maio 112014
 

A inédita Oficina Prática de Como Fazer um Verdadeiro Yukata Japonês, realizada ontem, dia 10 de maio de 2014, na Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil, na Vila Mariana em São Paulo, alcançou sucesso total.

A Abrademi, a Associação J-Fashion e a Associação Mie agradecem à professora Ryuka Hanayagi e à sua equipe, que deram uma oficina bastante completa e monitoraram os participantes no trabalho de fazer um Yukata em tamanho real, com TNT. No final, os participantes puderam ver o “kitsuke”, a arte de vestir o quimono / yukata, com variados tipos de yukatas. Participaram 56 alunos previamente inscritos, que era a lotação total do espaço. Lamentamos que muitos não tenham conseguido uma vaga por termos atingido o total estabelecido. Para esses, solicitamos que enviem e-mail para: cursos@abrademi.com, para avisarmos quanto à próxima Oficina de Yukata.

Atividades relacionadas a J-Fashion poderão ser vistas na página da Associação Brasileira de J-Fashion no facebook.

As fotos são do fotógrafo Roberto Kakazu.

abr 072014
 

Em 1919, Isaburo Namiki inaugurou uma loja de roupas femininas e infantis no bairro de Akasaka, em Tóquio. No mesmo ano, começou a ensinar corte e costura dessas roupas no local. Com a ajuda de Masajiro Endo, o estabelecimento se tornou uma escola de moda em 1922, e no ano seguinte, se tornou a primeira faculdade de moda do Japão. Ganhou o atual nome de Bunka Fashion College (Bunka Fukusou Gakuin) em 1936, e no mesmo ano passou a editar So-en, a primeira revista de moda do país.
Em 1955, a escola convidou o estilista francês Christian Dior e mais 11 pessoas, incluindo modelos, para fazer desfile na própria faculdade e em Nagoya, Quioto e Osaka. Em 1958 e 1961, foi a vez do estilista Pierre Cardin, que se tornou professor honorário da escola. O investimento deu resultado. Na década de 60, passaram pelos bancos da escola nomes como de Kenzo Takada e Yohji Yamamoto. Mais tarde, a escola recebeu outros alunos que conquistaram seus espaços, como Junko Koshino, Norio Suzuki, Mitsuhiro Matsuda, Akiko Kitahara, Isao Kaneko, Yutaka Hasegawa e Hiroko Koshino.

O Bunka Fashion College está classificado como a 3ª melhor escola de moda do mundo.
Saiba mais no site do Bunka Fashion College (em inglês). Veja os comentários de uma brasileira que estudou lá (em português)

Passeie pela escola em Shibuya, que tem um edifício de 20 andares, um museu da moda, uma loja que vende desde botões a máquinas de costura, e um auditório para desfiles de moda, numa visão de 360º
Um pouco do que é o ensino da moda no Japão pode ser visto no video da Kawaii International, programa da TV NHK.

mar 202014
 

A Fundação Japão em São Paulo e a Faculdade Santa Marcelina (FASM) promovem, em 27 de março, às 19h, o Tokyo Fashion Festa (TFF) São Paulo~Brasilicious!~. O evento contará com a palestra do empresário Nichi Kashihara e um desfile de moda urbana contemporânea de Tóquio.
A palestra, com tradução simultânea, será uma excelente oportunidade para saber um pouco mais sobre a criatividade e a originalidade que circulam pelas ruas de Tóquio.
Os looks virão diretamente do Japão através da loja conceito idealizada por Kashihara, Madame-Killer, em Nova Iorque. Passarão pela passarela exemplares das marcas Motonari Ono, Neb aaran do, Yukihero Pro-Wrestling e Dress and Tights. O evento contará com a participação dos alunos da FASM como modelos.

moda tokyofesta2014

Motonari Ono – O estilista que dá nome à grife tem sido destaque do Tokyo Fashion Week. Atualmente, é um dos estilistas top de Tóquio.

Neb aaran do – A grife oferece um toque urbano a uniformes de colegiais.

Yukihero Pro-Wrestling – Na moda de Tóquio, esta é uma marca ímpar que tem como inspiração a luta-livre.

Dress and Tights – Como o próprio nome diz, vestidos e meias-calças são os produtos desta singular grife conceitual.

Tokyo Fashion Festa
A primeira edição do evento aconteceu em 2010, em Nova Iorque, em parceria com a escola de moda Fashion Institute of Technology (FIT), apresentado estilos como Gothic e Gyaru (Girl) atraindo centenas de veículos da imprensa especializada.
Depois disso, com o trágico acidente que devastou o Japão em 2011, quando foi acometido por terremoto e tsunami, Kashihara decidiu levar o evento para outros países, em prol daqueles que passavam necessidades em sua terra natal.
Foi assim que o TFF veio a São Paulo, trazendo não apenas os diversos aspectos culturais do país, como também auxiliando na recuperação da indústria japonesa. Com o sucesso, diversos outros países passaram a solicitar as suas próprias edições. Costa Rica foi um deles, que teve o TFF inserido no Costa Rica Fashion Week, no verão de 2012. Ainda em 2012, o TFF esteve em Moscou, na Rússia. Em 2013 esteve no Chile e na Argentina apenas com palestras TFF.

Tokyo Fashion Festa São Paulo~Brasilicious!~
Data: 27 de março de 2014 – Horário: 19h
Local: Faculdade Santa Marcelina (FASM) – Rua Dr. Emílio Ribas, 89 – Perdizes, São Paulo/SP

A entrada é gratuita e as vagas limitadas. As inscrições podem ser feitas enviando nome completo e telefone para: info@fjsp.org.br

mar 102014
 

No dia 24 de fevereiro de 2014, um pequeno grupo deu entrada no 3º Cartório de Títulos e Documentos de São Paulo para registrar a Associação Brasileira de J-Fashion. Seria apenas mais uma entidade não fosse o curioso e específico tema chamado “J-Fashion”, ou “Japanese Fashion”, que pode ser traduzido como moda japonesa.
A nova entidade é encabeçada por Cristiane A. Sato, autora do livro Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa (2007), e que vem há muitos anos palestrando sobre esse tema. Fazem parte da associação, entre outros, os organizadores do “Harajuku Fashion Meeting”, evento que reuniu em São Paulo mais de cem jovens simpatizantes da moda alternativa japonesa de diversas partes do Brasil.
“Há um crescente interesse do Ocidente pelo que se produz no Japão em termos de moda”, explica Cristiane.
Nas últimas 3 décadas estilistas, designers, caçadores de tendências, artistas, a indústria da moda e a mídia internacional vêm acompanhando atentamente tudo que ocorre no Japão porque lá ocorrem inovações estéticas e comportamentais únicas. Isso acontece devido a condições específicas do país. Entre tais condições destacam-se:
1 – Devido sua forte identidade cultural, o Japão é provavelmente o único país rico e industrializado que mantém o uso de suas roupas tradicionais como moda (o que implica em viabilidade comercial e constante inovação), não as relegando a mero traje folclórico como ocorreu nos demais países industrializados.
2 – Embora o Japão aprecie produtos e estilos ocidentais, o mercado e a produção local não se limitam a importar ou copiar o que vem do exterior, e é da mistura de estilos japoneses (Wafuku) com estilos ocidentais (Yofuku) que surgem inovações estéticas e comportamentais.
3 – Caracterizada pela complexidade e rigidez de normas de comportamento na vida cotidiana, a sociedade japonesa curiosamente permite e tolera o uso da moda como válvula de escape social, o que criou no país um ambiente único de alto grau de experimentalismo, criatividade e o maior mercado de moda alternativa do mundo.
Seria essa rigidez da sociedade que, por exemplo, obriga crianças e adolescentes a usarem uniformes até em excursões escolares a origem da revolta que criou a moda alternativa, como a que se vê nas ruas do bairro de Harajuku em Tóquio?
A especialista diz que não. “O primeiro movimento de moda alternativa no Japão aconteceu por volta de 1925, com os chamados ‘moga-mobo’, ou ‘modern girl’ e ‘modern boy’, e o ponto era o bairro luxuoso de Ginza, em Tóquio”. Cristiane comenta que naquela época o quimono ainda era muito utilizado pelos japoneses e esse grupo era considerado moderno por usar roupas ocidentais. “Mesmo usando roupas da Europa, as jovens faziam adaptações nos acessórios e nas combinações porque queriam adequá-las à estética japonesa. Elas consideravam, por exemplo, o leque um acessório obrigatório, ao invés da bolsa”, resume a pesquisadora.
O objetivo da Associação Brasileira de J-Fashion é divulgar a moda japonesa no Brasil, incluindo reunir adeptos e combater o bullying e o preconceito contra os que se vestem de maneira diferente da maioria.

Palestra da Cristiane lotou a sala da Associação Mie no dia 9 de março de 2014: um tema específico como Moda Japonesa tem muitos seguidores no Brasil.

Palestra da Cristiane lotou a sala da Associação Mie no dia 9 de março de 2014: um tema específico como Moda Japonesa tem muitos seguidores no Brasil.

Apesar disso, a nova entidade não tratará apenas da moda alternativa do oriente. Ela pretende difundir o uso do quimono no Brasil como traje apropriado para festas e cerimônias. A própria Cristiane é adepta dessa moda, usando-a em várias ocasiões. Uma das propostas da entidade é, por exemplo, fazer uma campanha para convencer os proprietários de restaurantes japoneses a concederem um generoso desconto para clientes que vierem trajando quimono completo. Com isso, os restaurantes ganham uma aparência típica e o quimono sairá dos armários para ser usado no dia a dia.
“A Associação quer fazer com que a moda japonesa deixe de ser mero conceito em palcos e passarelas, e passe para as ruas. Moda que não é usada, quando muito, vira peça de museu”, finaliza Cristiane Sato.

mar 012014
 

moda japonesa banner

Palestra: Introdução à Moda Japonesa – Dia 9 de março de 2014 (d0mingo) – das 14 às 17 horas
Taxa única: R$ 10,00
Local: Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – na saída do metrô Vila Mariana, São Paulo.

Conteúdo:
Um país pequeno de 127 milhões de habitantes, mas cujo mercado de moda moveu impressionantes 128 bilhões de Euros (ou US$ 172.800 bilhões, ou R$ 414.720 bilhões) em 2013 e que vem crescendo de forma estável, na casa de 2% ao ano. Estamos falando do Japão, onde modernidade e tradição coexistem, e para onde os caçadores de tendências vão se antenar com a vanguarda.
Muito do que o olhar ocidental traduz como mera extravagância ou esquisitice étnica tem na verdade fundamentos históricos e culturais – conhecimento sem o qual é difícil identificar os movimentos sólidos de moda e comportamento do Japão, e que também dificulta a penetração de produtos estrangeiros no variado e competitivo mercado nipônico. Conhecer as características da moda japonesa – gostos, estéticas e valores da sociedade – é fundamental para saber como encontrar um nicho num mercado extremamente variado e competitivo e o que produzir.

A palestra MODA JAPONESA é uma introdução aos 3 “mundos” diferentes que convivem em termos de conceito, estilo de vida e estética no país (wafuku, yõfuku e moda alternativa), ao dress code japonês, e sobre como designers e as ruas do Japão vêm influenciando a moda no Ocidente.

A quem se destina:
Profissionais da moda, estudantes de moda, design e artes em geral, e interessados em cultura pop japonesa.

Palestrante: Cristiane A. Sato
Formada em Direito pela Universidade de São Paulo, publica artigos sobre cultura popular e história japonesa em jornais e revistas desde 1993. Autora do livro “Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa” (2007), atualmente prepara um livro sobre moda japonesa. Ministrou palestras em eventos no Centro Cultural Itaú, Sesi, Sesc, Senac, USP, Fundação Japão, Embaixada e Consulado Geral do Japão, entre outros.

Maiores informações: abrademi.com. Inscrições pelo Sympla ou no próprio local.

nov 052013
 

Entrevista para a TV Brasil
O programa “Caminhos da Reportagem” da TV Brasil de Brasília entrou em contato com a Assoc. Bras. de J-Fashion solicitando depoimentos de alguns de nossos associados para um especial sobre a Imigração Japonesa e seus reflexos na sociedade brasileira. A gravação, que ocorreu na tarde de 04 de Abril na Livraria Sol na Praça da Liberdade, foi feita com Cristiane A. Sato (presidente), Yui Aline Barros (vice-presidente) e Júlia Sakai, nossa mais recente associada. Agradecimentos à Conchita e à equipe da TV Brasil em São Paulo, e à Dna. Mitie da tradicional Livraria Sol, que há mais de 60 anos é uma referência da colônia japonesa no Brasil.

J-Fashion no SPFW 2014

A J-Fashion BR na SPFW
Dia 04 de Abril foi extremamente corrido para a Associação Bras. de J-Fashion, que além da entrevista para a TV Brasil compareceu como observadora convidada aos desfiles de encerramento da São Paulo Fashion Week. Além de poder ver as exposições e estandes na tenda principal, vivenciamos a intensa movimentação da principal semana de moda brasileira, as propostas de várias grifes para o próximo verão e o que a indústria têxtil nacional apresentará em breve ao mercado. Destaque para os desfiles da coleção masculina de Alexandre Herchcovitch, com sua versão de peças híbridas street fashion Harajuku, e a coleção de vestidos de voile e rendas de Samuel Cirnansck. Cumprimentos à associada Júlia Sakai, por ter participado como voluntária no projeto que resultou na mostra de fotos glam “Mulheres de Peito na Moda” e agradecimentos à Vilma, que nos recebeu com atenção e simpatia. Também foram à SPFW o associado Alexandre Prior, a vice-presidente Yui Aline Barros, que foi bastante clicada nos corredores por ser a única representante do boystyle Harajuku no evento, e a presidente Cristiane A. Sato, que representou o lado tradicional da moda japonesa usando um quimono fashion houmongi.

mayumi_akira_bazar

Cursos Básico de Mangá e Kanji com Shodo, e Kinji Bazar
No domingo, 13 de Abril, a Associação Bras. de J-Fashion deu uma ajudazinha nos cursos Básico de Mangá da profa. Mayumi Ito e Kanji com Shodo com o sensei Akira Saito (que também é o atual Campeão Mundial de Karatê da categoria bunkai kata kumite), ambos organizados pela ABRADEMI – Ass. Bras. de Desenhistas de Mangá e Ilustrações, na parceria que vem sendo mantida desde o Meeting 40 Anos de Lady Oscar, A Rosa de Versalhes em 2012. No dia também foi feita uma reunião informal para tratar de novos projetos, em especial da criação do Kinji Bazar. A inspiração vem da moda used mix japonesa e da rede de lojas de brechó Kinji. O projeto está no início e visa a criação de um espaço onde os membros da Assoc. J-Fashion poderão vender suas próprias criações. Mas isso significa que já a partir do próximo mês cursos e eventos terão também o bazar-brechó da Assoc. J-Fashion, o Kinji Bazar. Para maiores informações sobre o Kinji Bazar, falar com o associado Francisco Noriyuki.

Reunião e Almoço de Despedida para o Leonardo
No feriado do dia 21 de Abril houve uma reunião com almoço especial na casa da presidente Cristiane A. Sato. O principal motivo foi a despedida do Leonardo Obara, membro da ABRADEMI que vai para o Japão em maio por uma bolsa de estudos da JICA – Japan International Cooperation Agency. Como o Leonardo sempre ajudou nas atividades da Assoc. J-Fashion, duas associações vão sentir a falta dele, apesar de também sentirem orgulho por ele ter conquistado uma bolsa extremamente concorrida. O almoço, que se alongou até o jantar, virou uma celebração tardia de Páscoa com chá e biscoitos kawaii, que gerou muitas idéias para divulgar o J-Fashion no Brasil. Parabéns, Leonardo! Até a volta!

dez 192012
 

A escola de samba Barroca da Zona Sul, de São Paulo, anunciou o tema do Carnaval 2013: o bairro do Jabaquara. A agremiação, que já fez parte do grupo especial do desfile paulista e atualmente está no grupo 1, pretende contar a história do bairro, desde a sua origem até os dias atuais. Como o bairro tem muitos moradores de origem japonesa, que se fixaram, em sua maioria depois da década de 50, a escola quer homenageá-los com uma ala especial. É justamente essa ala que apresentará o design da Junko Koshino, no carro alegórico e também nas fantasias. Koshino explica que sempre quis conhecer o Carnaval brasileiro, mas nunca teve a oportunidade. Após atuar como jurada do Carnaval de Asakusa, em Tóquio, por 11 anos, a TV NHK BS Premium apresentou-lhe um projeto de um documentário sobre o desfile, e ela topou na hora. Além de cuidar do design das fantasias da ala e do carro alegórico, ela pretende desfilar junto com o grupo.

Enquanto aguarda a definição do visual, Nelson Okumura, presidente da AJAB – Associação Japonesa do Jabaquara, tem a missão de reunir 80 nikkeis (descendentes de japoneses) para o desfile da Barroca, no dia 12 de fevereiro. Tarefa que ele tem experiência, pois essa escola já reuniu 250 nikkeis na homenagem aos 75 anos da imigração japonesa, em 1983. Mas Okumura deixa claro: “Tem que ter samba no pé”. Daí, pode não ser fácil.

Para quem atende tais requisitos, a inscrição poderá ser feita pelo tel. 11 5011-2565, e-mail: ajab@ajab.org.br. Os ensaios serão realizados nas noites de domingo.

Junko Koshino – Desconhecida por aqui, Junko Koshino é uma das principais representantes da moda japonesa da atualidade. Formada pelo Bunka Fukuso Gakuin (faculdade de moda) em 1961, criou coleções que a consagraram em vários países, e levou-a a expor em locais prestigiados como o Metropolitam Museum de Nova Iorque. Criou figurinos de teatro, como do “Pacific Overture”, para a Broadway (NY), e desenhou o uniforme do time de futebol Yomiuri Verdi Kawasaki (1995). Possui várias grifes próprias (Soir d’Opera, Miss Junko e Equal, para citar algumas), e lojas em Tóquio, Paris e Nova Iorque. Ela é embaixadora da campanha “Yokoso Japan” de turismo.

Conheça outros fashion designers do Japão: cultura japonesa grifes

nov 212012
 

É um passeio organizado pela recém-fundada Associação Brasileira de J-Fashion, no dia 16/12/2012, domingo. O local de encontro e saída é na Casa das Rosas, Avenida Paulista, 37, Paraíso, na cidade de São Paulo. Horário do encontro: 13 horas. Saída 14 horas.

Decoração natalina da Avenida Paulista

Muitos jovens apreciam e seguem a moda japonesa, conhecida como J-Fashion. O passeio é uma confraternização e uma oportunidade para passear e ver a bela decoração natalina da Avenida Paulista. Saiba mais:
http://www.facebook.com/events/302544369851123/