dez 042014
 

Após a crucificação dos 26 mártires, houve uma revolta, também em Nagasaki, entre 1637 e 1638, contra o governo nacional de Tokugawa. Não foi propriamente uma revolta religiosa, mas constatou-se que a maioria dos 27 mil camponeses e samurais desempregados que reclamavam da alta do imposto e da fome era cristã. Todos foram mortos, e depois deste triste episódio, o cerco aos cristãos ficou ainda mais rigoroso. Prêmios foram oferecidos para quem denunciasse alguém praticando o cristianismo, e os cristãos encontrados foram todos mortos. Assim iniciou a política de isolamento do governo de Tokugawa, que começou em 1639 e terminou somente em 1854.

Kakure Kirisutan

Depois do longo período de mais de 200 anos de isolamento, o Japão abriu os portos, em 1854, permitindo a entrada de estrangeiros. Pelo acordo entre os países, uma área foi reservada perto do Porto de Nagasaki para os estrangeiros se estabelecerem, em 1859. Três anos depois, o Papa Pio XIX transformou os 26 mártires do Japão em santos da Igreja Católica.

Imagem de Maria na Igreja Oura Tenshuudo que comoveu os japoneses

Imagem de Maria na Igreja Oura Tenshuudo que comoveu os japoneses

Mas no Japão, a prática do cristianismo continuava proibida para os japoneses. Entretanto, os estrangeiros tinham liberdade religiosa, e dentro do espaço dos estrangeiros, os católicos ergueram a igreja Oura Tenshuudo para servir a comunidade estrangeira no país. No dia 17 de março de 1865, apenas um mês após a sua inauguração, o padre francês Petitjean recebeu na igreja a inesperada vista de um grupo de japoneses. Os japoneses, ao virem a estátua de Santa Maria na igreja, falaram ao padre: “Nossos corações e os seus são os mesmos”. Eles arriscaram a vida e se declararam cristãos. Essa data foi considerada a “ressureição do cristianismo” no Japão. Não se sabia, até então, da existência desses cristãos, depois de mais de 250 anos de proibição.

Outros cristãos que estavam escondidos se juntaram ao grupo, e apesar do risco de morte, recriaram secretamente a Igreja Católica Japonesa, pegaram quatro casas comuns para funcionarem como igrejas, e 3.394 católicos foram enviados a 22 localidades para a preservação da fé. Em 1873, o governo Tokugawa havia caído e o governo Meiji restaurou a liberdade religiosa no País.

Como sobreviveu por tanto tempo?

Por 250 anos, não houve mais contato dos japoneses com os missionários portugueses e espanhóis. Cristão descoberto era cristão morto, por isso, não havia como utilizar as cartilhas da Igreja e nem deixar textos escritos. Assim, o catolicismo só sobreviveu graças à transmissão pessoal, em cabanas simples utilizadas como igrejas secretas. Os fiéis também tiveram que criar imagens de Cristo e Maria parecidos com imagens budistas para não serem identificados como cristão e mortos. Outros instrumentos religiosos também foram alterados para não serem descobertos, e os próprios rituais seguiram caminhos diferentes dos ensinados a partir de Roma, por falta total de contato. Muitas partes que foram modernizadas ou simplificadas pela Igreja, no Japão permaneceram da forma como eram em 1639.

Veja os objetos utilizados pelos kakure kirisutan para a preservação da sua fé:

Veja também: Quem são os 26 santos japoneses da Igreja Católica?

  One Response to “A verdade sobre Kakure Kirisutan, os Cristãos Ocultos no Japão”

  1. Por gentileza,

    Eu tenho uma escultura em madeira, Nossa Senhora da Conceição
    final seculo xvii, possui indicios que foram feitas por Kakure Kirishitan, poderia me ajudar a confirmar ?

    Grato pela atençao, Marco Antonio.

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)