nishikigoi
Apoio: Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA, Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo – Alesp (Comissão de Atividades Econômicas), Câmara Municipal de São Paulo e FIESP

PROGRAMAÇÃO
II Encontro de Piscicultura de São Paulo
09:00 – Cerimônia de Abertura
10:00 – Conjuntura Brasileira de Pesca e Aquicultura – Dr. Eduardo Lopes, Ministro da Pesca e Aquicultura – MPA
10:20 – Piscicultura no Estado de São Paulo – Edson Kubo, Diretor do Instituto de Pesca
10:40 – Minha Criação de Pirarucu na Região de Araçatuba/SP – Ricardo Hiromiti Takahashi Suenaga, Administrador de Empresas e Técnico Agrícola
11:00 – Atuação da Compesca – Fiesp na Pesca e Aquicultura – Roberto Imai, Coordenador do Compesca – Fiesp
11:20 – Minha experiência no Japão (pela JICA) – Guilherme Rupp, Biólogo e Pesquisador – Epagri (Gov. do Estado de Santa Catarina)
11:40 – Pesquisas em nutrição e alimentação de peixes e camarões no Instituto Oceanográfico da USP – Fanny Ayumi Yasumaru, doutoranda em Oceanografia (Instituto de Oceanografia da USP)
12:00 – Almoço (com pirarucu, oferecido pela Comissão Organizadora)
13:30 – Piscicultura no Estado do Tocantins – Miyuki Hyashida, Presidente da Ruraltins (Gov. do Estado de Tocantins)
13:50 – Piscicultura no Sertão de Alagoas – Edson Maruta, Engenheiro Agrônomo (Gov. do Estado de Alagoas)
14:10 – Cases de Piscicultura – Peixes ornamentais – Takashi Matsue (Tokyo Nodai do Brasil), Tilápia e Carpa colorida (nishikigoi)16:00 Encerramento

*programação sujeita a alterações