ago 162014
 
© Giuliano Garcia

Londrina Matsuri © Giuliano Garcia

Shows, danças típicas, mágica, ilusionismo, oficinas gratuitas, origami em papel e tecido, pipas, exposição de flores e de artes, além de espaços comercial, gastronômico e de diversão. Um verdadeiro festival de atividades relacionadas à cultura japonesa. Essa é a essência do Londrina Matsuri, evento anual que chega à sua 12ª edição.

Antes, haverá o Boulevard Matsuri, uma pré-festa antecipando algumas atrações que o público vai ver no Londrina Matsuri realizado em setembro. “No domingo, dia 24 de agosto, os corredores do Boulevard Shopping serão ‘palco’ para apresentações de dança e taikô, das 14h às 20h”, convida Mity Shiroma, presidente do Grupo Sansey, entidade sem fins lucrativos que promove o evento.

Além de resgatar tradições da cultura japonesa e fazer a integração entre as etnias, o objetivo do Londrina Matsuri também é a conscientização dos jovens para a preservação do meio ambiente. Este ano, o slogan é “Cuide de seu lixo – descarte no lugar certo”. Outro incentivo às crianças e adolescentes a pensarem e agirem de maneira sustentável são trabalhos, feitos por eles, enquanto estudantes de escolas municipais e estaduais de Londrina, para a ‘7ª Mostra de Meio Ambiente – Melhores Praticas’. Os trabalhos serão avaliados pelos Professores e Coordenadores da UniCesumar. A programação divulgada pelos organizadores contempla diversas opções comerciais e gastronômicas, apresentações de música e dança oriental. “Montamos uma agenda com o melhor da cultura tradicional e contemporânea japonesa, valorizando os grupos locais e convidados de renome nacional. Inclusive com show especial de dança do Grupo Sansey de Yosakoi Soran com a coreografia apresentada no Festival Brasileiro em que o Grupo sagrou-se campeão pela sétima vez”, conta Mity Shiroma.

Londrina Matsuri Bon Odori © Giuliano Garcia

Londrina Matsuri Bon Odori © Giuliano Garcia

O nikkei Edson Iwassaki, um dos mais prestigiados mestres na arte do ilusionismo do Brasil, traz novos espetáculos nos três dias do evento. O engenheiro de pipas, Ken Yamazato, também já confirmou sua participação ministrando oficinas e fazendo as belas revoadas de pipas.

No disputado ‘Espaço Kodomo’, o Sistema SESC-FECOMERCIO será o responsável pela recreação gratuita para as crianças com jogos de tabuleiro, tobogãs infláveis, cama elástica, gibiteca de mangás e oficinas de origami, kirigami, mangá e caricatura.

A artista Mirian Tatsumi, mestre em Oshibanas com formação no Japão, traz exposição desta arte, com quadros e objetos cuja decoração é feita com flores, folhas, galhos, frutas, verduras e legumes, desidratados e prensados naturalmente. Além de expor as suas obras no Recinto Milton Alcover, também realizará oficinas para os interessados nesta técnica.

Pela segunda vez, o evento também traz oficinas com a artesã e empresária Thaís Kato que produz carteiras e acessórios diferenciados feitos em tecido com a técnica do origami (arte milenar da dobradura).  Encerrando as atividades, todos os dias, o Grupo Sansey comanda sessões animadas de Matsuri Dance, embalando jovens, adultos e crianças que, de forma impressionante, lotam a praça de eventos.

O Londrina Matsuri será realizado de 05 a 07 de setembro no Parque de Exposições Ney Braga. A programação completa do evento também está disponível no site e nas redes sociais do Grupo Sansey (facebook/LondrinaMatsuri).

SERVIÇO:

Evento: 12º LONDRINA MATSURI – Festival da Primavera 
Local:
 Parque de Exposições Ney Braga – Londrina/PR 
Data:
 05 a 07 de setembro de 2014 – Horário: das 10h às 23h 
Ingressos:
 R$4,00 (inteira) e R$2,00 (meia) – Venda Antecipada – Rede de Farmácias Drogamais e Boulevard Londrina Shopping a R$2,00
Crianças até 10 anos, idosos com mais de 65 anos e portadores de deficiência física não pagam; Crianças de 11 e 12 anos, estudantes com documento oficial, aposentados e idosos com idade entre 60 e 65 anos pagam metade do valor; 
Estacionamento 
Oficial: World Parking R$ 10,00. Funcionamento: das 8 às 23 horas.

ago 162014
 

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO ano é 1961 e o lugar é Tóquio, a capital japonesa. O jovem escultor Hisao Ohara, de 29 anos, e sua esposa, a bailarina e coreógrafa Akiko Ohara (foto abaixo), de 26 anos, preparam suas malas para uma viagem inesquecível ao Brasil. Mas não iriam fazer turismo. Haviam decidido morar na Fazenda Yuba, em Mirandópolis/SP, onde o patriarca Isamu Yuba, visualizava uma nova fase cultural em sua comunidade, com a construção do teatro e o ensino da arte da escultura.

O casal chegou no dia 14 de dezembro daquele ano, e a comunidade começava a construir o seu teatro, onde a experiência de Hisao, formado em Belas Artes e com vivência em atuação, cenografia e iluminação, seria muito útil. Enquanto isso, as crianças ensaiavam as peças que seriam apresentadas na festa de Natal, e Akiko, com experiência em coreografia para televisão, começou a orientá-las. Logo, Akiko passou a ensinar balé moderno a esse grupo, formando o famoso balé de Yuba, que divulgaria o nome da fazenda comunitária para todo o mundo. Em 1974, o balé Yuba se apresentou ao então primeiro ministro Kakuei Tanaka, e em 1997, foi visto pelo casal imperial japonês em sua visita pelo Brasil.

Mais recentemente, a coreógrafa ajudou o grupo Tomodachi da cidade de Birigui a se preparar para o Festival Yosakoi Soran (leia na íntegra). Numa entrevista em 2011, Akiko Ohara contou que ela e o marido sempre apreciaram o Teatro Takarazuka e, enquanto morava no Japão, assistiram a todos os shows desse grupo teatral quando se apresentava em Tóquio. Quando Takarazuka visitou o Brasil na década de 70, o casal Ohara viajou a São Paulo para vê-lo no Teatro Municipal. O Takarazuka tem origem na cidade do mesmo nome, e se caracteriza por um elenco exclusivamente feminino. Na origem, em 1914, ele foi influenciado pelos musicais de Londres, Paris e Nova Iorque (mais sobre Takarazuka).

Akiko Ohara dará uma palestra sob o tema “Balé Yuba e eu: 50 anos de Brasil”. Promovido pelo Centro de Estudos Nipo-Brasileiros, a palestra será realizada em japonês, no dia 20 de agosto de 2014, à partir das 18h30, no Bunkyo, na Rua São Joaquim, 381 – 5º andar sala 53.

Informações: 11 3277-8616 – Centro de Estudos Nipo-Brasileiros

 

ago 142014
 
Tõrõ Nagashi de Hiroshima © Terry Kimura

Tõrõ Nagashi de Hiroshima © Terry Kimura

O Tooro Nagashi ou Tōrō nagashi (灯籠流し) acontece em vários lugares do Japão e normalmente no mês do obon (finados) em agosto. As famílias que perderam seus entes queridos escrevem ou pedem para escrever seus nomes em lanternas de papel, que são lançadas no rio.

O 6º Tooro Nagashi da Paz de Registro é um evento que é realizado junto com o Bon Odori daquela cidade, que já está na sua 54ª edição. Esse evento começou em 2009 em memória das vítimas da bomba atômica de Hiroshima e Nagasaki. Haverá atrações como taikô, dança tradicional minyo, bon odori, e os pratos da culinária japonesa como yakissoba, tempurá, sushi e outros. Todos estão convidados a adquirirem um tooro para homenagear alguém que perdeu a vida ou para desejar a paz, e a participarem do bon odori. É um evento aberto, que começa às 16 horas do sábado, dia 16 de agosto, na praça Beira Rio, em Registro. Como o nome diz, é na beira do rio!
O tradicional Tooro Nagashi da cidade de Registro/SP continua sendo realizado nos finados, ou seja, no dia 2 de novembro. Isso acontece desde 1955, quando o monge budista Emei Ishimoto, da escola Nichiren, realizou o primeiro Tooro Nagashi, em memória de um viajante japonês que se afogara no rio Ribeira do Iguape, em Sete Barras (que era um distrito de Registro e hoje é um município) e outras seis pessoas.

ago 132014
 
hokkaido lamen

Hokkaido Lamen ©Michael Vito

O departamento de senhoras da Associação Hokkaido de Cultura promove neste domingo, dia 17 de agosto de 2014, a partir das 11 horas, o 18º Festival do Lamén de Hokkaido. Aqui, os ingredientes como o macarrão lámen são trazidos do Japão, e a característica deste prato é o caldo à base de frango e porco cozidos, que deixa o caldo mais espesso, segundo os organizadores.

No dia, o lamén será vendido por R$ 20,00, mas antecipado custa R$ 18,00. Para adquirir antecipadamente, ligue 5084-6422. Além do lamén, haverá doces como anmitsu (de doce de feijão), okowa e ichigo daifuku (morango). Haverá apresentação de yosakoi soran e algumas rodadas de bingo para animar o público.

O endereço é: Associação Hokkaido de Cultura, Rua Joaquim Távora, 605, Vila Mariana. Essa rua é uma travessa da Rua Domingos de Moraes, perto da Estação Ana Rosa do metrô.

ago 132014
 

universo de miyazaki otomo kon_SalvadorA CAIXA Cultural Salvador e a produtora Nuage.art.br apresentam, de 26 a 31 de agosto, a mostra de cinema “O Universo de Miyazaki, Otomo e Kon” com 18 longas-metragens de animação. A mostra, com curadoria de Jansen Raveira e Simone Evan, exibe a cinematografia de Miyazaki e se expande para as obras de Katsuhiro Otomo e Satoshi Kon, cineastas marcados pelo refinamento nas produções e temáticas fora do convencional industrial.
A mostra traz para Salvador a oportunidade de assistir a uma cinematografia rica e rara. A programação busca não só apresentar filmes que não alcançaram as telas brasileiras, mas também debater a relevância e a influência da técnica dos mestres japoneses dentro do cinema de animação.
Além da exibição dos filmes, a preços populares, a mostra promoverá um curso sobre a obra de Miyazaki, de 26 a 29, das 16h15 às 18h15, e uma oficina de mangá, de 27 a 29, das 16h15 às 18h15. Ambos terão inscrições gratuitas, a serem realizadas no site nuage.art.br/mok de 09 a 19 de agosto.
A oficina de mangá pretende abordar noções de desenho, espacialidade e estilo de narrativa através do desenho impresso. Os alunos produzirão os seus próprios mangás durante as aulas, ao mesmo tempo em que participarão de um estudo estético dos mangás de Hayao Miyazaki, Katsuhiro Otomo e Satoshi Kon.
Já o curso, intitulado O Universo de Hayao Miyazaki, abordará o cinema de Miyazaki e a cultura japonesa. Terá como professores Janete Oliveira e Jansen Raveira, este último um dos curadores da mostra.
A programação da mostra de cinema ainda prevê o debate Miyazaki, Otomo e Kon: Clássicos ou Transgressores?, sábado, dia 30, às 18h. Levando em conta a produção em massa da indústria cultural japonesa, os presentes discutirão se a produção de longas animados em técnicas basicamente artesanais torna esses cineastas clássicos ou transgressores.

O Universo de Miyazaki | Otomo | Kon
Local: CAIXA Cultural Salvador – Salão Nobre
Endereço: Rua Carlos Gomes, 57, Centro.
Telefone: (71) 3421-4200
Datas: de 26 a 31 de agosto de 2014 (de terça-feira a domingo)
Horários e sinopses dos animês da Mostra: Veja aqui
Lotação: 80 lugares – Ingressos: preços populares
Curso O Universo de Hayao Miyazaki: de 26 a 29 de agosto, das 16h15 às 18h15, gratuito
Oficina de Mangá: de 27 a 29 de agosto, das14h às 16h, gratuita
Debate Miyazaki, Otomo e Kon: Clássicos ou Transgressores?: sábado, 30 de agosto, 18h, entrada franca
Inscrições para o curso e a oficina no site nuage.art.br/mok

ago 112014
 

Existe um livro que é o pai de todos os filmes japoneses de terror, mas curiosamente não foi escrito por um japonês.

Lafcadio Hearn foi jornalista nos Estados Unidos e chegou ao Japão em 1889, aprendendo a cultura japonesa enquanto ensinava inglês aos japoneses. Casou-se com a filha de um samurai, naturalizou-se japonês e mudou seu nome para Yakumo Koizumi.

Estudioso e apaixonado pelas coisas japonesas, Lafcadio escreveu vários livros sobre o país, principalmente sobre o sobrenatural, e a sua obra mais conhecida é Kwaidan, onde ele reúne diversos contos do sobrenatural, que o jornalista ouviu de familiares e vizinhos japoneses. No conjunto, esses contos permitem ao leitor compreender um pouco da raiz cultural e do imaginário japonês. Kwaidan deu origem a diversos filmes no Japão e ainda hoje é uma obra de referência.

O mais curioso na obra de Hearn são os detalhes – datas, locais, nomes de pessoas que de fato existiram – descritos em linguagem simples e quase jornalística por Hearn, como se fosse um cronista do sobrenatural nipônico, detalhes esses que conferem um perturbador grau de veracidade a seus relatos.

A expressão “sobrenatural” reflete com precisão o modo pelo qual os japoneses lidam com fenômenos que não tinham ou ainda não têm uma explicação científica. Diferente de um conto sobrenatural do Ocidente, os contos reunidos por Lafcadio não trazem monstros sanguinários e nem sempre apresentam seres buscando vingança.

A obra traz os 17 contos e um ensaio sobre insetos que fazem parte do Kwaidan original, destacando-se os seguintes contos mais conhecidos:capa kwaidan ukiyoe
– Hoichi sem orelhas
– História de O-tei
– História de Aoyagi
– Rokuro-Kubi
– Riki-Baka
– O sonho de Akunosuke
– Yuki-onna, a mulher da neve
– Himawari
– Jiu-roku-zakura
– Oshidori

Kwaidan Contos do Sobrenatural foi escrito originalmente em inglês e foi traduzido este ano pela pesquisadora Cristiane A. Sato, autora do livro Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa. Kwaidan está à venda em edição digital pela Amazon ao preço de R$ 9,88. Publicação da NSP Editora.

Assista ao trailler de Kwaidan, filme japonês de 1964, muito bem produzido e bonito, que apresenta alguns dos contos do livro. Na época, assustou a plateia nos cinemas e foi sucesso de bilheteria.

ago 082014
 

exame proficiencia 2Vai até 30 de agosto de 2014 o prazo para inscrição no exame de proficiência em japonês. Esse exame é realizado no mundo inteiro e ao mesmo tempo, mas em alguns países é realizado duas vezes por ano. No Brasil, ocorre apenas uma vez e será no dia 07 de dezembro de 2014 (um domingo).
O objetivo do exame é medir a capacidade do candidato na compreensão do idioma japonês, tais como vocabulários e compreensão do texto, e seu grau de dificuldade varia do N1 (difícil) ao N5 (mais fácil). O exame está na forma de múltipla escolha e são muitas as questões, e há a parte da compreensão do texto falado, onde os diálogos são transmitidos num gravador comum.
O certificado de proficiência em japonês, comparável ao TOEFL em inglês, serve como referência para ser admitido em universidades japonesas e também para conseguir emprego, mas há muitos idosos que prestam o exame só para ter uma ideia do seu nível de conhecimento, uma vez que para esse exame, tanto faz se você estudou em escola, a avó ensinou ou aprendeu lendo mangá.
A taxa de inscrição é de R$ 150,00 para N1, R$ 120,00 para N2 e N3, R$ 100,00 para N4 e R$ 90,00 para N5. Para a inscrição, há necessidade de preencher um formulário e anexar 2 fotos coloridas 3×4 recentes.

Para saber em que nível deve tentar, você pode fazer um exame simulado on line: http://jlpt.jp/e/samples/forlearners.html
Há muitas pessoas, no mundo inteiro, participando do exame de proficiência. No ano de 2013 foram mais de 830 mil participantes. No Brasil participaram 2789 candidatos nos exames realizados em São Paulo, Londrina, Belém, Rio, Porto Alegre, Brasília, Salvador e Manaus. Só em São Paulo 1846 candidatos fizeram o exame, que em 2013 foi realizado na FMU da Avenida Liberdade. Como coincide com a época de outros exames (concursos públicos e vestibulares), a região ficou bem congestionada, por isso, recomendamos utilizar transporte público ou sair mais cedo de casa.
Para os estrangeiros, incluindo os brasileiros, que estão no Japão, esse exame é realizado também em várias localidades no Japão.
Os endereços para retirar e entregar o formulário de inscrição:
– Centro Brasileiro de Língua Japonesa – Rua Manoel de Paiva, 45 – Estação Ana Rosa do metrô. Tel. 11 5579-6513.
– Aliança Cultural Brasil-Japão – Rua Vergueiro, 727 – 5º, Rua São Joaquim, 381 – 6º, Tel. 3209-6630 e 3209-9998.
– Associação Pan Amazônia – Travessa 14 de abril, 1128 – Belém – PA. Tel. 91 3229-4435.
– Associação Língua Japonesa de Brasília – SGAN 611, módulo A, Bloco C, Brasília DF, Tel. 61 3347-1214.
– Aliança Cultural Brasil-Japão do Paraná – Rua Paranaguá, 1782, Londrina PR, Tel. 43 3324-6418.
– Associação da Cultura Japonesa de Porto Alegre – Rua Gomes Cardim, 497 – Porto Alegre RS, Tel.51 3219-2664
– Associação Nipo Brasileira da Amazônia Ocidental – Rua Terezinha, 95 – Adrianópolis – Manaus AM, Tel. 92 3234-7185
– Associação Cultural N. B. do Rio de Janeiro – Av. Franklin Roosevelt, 39 sala 919 – Castelo, Rio de Janeiro RJ. Tel. 21 2533-0047
– Federação Nipo Brasileira da Bahia – Rua Campina de Brotas, 104-E, Salvador BA, Tel. 71 3359-5946.
– Fazer inscrição no Japão: http://info.jees-jlpt.jp/info/testguide2.html

O Formulário de Inscrição também poderá ser retirado (apenas retirado) nos seguintes locais à partir de 01 de agosto:
x Fundação Japão: fjsp.org.br
x JICA: http://www.jica.go.jp/brazil/portuguese/office/
x JETRO: www.jetro.go.jp/brazil
x Embaixada do Japão no Brasil: www.br.emb-japan.go.jp
x Consulado Geral do Japão:
1. São Paulo: www.sp.br.emb-japan.go.jp
2. Curitiba: www.curitiba.br.emb-japan.go.jp
3. Belém: www.belem.br.emb-japan.go.jp
4. Manaus: www.manaus.br.emb-japan.go.jp
5. Rio: www.rio.br.emb-japan.go.jp
Escritório Consular do Japão em Recife: tel.:081-3207-0190

exame proficiencia 2014Para quem pretende se preparar para o exame, existem livros apropriados simulando os testes de cada nível e com explicações. Pode valer a pena, principalmente se você parou de estudar há muito tempo. São muitas questões e o tempo para ler, entender e responder pode não ser suficiente para você.

Esses livros são vendidos em livrarias japonesas como a Sol, a Takano e a Fonomag, todos na Liberdade.

Como houve uma alteração na classificação dos níveis em 2009 (até então não existia o N5), é preferível adquirir livros editados de 2010 em diante.

ago 072014
 
orquidea 91 expo

©Alias 0591

Nos dias 29, 30 e 31 de agosto de 2014, será realizada a 91ª Exposição de Orquídeas, na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa, em São Paulo, no horário das 9 às 19 horas. A promoção é da Associação Orquidófila de São Paulo – AOSP e costuma atrair muitos apreciadores dessas plantas. Haverá aulas gratuitas de cultivo às 10h, 14h e 16h.

A AOSP foi fundada por imigrantes japoneses em 1967 no bairro da Aclimação, em São Paulo. No início, as orquídeas eram colhidas nas matas, fato hoje impensável. Aos poucos, essa prática foi dando espaço à conscientização sobre a conservação do meio ambiente e seus recursos e hoje não existe mais entre orquidófilos. Hoje, a AOSP promove anualmente a reposição de orquídeas em seu habitat. Todos os anos, no mês de outubro, sócios da AOSP e suas famílias partem em excursão para uma região da Mata Atlântica e fazem o replante de plantas nativas, simbolizando a devolução do que foi retirado no passado. A AOSP promove, a exposição de orquídeas duas vezes por ano.

91ª Exposição de Orquídeas – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social
Dias 29/31 de agosto de 2014 – 9 às 19 horas. A entrada é franca.
Rua São Joaquim, 381 – Bairro da Liberdade – São Paulo. Próximo ao metrô São Joaquim. Há estacionamento terceirizado e pago (File Park) no próprio prédio, com entrada pela Rua Galvão Bueno 540.
ago 062014
 

tosa matsuri 2014 agua brancaTo-Sa Matsuri é uma homenagem ao passado da província japonesa de Kochi, que tinha o nome de To-sa, e que foi celeiro de grandes intelectuais e idealistas na reforma política do Japão, no início do período Meiji, em 1868. Nomes como Ryoma Sakamoto e Taisuke Itagaki são heróis nacionais e são lembrados por pregarem a democracia numa época em senhores feudais decidiam o destino de todos.

No Brasil, o evento To-Sa Matsuri surgiu há três anos do esforço do jovem Augusto Takeda e de sua equipe, para preservar um pouco da tradição de Kochi e do Japão.

O 3º To-Sa Matsuri acontece nos dias 23 e 24 de agosto de 2014, no Parque da Água Branca – Avenida Francisco Matarazzo, 455 – São Paulo. Fica a 200 metros da estação Barra Funda do metrô e nas imediações é fácil estacionar.

Com o nome oficial de Parque Dr. Fernando Costa, o local é imenso, com 137 mil metros quadrados de área, com uma boa área verde preservada, prédios antigos em estilo normando e com vitrais no portal da entrada em estilo art déco projetados por Antonio Gomide. O parque em si merece ser visitado. Tem um aquário, um museu geológico, trilhas, trenzinho, bambuzal e grandes aves que vivem soltas. Saiba mais.

O Tosa Matsuri de 2014 não decepciona com sua programação, principalmente voltada aos jovens. Haverá concurso de cosplay, show da banda Gaijin Sentai, de Joe Hirata e da cantora internacional Tsubasa (veja o video da Tsubasa cantando Maluco Beleza), entre outras atrações, além da área gastronômica. A entrada é franca.

 

ago 052014
 

A famosa base branca usada pelas gueixas e pelos atores do teatro Kabuki é da principal fabricante de cosméticos profissionais para teatro e cinema do Japão: a MITSUYOSHI.

A base branca é símbolo dos artistas no Japão. Ela deixa o rosto como uma folha de papel em branco, permitindo ao (à) artista criar expressões e efeitos diferentes com outras cores e aplicação de acessórios. Com os séculos a base branca evoluiu para símbolo de beleza tradicional e típica do Japão. Na Internet make-up artists como a japonesa Minori vêm popularizando o SHIRONURI entre jovens pelo mundo inteiro.

Chamada de SHIRONURI ou OSHIROI, a base branca da Mitsuyoshi é a preferida das Maikos (gueixas aprendizes) e dos atores do teatro Kabuki devido sua qualidade, que permite um acabamento uniforme e sedoso.

INSTRUÇÕES DE USO:
1) Lave a pele com sabonete líquido para o rosto, retirando vestígios de maquiagem anterior, óleo e suor.
2) Tonifique a pele passando um algodão embebido em loção tonificante e prepare a pele com creme hidratante.
3) Com uma esponjinha descartável aplique a base branca SHIRONURI / OSHIROI da Mitsuyoshi sobre a pele. A aplicação da base pura gera um efeito visual mais “sólido” (como uma máscara de Kabuki).
Para um efeito mais suave, pode-se diluir uma colher de chá da base num pires com um pouco de água mineral (uma colher de chá), deixando a base meio líquida. Neste caso, aplica-se a base sobre a pele com um pincel chato, fino e largo.
4) Retire o excesso da base com um pufe para pancake. Se quiser, dê acabamento com pó de arroz ou pó translúcido (existe em tons de pele e transparente).

TUTORIAIS:

Como fazer maquiagem de gueixa com os produtos Mitsuyoshi – em japonês
http://mitsuyoshi-makeup.com/step/make001.html

Como fazer maquiagem teatral para dança clássica (Nihonbuyou) com os produtos Mitsuyoshi – em japonês
http://mitsuyoshi-makeup.com/step/make002.html

Como fazer maquiagem de noiva tradicional com os produtos Mitsuyoshi – em japonês
http://mitsuyoshi-makeup.com/step/make003.html

Como fazer maquiagem teatral estilo Takarazuka (Otokoyaku) com os produtos Mitsuyoshi – em japonês
http://mitsuyoshi-makeup.com/step/make011.html

Maiko aplicando maquiagem (filmagem integral)