mar 142016
 

kasamayaki004Nos dias 29 e 30 de março, duas sessões especiais exibirão o documentário Kasamayaki (Made in Kasama, Japão & EUA, 2014, 78 min, Blu-ray, legendado), seguido de bate-papo com a cineasta japonesa Yuki Kokubo. Os eventos acontecem respectivamente no cinema Caixa Belas Artes, às 19h30, em São Paulo, e no dia seguinte, no auditório municipal do Centro Cultural “Carlos Fernandes de Paiva”, às 15h, na cidade de Bauru.
As duas sessões terão entrada gratuita. Em São Paulo, os ingressos serão distribuídos a partir de 24 de março, na bilheteria do cinema. Mais informações sobre o documentário em: www.kasamayakifilm.com

kasamayaki006Yuki Kokubo – Yuki Kokubo nasceu em Kasama, na Província de Ibaraki, em uma comunidade rural de artistas no Japão. Aos oito anos de idade, partiu com os pais para Nova Iorque, em busca do sonho de viver da arte. Após alguns anos, presenciou o fim dos sonhos de seus pais, que, com dificuldades, decidiram retornar ao Japão, deixando a filha nos Estados Unidos. Yuki, aos 16 anos de idade, começou a fotografar e frequentou a School of the Art Institute, em Chicago. Mais tarde, estudou Social Documentary Film na Escola de Artes Visuais.
Em 2011, assistiu pela imprensa a devastação do terremoto e tsunami e sua terra natal. Com a tragédia ocorrida no Japão, mesmo ressentida pelo suposto abandono de seus pais, Yuki decidiu que era hora de voltar à sua terra natal para visitá-los e ver com os próprios olhos o que restou após a tragédia.
“Senti a necessidade de estar perto de minha família e também de documentar o que estava acontecendo no Japão”, revela.
Foi assim que começou a trabalhar em seu primeiro documentário de longa-metragem, Kasamayaki (Made in Kasama). Em 2013, o filme recebeu financiamento da Fundação Jerome e foi selecionado como um dos dez filmes documentários para o IFP’s Independent Filmmaker Labs. Em 2014, Yuki recebeu uma bolsa individual do Conselho de Estado de Nova Iorque para as Artes por seu trabalho em Kasamayaki.

Kasamayaki (Made in Kasama) – O documentário tem início já no aeroporto, no momento de seu desembarque. Com o passar do tempo, Yuki pressiona seus pais por respostas, em meio ao dia a dia que intercala atividades domésticas e jardinagem a pequenos tremores de terra e a constante preocupação com os níveis de radiação, visto que a cidade está localizada a aproximadamente 140 km dos reatores nucleares de Fukushima. Ao longo do filme, Yuki revela, por meio de diálogos tensos, as complexas ligações e imperfeições de uma família e sua busca por respostas acumuladas ao longo dos anos. Assim, realizando pequenas entrevistas com os pais, lentamente (e relutantemente) percebeu que estar lá era a chance de redescobrir quem eram seus pais e o real motivo do distanciamento da família. “A câmera tornou-se uma ferramenta poderosa, permitindo que eu abordasse temas difíceis que evitávamos havia muito tempo.” Foi assim que percebeu que aquele filme não apenas poderia retratar uma região devastada e o início de sua luta para se reerguer, mas também a reunião e a compreensão de um drama familiar. “Pude perceber a forma como meus pais usam a criatividade para superar dificuldades na vida e assim, finalmente, entendi que o meu filme poderia ser usado para curar não apenas a nossa família, mas também inspirar outras a encontrar a cura em suas próprias vidas.”

Kasamayaki (Made in Kasama, Japão & EUA, 2014, 78 min, Blu-ray, legendado)
29 de março, terça-feira, às 19h30 – São Paulo
Local: Cinema Caixa Belas Artes – Sala Carmen Miranda (96 lugares) – Endereço: Rua da Consolação, 2423 – Cerqueira César – São Paulo, SP – Informações: (11) 2894-5781
Ingressos Gratuitos – Retirada a partir de 24 de março na bilheteria do cinema.

30 de março, quarta-feira, às 15h – Bauru
Local: Auditório Municipal do Centro Cultural “Carlos Fernandes de Paiva” (60 lugares)
Endereço: Av. Nações Unidas, 8-9 – Centro – Bauru, SP – Informações: (14) 3235-1312
Entrada Franca – Sem necessidade de ingresso

Realização – Fundação Japão em São Paulo
Apoio – Caixa Belas Artes – Secretaria Municipal de Cultura de Bauru

set 182014
 
"Meu Homem", produção de 2013

“Meu Homem”, produção de 2014

“Sakuko viaja no verão com sua tia para uma cidade ribeirinha no Japão, com o objetivo de encontrar paz e tranquilidade para estudar para o vestibular. Lá, ela amadurece, conhecendo diversos personagens do passado de sua família e um jovem refugiado da cidade de Fukushima, devastada por vazamentos radioativos. Uma homenagem declarada ao cinema do autor francês Eric Rohmer.” Essa é a resenha do filme “Hotori no Sakuko”, traduzido estranhamente como “Adeus Verão”. O longa de 125 minutos foi dirigido por Koji Fukada e é uma produção nipo-americana de 2013. Esse filme poderá ser visto no Indie Festival, que acontece no Cine SESC de São Paulo.

“Adeus Verão”, entretanto, não é o filme japonês mais novo a ser exibido na mostra. O longa “Yamamori Clip Koujo no Atari”, ou “Anatomia de um Clipe de Papel”, do diretor Akira Ikeda, é de 2014. Eis a sua sinopse: “Kogure não é o tipo combativo, na verdade, ele é um típico loser. Ele aceita passivamente o abuso de todos e trabalha o dia inteiro em uma fábrica minúscula de clipes de papel. Mas um dia uma borboleta fica presa em sua casa e ele deixa a borboleta ir. No dia seguinte, surge uma mulher, se expressando em uma linguagem desconhecida, e Kogure acredita que ela é a forma humana da mesma borboleta. Um novo olhar sobre a tradição dos contos folclóricos japoneses e um retrato agridoce do país”. “Watashi no Otoko” ou “Meu Homem” é outra produção de 2014, dirigido por Kazuyoshi Kumakiri.

Outro filme japonês presente na mostra é “Seventh Code” ou “O Sétimo Código”, de 2013, que parece não ser um típico romance, pois o seu diretor, Kiyoshi Kurosawa é especialista no gênero suspense e terror. Veja seu trailer:

O Indie Festival começa no dia 17 de setembro e vai até 1º de outubro, e conta com produções recentes do mundo inteiro e algumas sessões de debates. Vale a pena dar uma olhada na programação completa que está no site: Indie Festival. O Cine SESC fica na Rua Augusta, 2075, bairro de Cerqueira César, São Paulo/SP.

Filmes Japoneses da Mostra Mundial do Indie Festival
18/SET – 16:30 – CineSESC – Adeus verão
19/SET – 15:00 – CineSESC – Meu homem
27/SET – 17:15 – CineSESC – O sétimo código
29/SET – 19:30 – CineSESC – Anatomia de um clipe de papel

(pena que cada filme só seja exibido uma única vez, e em horários ruins para a maioria…)

SITE www.indiefestival.com.br

CINEMACineSESC – Rua Augusta, 2.075 – Cerqueira César – São Paulo/SP. Perto da Av. Paulista (metrô Consolação ou Trianon Masp). A entrada é franca, mas deve-se retirar o ingresso com uma hora de antecedência. Indie Festival tem o apoio da Fundação Japão de São Paulo.

maio 092013
 

Com o apoio da Fundação Japão, a Cinemateca Brasileira apresenta, entre os dias 14 e 22 de maio, um ciclo de filmes policiais japoneses, gênero narrativo que ocupa lugar de destaque na cinematografia do Japão.

PROGRAMAÇÃO
14.05 | TERÇA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 MUITA ADRENALINA e 21h00 SONATINE – ADRENALINA MÁXIMA

15.05 | QUARTA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 SEQUESTRO e 21h00 VERÃO NEGRO – FALSA ACUSAÇÃO

16.05 | QUINTA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 SONATINE – ADRENALINA MÁXIMA e 21h00 MUITA ADRENALINA

17.05 | SEXTA – SALA CINEMATECA BNDES – 18h30 RECANTO SECRETO

18.05 | SÁBADO – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 VERÃO NEGRO – FALSA ACUSAÇÃO

19.05 | DOMINGO – SALA CINEMATECA BNDES – 18h00 SONATINE – ADRENALINA MÁXIMA e 20h00 SEQUESTRO

22.05 | QUARTA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 VERÃO NEGRO – FALSA ACUSAÇÃO e 21h00 RECANTO SECRETO

FICHAS TÉCNICAS E SINOPSES
Muita adrenalina (Adrenaline drive), de Shinobu Yaguchi, Japão, 1999, 35mm, cor, 112′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Masanobu Ando, Reila Aphrodite, Hikari Ishida, Kirina Mano. Funcionário de uma locadora de automóveis, o jovem Suzuki se envolve num acidente com um mafioso, e é forçado a ir com ele até seu esconderijo. O bandido está prestes a torturá-lo quando uma explosão atinge o local. Enquanto isso, Shizuko, uma enfermeira tímida, se refugia do assédio das colegas numa loja de conveniências, quando é atraída pela explosão do prédio. Ela encontra Suzuki ferido e decide ajudá-lo. A partir daí, eles se envolvem numa trama de perseguição, tendo que escapar da fúria sanguinária da yakuza. Comédia policial estrelada por dois nomes importantes da nova geração de atores japoneses que despontou nos anos 1990 e 2000 – Masanobu Ando, que atuou em Kids return, de Takeshi Kitano, e Hikari Ishida, estrela de televisão em seu país. Não indicado para menores de 16 anos

Recanto secreto (Himitsu no Hanazono), de Shinobu Yaguchi, Japão, 1997, 35mm, cor, 83′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Naomi Nishida, Go Riju, Kazue Kadakae, Noriko Tanaka. Passeando por uma floresta, jovem apaixonada por dinheiro é raptada por ladrões de um banco. Andando pelo lugar, o bando se acidenta, e somente ela consegue sobreviver. Resgatada, a jovem tentará retornar ao local para reaver a mala com o dinheiro do roubo. Não indicado para menores de 14 anos.

Sequestro (Yukai), de Takao Okawara, Japão, 1997, 35mm, cor, 109′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Tetsuya Watari, Masatoshi Nagase, Miki Sakai, Akira Emoto. Filme de suspense contado a partir do sequestro de um executivo de uma grande empresa. O resgate pedido é de 300 milhões de ienes, mas o inusitado fica por conta do pedido dos sequestradores, que exigem que as negociações e o pagamento do resgate sejam transmitidos ao vivo pela televisão. Não indicado para menores de 16 anos

Sonatine – Adrenalina Máxima (Sonatine), de Takeshi Kitano, Japão, 1993, 35mm, cor, 94′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Takeshi Kitano, Aya Kokumai, Tetsu Watanabe, Masanobu Katsumura. Durante uma luta entre os clãs da máfia yakuza, um grupo de criminosos, liderado por um gângster cruel, tem que se refugiar numa praia, depois de uma emboscada.Um dos pontos altos da carreira do cineasta, comediante, ator e apresentador de televisão Takeshi Kitano, Sonatine – Adrenalina máxima foi indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes de 1993. Não indicado para menores de 16 anos.

Verão Negro – Falsa Acusação (Nihon no kuroi natsu – enzai), de Kei Kumai, Japão, 2000, 35mm, cor, 119′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Kiichi Nakai, Akira Terao, Naomi Hosokawa, Nagiko Tono, Yukiya Kitamura. Dois estudantes decidem fazer uma pesquisa sobre o ataque de gás sarin ocorrido em 1994, num conjunto habitacional da cidade de Matsumoto. Meses depois, o incidente se repetiu no metrô de Tóquio. Em suas investigações, os dois rapazes procuram entender a série de falsas acusações feitas pela imprensa a pessoas inocentes. Exibido no Festival de Berlim de 2001. Não indicado para menores de 16 anos.

Entrada Franca – A Cinemateca Brasileira fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207,próximo ao Metrô Vila Mariana. Informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

fev 112013
 

A Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa (Bunkyo) faz exibição de filmes japoneses às quartas-feiras. (veja aqui a programação de março/2013)

Cinema bunkyo - Kiru

Kiru

Dia 13 – Kiru (Cortar) – Um clássico do cinema de samurai, de 1968, com Tatsuya Nakadai sob a direção de Kihachi Okamoto. Assista ao trailer do filme aqui.

Jinsei Gekijo

Dia 20 – Jinsei Gekijo – Seishun Aiyoku Zankyohen (Teatro da Vida) – Filme sobre yakuzá baseado no romance de Kozo Ozaki, de 1973, com Hideki Takahashi e direção de Tai Kato. De 1936 a 1986 foram feitas várias versões desse filme. Assista ao trailer da versão de 1968 aqui.

Dia 23 – Iwashigumo (Nuvem de Verão) – Um jovem e uma viúva administram uma fazenda. Filme de 1958, com Chikage Awashima e direção de Mikio Naruse.

As exibições começam às 13 horas. No dia 20/2 a exibição será no salão grande, e nos demais dias no salão pequeno.O ingresso custa R$ 5,00 para os não associados do Bunkyo. Tel. 11 3208-1755 – Endereço: Rua São Joaquim, 381 (metrô São Joaquim) – Bairro Liberdade – São Paulo/SP

jan 032013
 

A Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa (Bunkyo) faz exibição de filmes às quartas-feiras, no dia 9/1 no salão grande, e nos demais dias no salão pequeno.

Otoko wa Tsuraiyo

Dia 9 – Otoko wa Tsuraiyo (É Triste Ser Homem)- Um clássico do diretor Yoji Yamada, a série mais longa da história do cinema no mundo, retrata a transformação que vem ocorrendo no Japão, através das viagens de Torajiro, um solteirão que mora no centro velho de Tokyo. Em São Paulo, houve até uma associação de fãs da série, nas décadas de 70 e 80. Nesse dia serão exibidos dois filmes da série: “Torajiro no Yumemakura” de 1972, e “Watashi no Tora-san” de 1973.

Dia 16 – Dotsuitarunen – Filme de 1989, sobre pugilismo, com Hidekazu Akai e Bunta Sugawara.

Bakumatsu Shinsegumi

Dia 23 – Bakumatsu Zankoku no Monogatari – Filme de 1964, com Okawa Rashizo no elenco, narra o cruel fim do período Edo e a época de atuação do Shinsengumi.

Zatoichi to Yojimbo

Dia 30 – Zatoichi – História clássica, no teatro e no cinema. Em 2003, houve uma versão do diretor Takeshi Kitano, eleito o melhor filme do Festival de Veneza, mas aqui serão exibidos dois filmes de uma série de 26 produzidos entre 1962 e 1989 pela Daiei Studios e estrelado pelo mesmo ator Katsu Shintaro no papel principal. “Zatoichi do Yojimbo” de 1970 e “Shin Zatoichi Monogatari – Oreta Tsue” de 1972.

As exibições começam às 13 horas. O ingresso custa R$ 5,00 para os não associados do Bunkyo. Endereço: Rua São Joaquim, 381 (metrô São Joaquim) – Bairro Liberdade – São Paulo/SP

dez 052012
 

Exibições de filmes japoneses acontecem todas as quartas às 13 horas, no salão menor da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência Social (Bunkyo), rua São Joaquim, 381, Liberdade, São Paulo/SP. Os ingressos custam R$ 5,00 (a entrada é franca para associados do Bunkyo).

Dia 5/12 – Nikunai no Mon – 1964, direção de Seijun Suzuki, com Yumiko Nogawa.
Dia 12/12 – Abashiri Bangaichi – 1965, direção de Teruo Ishii, com Ken Takakura.
Dia 19/12 – Chuushingura, Hana no Maki e Yuki no Maki – 1962, Hiroshi Inagaki, com Koushi Matsumoto. (Esta é a história baseada no clássico da literatura japonesa, sobre os 47 ronins que tramam a vingança de seu mestre e Hiroshi Inagaki é um dos grandes diretores do cinema japonês).
No dia 26 não haverá exibição.
dez 042012
 

O Sesc Carmo, em parceria com a Fundação Japão, organiza a Mostra de Filmes Japoneses Infanto-Juvenis durante o mês de dezembro. Nove filmes (dos quais quatro são animações) fazem parte da mostra. Todos serão exibidos com áudio original e legendas em português. Com classificação livre e entrada franca, os filmes abordam o Japão pós-guerra.

Local: Sesc Carmo – Rua do Carmo, 147, Centro, São Paulo-SP – Tel: (11) 3111-7000 – http://www.sescsp.org.br/

Programação
5 Centímetros por Segundo – Direção: Makoto Shinkai. 2007, 63 min. Dias 3, 10, 12 e 20 de dezembro. Segunda e quarta, às 10h, e segunda (semana 2) e quinta, às 16h.
Colegas de turma e amigos muito próximos, Takaki e Akari moram em Tokyo. Por conta do trabalho de seu pai, Akari acaba se transferindo de cidade com sua família, e os amigos passam a manter contato apenas através de cartas.
Na medida em que as estações do ano avançam, esse contato vai diminuindo. Quando Akari volta para Tokyo, é Takaki quem deve se mudar. Outras pessoas entram em sua vida, mas ele não esquece Akari e, apesar de todas as separações, pergunta-se a todo o momento se um dia terá a chance de encontrá-la novamente.
Éclair: Uma Jornada Errante – Direção: Akio Kondo. 2011, 107 min. Dias 3, 05 e 14 de dezembro. Segunda, às 10h, quarta e terça, às 16h.
Em 1942, Akio foge do orfanato, mas é detido ao furtar confeitos. O delegado Toyama, ao vê-lo faminto, lhe oferece então um pão doce. Naquele momento, Akio teve a primeira experiência em saborear um doce, uma sensação inigualável. Então Akio é encaminhando ao reformatório onde passa por uma rígida educação militar comandada pelo Ijuin. Um dos poucos momentos de conforto era quando a educadora Yoko cantava a canção “A menina e o doce”.
Kappa: O Duende do Rio e o Sampei – Direção: Toshio Hirata. 1992, 90 min. Dias 4, 13 e 21 de dezembro. Terça e sexta às 10h, e quinta às 16h.
Sampei vive com seu avô. Seu colega de escola chama Sampei de “duende do rio”. Um dia, enquanto ele está praticando secretamente para a competição de natação no rio, ele é capturado. Quando ele retoma sua consciência, percebe que está agora na terra dos duendes. Sampei faz amizade com o duende Gartalow que parece ser idêntico ao Sampei, e eles decidem fugir da terra de duendes juntos e retornar para a aldeia de Sampei.
Viajando com Haru – Direção: Masahiro Kobayashi. 2009, 134 min. Dias 4, 14 e 20 de dezembro. Sexta e quinta, às 10h, e terça, às 16h.
Na cidade de Mashike, em Hokkaido, onde a principal atividade é a pesca de arenque, Tadao, um velho pescador, e sua neta Haru vivem numa humilde casa. Desde que perdeu sua mãe, Haru tem trabalhado como copeira de uma escola da região para sustentar seu avô, porém, certo dia é surpreendida com o fechamento da escola. Mesmo desempregada, para não ter que abandonar seu avô que tem problemas na perna, Haru desiste do plano de trabalhar em Tokyo. E inicia-se uma jornada em procura de seus irmãos que moram em Miyagi, onde possam acolhê-los.
Quarteto! – Direção: Junichi Mimura. 2011, 118 min. Dias 5, 10 e 19 de dezembro. Quarta (5), às 10h; segunda e quarta (19), às 16h.
Kai, um estudante e promissor violinista, vive na cidade de Urayasu em Chiba. Sua professora de música, Chihiro, o orientava a encontrar logo sua sonoridade, mas Kai não compreendia o verdadeiro significado disso, embora sua cabeça estivesse concentrada na música.
A Ilha do Cãozinho Rock – Direção: Isamu Nakae. 2011, 123 min. Dias 6, 10 e 18 de dezembro. Quarta e terça, às 10h, e quinta, às 16h. Distante seis horas e meia de navio de Tokyo, está Miyakejima, uma pequena ilha no Pacifico conhecida também como “a ilha do vulcão”, pelo fato de passar por sucedidas erupções que se repete a cada 20 anos. Nessa ilha, Shin e seu cão Rokku viviam juntamente com sua família, que administra uma pensão.
O Lugar Prometido em Nossa Juventude – Direção: Makoto Shinkai. 2004, 91min. Dias 6, 13 e 18 de dezembro. Terça, às 16h, Quintas, 6, às 16h e 13, às 10h.
Em um mundo pós-guerra, o Japão foi dividido em dois territórios: norte e sul. Hiroki e Takuya moram em Aomori e são estudantes do ensino fundamental. Sentem-se atraídos pela colega Sayuri e intrigados pela misteriosa torre erguida do outro lado da fronteira do Estreito de Tsugaru, em Hokkaido.
Bravo! Grande Batalha de Samurais – Direção: Keiichi Hara. 2002, 95 min. Dias 7, 11 e 19 de dezembro. Sexta e quarta, às 10h e terça, às 16h.
Crayon Shin-chan ou apenas Shin-chan é uma série de animê  e mangá escrita por Yoshito Usui. Conta o cotidiano de Shinnosuke Nohara, um garoto de 5 anos, e sua família, vizinhos e amigos. A história se passa em Kasukabe, província de Saitama.
Voo Feliz – Direção: Shinobu Yaguchi. 2008, 103 min. Dias 7, 11 e 21 de dezembro. Terça, às 10h, e sextas, às 16h.
Shinobu Yaguchi trouxe um sentimento de risos, lágrimas e alegria para o público no Japão, com seus filmes sobre nado sincronizado e jovens da escola secundária. O foco de seu último filme são “aviões” de todos os tipos. A intenção de Yaguchi era criar um filme mais realista, completamente novo, que supervisiona todos os cantos da indústria da aviação.