out 132016
 

palestra-historia-imigraA palestra abordará a história da imigração japonesa no Brasil, as causas, como foi a chegada dos primeiros imigrantes e a sua adaptação, suas preocupações com a educação de seus filhos e as frustrações. Construção de núcleos japoneses no Brasil, a Segunda Guerra Mundial, as restrições aos cidadãos japoneses e a mudança de planos. Após a Guerra, os conflitos com aqueles que acreditavam na vitória japonesa, a decisão de permanecer no Brasil e a chegada dos novos imigrantes do Japão.
Essa palestra é indicada para qualquer pessoa que tenha interesse na história, principalmente àqueles que pretendem viajar para o Japão no futuro através de uma bolsa de estudos.

Dia 06 de novembro de 2016 – Das 14 às 15h30 – Grátis, mas deve ser feita inscrição pelo Sympla
Local: Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – saída do Metrô Vila Mariana, São Paulo

Palestrante: Francisco Noriyuki Sato, jornalista e publicitário formado pela USP, autor dos livros Banzai – História da Imigração Japonesa em Mangá, História do Japão em Mangá, e História Ilustrada do Japão. Ex-bolsista da JICA na Kanazawa University, onde pesquisou história, sociedade e cultura do Japão. Foi assessor da Jetro, órgão do governo japonês, e da Cooperativa Agrícola de Cotia. Palestrante em diversas entidades como USP, SESC, FIESP, etc. Palestrou em universidades e museus históricos do Japão. Diretor Cultural da Associação Mie Kenjin do Brasil, presidente da Abrademi,diretor da ACAL Associação Cultural e Assistencial da Liberdade. É editor do site culturajaponesa.com.br e do imigracaojaponesa.com.br.

Promoção conjunta: Associação Mie Kenjin do Brasil e Abrademi – Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações.

jul 012016
 
20º Seminário ASIF na Tsukuba University

20º Seminário ASIF na Tsukuba University

O jornalista e editor Francisco Noriyuki Sato esteve no Japão realizando quatro palestras entre maio e junho deste ano. Na JICA de Yokohama, a palestra teve como tema “O Mangá no Brasil: a Influência Cultural do Japão e dos Imigrantes Japoneses no Brasil”, e foi realizado no dia 29 de maio, onde  maioria do público já conhecia o Brasil, ou tinha alguma ligação com o País. O mesmo tema foi repetido na Universidade de Tsukuba, no dia 14 de junho, no 20º Seminário ASIP, que trata de estudos sobre globalização. Aqui, dentre o público formado em grande parte por alunos e por alguns professores, cuja maioria não conhecia o Brasil, houve uma boa receptividade, obtendo a palestra uma ótima avaliação dos participantes. Os estudantes pediram que a palestra fosse realizada num recinto maior e fora do horário de aula, para que todos os alunos pudessem participar. Outros disseram que, com a palestra, ficaram muito interessados em conhecerem o Brasil, fato importante, pois a Universidade de Tsukuba assinou convênio com a Universidade de São Paulo e têm canais para esse intercâmbio.

JICA Yokohama

JICA Yokohama

800 kobe 054

Com o casal Matsubara, que dirige a CBK, no Kobe Center

No dia 3 de junho, Sato realizou uma palestra para funcionários e dirigentes do Kobe Center for Overseas Migration and Cultural Interaction e da CBK – Comunidade Brasileira de Kansai. O tema foi “A Identidade do Nikkei” e foi acompanhado de um caloroso debate. Essa palestra foi repetida no dia 7 de junho, na Universidade de Kanazawa, onde o público foi formado por estudantes estrangeiros dos cursos de pós-graduação e recebeu também uma ótima avaliação.

800 kanazawa kobe 601

Com estudantes estrangeiros do Kanazawa University e o professor Hiroshi Yamamoto

Além das palestras, Francisco Sato gravou uma entrevista na Radio Japan, da NHK, e falou também para a revista Alternativa, dirigida a brasileiros no Japão.

日本で22日という期間があっと言う間に過ぎてしまいました。今回は私のセミナーを四ヶ所で行って頂き、参加者から凄く良い評価を頂き、本当に嬉しい思い出に成りました。これは皆様のご支援のお陰ですので心から感謝しています。JICA横浜の小嶋さん、NPO関西ブラジル人コミュニティの松原さん、金沢大学の太田教授と山本教授、そして筑波大学の副学長ベントン博士を始め大学の教授とスタッフ。本当にどうも有り難うございました。お世話に成りました。これからもブラジルと日本の交流を手伝って行きたいと思います。

 

nov 112015
 

Nihon Bungaku Kyoukai (Associação de Literatura Japonesa) é uma entidade nacional fundada em 1946. Este ano, a associação estará promovendo a sua 70ª Convenção Anual, nos dias 14 e 15 de novembro de 2015, no campus da Seijo University, no bairro de Setagaya, em Tóquio.
Diversos temas serão debatidos no evento, abordando a literatura japonesa, o sistema de ensino e o idioma japonês. Chama atenção este ano a inclusão de um tema bastante inusitado: o Brasil.
“A literatura japonesa e os meios de comunicação no Brasil”, será o assunto coordenado pelo professor Kinya Sugiyama, da Kanazawa University. Além dele, o brasileiro Rodolfo Rocha, formado pela USP e com pós-graduação na disciplina de Estudos Humanos e de Ambientes Sociais da Kanazawa University, e Naohiro Nagao, pesquisador de Ciências Humanas da Toyo University, completam a equipe de debatedores.
O motivo desse tema, segundo o professor Sugiyama, é que neste ano completam-se 120 anos de intercâmbio entre o Brasil e o Japão. E o Brasil, além de ser o local onde está a maior população japonesa fora do Japão, é o local por onde passaram diversos e consagrados escritores japoneses, que retornaram ao Japão levando ideias novas e também escreveram sobre o Brasil.
“Nesta mesa redonda, quero debater sobre questões históricas e sociais a partir da percepção dos autores japoneses na visita ao Brasil, e também ver o ponto de vista dos imigrantes japoneses e as situações vividas por eles, ao final da guerra, na falta de comunicação que deu origem à incerteza, entre aceitar a derrota japonesa ou não reconhecê-la. Acredito que essa mesa redonda não se limitará ao Brasil, mas se expandirá para outros assuntos, tal a amplitude do tema”, afirmou o professor Kinya Sugiyama.
A participação é aberta e não há necessidade de ser associado da Nihon Bungaku Kyoukai. A entrada é franca, mas deve-se fazer inscrição pelo e-mail ou fax:
日本文学協会
〒170-0005 東京都豊島区南大塚2-17-10   Tel/Fax03-3941-2740
e-mail: bungaku1946@piano.ocn.ne.jp

ago 312015
 

Hiroshima livroNo dia 6 de agosto de 1945 Hiroshima sucumbiu diante do poder de destruição da bomba atômica. Foram mais de 140 mil mortos pela explosão e pelas consequências da radiação.
Em 2015 completam-se 70 anos dessa tragédia que jamais deve ser esquecida para que o ser humano não cometa o mesmo erro. Conhecer melhor essa história nos faz refletir sobre o uso indiscriminado das armas de grande poder de destruição e os perigos da energia nuclear, que pode devastar a vida de milhares de pessoas.
Os hibakushas, nome dado aos sobreviventes, viveram anos de medos e incertezas.
Takashi Morita que era policial do Batalhão Especial do Exército Imperial do Japão, estava na rua a 1.300 metros da explosão. Kunihiko Bonkohara foi salvo pelo pai aos 5 anos de idade. Junko Watanabe foi atingida pela chuva negra quando criança e só soube que era sobrevivente aos 38 anos. Tae Il Bae, coreano nascido no Japão, sobreviveu à radiação e à Guerra da Coreia. Em busca de paz e esperança vieram para o Brasil.
Baseado no depoimento desses sobreviventes o livro conta a incrível e emocionante jornada vivida por eles.

Lançamento do Livro – “Adeus, Hiroshima – Sobreviventes da bomba recomeçam a vida no Brasil”.
Sessão de autógrafos com a autora Denise Bertola, que morou no Japão e é jornalista do jornal Asahi Shimbun no Brasil. Haverá a presença de representantes da Associação Hibakusha Brasil pela Paz e do Secretário Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, o ex-senador Eduardo Suplicy.

Quarta-feira, 02 de Setembro de 2015 – 20:30 – Espaço Exposição – LIVRARIA CULTURA – BOURBON SHOPPING SÃO PAULO – Rua Palestra Itália, 500 – Piso 3 – Loja 211 – São Paulo – SP

mar 032015
 
Apresentando teatro na viagem do Japão para o Brasil. Foto da década de 1930, livro: Zaihaku Doho Katsudo Jikyo

Apresentando teatro na viagem do Japão para o Brasil. Foto da década de 1930, livro: Zaihaku Doho Katsudo Jikyo

No dia 5 de novembro de 1895, foi assinado em Paris, o Tratado de Amizade, de Comércio e de Navegação, entre o Brasil e o Japão. Representou o Brasil o ministro plenipotenciário, Gabriel de Toledo Piza e Almeida, e pelo Japão, assinou o também ministro plenipotenciário, Soné Arasuke Jushü. O site do Ministério das Relações Exteriores do Brasil traz a íntegra do documento.

Certamente, ao longo desses 120 anos desde a assinatura do acordo, vendemos muito café e soja, e importamos eletrônicos e tecnologia, mas a parte mais importante desse intercâmbio foram as pessoas que emigraram e imigraram.

Tivemos, a partir de 1908, a imigração, que transferiu mais de 250 mil japoneses para o Brasil. Por outro lado, o movimento decasségui, na fase áurea da década de 90, chegou a manter mais de 350 mil brasileiros trabalhando no Japão. Em ambos os casos, os migrantes pretendiam inicialmente retornar ao seu país de origem, mas muitos acabaram se adaptando no novo país.

O decasségui é um herói

Shinichi Nakanishi, presidente da Associação das Famílias de Emigrantes de Ishikawa, órgão que congrega os familiares dos que estão morando no exterior, afirma que as pessoas que saíram do Japão para fugir da recessão econômica, da superpopulação e da falta de alimentos são heróis. Isso porque, ao deixarem o país, permitiram que as pessoas que ficaram pudessem ter uma vida melhor e ajudaram o Japão a se reerguer. De fato, os japoneses que vieram para o Brasil fizeram de tudo para manter a imagem de honestidade do seu povo, porque sabiam da responsabilidade ao sair do seu país.

No caso da província de Ishikawa, foi o sentimento de gratidão a esses heróis que levantou o prédio da Associação Ishikawa Kenjin do Brasil em São Paulo. O governo da província e os municípios de onde saíram os imigrantes dividiram os custos da construção. Além disso, a província ajuda os descendentes dos originários de Ishikawa com bolsas de estudos, como forma de agradecimento aos heróis. Fatos semelhantes ocorrem com outras províncias japonesas. Em Yokohama, existe o Museu da Migração Japonesa, como homenagem àqueles que, num momento difícil, deixaram seu país rumo ao Brasil, Estados Unidos, Peru, Canadá e outros países.

No Brasil, os decasséguis, que deixaram o país a partir de 1985, tiveram papel importante na recuperação econômica do Brasil. Não apenas os brasileiros que foram para o Japão, mas também aqueles que foram para os Estados Unidos, Portugal, Espanha e outras localidades. Comenta-se que são mais de 2,5 milhões de brasileiros que moram no exterior atualmente. Imagine o que seriam 2,5 milhões de pessoas disputando o seu emprego?

Espero que um dia, o Brasil reconheça o sacrifício desses trabalhadores e ajude-os, principalmente dando o apoio necessário quando eles retornarem.

Francisco Noriyuki Sato, jornalista e editor, autor de Banzai! História da Imigração Japonesa no Brasil e de História do Japão, e ex-estagiário da JICA na Kanazawa University, em Ishikawa.
 

ブラジルと日本の交流条約から120年

1895年11月5日に日伯修好通商航海条約が結ばれました。コーヒーや大豆の輸出も大切ですが、一番大事なことは、この条約によって人の交流が可能になったことです。それ以来25万人に上る日本人がブラジルに渡って、日本に残った家族や親戚の生活が少なからず豊かになったと思われます。日本政府は、そうしたことを理解してのことでしょうか、日系人に対して色々な形で援助を行っています。例えば日本政府負担の日系人を対象にした日本研修があります。つまり、その行為には、日系人に対する感謝の気持ちが入っていると考えられます。

時代が変わって、1985年からブラジルの日系人が出稼ぎを目的として日本へ行くことになりました。最盛期の90年代には、一時35万人ものブラジル人が日本で働いていました。国の経済が安定しないため、ブラジル人は日本だけではなく、北米、ポルトガルやスペインにも向かいました。現在外国に住んでいるブラジル人の数は、何と250万人だそうです。これだけの人数に上ると経済にはかなりのインパクトがあります。やはりこうした人たちが外国に渡り本国を支えたことによって、他のブラジル人の生活が豊かになったと思われます。

何時か、ブラジル政府も外国で働いているブラジル人の努力を認めて、お礼を言わなければならない時が来ると思います.

 

佐藤フランシスコ紀行 ・ 新聞記者、編集の仕事をしながら、漫画の本「日本の歴史」と「ブラジル移民の歴史」に作者として参加、2014年JICAの研修生として金沢大学でお世話に成りました。

fev 252015
 

NampoKurachi0051Com muito pesar, comunicamos o falecimento de Sanshi Kurachi, conhecido também como Nampo Kurachi, nome que recebeu como mestre de shodô, a arte da caligrafia japonesa. O falecimento ocorreu na noite do dia 22 de fevereiro de 2015, em São Paulo, no Hospital de Sapopemba, onde ficou internado por 25 dias.

Um dos fundadores da Shodo Aikokai do Brasil, Nampo Kurachi rapidamente se destacou como um reconhecido calígrafo. Na primeira participação do grupo brasileiro no concurso da associação japonesa Hokushin, em 1981, Kurachi surpreendentemente viu seu trabalho ser publicado com destaque, obtendo o nível 10, que é o primeiro degrau por onde passam todos os artistas da caligrafia japonesa. Depois, galgando um a um todos os níveis, chegou ao nível 1, para finalmente, obter o 1º grau. Os graus são méritos concedidos apenas a aqueles que passaram por todos os níveis inferiores, e são em ordem crescente.

Nampo Kurachi chegou ao 5º grau nessa escala hierárquica, quando prestou exame e foi aprovado como professor (kyoushi), um dos poucos no Brasil.

O mestre Kurachi nasceu em 1921, e chegou ao Brasil em 1934, trabalhando primeiro no campo, e depois na tinturaria. Grande apreciador da música, dirigiu a Aozora, uma banda que animava bailes e festas nos anos 60 e 70. Os ensaios da banda aconteciam aos domingos na sala da residência dele, que ficava na Avenida Itaboraí, no Bosque da Saude. Foi também jurado de muitos concursos de música japonesa, ainda na fase anterior ao do karaokê, quando os concursos eram chamados de “nodojiman”.

Com sua calma oriental e budista (todos os anos, há décadas, ele reservou a manhã do primeiro dia do ano para ir ao seu templo NIshi Hongwanji, da Praça da Árvore, em São Paulo, e rezar pela paz no mundo), e sua grande vontade de cultivar a arte, Nampo Kurachi não aparentava a idade que tinha. Lecionou shodô na Aliança Cultural Brasil-Japão, na Associação da Província de Aichi, e na Escola Oshiman, todas em São Paulo. Ele continuou, até os últimos momentos, preocupado com as suas obrigações como professor da Aliança Cultural, onde ministrava aulas às quartas.

Bastante reconhecido no meio artístico, Nampo Kurachi apareceu com freqüência dando entrevistas para revistas e jornais, e também para programas de TV, como o Fantástico, da Globo.

A missa do Sétimo Dia de Sanshi Kurachi será realizada no templo budista Honpa Honganji do Brasil (Nishi Honganji), na rua Changuá, 108, perto do metrô Praça da Árvore, em São Paulo, no sábado, dia 28/02/2015, às 15 horas.

Mais sobre a história do Shodô e Shodô no Brasil: veja nosso link

fev 182015
 
Apresentação do Teatro Kagura, na Festa do Imigrante, no Memorial do Imigrante, no Brás, em São Paulo, 2010. Foto de Francisco Sato

Apresentação do Teatro Kagura, na Festa do Imigrante, no Memorial do Imigrante, no Brás, em São Paulo, 2010. Foto de Francisco Sato

Em 2015 celebramos os 120 anos do tratado oficial das relações diplomáticas entre o Japão e o Brasil. Para marcar este ano comemorativo o serviço em português da NHK WORLD RÁDIO JAPÃO está promovendo um concurso de fotografia com o tema 120 anos de amizade Japão-Brasil, experiências reunidas numa só história.
Convidamos a todos a compartilharem suas histórias. Os relatos e os episódios envolvendo as fotos serão transmitidos em nossa programação e outros meios de difusão. Através dessa iniciativa gostaríamos de reviver esses 120 anos vividos em conjunto, aprofundar ainda mais os laços de amizade e vislumbrar o horizonte que está por vir para japoneses e brasileiros.
Fotos antigas também são bem-vindas. Neste caso elas devem ser digitalizadas para o envio. Da mesma forma imagens antigas de vídeo também podem ser editadas e enviadas em forma de fotografia.
Participe enviando a foto que melhor retrata as suas lembranças e aspirações.
O prazo de participação será encerrado no dia 7 de abril.
Não deixe de participar pelo link: www3.nhk.or.jp

fev 092015
 

cafe paulista anuncioDepois de mais de 200 anos com os portos fechados, o Japão voltou a ter contato com o exterior em 1854. Estrangeiros começaram a visitar o país, e em 1888, a primeira cafeteria “Kahi Sakan” foi inaugurada em Tóquio, para atender aos estrangeiros. Em 1911, a Café Printemps foi inaugurada no bairro de Ginza, Tóquio, desta vez visando o público japonês. Os artistas plásticos que investiram na nova casa se inspiraram no modelo de cafés parisienses. No mesmo ano, Café Lion e Café Paulista surgiram no mesmo bairro. Ryo Mizuno, proprietário do Café Paulista tinha contatos no Brasil, a principal fornecedora do café, e um grande trunfo no negócio.

Anos antes, em 1908, Mizuno levara os primeiros imigrantes japoneses ao Brasil, a bordo do Kasato Maru. Os japoneses foram trabalhar nas fazendas de café do interior do Estado de São Paulo e ele conseguiu, do governo de São Paulo, a doação de carregamentos de café, a título de propaganda, para serem vendidos no Japão. Esse acordo, que pode ter durado uma década, possibilitou Mizuno de abastecer sua loja e o levou a abrir uma série de filiais em todo o país. Esse fato fez com que o Japão, país do chá, passasse a consumir o cafezinho em grande escala. O negócio começou a declinar com a piora da situação econômica japonesa, que se agravou após o grande terremoto de Kanto, que atingiu Tóquio e Yokohama, em 1923.

cafe paulistaO Café Paulista, entretanto, continuou nas mãos de outros empreendedores. A loja original de Ginza continua funcionando, sendo a cafeteria mais antiga do Japão, e conta-se que John Lennon e Yoko Ono apreciavam o café servido nessa loja. A empresa importa os grãos, processa e distribui para cafeterias e restaurantes as marcas Mori no Coffee (orgânico) e Serra Azul, ambas do Brasil, além de marcas de outros países.

Na sua melhor época, em 1982, o Japão tinha mais de 162 mil cafeterias. O número foi diminuindo com a chegada das máquinas automáticas que vendem café quente, e o trabalho agressivo das redes de cafeterias que passaram a disputar o cliente pelo preço. Uma dessas redes, por coincidência, tem muito a ver com o Brasil.

Hiromichi Toriba, de 20 anos, se aventurou a vir para o Brasil em 1959. Era o começo da retomada econômica do Japão e seus jovens ansiavam por um rápido sucesso, e para muitos, o Japão era pequeno demais para isso. Toriba deixou o porto de Yokohama a bordo do navio Argentina Maru, viajou durante 42 dias e desembarcou no Rio, para trabalhar no processamento do café por seis meses, e depois seguiu para São Paulo onde permaneceu por dois anos. Voltando ao Japão em 1962, abriu sua empresa de torrefação e moagem, e só em 1980, abriu sua própria loja, o Doutor Coffee, no bairro jovem de Harajuku, em Tóquio. O nome da empresa “Doutor”, que está estranhamente em português, veio do endereço onde ele morou em São Paulo: Rua Doutor Pinto Ferraz, número 85, no bairro da Vila Mariana.

cafe doutor coffee

Doutor Coffee, foto de Danny Cho

Hoje, a rede de Toriba possui 1421 lojas, sendo 1146 da marca Doutor Coffee, 144 da Excelsior e outras menores. Ela é a maior rede de cafeterias do Japão e possui duas fazendas próprias de café no Havaí. A gigante norte-americana Starbucks Coffee tem 1081 lojas espalhadas pelo Japão, seguida pela Komeda, com 611 lojas, Tully, com 573, Saint Marc com 366, Kohi-Kan com 261, Pronto com 190 e Café de Crié, com 186 lojas.

Nos anos 2000, uma nova onda de cafeterias: internet café, cosplay café, pet café e maid café se multiplicaram. Em 2014, a rede de lojas de conveniência (konbini) Seven Eleven passou a vender o café expresso por apenas 100 ienes (R$ 2,30 incluindo o imposto), e foi seguido pela Family Mart e Lawson, suas principais concorrentes, e assim, o concorrido mercado deverá passar por mudanças em breve.

O Brasil ainda é o maior exportador de café em grãos para o Japão, com 131 mil toneladas (em 2011), que é mais do que o dobro do volume da Colômbia, o segundo colocado. É também o maior exportador de café solúvel, com 4.317 toneladas (em 2011), volume quase sete vez superior ao da Indonésia, o segundo colocado.

Café em Kanazawa – Donald Keene, o maior estudioso da literatura japonesa no mundo, disse em sua palestra proferida em Kanazawa, em dezembro de 2014, que visitou a cidade pela primeira vez em 1954. Morando em Kyoto, pouco sabia sobre aquela cidade, quando resolveu refazer o caminho que fez o poeta Basho Matsuo no século 17, cujo longo percurso consta no livro “Oku no Hosomichi”. Estando na província de Miyagi, no outro lado do Japão, verificou o percurso que teria que fazer, quando o seu interlocutor o advertiu: “Saindo daqui, no seu longo percurso, você só vai encontrar um bom cafézinho em Kanazawa”. De fato, havia desde 1919 em Kanazawa, a cafeteria “Café Brasil”, no agitado bairro de Kohrinbo, que foi o ponto de encontro de intelectuais da região.

Quem quiser ler o livro “Oku no Hosomichi”, em espanhol, veja aqui em PDF: Sendas de Oku

Mais sobre Donald Keene, no nosso post anterior

jan 122015
 

サンパウロ市の日本語学校で神尾先生が映写機を持ってきて見せてくれた8ミリの映画。確かぼやけた陸上競技のシーンでした。それが間違いなく私の東京オリンピックの思い出で有ります。当時ブラジルでは日本は全く別の世界でした。インターネットやビデオが無い時代で日本の情報も少なかったと思います。子供だった私達はオリンピック自体の大きさと素晴らしさも全然知りませんでした。サッカー以外のスポーツも見た事無かったかもしれません。当時私は小学一年生でした。

tokyo shonen sunday日本の漫画を読むようになって、少しずつ日本の事が分かる様になり、大人に成ってから1964年の東京オリンピックはものすごいイベントであったと分かりました。第二次世界大戦で破壊された日本が立ち上がったと世界に知らせる目的の大イベントでした。あのころ新幹線も日本の絵本などで見ましたが、実際比較するものも無く、デザインがきれいだったとしか思い出せません。ブラジルの汽車は1867年、つまり日本よりも先に作られました、と言ってもその後線路数は増えましたが、技術的な進歩も無く、高速列車なども無く、新幹線とは遠い親戚のような感じです。

東京オリンピックの四年前、1960年にプロレスの力道山がブラジルへ来て地元のプロレスラーたちと戦って勝利したと、お父さんから後で聞かせてもらいました。その時、ブラジルに住んでいた青年アントニオ猪木を日本へ連れて行ったとの事。私の父はサンパウロ市の中央市場でスイカの卸売りをしていました。猪木さんは同じ市場で荷物をトラックから降ろすバイトをしていたと父は言いました。確かに、猪木さんみたいに身体の大きな青年がいたら、何所でも目立っていたでしょうね。

nationalKIDでも、子供にとって一番大きなインパクトだったのは日本のスーパーヒーロー、ナショナル・キッドのテレビ放送でした。ブラジルの音楽番組の後で流され第1部「インカ族の来襲」は、今でも思い出します。宣伝も予告も無く突然現れたスーパーヒーロー。ブラジルとは関係無いと分かっていながらなぜ面白かったのだろう。1964年でした。当時のブラジルのテレビには日本人は出ていなかったので、めずらしいことで日本人がヒーローだとは考えらませんでした。

tokyo Olimpic expo2そうした思い出が沢山有ったので、昨年の十一月、滞在していた金沢から東京へ行って江戸東京博物館の「東京オリンピックと新幹線」の展示会を見に行きました。オリンピック当時の物が沢山並べられていましたが、自分が想像していた1964年の日本とは少し違うイメージが目を引きました。

五十年も経ってしまって今考えると、日系人として日本は戦争に負けたのだと言い聞かされ、日系人は少し馬鹿にされていたのかも知りません。そこで東京オリンピック、新幹線とナショナル・キッドが出たことにより、日系人として誇りを持てる物がそろって来たのかもしれません。それらの出来事が当時の日系人の子供や若者に勇気を与えてくれたのでしょう。遠いブラジルにいても日本の勝利を祝って応援していた日系人。その様なつながりが有ったのでした。

注・江戸東京博物館の小林克様と谷川真実子様、どうも有り難うございました。

佐藤フランシスコ紀行 ・ 新聞記者・2014年JICAの研修生として金沢大学でお世話に成りました。

 

out 082014
 

BANZAI CAPA19pequeno“Banzai! História da Imigração Japonesa no Brasil em Mangá” é um livro de 176 páginas lançado em comemoração ao Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. Foi uma realização da Associação Cultural e Esportiva Saúde, tendo à frente o presidente Tomio Katsuragawa, que se preocupou em reunir o melhor conteúdo tendo à frente a comissão formada por Dr. Masato Ninomiya, presidente do Ciate, a professora Kiyoko Yano e o diretor cultural da ACE Saúde, Jorge Kiyoshi Suzuki.

Os fatos são narrados em forma de mangá, mas não se trata de um livro superficial. Muitos dos livros publicados sobre o tema refletem apenas o ponto de vista de um personagem da história, ou um determinado acontecimento, ou ainda a história de uma região. No Banzai, os autores procuraram mostrar o conjunto da história, desde antes da chegada dos pioneiros a bordo do Kasato Maru até a fase dos decasséguis brasileiros, passando pelos atletas que tiveram destaque e dos primeiros políticos nikkeis.

A coordenação e o roteiro ficaram nas mãos do jornalista Francisco Noriyuki Sato, que contou com a assistência do veterano Paulo I. Fukue, e os desenhos foram feitos pelo artista Júlio Shimamoto. “Desde o início do projeto, eu pensava no Shimamoto para fazer os desenhos do mangá, pois além de ser um renomado quadrinhista, ele viveu uma boa parte da história da imigração e lembra de todos os detalhes da vida no campo e em comunidades nikkeis”, contou Sato em uma entrevista na época do lançamento do livro.
Maiores informações: http://www.imigracaojaponesa.com.br/?page_id=14

Banzai! História da Imigração Japonesa no Brasil em Mangá está à venda por R$ 20,00 na livraria do Museu da Imigração Japonesa, no Bunkyo, Rua São Joaquim, 381 – 3º andar, Liberdade, São Paulo/SP, de terça a sexta, das 9:00 às 17:30 sem intervalo e na segunda-feira e no sábado das 13:00 às 17:30. Quem visita o Museu também poderá encontrá-lo no 9º andar do prédio.
Para adquirir diretamente ou pelo correio:
LIVROCERTO Comércio Ltda. Av. Francisco Tranchesi, 1031, CEP 08270-460 – Parque do Carmo – São Paulo livrocerto@terra.com.br – tel.11 2527-2631
manga banzai3918