dez 102012
 

O documentário do cineasta Mario Jun Okuhara, concluído em 2012, agora pode ser visto aqui:

O jovem Hidaka aparece na foto a direita, no círculo destacado, na Ilha Ancheita

Sinopse do filme:
Yami no Ichinichi – O Crime que abalou a Colônia Japonesa no Brasil traz a saga de Tokuichi Hidaka, que, em 1946, aos 19 anos de idade, foi um dos autores do assassinato do coronel Jinsaku Wakiyama, em crime atribuído a uma entidade denominada Shindo Renmei (Liga dos Caminhos dos Súditos). Entregou-se à polícia com o restante do grupo e cumpriu 15 anos de prisão. Em liberdade, sofreu a punição da colônia japonesa: foi discriminado, condenado ao ostracismo, sem oportunidade para contar a sua versão. Décadas mais tarde, Hidaka inicia uma busca por amigos e pessoas desse período para reconstruir a memória da época e encontrar o sentido da sua vida no Brasil. Nesta nova versão do documentário, integrantes da família Wakiyama falam do papel exercido por Jinsaku na comunidade nipo-brasileira paulista dos anos 1940 e expõem seu ponto de vista sobre os fatos. No documentário, Hidaka, com seus 85 anos, mas com uma lucidez invejável, visita a Ilha Anchieta, onde esteve preso, e revela os detalhes daquela passagem.
Um belo filme, com boas imagens e entrevistas coerentes. Vale a pena assistir os 1 hora e 22 minutos para entender uma parte importante da história do Brasil. Quem leu ou assistiu “Corações Sujos” certamente vai ter informações mais profundas assistindo “Yami no Ichinichi”.

Veja matéria sobre o estandarte da Shindo Renmei que foi encontrado e doado para o Museu da Imigração Japonesa.

  2 Responses to “O crime que abalou a colônia japonesa: Yami no Ichinichi”

  1. Excelente documentário.Sou nissei,60anos,somente agora,após leitura de Coracoes Sujos,estou tendo a oportunidade de conhecer as reais origens da Imigração Japonesa a a postura de seus descendentes.Por favor,gostaria de ter acesso as outras publicações. Um forte abraço!

    • O livro “Corações Sujos” de Fernando Morais é uma ótima leitura, e o “O Súdito” do jornalista Jorge Okubaro também é um relato envolvente.

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)