fev 272013
 

Cursos de Budismo

A Associação Religiosa Nambei Honganji Brasil Betsuin, anunciou os cursos de budismo que serão ministrados neste primeiro semestre em sua sede, que fica na Av. Cursino 753 – Saúde – S. Paulo – Tel. 5061-4902.

Um dos cursos é sobre o Budismo Básico, com o monge Dr. Ricardo Mário Gonçalves, professor da USP, que abordará os conceitos básicos do budismo analisando os versículos do Dhammapada. Nos dias 16 de março, 27 de abril, 18 de maio e 29 de junho, no horário das 16 às 18 horas. A contribuição sugerida é de R$ 20,00 por aula.

O outro curso é de Budismo Shin, com a monja Leninha Cipriani, que fará um estudo comparativo entre as obras Tannisho e Mattosho (cartas do mestre Shinran) para entendimentos da doutrina Jodo Shinshu. Nos dias 23 de março, 20 de abril, 25 de maio e 22 de junho, das 16 às 18 horas. A contribuição sugerida é de R$ 20,00 por aula.

Informações no Templo Higashi Honganji (endereço e telefone acima) ou info@amida.org.br

A entidade tem, desde o fim de 2012, o rito e as palestras do Dharma recitados em português, aos domingos, das 18h30 às 19h30, no endereço acima.

fev 262013
 

A Assistência Social Dom José Gaspar, conhecida como Ikoi no Sonô, tem o Núcleo de Convivência para Idosos. Caminhada, relaxamento, oficina de artesanato, oficina de culinária e dança estão entre as atividades oferecidas gratuitamente para os que têm mais de 50 anos. Uma nova turma começa no dia 1º de março, sempre na sexta-feira, no horário das 8 às 11h30.
Local: Jardim de Repouso São Francisco, Rua Jardim de Repouso, 881 – Parque Maria Helena, Guarulhos SP. Inscrições com Milena ou Tatiane, das 8 às 15 horas, pelo telefone 11 2480-1122
Veja no facebook

fev 262013
 

Há 19 anos, o avicultor Kenzo Fujikura, imigrante residente no Brasil, conseguiu que lhe enviassem da província de Yamagata, Japão, as primeiras mudas da dália, que foram plantadas na Ipelândia Home, casa de repouso que fica em Suzano.
Originária do México, essa flor é bastante comum no Japão. Hoje, a entidade tem 50 variedades dessa planta e são 3 mil pés no local, que conta com girassóis também. Esse é o cenário da 19ª Festa da Dália, nos dias 3 e 10 de março, começando às 10 horas e terminando às 16.
Além da beleza das flores, o público poderá apreciar shows variados, como do grupo de odori Fujima Ryu, Sara Odori, Kassa Odori, Kenko Taiso e Taikô. No dia 3 tem show do cantor Joe Hirata e no dia 10 tem a cantora Karen Ito. A parte da alimentação conta com yakissoba, takoyaki, moti, okonomiyaki, udon, peixe grelhado e outras delícias.
A entrada é gratuita. Há estacionamento no local.
Para quem quiser ir de trem, na estação de Suzano tem ônibus para o local. Para quem quer mais comodidade, há a opção do ônibus especial que sairá da frente do Enkyo, na rua Fagundes, 121, Liberdade, São Paulo, às 9 horas, e saira às 15 horas de Ipelândia de volta ao mesmo local. A passagem de ida e volta custa 20,00, e deve-se fazer reserva pelo tel. 11 3274-6490.

fev 222013
 

Gaijin Sentai OST

Expoente do j-rock nacional, a banda Gaijin Sentai lança OST, um álbum todo cantado em japonês que mistura elementos de heavy metal e ritmos tradicionais brasileiros e japoneses. Fazer rock japonês no Brasil. A frase pode parecer um pouco estranha para você, mas essa foi a ideia e o desafio da banda paulistana Gaijin Sentai.

Criada em Caraguatatuba, a Gaijin Sentai ganhou notoriedade ao misturar músicas de Anime e Tokusatsu com heavy metal e alguns elementos de ritmos tradicionais brasileiro, como o maracatu. A receita deu certo, e a banda conquistou seu espaço junto aos fãs de rock e cultura pop japonesa, fazendo diversos shows pelo Brasil e até mesmo uma turnê Sul Americana ao lado do rockstar japonês Eizo Sakamoto, vocalista da banda Anthem, que também já passou por Jam Project e Animetal, uma turnê em Portugal em 2010 e participação em edições da Virada Cultural Paulista em várias cidades do Estado, inclusive na capital.

Após se apresentar em diversos eventos de cultura japonesa, como Festival do Japão, Tanabata Matsuri e Anime Friends, a banda tornou-se a maior referência brasileira em animesongs. O reconhecimento público Otaku veio com a vitória no concurso Sony Ericsson Animax de Música Independente. Desde então, a Gaijin Sentai foi protagonista de diversas reportagens e canais de televisão, como Globo, Play TV, Estadão, Rede TV, Rede Bandeirantes, Multishow e NHK. Para 2013, a banda traçou um objetivo audacioso: fazer o primeiro álbum de hard rock/metal inteiramente cantado em japonês produzido no ocidente. Para ajudar na realização do projeto, a banda se inscreveu em um concurso do Programa de Ação Cultural (PROAC), do Governo do Estado de São Paulo, e sagrou-se vencedora entre mais de 500 projetos, conseguindo recursos para realizar o sonho de produzir seu álbum.

“Foi uma surpresa receber a notícia. Afinal, tocando rock japonês havíamos sido selecionados entre tantos candidatos já consagrados da música popular brasileira”, afirma Jefferson Amorin, tecladista da Gaijin Sentai. O Prêmio obtido no PROAC garantiu a alta qualidade na gravação do álbum OST, que será lançado oficialmente no dia 27 de fevereiro.

Mixado no Norcal Studio por Brendan Duffey e Adriano Daga, dupla que já trabalhou com grandes nomes do rock nacional como Angra, Edu Falaschi, Tihuana e Biquini Cavadão, OST conta com 12 faixas misturando os tradicionais vocais masculino e feminino da Gaijin Sentai, além de participações especiais, como o rockstar japonês Eizo Sakamoto, que empresta sua voz a duas músicas, e dos respeitados Tsukasa Kaito e Yooheu Kaito, referências no Brasil quando falamos de Taiko e Shamisen, instrumentos tradicionais japoneses de percussão e cordas, respectivamente. Outro diferencial do OST é o rico encarte, que contém 13 ilustrações originais que têm relação direta com o álbum e influências de tokusatsus das décadas de 60, 70 e 80.

“Tentamos reproduzir a poesia das produções, mas com todo cuidado, para produzir algo autêntico, e que ao mesmo tempo tivesse relação com as músicas e contribuísse para a obra como um todo”, conta Nordan, vocalista da Gaijin Sentai. OST já está disponível para a pré-venda no site da banda e estará disponível em lojas especializadas em hard rock e j-rock a partir do dia 27 de fevereiro.

Para saber mais sobre a Gaijin Sentai, acesse: Site: www.gaijinsentai.com.br Facebook: www.facebook.com/gaijinsentai Entrevista na NHK: http://www.youtube.com/watch?v=UDjQ9HqjylY  Teaser: http://www.youtube.com/watch?v=yVA_oSiOFBw

fev 212013
 

Sukiyaki Western Django

A partir de hoje, 20 de fevereiro, até o dia 17 de março, os fãs de Quentin Tarantino podem assistir seus filmes no CCBB e no Cinusp, na mostra que tem o apoio da Fundação Japão e que recebeu o nome de “Mondo Tarantino”. “Pulp Fiction”, “Cães de Aluguel” , “Kill Bill 1 e 2″ e “Bastardos Inglórios” estão entre seus filmes exibidos.
A mostra também apresenta produções que de alguma forma influenciaram Tarantino, como “O Grande Golpe”, de Stanley Kubrick e “Taxi Driver”, de Martin Scorsese, e filmes nos quais o diretor participa como ator integram a mostra, incluindo “Um Drinque no Inferno” (1996), de Robert Rodriguez, e “Sin City – A Cidade do Pecado”, que co-dirigiu com Robert Rodriguez e Frank Miller.
Para os fãs de filmes japoneses, entretanto, o destaque fica para o filme “Sukiyaki Western Django”, de 2007. A história é simples: dois tradicionais clãs disputam um tesouro escondido numa pequena cidade, quando surge o pistoleiro Django, disposto a ajudar o lado que pagar mais. Direção de Takeshi Miike, e Quentin Tarantino aparece no papel do pistoleiro Ringo. O Outro destaque é o premiado “Sonatine”, do diretor Takeshi Kitano, sobre yakuza, filmado em 1993.

Sonatine Takeshi Kitano

“Sukiyaki Western Django” será exibido no CCBB nos dias: 1º/março – 20 horas e no dia 3/março – 17h30. “Sonatine”, ou “Adrenalina Máxima” (título brasileiro do mesmo filme), será exibido hoje, dia 20/fevereiro – 17h30 e no dia 23/fevereiro – 13 horas, no CCBB.

Todos os filmes da mostra serão exibidos também no CINUSP, na Cidade Universitária de São Paulo, mas até o momento, a entidade não divulgou sua programação.

CCBB São Paulo – 20 de fevereiro a 17 de março de 2013
Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – São Paulo – 70 lugares – Tel: 11-3113-3651 / 11-3113-3652 – www.bb.com.br/cultura

CINUSP Paulo Emílio – 25 de fevereiro a 15 de março
Rua do Anfiteatro, 18 – Colmeia, Favo 04 – Cidade Universitária – SP – 100 lugares – fone: 11-3091-3540 – www.usp.br/cinusp

fev 202013
 

A Fundação Japão realiza a exposição do projeto “Ukiyo-e Heroes”, com 15 obras (xilogravuras) do ilustrador norte-americano Jed Henry, durante o período de 04 de março a 12 de abril de 2013 no JOH MABE Espaço Arte & Cultura, Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 4.225 – Jardim Paulista – São Paulo – Tel: (11) 3885-7140.

“Ukiyo-e Heroes” é um projeto sem precedentes. Uma série de paródias envolvendo personagens de videogames já foi feita, é verdade. Mas o que eles (Jed, o artista ilustrador e David, o gravador) fizeram quando decidiram juntar cultura pop com gravura tradicional japonesa resgata o próprio pensamento do Ukiyo-e. Para tal é preciso enfatizar que as estampas japonesas, que encantaram os impressionistas europeus do século XIX, sobretudo pela nostalgia e exotismo, eram, na verdade, retratos da vida cotidiana e de ícones, tais como as cortesãs e os atores famosos, contemporâneos à época em que foram feitas. Jed, ao trazer sua paixão por videogames, juntamente com seu magnífico traçado e composição, para o universo da gravura japonesa, o qual David domina e executa com exímio talento há mais de 30 anos, atualiza a tradição desta arte e nos aponta para as origens dos videogames.”, afirma Fernando Saiki, autor do artigo sobre a prática da estampa japonesa no livro “Imagens do Japão II”, organizado por Christine Greiner e Marco Souza.

Além da exposição, haverá um bate papo e demonstração da técnica do “Mokuhanga “(Imagem impressa pela madeira), no dia 02 de março de 2013 (sábado), em dois horários, às 10h e 14h, com o ilustrador, Jed Henry. O artista plástico brasileiro Fernando Saiki, que desenvolve obras em xilogravura japonesa, também participa do evento. A conversa, toda em inglês, terá tradução consecutiva para o português. As inscrições para o bate papo, limitadas a 35 pessoas por turma, devem ser feitas pelo site www.fjsp.org.br.

Durante a passagem pelo Brasil, Jed também profere uma palestra fechada aos alunos da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo.

Ukiyo-e Heroes – O projeto iniciado em abril de 2012, em parceria com o gravador anglo-canadense residente em Tóquio, David Bull, já arrecadou U$ 313,000 na plataforma digital Kickstarter, ganhando destaque na mídia internacional, noticiado no jornal The Japan Times, na revista GQ, no site CCN Money e na versão digital da revista Wired (edição japonesa e inglesa).

Ukiyo-e – A tradução de Ukiyo-e (“Figuras de um mundo flutuante”), nascido no Japão durante o Período Edo (1603-1868), refere-se a um termo budista sobre a brevidade e a incerteza da vida. Sua criação reflete basicamente às mudanças comportamentais da época (como o nascimento da classe burguesa), quando a arte se tornou popular. As primeiras gravuras foram realizadas para ilustrar livros, mas Ishikawa Moronobu (?-1694), considerado o pai do Ukiyo-e, cunhou a gravura Ichimai-e ou Ichimai-zuri, ou seja, folha avulsa, sem ligação com qualquer livro. Mas foi com Okumura Masanobu que o ukiyo-e ganhou inovação, com o desenvolvimento da gravura de perspectiva (uki-e) e de pilastra (hashira-e). E o artista Suzuki Harunobu a elevou a um grau de complexidade e sofisticação, compondo imagens de até dez cores impressas em blocos diferentes.

A temática era variada, mas se concentrava na vida urbana e as cenas do cotidiano (cortesãs, lutadores de sumô e atores de teatro kabuki, também nascido na época), com destaque, para as paisagens, cidades japonesas e as inúmeras representações/vistas do monte Fuji, um dos maiores cartões postais nipônicos. Com a abertura do Japão ao Ocidente, na Era Meiji (1868-1912), e a popularização de métodos mais baratos, como a gravura em metal, litografia e a fotografia, o ukiyo-e cai em desuso. Usado como papel de embrulho de porcelanas e cerâmicas exportadas para Europa, iria influenciar drasticamente pintores impressionistas franceses, como Claude Monet.

Jed Henry – Ilustrador norte-americano, graduado em Bacharel em Fine Arts Animation (2005-2008) pela Brigham Young University (BYU), em Utah, Estados Unidos. Na área da animação, estagiou na SONY Pictures e ganhou prêmios como o primeiro lugar (Student Emmys) e terceiro (Student Academy Awards), com “KITES”, seu filme/tese de graduação, em 2008. Ilustrou livros infantis da editora Houghton Mifflin, entre outras como a Penguin, Harper Collins e Candlewick. Além disto, se considera um jogador de videogames profissional, japanófilo e nerd assumido.
Fernando Saiki – Artista plástico formado pela Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP), com especialização em Escultura, em 2004. Pesquisa e desenvolve trabalhos plásticos em xilogravura japonesa (mokuhanga), além de ministrar cursos e oficinas, desde 2006.
fev 202013
 

Inauguração do Cine Niterói na Rua Galvão Bueno

O site começou em novembro de 2012 e este é o nosso post de número 100. Para celebrar esse marco, resolvemos homenagear o Cine Niterói, fundado em 1953, que foi uma referência dentro da comunidade nipo-brasileira. Além da sala de cinema de dois andares, com assentos para 1.500 pessoas, o empreendimento contava com um restaurante no primeiro andar; um hotel nos dois andares seguintes, e um salão de festas no último pavimento. Era um empreendimento que certamente encheu de orgulho, não só a família Tanaka, dona do negócio, como também toda comunidade japonesa, que saía da triste situação do pós-guerra, quando o seu país foi derrotado. O primeiro filme exibido foi “Genji Monogatari”, traduzido como “Os Amores de Genji”. Todos os filmes eram legendados e toda segunda-feira entrava um novo filme no projetor. 20 mil pessoas passavam pela sala todas as semanas. Ao contemplar a alegria dos japoneses que lotavam sua casa, Yoshikazu Tanaka resolveu ser ainda mais ousado para dar ainda mais alegria ao seu público: foi ao Japão buscar os protagonistas dos filmes para se apresentarem na estréia das películas. Isso aconteceu várias vezes, e um dos convidados foi Koji Tsuruta, um galã na época. Nessas ocasiões, o convidado se hospedava no hotel da família, e as recepções aconteciam na ampla sala da casa de Susumu Tanaka (irmão de Yoshikazu). Sua filha, Zelinda, ainda se lembra dessas festas, quando a sua casa ficava cheia de destacadas personalidades da época.

Cine Niterói na Rua Barão de Iguape com a Av. Liberdade

Com o sucesso do Niterói, mais três salas surgiram no mesmo bairro para atender ao público nipo-brasileiro. Muitos filhos de agricultores vinham para estudar e trabalhar em São Paulo, tendo como referência essas salas. Surgiram várias pensões e restaurantes. E com isso, a Liberdade acabou se tornando o “bairro japonês”.
Outros cines que se especializaram em filmes japoneses: Tokyo (fundado em 1954 na Rua São Joaquim – depois recebeu o nome de Cine Álamo, e hoje é uma igreja evangélica), Jóia (fundado em 1958, no final teve o nome de Shochiku na praça Carlos Gomes – hoje é uma igreja evangélica), Nippon (fundado em 1959 na rua Santa Luzia – hoje é sede da Associação Aichi Kenjin). A primeira sede do Cine Niterói foi derrubada para a construção da Avenida Radial Leste-Oeste, e a segunda e última ficava na esquina da Av. Liberdade com a Rua Barão de Iguape. Cada cinema representava uma grande companhia japonesa. Tokyo exibia filmes da Nikkatsu, Niterói da Toei, Nippon da Shochiku, e Jóia da Toho.
Matéria mais completa sobre o Cine Niterói está no site: imigracaojaponesa.com.br

fev 182013
 

O tradicional concurso de karaokê da UPK – União Paulista de Karaokê, conhecido como Paulistão, será realizado na sede do Instituto Cultural Nipo-Brasileiro de Campinas, localizado na Rua Camargo Paes, 118, na cidade de Campinas, interior do estado de São Paulo, nos dias 22 a 24 de fevereiro de 2013, com início às 11h no dia 22, sexta-feira, e às 8h nos demais dias.

No total 627 cantores selecionados em seletivas realizadas em 15 filiais de todo o Estado de São Paulo estarão disputando o Paulistão. São 15 as categorias de cantores.

fev 182013
 

O Consulado Geral do Japão realizará o serviço de atendimento itinerante nos municípios de São José do Rio Preto, Catanduva, Rancharia, Paraguaçu Paulista e Assis. O atendimento será gratuito e bilingue. Os principais serviços a serem prestados na ocasião: Atualização do Registro Civil Japonês (Koseki Tohon) e o Cadastro de Eleitores Japoneses.

21/02/2013 – ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPORTIVA NIPO-BRASILEIRA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO – Rua Barão de Cotegipe, 51, Vila Ercília, São José do Rio Preto -SP – Das 9h às 17h

22/02/2013 – ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA CULTURAL NIPO-BRASILEIRA DE CATANDUVA – Rua Belo Horizonte, 01, Centro, Catanduva -SP – Das 9h às 12h

12/03/2013 – SOCIEDADE CULTURAL NIPO-BRASILEIRA DE RANCHARIA – Rua Coronel Gaudino Alfredo de Almeida, 422, Rancharia -SP – das 12h30m às 17h

13/03/2013 – ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPORTIVA PARAGUAÇU PAULISTA (ACEPP) – Rua Pedro de Toledo, 810, Paraguaçu Paulista -SP – Das 9h às 17h

14/03/2013 – ASSOCIAÇÃO CULTURAL NIPO-BRASILEIRA DE ASSIS – Av. Vereador Nazário Oliveira, 90, Assis -SP – Das 9h às 12h

Para saber os documentos que deverá levar, veja o site da Embaixada, que as explicações estão em formato de mangá, em português, neste link.

Ou fale com o Consulado de São Paulo – Tel: (11)3254-0100 – e-mail : cgjregistro2@sp.mofa.go.jp

fev 182013
 

No dia 10 de março de 2013, entre 11 e 16 horas, será realizada a Hiroshima Fest, na sede do Centro Cultural Hiroshima, na Rua Tamandaré, 800, na Liberdade, em São Paulo. Essa rua fica entre as estações de metrô São Joaquim e Vergueiro, não é difícil estacionar na região e no local há estacionamento pago. A entrada é franca e a grande atração é o Okonomiyaki, prato tradicional da província de Hiroshima. O grupo teatral Kagura, embora seja organizador da festa, não se apresentará nesse dia. Para acompanhar as atividades do grupo Kagura, acompanhe no facebook

Hiroshima Fest na Liberdade