out 122021
 

Os japoneses apontam o desenhista Tezuka Osamu como o Deus do Mangá. Certamente, ele é o maior nome da área, mas o mangá não começou com ele e continua se desenvolvendo depois dele. Ou seja, existem outros Deuses do Mangá.

A palestra apresenta a história da origem do mangá, partindo da ideia de que existem Sete Deuses do Mangá, que muito contribuíram para o desenvolvimento desse meio de comunicação, ilustrando com fatos históricos.

Dia 21 de Novembro de 2021 (domingo) – 9 às 10h30.  Se destina, não apenas a estudiosos do assunto e pesquisadores da cultura japonesa, como também a leitores de mangá em geral. Palestra on-line, com inscrições antecipadas e gratuitas pelo Sympla.

Palestrante: Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo e em publicidade pela Universidade de São Paulo, foi assessor de comunicação da Cooperativa Agrícola de Cotia e da Jetro – Japan External Trade Organization. É autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, A Filosofia do Samurai na Administração, entre outros. Presidente da Abrademi e editor do site culturajaponesa.com.br. Foi bolsista da JICA na Universidade de Kanazawa, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016 e 2019. Escreve artigos para revistas em português e japonês e edita livros. Desde 2017 leciona o Curso Completo de História do Japão.

A iniciativa é da Abrademi (Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações) em conjunto com o departamento cultural da Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil. Apoio institucional: Fundação Japão em São Paulo.

Para qualquer comunicação, utilize o endereço: abrademi@abrademi.com

set 052021
 

Terceira e última palestra gratuita da série “Ensino no Japão”, aborda o sistema pedagógico atual do Japão, apresentando o funcionamento geral das escolas japonesas. Esta palestra, inicialmente agendada para o dia 05/9, por problemas técnicos do Sympla, foi transferida para o dia 12/9, das 9 às 10h30, on-line. 

O público alvo são as pessoas que apreciam ou têm curiosidade sobre o Japão, e aqueles que pretendem visitar o país no futuro, seja como turista, a negócios, para trabalhar ou como estudante, para que tenham maior proveito da oportunidade à partir do conhecimento de sua história e cultura.

Certificados: Haverá emissão de um certificado único, com carga horária, para as três palestras da série, somente para aqueles que assistirem as três palestras na transmissão on-line. O fato de se inscrever não dá direito ao certificado. Não haverá um certificado separado para cada palestra.

A iniciativa é da Abrademi (Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações) em conjunto com o departamento cultural da Associação Cultural e Assistencial Mie Kenjin do Brasil. Apoio institucional: Fundação Japão em São Paulo.

Para qualquer comunicação, utilize o endereço: abrademi@abrademi.com

As gravações das demais palestras da série “Ensino no Japão”:

1 – A História do Ensino no Japão – Dia 22/08/2021 – Com o professor Francisco Noriyuki Sato, jornalista e editor. https://youtu.be/0fjHkAe20g4

2 – As Escolas Brasileiras no Japão – Dia 29/08/2021 – Com os professores Alexandre Funashima e Samuel Tachibana, da Escola Alegria de Saber. https://youtu.be/V61tfflYfHg

Próxima palestra da Abrademi:

O Culto ao Barroco Romântico no Japão INSCREVA-SE – Dia 11/09/2021 – Com a profa. Cristiane A. Sato

fev 162019
 

São duas palestras seguidas de um debate. O objetivo é transmitir os principais valores da cultura japonesa, dentro de seu contexto histórico, e como se mantém ainda hoje. Respeito ao próximo, cooperação mútua, preservação da tradição, evitar o desperdício, honestidade e gratidão são alguns dos aspectos a serem discutidos no evento.

Data: 21 de abril de 2019 – (domingo) Das 9 às 12h30. Local: Associação Cultural Mie – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – Estação metrô Vila Mariana

A programação será composta por:

– Palestra “Cultura Japonesa: Os Valores Essenciais“, com o professor Yuho Morokawa.

– Palestra “Os Valores Transmitidos pelos Imigrantes no Brasil“, com o professor Francisco Noriyuki Sato.

– Projeção de vídeos e debate aberto ao público.

ATENÇÃO: O ingresso é gratuito, mas pede-se que se faça doação de produtos de higiene pessoal (shampoo, condicionador, loção para o corpo, creme dental, por exemplo), em qualquer quantidade, que serão entregues à Sociedade Beneficente Casa da Esperança “Kibô-no-Iê”, entidade filantrópica de amparo à pessoa com deficiência intelectual, cujo trabalho poderá ser conferido no link: http://www.kibonoie.org.br/aspx/home.aspx

As entidades organizadoras e os palestrantes não receberão nenhuma remuneração. As despesas do evento serão custeadas com a venda de livros. Os livros à venda estão neste link: http://www.abrademi.com/index.php/livros-a-venda/

Reserve já a sua vaga gratuita pelo Sympla!

Yuho Morokawa é autor do livro “Os Japoneses e Seus Legados”. Natural de Pirajuí, cresceu na Primeira Aliança, município de Mirandópolis, e foi morar em Uraí e Londrina. Formado pela PUC em administração de empresas, foi contemplado com uma bolsa de estudos do Ministério da Agricultura do Japão, para estágio de um ano. Foi também bolsista da 4-H Foundation dos Estados Unidos. Trabalhou por 11 anos no 4-H Clube do Brasil, entidade educacional voltada aos jovens rurais. Foi gerente administrativo da Panasonic do Brasil por 16 anos e relações públicas da H. Stern Joalheiros por nove anos. Foi diretor do Conselho Deliberativo da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social, e é atual vice-presidente do Centro Brasileiro de Língua Japonesa.

Francisco Noriyuki Sato é jornalista e editor formado pela Universidade de São Paulo. Foi assessor de comunicação da Cooperativa Agrícola de Cotia e da Jetro – Japan External Trade Organization. Um dos fundadores da Abrademi – Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações, é autor dos livros História do Japão em Mangá e Banzai História da Imigração Japonesa em Mangá. Foi bolsista da Jica em 2014 na Universidade de Kanazawa e ministrou palestras em universidades e museus no Japão em 2016. Ministra o Curso de História do Japão desde 2017 e edita livros de história.

Promoção: Abrademi, Associação Nippon Kaigi do Brasil e Associação Cultural Mie

Apoio Institucional: Fundação Japão e Centro Brasileiro de Língua Japonesa

jul 112018
 

Um espaço temático foi montado na biblioteca da Fundação Japão com foco no Tanabata, e também serão apresentadas as principais princesas que representam as fábulas japonesas como: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

Será uma oportunidade para os visitantes familiarizarem com o significado de um dos tradicionais eventos japoneses e algumas das fábulas que envolvem as princesas.

As narrativas populares antigas do Japão, conhecidas como mukashi banashi, e aqui designadas genericamente de fábulas, têm sua origem na tradição oral e eram transmitidas dentro do cotidiano popular, por isso não têm autoria e nem data definida. São muito difundidas em todo o Japão nas mais diferentes formas regionais. Elas são compostas por contos folclóricos, mitos, lendas, entre outros, que apresentam características estruturais tanto dos contos de fadas como das fábulas. Pode-se dizer que elas apresentam peculiaridades distintivas que enriquecem a nossa compreensão da cultura e da personalidade do povo japonês. Para Gary Snyder (2007), “todos os folclores do mundo possuem figuras femininas poderosas, mas o Japão talvez seja especialmente rico nesse assunto. Donzelas mágicas que são pássaros supersensíveis, velhinhas amáveis que são canibais, noivas que devoram tudo, bruxas das montanhas que admiram os dançarinos, e muito mais”.

Com o intuito de explorar um pouco mais o universo feminino dos mukashi banashi, a Biblioteca da Fundação Japão apresenta este espaço temático com foco, sobretudo, no Tanabata e também em três princesas que tão bem representam esse universo: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

O que é o Festival Tanabata?

Conhecido também como Tanabata Matsuri ou Festival das Estrelas, é comemorado anualmente no sétimo dia do sétimo mês no Japão, único dia do ano em que, segundo o folclore chinês e mais tarde o japonês, as estrelas Vega e Altair, amantes separados pela fúria de uma divindade, podem se reencontrar. Quando a lenda foi introduzida no Japão, por volta do século VIII, Tanabata era celebrado apenas na corte imperial. Era considerado um evento gracioso, elegante e erudito, muito associado ao período Heian (794-1185). Nele, lanternas eram acesas e poemas eram escritos em folhas de kaji, uma variedade de amoreira conhecida no Brasil como amoreira de papel (kaji no ha, nome científico Broussonetia papyrifera).

Mais tarde, à medida que os costumes se espalharam para as comunidades locais, as cidades passaram a se cobrir de bambus e o festival assumiu mais dos valores inerentes à consciência e aos propósitos dos japoneses, agregando gradativamente tradições religiosas japonesas.

Tanto na China como no Japão, Tanabata era uma festividade que celebrava o grande esforço de Vega em se tornar uma hábil tecelã, ou seja, que celebrava o aprimoramento de suas habilidades técnicas, para que conseguisse enfim se reencontrar com Altair. Diz-se que no período Edo (1603-1868), talvez inspirados por esse espírito, crianças de pequenas escolas de templos religiosos passam a usar a festividade como oportunidade para demonstrar suas habilidades caligráficas. Elas passam a escrever orações em tiras estreitas de papel, os tanzaku com o intuito principalmente de aprimorar a caligrafia, e os penduravam em galhos de bambu. Acredita-se que esta prática deu origem as decorações e costumes de Tanabata tão familiares atualmente.

De 7 de julho (sábado) a 31 de agosto (sexta) de 2018

Horários: • Terça a sexta das 10h30 às 19h30 • Sábados, das 9h às 17h

Local: Biblioteca da Fundação Japão em São Paulo – Endereço: Avenida Paulista, 52 – 3º andar, São Paulo-SP, Brasil

Aproveitando: o Festival das Estrelas Tanabata Matsuri da Liberdade, em São Paulo, está marcado para dias 28 e 29 de julho de 2018.

abr 302018
 

Curso de História do Japão – A terceira aula (do total de 9) aborda o Período Sengoku, de intensas guerras internas e o início do Período Edo, quando o Japão expulsa os jesuitas e persegue os católicos. É quando o governo adota medidas importantes que irão transformar o Japão e manter um período de paz.

Aula 3 – História do Japão. Dia 05/05/2018, sábado, das 9 às 12 horas.

As inscrições são realizadas por aula. Cada aula tem o valor de R$ 35,00 (mais a taxa do Sympla de R$ 3,50), clicando no “inscreva-se” ao lado. Como alternativa, a taxa pode ser paga em dinheiro na secretaria da Associação Mie (sem a taxa do Sympla), em horário comercial, e somente até o dia 03/05/2018. Não é necessário ter assistido as aulas anteriores para participar.

Não haverá reembolso por desistência. Mas se a desistência for comunicada até o dia 02/05/2018 pelo e-mail abrademi@abrademi.com, o valor pago poderá ser transferido para a aula seguinte (de 02/06/2018).  Quando não houver mais vaga, o interessado poderá enviar e-mail para ficar na lista de espera.

Local: Associação Cultural Mie, na Avenida Lins de Vasconcelos, 3352, Vila Mariana, na saída da Estação Vila Mariana do metrô. Há estacionamento pago no prédio.

Esse curso, com algumas diferenças na distribuição do conteúdo por aula, foi realizado em 2017 alcançando grande sucesso. Foi ministrado gratuitamente para mais de 200 alunos em cada uma das aulas, e os próprios alunos sugeriram que fosse realizado para um público menor, para que o aproveitamento fosse maior. Assim, o grande salão utilizado anteriormente foi substituído por uma sala menor, e os alunos disporão de mesa ou cadeira universitária para possibilitar as anotações. Por isso, as vagas são limitadas. A sala está equipada com ar condicionado, projetor e microfone.

Os professores são:
– Cristiane A. Sato, formada em Direito pela USP, autora do livro JAPOP – O Poder da Cultura Pop Japonesa e presidente da Associação Brasileira de J-Fashion, palestrante em universidades, entidades, embaixada e consulado geral do Japão, foi bolsista da JICA em 2016, na Universidade de Kanazawa.
– Francisco Noriyuki Sato, formado em Jornalismo pela USP, autor dos livros História do Japão em Mangá, Banzai – História da Imigração Japonesa no Brasil, entre outros, e é presidente da Abrademi e editor do site culturajaponesa.com.br. Foi também bolsista da JICA, em 2014, e ministrou palestras em universidades e museus do Japão em 2016.

apoio: Fundação Japão e Centro Brasileiro de Língua Japonesa