jul 072020
 

A cidade de Shirakawa, na província de Fukushima está realizando o concurso de Haiku (Haikai), que neste ano estará aceitando participantes do Brasil.

Considerada a porta de entrada de Oushu (região das atuais províncias de Fukushima, Miyagi, Iwate e Aomori), o posto de fiscalização de Shirakawa foi o local onde o famoso poeta Matsuo Basho passou em sua longa peregrinação descrita no livro “Oku no Hosomichi” (Trilhas Longínquas de Oku, no título do livro em português, na ótima tradução de Mieko Shimon).

Basho, que tinha 46 anos de idade, era considerado velho na época, e estava cansado de sua viagem, mas quando viu a beleza de Shirakawa, decidiu prosseguir a jornada, que durou 156 dias e completando quase 2.300 quilômetros percorridos por ele e seu assistente, a pé. No livro, Basho escreve um haiku para Shirakawa e registra o ato do poeta Fujiwara no Kiyosuke, que viveu 500 anos antes dele, que até teria colocado seu traje formal da corte em respeito à beleza do lugar.

2º Concurso de Haiku “Basho Barreira Shirakawa”

Prazo final: 31/08/2020 (atenção: horário do Japão. Do Brasil precisa ser enviado até o dia 30/8)

Os trabalhos precisam ser em idioma japonês. O tema para os japoneses é: “A Lenda de Minamoto no Yoshitsune” e “A Lenda de Minamoto no Yoshiie”. Para os estrangeiros, o tema é “Michinoku”, que é uma corruptela de “Michi no Oku”, ou fundo da estrada, enfim, um local distante. “Michinoku” era como essa região era conhecida no passado.

Inscrição dos haiku: pode ser feita pelo site: https://www.shirakawa.jp/ssl/shirakawa/mailform.php?code=100

Informações: http://www.city.shirakawa.fukushima.jp/data/doc/1592790052_doc_135_0.pdf

fev 092015
 

cafe paulista anuncioDepois de mais de 200 anos com os portos fechados, o Japão voltou a ter contato com o exterior em 1854. Estrangeiros começaram a visitar o país, e em 1888, a primeira cafeteria “Kahi Sakan” foi inaugurada em Tóquio, para atender aos estrangeiros. Em 1911, a Café Printemps foi inaugurada no bairro de Ginza, Tóquio, desta vez visando o público japonês. Os artistas plásticos que investiram na nova casa se inspiraram no modelo de cafés parisienses. No mesmo ano, Café Lion e Café Paulista surgiram no mesmo bairro. Ryo Mizuno, proprietário do Café Paulista tinha contatos no Brasil, a principal fornecedora do café, e um grande trunfo no negócio.

Anos antes, em 1908, Mizuno levara os primeiros imigrantes japoneses ao Brasil, a bordo do Kasato Maru. Os japoneses foram trabalhar nas fazendas de café do interior do Estado de São Paulo e ele conseguiu, do governo de São Paulo, a doação de carregamentos de café, a título de propaganda, para serem vendidos no Japão. Esse acordo, que pode ter durado uma década, possibilitou Mizuno de abastecer sua loja e o levou a abrir uma série de filiais em todo o país. Esse fato fez com que o Japão, país do chá, passasse a consumir o cafezinho em grande escala. O negócio começou a declinar com a piora da situação econômica japonesa, que se agravou após o grande terremoto de Kanto, que atingiu Tóquio e Yokohama, em 1923.

cafe paulistaO Café Paulista, entretanto, continuou nas mãos de outros empreendedores. A loja original de Ginza continua funcionando, sendo a cafeteria mais antiga do Japão, e conta-se que John Lennon e Yoko Ono apreciavam o café servido nessa loja. A empresa importa os grãos, processa e distribui para cafeterias e restaurantes as marcas Mori no Coffee (orgânico) e Serra Azul, ambas do Brasil, além de marcas de outros países.

Na sua melhor época, em 1982, o Japão tinha mais de 162 mil cafeterias. O número foi diminuindo com a chegada das máquinas automáticas que vendem café quente, e o trabalho agressivo das redes de cafeterias que passaram a disputar o cliente pelo preço. Uma dessas redes, por coincidência, tem muito a ver com o Brasil.

Hiromichi Toriba, de 20 anos, se aventurou a vir para o Brasil em 1959. Era o começo da retomada econômica do Japão e seus jovens ansiavam por um rápido sucesso, e para muitos, o Japão era pequeno demais para isso. Toriba deixou o porto de Yokohama a bordo do navio Argentina Maru, viajou durante 42 dias e desembarcou no Rio, para trabalhar no processamento do café por seis meses, e depois seguiu para São Paulo onde permaneceu por dois anos. Voltando ao Japão em 1962, abriu sua empresa de torrefação e moagem, e só em 1980, abriu sua própria loja, o Doutor Coffee, no bairro jovem de Harajuku, em Tóquio. O nome da empresa “Doutor”, que está estranhamente em português, veio do endereço onde ele morou em São Paulo: Rua Doutor Pinto Ferraz, número 85, no bairro da Vila Mariana.

cafe doutor coffee

Doutor Coffee, foto de Danny Cho

Hoje, a rede de Toriba possui 1421 lojas, sendo 1146 da marca Doutor Coffee, 144 da Excelsior e outras menores. Ela é a maior rede de cafeterias do Japão e possui duas fazendas próprias de café no Havaí. A gigante norte-americana Starbucks Coffee tem 1081 lojas espalhadas pelo Japão, seguida pela Komeda, com 611 lojas, Tully, com 573, Saint Marc com 366, Kohi-Kan com 261, Pronto com 190 e Café de Crié, com 186 lojas.

Nos anos 2000, uma nova onda de cafeterias: internet café, cosplay café, pet café e maid café se multiplicaram. Em 2014, a rede de lojas de conveniência (konbini) Seven Eleven passou a vender o café expresso por apenas 100 ienes (R$ 2,30 incluindo o imposto), e foi seguido pela Family Mart e Lawson, suas principais concorrentes, e assim, o concorrido mercado deverá passar por mudanças em breve.

O Brasil ainda é o maior exportador de café em grãos para o Japão, com 131 mil toneladas (em 2011), que é mais do que o dobro do volume da Colômbia, o segundo colocado. É também o maior exportador de café solúvel, com 4.317 toneladas (em 2011), volume quase sete vez superior ao da Indonésia, o segundo colocado.

Café em Kanazawa – Donald Keene, o maior estudioso da literatura japonesa no mundo, disse em sua palestra proferida em Kanazawa, em dezembro de 2014, que visitou a cidade pela primeira vez em 1954. Morando em Kyoto, pouco sabia sobre aquela cidade, quando resolveu refazer o caminho que fez o poeta Basho Matsuo no século 17, cujo longo percurso consta no livro “Oku no Hosomichi”. Estando na província de Miyagi, no outro lado do Japão, verificou o percurso que teria que fazer, quando o seu interlocutor o advertiu: “Saindo daqui, no seu longo percurso, você só vai encontrar um bom cafézinho em Kanazawa”. De fato, havia desde 1919 em Kanazawa, a cafeteria “Café Brasil”, no agitado bairro de Kohrinbo, que foi o ponto de encontro de intelectuais da região.

Quem quiser ler o livro “Oku no Hosomichi”, em espanhol, veja aqui em PDF: Sendas de Oku

Mais sobre Donald Keene, no nosso post anterior