out 182017
 
Estão abertas as inscrições para a Bolsa de Treinamento Nikkei – Abrangem várias áreas e são realizadas em várias regiões do Japão. Alguns duram menos de um mês enquanto outros duram até um ano.
A Bolsa de Treinamento Nikkei oferecido pela JICA – Japan International Cooperation Agency tem como objetivo selecionar os recursos humanos aptos a dedicar no futuro, às pesquisas ou treinamento técnico nos setores que exijam conhecimentos especializados por meio de treinamento no Japão. O treinamento visa a aprendizagem de tecnologias avançadas e conhecimentos mais recentes, preparando profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento da sociedade nipo-brasileira e da sociedade regional às quais pertencem.

Relação dos cursos do 1º Semestre 2018:
-Periodo de inscrição: 01/10 a 17/11/2017.
-Periodo de entrevista: entre 11/12 a 16/12/2017.
-Periodo de treinamento: A partir de Abril de 2018.
-Detalhes sobre os cursos: https://www.jica.go.jp/brazil/portuguese/office/activities/nikkeis01_01_01.html
-Dúvidas: JICA Escritório São Paulo (email: jicabrsp-bolsa@jica.go.jp)

+ Gestão das organizações para promoção da cooperação de Pequenas Medias Empresas – junho a julho/2018 – local: JICA Obihiro (Hokkaido)

+ Iniciativas locais de pequenos empresários – junho a julho/2018 – local: JICA Chugoku

+ Promoção de pequenas e médias empresas – maio a junho/2018 – local: JICA Kyushu

+ Aquisição de habilidade empreendedora na sociedade japonesa (métodos administrativos, marketing, comercial) – maio a novembro/2018 – local: JICA Chugoku

+ Desenvolvimento regional da comunidade nikkeis com aproveitamento de produtos agrícolas – junho a julho/2018 – local: JICA Yokohama

+ Administração de pomares para fins turísticos e técnicas de fruticultura – maio a julho/2018 – local: JICA Chugoku

+ Produtos hortícolas nobres produzidos com plasticultura (Curso de flores e plantas ornamentais e produção de mudas) – maio a janeiro/2019 – local: JICA Yokohama

+ Metodologia de manejo de solo visando a preservação da agrobiodiversidade – maio a novembro/2018 – local: JICA Yokohama

+ Gestão eficiente e eficaz de produção, reprodução e controle de saúde na produção pecuária de alta qualidade, como o “wagyu” – maio a fevereiro/2019 – local: JICA Chugoku

+ Curso de longa duração referente a administração de pomares turísticos e técnicas de plantio e colheita de fruticultura – maio a novembro/2018 – local: JICA Chugoku

+ Técnicas de processamento de produtos marinhos – junho a setembro/2018 – local: JICA Shikoku

+ Kaizen e 5S – maio a junho/2018 – local: JICA Yokohama

+ Administração, gestão e formação de recursos humanos com foco na “satisfação dos colaboradores” – setembro a novembro/2018 – local: JICA Shikoku

+ Promoção de empreendimentos de “gastronomia japonesa” – julho a agosto/2018 – local: JICA Kyushu

+ Doces: produção, venda e desenvolvimento de produtos de doceria – maio a março/2019 – local: JICA Kansai

+ Revitalização da comunidade nikkei por meio de doces típicos japoneses (Wagashi) – junho a julho/2018 – local: JICA Yokohama

+ Treinamento prático clínico de controle nutricional – maio a março/2019 – local: JICA Sapporo

+ Ciência dos alimentos e gerenciamento nutricional – maio a março/2019 – local: JICA Sapporo

+ Gestão de escola de língua japonesa nikkei – julho a agosto/2018 – local: JICA Yokohama

+ Treinamento de ensino da língua japonesa como língua de herança (formação de professores III A) – julho a agosto/2018 – local: JICA Yokohama

+ Formação de coordenadores de atividades sobre cultura japonesa – julho a agosto/2018 – local: JICA Yokohama

+ Desenvolvimento regional por meio do fortalecimento da rede nikkei – julho a agosto/2018 – local: JICA Shikoku

+ Elaboração de material didático sobre consolidação da identidade nikkei e história nikkei – maio a julho/2018 – local: JICA Hokuriku

+ Formação de recursos humanos para instrutores de beisebol – maio a junho/2018 – local: JICA Shikoku

+ Sistema de apoio pela comunidade nikkei – maio a junho/2018 – local: JICA Sapporo

+ Aperfeiçoamento da capacidade de gestão de profissionais de saúde por meio de 5S-Kaizen – maio a junho/2018 – local: JICA Yokohama

+ Planejamento de transporte público urbano – maio a agosto/2018 – local: JICA Yokohama

+ Desenvolvimento urbano e regional (técnicas de planejamento e projeto de instalações relacionadas ao meio ambiente) – 6 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Projeto arquitetônico (design, estrutura e instalações) – junho/2018 – local: JICA Okinawa

+ Formação de designer de computação gráfica (3DCG) – maio a março/2019 – local: JICA Sapporo

+ Fundamentos de engenharia de redes – julho a outubro/2018 – local: JICA Kansai

+ IoT (Internet of Things) – maio a outubro/2018 – local: JICA Hokuriku

+ Design e técnicas tradicionais do Japão – maio a novembro/2018 – local: JICA Kansai

+ Treinamento básico relacionado a leis de propriedade intelectual – maio a outubro/2018 – local: JICA Kansai

+ Criação de equipes para diagnóstico e tratamento integrados de aparelho digestivo – junho a julho/2018 – local: JICA Shikoku

+ Treinamento prático através de experiência clinica de reabilitação – maio a março/2019 – local: JICA Sapporo

+ Treinamento prático clínico do departamento de farmácia – maio a março/2019 – local: JICA Sapporo

+ Treinamento prático em cuidados geriátricos – maio a março/2019 – local: JICA Sapporo

+ Sistema de formação de recursos humanos no serviço de cuidado a idoso – junho a julho/2018 – local: JICA Yokohama

+ Terapia ocupacional – maio a fevereiro/2019 – local: JICA Sapporo

+ Fisioterapia – maio a fevereiro/2019 – local: JICA Sapporo

+ Sistema de formação de recursos humanos no serviço de cuidado a idosos – junho a março/2019 – local: JICA Yokohama

+ Biomateriais e medicina regenerativa – maio a fevereiro/2019 – local: JICA Yokohama

+ Medicina – inferior a 9 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Odontologia – inferior a 9 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Medicina (curta duração) – inferior a 3 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Odontologia (curta duração) – inferior a 3 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Ortodontia – maio a março/2019 – local: JICA Shikoku

+ Próteses dentárias – maio a março/2019 – local: JICA Shikoku

+ Saúde pública e bem-estar social – inferior a 9 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Assistência a idosos – maio a novembro/2018 – local: JICA Chubu

+ Técnicas de enfermagem em hospitais integrados do Japão – maio a março/2019 – local: JICA Chugoku

+ Saúde e bem-estar dos nikkeis – inferior a 3 meses – período a combinar – local: JICA Yokohama

+ Sistema de assistência para bem-estar dos idosos e formação de recursos humanos – junho a julho/2018 – local: JICA Hokuriku

+ Acupuntura a moxabustão – junho a setembro/2018 – local: JICA Kansai

+ Estatística epidemiológica relativa a prevenção de doenças relacionada ao estilo de vida – maio a agosto/2018 – local: JICA Yokohama

+ Epidemiologia e desenvolvimento de métodos de diagnose de doenças fúngicas, do tipo epidêmica regional, comuns a humanos e animais – julho a setembro/2018 – local: JICA Okinawa

Detalhes dos cursos e requisitos, veja no link em PDF: JICA nikkeis 2 Sem 2017.

Antes de viajar, se prepare aprendendo um pouco da História do Japão (curso gratuito).

ago 022017
 

No dia 06 de Agosto de 2017 será realizado o Quarto Festival de Cerâmica no Casarão do Chá, onde mais de 40 ceramistas estarão expondo e comercializando suas peças (mais de 2.000 peças).

Além da demonstração de queima de Raku como no ano passado, a novidade será a oficina de Raku na qual os visitantes poderão participar. A oficina consiste em pintar uma peça semi-queimada que irá ao forno durante o evento. É interessante acompanhar a abertura da queima onde as peças são retiradas incandescentes, a partir das 14hs.  Os participantes levarão suas peças queimadas (oficina com inscrição antecipada – Valor R$20,00).

Artesãos de diferentes ramos da tradicional Feira de Artes da Praça Benedito Calixto de Pinheiros, SP, estarão com a venda de trabalhos manuais de qualidade.

Crédito das fotos: Ernesto Stock e Brune Hampf

Ceramistas e ateliês participantes: 
Acáci
a Azevedo, Akinori Nakatani, Ateliê do Quintal – Karina Ignacio, Arte com Barro, Artes Gato de Ouro – Brune Hampf, Beth Shiroto Yen, Chá de Coisinhas – Ângela Florencio, Cleide Vieira, Dani Bedollo, Dinnouti, Drikatê, Donizete, Eliana Kanki, Cristina Rocha, Estela Braga Cerâmica, Leonardo Baruk, Liliane Ranchin, Grupo Temtempu, Iweth Kusano, Jane H, John Alexander Uribe, Kazue Matsuoka, Kenjiro Ikoma, Marcelo Conegliam, Mariana Zoccoli, Marli Brejeiro Almeida, Marli Nano, Miha Nakatani, Porcelana Kojima, Raquel Caseiro, Rita Tucci, Sergio Onodera, Studio Faby Cerâmica, Tatiane Kawata, Tradef – Trabalho de Apoio ao Deficiente, Vanessa Murakawa, Yuki e Yuuki Nakatani.

Atrações:
• exposição e venda de mais de 2.000 peças de cerâmica
• oficinas e demonstrações gratuitas de cerâmica:
– oficina de modelagem – Tebineri com Grupo Temtempu – das 10 ás 16h. Gratuita

– demonstração e oficina de torno – Rokuro taiken com Sergio Onodera – das 10 ás 11h e 14h ás 16h. Gratuita

– queima de Raku ao vivo – Raku com Marcelo Conegliam – das 10 ás 14h – a demonstração é gratuita e a oficina com inscrição antecipada – Valor R$20,00.
• degustação e venda de chás: – chá preto artesanal – chá preto nacional.
• comida caseira: – orientais: sushi, temaki (sushi em forma de cone), tempurá (vegetais e mariscos fritos), nikuman (tipo de pão recheado cozido no vapor), gyoza (pastelzinho recheado com carne de porco, verduras e temperos), manju (doce japonês), entre outros. – diversos: pastel, pizza no forno à lenha, café caipira no fogão à lenha, bolos, biscoitos e pães artesanais, doces cristalizados, queijos, picolés caseiros, geléias, massas artesanais secas e congeladas, molhos, azeites saborizados, porco no rolete, galinhada, feijão tropeiro, arroz carreteiro, pão com pernil, pão com linguiça, entre outros.
• bebidas: licores, cachaças e cervejas artesanais, chopp, café extraído a frio e cafés especiais, café no fogão a lenha, chás artesanais.
• cogumelos frescos e em conserva, verduras sem agrotóxico, verduras hidropônicas, conserva de hanaume (flor de hibisco) e de folha de shisso (herva utilizada na culinária oriental).
• artesanatos diversos: Miniaturas feitas de vidro, biscuit, arame, linha, madeira; Jogos de desafio e brinquedos educativos; Oshibana (plantas desidratadas naturalmente) compondo brincos, colares, anéis, cadernos e chaveiros; Sapatos, sandalhas e chinelos artesanais; Jóias de marchetaria em madeira; Pulseiras, colares, anéis e brincos, feitos em macramê; Encadernação artesanal; Buquês, arranjos, brincos e bonecas de origami; Bolsas e acessórios; Toalhas de crochê e ponto cruz, entre outros.
• orquídeas e outras plantas, animais.

* Há diversos produtos diferenciados para o consumo, mas como no Casarão não é possível passar cartão, recomendamos que o visitante traga dinheiro.
* A entrada é gratuita. Para participar das oficinas basta chegar e se inscrever na atividade aberta ao público. 

Associação Casarão do Chá – Tel: (11) 4792-2164 
Whatsapp: (11) 97222-7543
E-mail : acasaraodocha@gmail.com
Site: www.casaraodocha.org.br
Facebook da Associação Casarão do Chá: www.facebook.com/acasaraodocha

PARA IR DE TREM E ÔNIBUS AO FESTIVAL
Foi disponibilizado especialmente para o dia, o horário extra de ônibus saindo do Terminal Estudantes em Mogi das Cruzes para o Casarão do Chá.
Horários do ônibus E 494 Granja Nagao no dia 06/agosto:
– sai do Terminal Estudantes para a Granja Nagao: 06:00, 10:00, 12:10, 14:45, 18:10, 19:30
– sai da Granja Nagao para o Terminal Estudantes: 06:25, 10:45, 12:55, 15:30, 18:45, 20:10
Quem VEM DE TREM deve: descer na Estação Estudantes (Estação final de trem em Mogi das Cruzes) e sair pela catraca da direita (sentido de quem chega em Mogi) e andar 40 metros até o Terminal de Ônibus Estudantes (atenção para não confundir com a Rodoviária que é próximo do local). Dentro do Terminal, pegar o ônibus E494 Granja Nagao, descer no ponto final Granja Nagao e andar 300 m de estrada de terra até o Casarão do Chá. O ônibus de volta sai da Granja Nagao e para no Terminal Estudantes.

jul 052017
 

O governo japonês oferece um programa de visita ao Japão para descendentes de japoneses.  Os participantes do programa deverão se comprometer em divulgar eficazmente os aspectos da atualidade, assim como a política do país em suas respectivas comunidades após o retorno.

Shibuya, Tokyo, Yoshikazu Takada/JNTO

1.      Requisitos

  • Ser descendente de japoneses;
  • Ter concluído a graduação em Jornalismo, Estudos Japoneses, Relações Internacionais, Ciências Sociais e áreas afins;
  •  Forte vontade em divulgar ativa e continuamente o Japão após o retorno em blogs ou redes sociais;
  • Ter nível de conhecimento de língua inglesa suficiente para discussões e trocas de ideias (todas as atividades oficiais relacionadas ao programa no Japão serão realizadas em inglês);  
  • Comprometer-se em organizar evento de divulgação do programa e do Japão  dentro do prazo de 3 meses, de forma independente, após o retorno ao Brasil. O formato do evento e a sua organização são livres.

2.      Detalhes do Programa

  • Período de estadia no Japão:  10 a 18 de setembro de 2017;
  • Número total de participantes: 10 pessoas da América do Sul e Central;

3.      Período de Inscrição
04  (terça-feira) a 16 de julho (domingo) de 2017.

O formulário de inscrição deverá ser enviado por e-mail ao Consulado Geral do Japão em São Paulo até o dia 16 de julho (domingo): cgjpolitica3@sp.mofa.go.jp 

Mais informações podem ser acessados pelo site do Consulado Geral do Japão em São Paulo:
http://www.sp.br.emb-japan.go.jp/itpr_pt/not_17_07_convite_descendentes.html

set 162015
 

No mês de agosto de 2015, 1.817.000 turistas visitaram o Japão, registrando um aumento de 63,8% em relação ao ano anterior. De janeiro a agosto totalizaram 12,88 milhões, o que significa 49,1% acima do mesmo período do ano anterior. Um avanço significativo para o país que quer atingir a marca dos 20 milhões em 2020, ano dos Jogos Olímpicos de Tóquio.
O aumento é atribuido ao baixo valor da moeda nacional, hoje cotado a 120 ienes/dólar, aumento de vôos internacionais, funcionamento das duty free, e as facilidades de concessão de vistos em alguns países. Chama atenção, entretanto, o número de turistas chineses, com 591.500 somados em agosto, com um surpreendente incremento de 133 porcento em comparação com o ano anterior. Destes, 137.000 vieram da China a bordo de 50 grandes navios de cruzeiro.China e Japão estão muito próximos geograficamente, mas é interessante que a recente crise econômica ainda não esteja afetando os turistas, que são conhecidos como grandes consumidores no Japão.

geisha carles tomas marti

Foto: Carles Tomás Marti

O ranking dos turistas estrangeiros no Japão (de janeiro a agosto de 2015):
1º) China – 3,35 milhões
2º) Coréia do Sul – 2,55 milhões
3º) Taiwan – 2,47 milhões
4º) Hong Kong – 991.800
5º) EUA – 682.100
6º) Tailândia – 506.800
7º) Austrália – 232.900
O Brasil participou com apenas 16.858 turistas. Ainda é pequeno o número de brasileiros que fazem turismo no Japão, apesar do aumento de companhias aéreas que operam o trecho e a consequente baixa no preço das passagens.

Em termos de turismo mundial, a França foi o país que mais recebeu turistas estrangeiros em 2014.
Eis o ranking de países que mais receberam turistas (2014):
1º) França – 83,7 milhões
2º) EUA – 74,7 milhões
3º) Espanha – 64,9 milhões
O Japão, com 13,4 milhões, aparece em 22º lugar nesse ranking, e é o 7º da Ásia, ficando atrás de China, Hong Kong, Taiwan, Coréia do Sul, Malásia e até de Macau.
O Brasil não está no ranking, pois faltam dados de 2014, mas em 2013 recebeu 5,8 milhões de visitantes, que é um número quase igual ao da vizinha Argentina.

jun 302015
 

Há um grupo, na cidade de Kanazawa, que trabalha voluntariamente para divulgar o turismo de sua cidade.
Esse grupo divulgou um video, produzido por Yuuichi Takabatake, que mostra vários pontos turísticos de Kanazawa, como o Mercado de Omicho, Parque Kohrinbo, ruas de gueixas e vila de samurais, e também localidades vizinhas, como Wajima, cenário da novela “Mare” da NHK, e a região de Kaga com suas pousadas, entre outros locais muito interessantes. Tudo ligado pelo famoso trem-bala inaugurado em março de 2015.

Para saber mais sobre Kanazawa e a atuação do grupo, siga-o no Facebook:
https://www.facebook.com/groups/ishikawakenwomoriagetai/

jun 232015
 

Programa de Convite a Descendentes de Japoneses das Américas Central e do Sul de Visita ao Japão (Resumo da Inscrição)

6755906405_74afa22d16_o

Com o objetivo de aumentar a compreensão sobre a realidade do Japão e as políticas do país, o governo japonês oferece, através de sua Embaixada no Brasil, um programa de convite a descendentes de japoneses que possam divulgar em suas comunidades suas impressões acerca do Japão.

Os interessados no programa devem verificar os requisitos para inscrição (item 1 abaixo) e entregar os documentos necessários ao Setor Consular da Embaixada do Japão* no Brasil até a data-limite de inscrição (item 2 abaixo).

*Para os residentes no Distrito Federal, Goiás, Tocantins, os estados do Nordeste, Pará e Amapá, devem entrar em contato com o Departamento Consular da Embaixada
Tel: (61) 3442-4200 – E-mail: consular.japao@bs.mofa.go.jpo

Os demais deverão procurar as representações consuladores da sua região. Em São Paulo: Av. Paulista, 854 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000 – Tel.(11) 3254-0100

1. Requisitos

  • (1) Ser descendente de japoneses com nível de pós-graduação em áreas como Pesquisas Internacionais sobre Ásia, Estudos Japoneses ou Jornalismo.
  • (2) Ter um nível de conhecimento de língua inglesa suficiente para discussões e trocas de ideias (todas as atividades relacionadas ao programa no Japão serão realizadas em inglês).
  • (3) Apresentar um curriculum vitae e uma redação. O tema da redação, que pode ser escrita em português e deve ter por volta de 2 páginas (tamanho A4), é: “Qual é o modo mais eficaz de se transmitir para a sociedade brasileira os pontos atraentes do Japão?”.
  • (4) Comprometer-se a organizar e realizar de maneira independente uma apresentação sobre o programa dentro de um prazo de 3 meses após o retorno ao Brasil.

2. Período de Inscrição

  • De 24 de junho de 2015 a 08 de julho de 2015 (os documentos devem ser entregues no departamento consular da Embaixada até 08 de julho de 2015)

3. Processo de Seleção

  • (1) Avaliação de documentos pela Embaixada do Japão no Brasil
  • (2) Entrevistas com os candidatos que forem selecionados na fase anterior (em meados de julho)
  • (3) Avaliação final pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão

4. Detalhes do Programa

  • (1) Duração: chegada ao Japão em 23 de agosto de 2015 e saída do Japão em 30 de agosto de 2015
  • (2) Número de participantes: 10 pessoas
  • (3) Programa principal (sujeito a modificações)

i) Encontro com autoridades do governo japonês
ii) Sessão explicativa sobre a política externa japonesa no Ministério dos Negócios Estrangeiros.
iii) Palestras de especialistas
iv) Debates
v) Possibilidade de conhecer e experimentar a cultura japonesa em local próximo a Tóquio

  • (4) Despesas: o governo japonês arcará com despesas relacionadas ao programa e suas atividades, como passagens de ida e volta (classe econômica), hospedagem, refeições, deslocamento no Japão e seguro.

Foto: Oglethorpe University

fev 092015
 

A província de Mie possui o maior santuário xintoista do Japão, Ise Jingu, é terra dos ninjas da escola Iga, é terra, ou melhor, água das pérolas Mikimoto, possui o circuito de Suzuka da Fórmula 1, entre outras atrações turísticas. É também uma das províncias com grande população brasileira. Por isso, a NPO Aidensha, que oferece orientação e auxílio para os decasséguis brasileiros no Japão, preparou esse vídeo divertido de 3 minutos que tem uma música cujo ritmo lembra o Brasil.

Na primeira cena, ao centro, aparece o governador Eikei Suzuki, que é o governador mais jovem do Japão. Os outros dois estão vestidos de ninjas. A música é do grupo AKB48: 恋するフォーチュンクッキー(Koi suru fortune cookie).

 

nov 212014
 

DSCN6250Existem vários museus em Tóquio, e esse não é o maior, mas é muito grande e a visita é obrigatória para entender a história moderna do Japão. O Edo-Tokyo Museum fica bem ao lado do Ryogoku Kokugikan, local onde acontecem os tradicionais campeonatos de sumô, outro lugar que merece uma visita, pois funciona no local o museu do sumô.

O moderno prédio de sete andares contrasta com o seu conteúdo, mas não importa, lá dentro é uma imersão na história japonesa, principalmente de Tóquio. Subindo por largas escadas em local aberto chega-se aos guichês de venda de ingressos. Esse é o terceiro andar do prédio. Dali, as entradas se dividem para o acesso às exposições temporárias e ao acervo fixo do museu. Para quem tem dificuldade com o idioma, há guias voluntários que ficam no sexto andar. Inglês, francês, alemão, chinês, espanhol, russo e até húngaro, mas não tem guias que falem português. Há também aparelhos de audio para alugar, mas também nada de português.

DSCN6211A visita deve ser iniciada pelo sexto andar. Aqui está uma mostra de como era a cidade no período Edo (1603 a 1868), com uma réplica da ponte Nihonbashi, toda de madeira clara, e muitos mapas e maquetes da cidade. Embaixo da ponte está o quinto andar, dividido entre o período Edo e Meiji (1868 a 1912). Um grande espaço para entender como viviam os samurais e as pessoas comuns, o que eles liam e usavam. Há uma vistosa réplica de um teatro da época, que contrasta com o edifício quase ocidental do outro lado do salão, que representa o bairro de Ginza. O grande terremoto de 1923 que destruiu a região e o bombardeio durante a Segunda Guerra são também lembrados com fotos e objetos. Há uma réplica em tamanho real de uma casa típica, onde o visitante pode entrar e ver, e as carruagens que também podem ser experimentadas. É uma viagem ao passado.DSCN6014

Nos andares inferiores ficam as exposições temporárias. Uma grande exposição sobre as Olimpíadas de Tóquio de 1964, que comemoram o 50º aniversário, e sobre o trem-bala inaugurado pouco depois, foi o destaque até 16 de novembro. E até dia 30 de novembro, poderá ser vista a exposição fotográfica de Koji Morooka sobre a modernização do bairro de Ginza.

O museu promove constantemente palestras e debates, e possui até uma espécie de clube, onde os associados se reúnem para trocar idéias sobre história local. Há uma biblioteca para consulta, algumas lojas de presentes e livros e três restaurantes e um local amplo para saborear “obentô”.edotokyo

Edo-Tokyo Museum funciona das 9h30 até 17h30. Não funciona às segundas, e aos sábados funciona até 19h30.
Tokyo, Sumida-ku, Yokoami, 1-4-1. Tel.03-3626-9974. Fica na saída da Estação Ryogoku da JR, saída Oeste. Esse bairro tem vários restaurantes que servem “chanko”, prato tipico dos lutadores de sumô, por causa da arena de sumô. Os ingressos custam 600 ienes para adultos. Estudantes do ensino médio e os visitantes acima de 65 anos pagam meia entrada.
Veja o site do Edo-Tokyo Museum em inglês
Veja também nosso post anterior sobre esse bairro
nov 172014
 

DSCN6389A cidade de Kanazawa, na província de Ishikawa, possui três bairros onde as cha-ya (casas de chá onde as gueixas se apresentam) foram permitidas, e que continuam funcionando até hoje. São ruas estreitas com casas de madeira, todas com dois andares, e hoje a maioria é ocupada por restaurantes e lojas de doces típicos da região. O maior desses bairros é o Higashi Cha-ya Gai, ou área de casas de chá da região leste. Já foi uma região frequentada por ricos comerciantes e atualmente vive cheio de turistas do Japão e do mundo.

DSCN6410DSCN6412Uma das casas que pode ser visitada é a Shima. Ela foi construida em 1820, como uma típica e requintada casa de chá, e foi a única preservada no seu estado original até hoje. Considerada um patrimônio histórico nacional, a casa é grande e muito bonita, refletindo os gostos estéticos do final do Período Edo. Na época, quando todas as casas eram térreas, só as cha-ya tinham o andar superior. A construção, toda em madeira, era cara e construir dois andares era mais difícil. No caso das cha-ya, a sua funcionalidade exigia o segundo andar, pois era lá que os convidados eram recebidos e onde as gueixas se apresentavam. Na casa Shima, chama atenção o teto alto do segundo andar, em contraste com o primeiro andar. Teto mais alto era símbolo de riqueza, já que o custo da construção aumentava bastante. No andar inferior ficavam a cozinha, banheiro, jardim, e a recepção, ficando o depósito e o poço no porão. Nessas casas se apresentavam as gueixas, com sua música leve e dança, tudo sobre tatamis que forram a casa toda. Nas cha-ya eram servidos o chá e algum doce. Ocasionalmente, o anfitrião da festa requisitava um jantar para os convidados, e então, um restaurante fazia a entrega no local.

DSCN6430Para entrar no segundo andar da casa Shima era necessário fazer parte de um seleto grupo de comerciantes da região. Pessoas comuns não tinham acesso, mesmo pagando, pois a casa servia apenas à elite. Por incrível que pareça, os samurais e os funcionários públicos eram proibidos por lei a se divertirem nas cha-ya.

A casa Shima permite que o turista visite o estabelecimento com ingresso simbólico, mas também oferece a opção da visita com um chá (matcha da cerimônia de chá) acompanhado de um doce fresco que reflete a estação do ano. O chá é saboreado numa mesa comprida com vista para o jardim interno típico japonês.

nov 112014
 

Homens de negócios e turistas disputam acomodações em Tóquio. As reservas em hotéis de preços razoáveis, na base de até 100 dólares por noite, sem café da manhã, e localizadas perto das estações de metrô, precisam ser feitas com 2 meses de antecedência. Até os “capsule hotel” vivem lotados, porque os estrangeiros fazem questão de experimentar essas incríveis acomodações “na gaveta”.

tokyo apartments david lisbona

Foto de David Lisbona

A nova moda, entretanto, entre os estrangeiros é se hospedar nos antigos alojamentos para operários de Toquio. Essa escolha ocorre, em parte, porque os estrangeiros encontram dificuldades em alugar apartamentos comuns. É necessário encontrar um fiador e o contrato é de meio ano para cima. Existem muitos estrangeiros viajando a turismo ou a negócios, que pretendem ficar um ou dois meses na cidade, e esses vêm procurando hospedagem nesses alojamentos antigos, onde não encontram essas exigências, mas precisam morar num minúsculo quarto individual, com banheiro e cozinha usados em conjunto com outros moradores do condomínio. Esses detalhes que afastam o japonês comum é justamente o que atrai o estrangeiro. Morar nesses espaços pequenos e viver em comunidade, tal qual eles viram em filmes e desenhos japoneses, é o que parece chamar essas pessoas. Assim, os alojamentos com melhor localização estão todos lotados de estrangeiros.

Um empresário japonês que viaja diariamente de Chiba, cidade vizinha, para Tóquio, comenta que essas coisas tipicamente japonesas estão atraindo cada vez mais turistas estrangeiros. Aquela imagem de cidade internacional e bastante americana, que marcou a Tóquio nos anos 80, em plena bolha econômica, parece querer dar lugar a uma cidade mais “wa” (espírito japonês), com mais semelhança com a cidade ocupada pelo último xógun Tokugawa, quando a cidade tinha o nome de Edo. A prova disso é que proliferam pequenos restaurantes tipicamente japoneses, com placas escritas com grossos pincéis de shodô, no lugar das lanchonetes, que eram mais comuns nas décadas de 80 e 90. Na Estação Ryogoku, no centro de Tóquio, há vários restaurantes que servem o “chanko nabe”, prato preferido pelos lutadores de sumô, pois ali fica a principal arena do sumô japonês. E, por incrível que pareça, esse lugar vive abarrotado de turistas estrangeiros.

O mesmo empresário de Chiba lembra que voltou a ver vendedores de batata circulando pela cidade de bicicleta, algo que não se via há pelo menos 40 anos, o que também chama a atenção de estrangeiros no país. “Talvez o Japão menos internacional esteja voltando, curiosamente, por causa do interesse dos estrangeiros”, comentou.

Veja também: Por uma Tóquio de antigamente: feira-livre