jul 112018
 

Um espaço temático foi montado na biblioteca da Fundação Japão com foco no Tanabata, e também serão apresentadas as principais princesas que representam as fábulas japonesas como: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

Será uma oportunidade para os visitantes familiarizarem com o significado de um dos tradicionais eventos japoneses e algumas das fábulas que envolvem as princesas.

As narrativas populares antigas do Japão, conhecidas como mukashi banashi, e aqui designadas genericamente de fábulas, têm sua origem na tradição oral e eram transmitidas dentro do cotidiano popular, por isso não têm autoria e nem data definida. São muito difundidas em todo o Japão nas mais diferentes formas regionais. Elas são compostas por contos folclóricos, mitos, lendas, entre outros, que apresentam características estruturais tanto dos contos de fadas como das fábulas. Pode-se dizer que elas apresentam peculiaridades distintivas que enriquecem a nossa compreensão da cultura e da personalidade do povo japonês. Para Gary Snyder (2007), “todos os folclores do mundo possuem figuras femininas poderosas, mas o Japão talvez seja especialmente rico nesse assunto. Donzelas mágicas que são pássaros supersensíveis, velhinhas amáveis que são canibais, noivas que devoram tudo, bruxas das montanhas que admiram os dançarinos, e muito mais”.

Com o intuito de explorar um pouco mais o universo feminino dos mukashi banashi, a Biblioteca da Fundação Japão apresenta este espaço temático com foco, sobretudo, no Tanabata e também em três princesas que tão bem representam esse universo: Orihime, Kaguyahime e Otohime.

O que é o Festival Tanabata?

Conhecido também como Tanabata Matsuri ou Festival das Estrelas, é comemorado anualmente no sétimo dia do sétimo mês no Japão, único dia do ano em que, segundo o folclore chinês e mais tarde o japonês, as estrelas Vega e Altair, amantes separados pela fúria de uma divindade, podem se reencontrar. Quando a lenda foi introduzida no Japão, por volta do século VIII, Tanabata era celebrado apenas na corte imperial. Era considerado um evento gracioso, elegante e erudito, muito associado ao período Heian (794-1185). Nele, lanternas eram acesas e poemas eram escritos em folhas de kaji, uma variedade de amoreira conhecida no Brasil como amoreira de papel (kaji no ha, nome científico Broussonetia papyrifera).

Mais tarde, à medida que os costumes se espalharam para as comunidades locais, as cidades passaram a se cobrir de bambus e o festival assumiu mais dos valores inerentes à consciência e aos propósitos dos japoneses, agregando gradativamente tradições religiosas japonesas.

Tanto na China como no Japão, Tanabata era uma festividade que celebrava o grande esforço de Vega em se tornar uma hábil tecelã, ou seja, que celebrava o aprimoramento de suas habilidades técnicas, para que conseguisse enfim se reencontrar com Altair. Diz-se que no período Edo (1603-1868), talvez inspirados por esse espírito, crianças de pequenas escolas de templos religiosos passam a usar a festividade como oportunidade para demonstrar suas habilidades caligráficas. Elas passam a escrever orações em tiras estreitas de papel, os tanzaku com o intuito principalmente de aprimorar a caligrafia, e os penduravam em galhos de bambu. Acredita-se que esta prática deu origem as decorações e costumes de Tanabata tão familiares atualmente.

De 7 de julho (sábado) a 31 de agosto (sexta) de 2018

Horários: • Terça a sexta das 10h30 às 19h30 • Sábados, das 9h às 17h

Local: Biblioteca da Fundação Japão em São Paulo – Endereço: Avenida Paulista, 52 – 3º andar, São Paulo-SP, Brasil

Aproveitando: o Festival das Estrelas Tanabata Matsuri da Liberdade, em São Paulo, está marcado para dias 28 e 29 de julho de 2018.

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)