fev 282014
 

Copyright(C)2010 paylessimages,Inc.All Right Reserved.Lumi Toyoda, professora de Cultura e Etiqueta Japonesa, que estará acompanhando a excursão “Primavera, Arte e Cultura no Japão”, informa que só restam quatro vagas para completar o grupo.
Entre 5 a 22 de abril, o grupo visitará os melhores locais turísticos de oito províncias: Tóquio, Quioto, Nara, Osaka, Nagano, Gifu, Shizuoka e Hokkaido. Atrações como Festival de Takayama, uma dos três festivais mais famosos do Japão, workshops de Arte e Artesanato, visita a fazenda de wasabi (raíz forte) e a vila dos nativos Ainu,em Hokkaido. Caminhada pela vila Shirakawa-go, tombada pelo Patrimônio da Humanidade da Unesco, e pelas ruas de construções antigas, entre outras.

“Após muitas negociações, conseguimos otimizar ainda mais as condições de viagem com mais uma cidade a visitar (Osaka), hotéis de categoria superior, possibilidade maior de acompanhar a florada de sakura, e o mais importante sem alterar o valor do pacote”, afirma a professora Toyoda.

Haverá encontros que antecedem a viagem para melhor proveito da oportunidade:
– palestra gratuita sobre “Dicas de etiqueta para não cometer GRANDES GAFES em viagem ao Japão”
– palestra gratuita sobre “Turismo no Japão: câmbio, hospedagem, compras, etc.”
– palestra com jantar sobre “Etiqueta à mesa japonesa”

Solicite o programa completo com a Silvia que irá acompanhar como coordenadora da viagem: silvia@mititur.com.br – Tels (11) 2373-6104/9.9633-9068
Mais informações no site: www.etiquetajaponesa.com.br

fev 262014
 

Sempre ouvimos falar que o Japão é o antigo e o novo no mesmo lugar. Apresentamos dois vídeos bem interessantes que parecem ilustrar essa afirmação. Prefira ver esses vídeos em tela cheia. O primeiro é uma montagem de fotos do Século XIX feita por um japonês. Raras fotos de Tóquio em 1865, curiosos retratos de samurais como Ryoma Sakamoto e incríveis retratos de gueixas e maikos estão neste vídeo:

O segundo video é uma caprichada produção de dois cineastas da AmnesiArt, empresa que se especializou em filmes e fotografias artísticas. Aqui, as cores vivas destacam o antigo, o novo e o ser humano. Trata-se de uma viagem ao Japão:

fev 262014
 

Já ouviu falar da expressão “medo reptiliano”? Ela se refere ao medo mais primitivo e instintivo do ser humano, que remonta aos primórdios da evolução, quando os mamíferos ainda não existiam e todas as espécies ancestrais da Terra eram répteis aquáticos. Pois bem, a encarnação do medo reptiliano original criada pelos japoneses está de volta em versão hollywoodiana. Em maio chega aos cinemas nos Estados Unidos o novo GODZILLA. 60 anos após sua criação pelos Estúdios Toho, o monstro retorna mais atual e terrível do que nunca. Veja o trailer oficial:

godzilla2014_poster2A inspiração para esta nova versão vem de eventos recentes: o terremoto seguido do tsunami que varreu a costa leste do Japão e causou o desastre nuclear de Fukushima em 2011. Mas é inegável que alterações climáticas globais (frio que bate recordes no hemisfério norte contrastando com o calor excessivo e secas no hemisfério sul), economias cambaleando, a inquietação social que se alastra por vários países e recentes guerras civis estourando aqui e acolá contribuem para expectativas de audiência para o filme catástrofe no mundo inteiro.
Além de incríveis sequências de destruição digital, o novo GODZILLA procura resgatar o espírito original do filme de 1954. Afinal, seria o monstro realmente a causa de tanto sofrimento, ou apenas o resultado do que a humanidade tem feito ao próprio planeta em que vive? O premiado Bryan Cranston (Walter White de “Breaking Bad”), Aaron Taylor-Johnson (Dave de “Kick-Ass”), a célebre atriz francesa Juliette Binoche e o consagrado ator japonês Ken Watanabe encabeçam o elenco de astros desta nova versão.

Texto: Cristiane A. Sato, autora do livro Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa.

fev 252014
 

origami_site_origami

A Fundação Japão em São Paulo promove, em março, uma série de atividades relacionadas ao Origami, uma tradicional forma de interpretar, por meio de dobras no papel, elementos existentes em nosso meio, tais como flores, animais ou objetos. Especialmente para os eventos, virá ao Brasil o professor Yoshihiro Umemoto, membro da Nippon Origami Association – NOA e representante da região de Osaka da Associação.
As atividades incluem, em 19 de março, duas oficinas abertas ao público. A Oficina I – Kusudama (bolas decorativas) acontece das 10h30 às 12h. Depois, das 14h30 às 16h, acontece a Oficina II – acessórios (anéis, pulseiras, etc). A participação é gratuita e aberta a maiores de 12 anos. Também serão realizadas oficinas em uma escola, restrita aos alunos e professores; e outra no Hospital do GRAACC, da qual participarão funcionários e pacientes.
Nestes encontros, o professor Umemoto ensinará algumas técnicas e permitirá aos participantes praticá-las, produzindo lindas dobraduras. Também serão abordados os aspectos terapêuticos do Origami, por meio de suas experiências pessoais ao longo de seus mais de 30 anos na área.

origami kusudama_flyer_leveOrigami e qualidade de vida
Há relatos de positivos resultados no trabalho com pessoas portadoras de necessidades especiais e até mesmo com estudantes que por motivos diversos acabaram se afastando da vida escolar. O Origami, explica o professor, melhora a coordenação motora e minimiza os efeitos negativos de outros problemas que podem afastar os jovens da escola, fazendo com que retornem para as aulas.
“O Origami é uma cultura transmitida desde os tempos antigos no Japão, largamente divulgado pelo mundo como um idioma comum”, avalia Yoshihiro Umemoto. Para ele, cuja especialidade são os acessórios e as peças modulares e para brincar, um dos prazeres do Origami é não haver limite de tempo, espaço, idade, sexo ou nacionalidade para a sua prática.
“Os resultados são eficazes tanto na educação, na reabilitação ou como passatempo, oferecendo variadas possibilidades, em qualquer lugar e em qualquer momento.”
Para Mari Kanegae, professora de Origami na Aliança Cultural Brasil-Japão, a arte tem conquistado cada vez mais admiradores, desde crianças até adultos.
“A transformação de um simples pedaço de papel em formas da natureza, orgânicas ou geométricas, aguçam os nossos sentidos e trazem inúmeras possibilidades, desde um passatempo que une diferentes gerações, até o desenvolvimento da coordenação motora fina, da atenção, da concentração, do raciocínio e da criatividade.”
Segundo a professora, o Origami também tem demonstrado eficácia como instrumento para melhorar a qualidade de vida das pessoas, principalmente daquelas que necessitam de cuidados especiais.
“As oficinas de Origami proporcionam a pacientes, familiares e também aos profissionais envolvidos em tratamentos de saúde momentos de relaxamento e comunhão, amenizando a tensão ocasionada pela doença.”
Natural do Japão, Umemoto é professor de escola fundamental desde 1973, ano em que se graduou na Tsury University, na Província de Yamanashi, Japão. Desde 1982, é membro da Nippon Origami Association, e em 1994 obteve a certificação para atuar como professor de Origami, concedido pela mesma Associação. No ano de 1999, apresentou inovadores projetos como o “A I U E O hyo”, e “Furusato Mirai 21” no 26º Simpósio de Origami. Em 2000, realizou uma exposição tátil de Origami na Escola para Deficientes Visuais da Cidade de Osaka. No ano seguinte, lançou o primeiro DVD de origami no mundo. Em 2005, assumiu o cargo de diretor da região de Osaka da Nippon Origami Association. E desde 2007 tem participado em eventos internacionais de origami, como exposições, cursos e oficinas, tendo passado por países como Polônia, Estados Unidos, Inglaterra, Coreia do Sul, etc.
Data: 19 de março de 2014

Horários
Das 10h30 às 12h – Oficina I – Kusudama (bolas decorativas)
Das 14h30 às 16h – Oficina II – Acessórios (anéis, pulseiras, etc)

Local – Associação Cultural e Assistencial Mie Kenjin do Brasil – Av. Lins de Vasconcelos 3352 – Vila Mariana (próximo ao terminal de ônibus). Como as vagas são gratuitas e limitadas, as inscrições devem ser feitas com antecedência pelo e-mail: info@fjsp.org.br (para maiores de 12 anos)

fev 242014
 

No dia 6 de março, às 19h, será realizada uma palestra que apresentará métodos e ferramentas para promover a revitalização das ações da comunidade nipo-brasileira. O conhecimento também será útil para administração de instituições governamentais e privadas e harmonização entre o desenvolvimento das cidades e o meio rural. É necessário fazer inscrição antecipada e a participação é gratuita. Convidamos a todos para esta importante palestra.

A palestra acontecerá na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social, na Rua São Joaquim, 381 – metrô São Joaquim, bairro da Liberdade, em São Paulo. Palestra em japonês com tradução para português. Estacionamento terceirizado na Rua Galvão Bueno, 540, com acesso interno.

seminario-revitalizacao-regional

fev 242014
 

Esse foi o resultado de dois anos de colaboração prévia entre a ABRADEMI (Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações), entidade pioneira dos mangás e animês que completou 30 anos neste mês, e os organizadores do “Harajuku Fashion Party”, evento que reuniu apreciadores do street fashion japonês de várias partes do Brasil em São Paulo nos últimos 2 anos.
Ambos os grupos tinham em comum um histórico de participações em eventos da coletividade nipo-brasileira e de difusão cultural. Em outubro de 2012, realizaram um primeiro evento em conjunto – o Meeting Comemorativo dos 40 Anos da “Rosa de Versalhes: Berusaiyu no Bara” – tema que agregou aspectos comuns de ambos os grupos por se tratar de um mangá de sucesso que influenciou profundamente a cultura moderna do Japão, inclusive a moda alternativa.
O sucesso do Meeting e a crescente procura de informação sobre moda japonesa foram os fatores positivos que levaram à iniciativa de criação de uma Associação J-Fashion no Brasil. No processo de amadurecimento da iniciativa verificou-se também a necessidade de educar o público em geral a respeito do assunto, visto que grandes diferenças culturais referentes a estética e comportamento que existem entre Brasil e Japão ainda geram atitudes de preconceito e desrespeito. Relatos de bullying sofrido por jovens apreciadores do street fashion japonês se tornaram mais frequentes, surgindo daí a necessidade de uma entidade que, além do caráter cultural, tivesse caráter social, para apoiar os jovens e combater a violência que infelizmente cresce no país.
Finalmente, no dia 10 de fevereiro de 2014, foi realizada a Assembléia de Fundação da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE J-FASHION, a primeira entidade do gênero no mundo, legalmente registrada perante o 3º RTD de São Paulo.

fev 212014
 

cintia souza

“Introdução ao Design Gráfico Japonês” é o tema de uma aula avulsa que a Abrademi está programando para o dia 9 de março, na sede da Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil, na Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – Vila Mariana.
A aula será ministrada pela Cíntia Regina de Souza, carioca formada em design gráfico no Brasil que se especializou no estilo japonês, cursando a conceituada escola Yoyogi Animation e a Escola de Belas Artes Yuzawaya, morando cinco anos no Japão onde trabalhou como designer.
Conteúdo da aula:
– Elementos gráficos japoneses e símbolos do Japão;
– Noções básicas de ordem de escrita japonesa e tipos de escrita;
– Teste de criatividade e estimulação visual para orientalização do design.
Público alvo: Pessoas do meio publicitário e de marketing que estejam sintonizados ou desejam entrar em contato com o mercado nikkei ou japonês. Artistas gráficos / visuais / diagramadores, ilustradores e estudantes de design, artes plásticas, etc., que tenham interesse em adquirir novos conhecimentos para agregar um diferencial em sua profissão.

INTRODUÇÃO AO DESIGN GRÁFICO JAPONÊS (Módulo 1)
Data: Domingo, 09 de março de 2014 – das 9h – 12h
Local: Associação Cultural Mie Ken – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – 1º andar – saída do metrô Vila Mariana – São Paulo.

Taxa Única: R$ 38,50 (incluindo apostila)
Maiores informações: ABRADEMI

fev 202014
 
david bowie Kansai

David Bowie provando um dos figurinos do Alladin Sane Tour no estúdio de Kansai Yamamoto em Harajuku, Tóquio. Foto de Masayoshi Sukita (1973).

A primeira atividade social e cultural da Associação Brasileira de J-Fashion foi uma visita à exposição sobre a vida e a carreira de DAVID BOWIE no MIS – Museu da Imagem e Som, em São Paulo (fomos na segunda semana da mostra; na 3a feira a entrada é grátis e houve fila de 1h40 de espera, MAS VALE A PENA). Mais do que um cantor de sucesso, David Bowie é um artista multifacetado, cuja única constância é a busca por algo novo. E não importa se você é fã de Bowie ou não. O que torna essa exposição imperdível é o reconhecimento de que ele é um dos artistas mais influentes de nossa era. Particularmente para a moda alternativa japonesa, Bowie é um ícone.

Preocupado com cada detalhe de suas performances, Bowie fez da moda um de seus mais eficientes meios de expressão. Descobrir novos talentos sempre foi uma de suas qualidades, e assim ele se aliou a jovens estilistas e tornou-se porta-voz e porta-corpo de tendências que hoje encontramos facilmente pelas ruas de Tóquio. Assim, não é de se espantar ver na exposição figurinos marcantes e roupas que ele usou em diversas ocasiões assinadas por Kansai Yamamoto e Yohji Yamamoto (não são parentes). Mas acima de tudo o que está vivo no street fashion japonês é o espírito irreverente e irriquieto que ele despertou em Harajuku ainda no início da década de 70. Nessa exposição é fácil ver, por exemplo, como o Visual Kei recebe influência da maquiagem e da aparência andrógina de Bowie, ou o impacto que o filme “Labirinto” têm nos estilos Hime Gyaru e Ouji.

Em 2013 Bowie voltou a lançar um álbum após 10 anos sem gravar e surpreendeu: “The Next Day” foi o álbum mais vendido na Inglaterra no ano passado, ultrapassando artistas como Adele e Katy Perry. Ele pode estar com 67 anos, mas ainda consegue conquistar os velhos fãs e uma multidão de novos fãs. David Bowie permanece atual como sempre.

DAVID BOWIE, A EXPOSIÇÃO (até 20/abril/2014, no MIS-SP)

Mais informações em: http://www.mis-sp.org.br/icox/icox.php?mdl=mis&op=programacao_interna&id_event=1462

VIDEOCLIPS (posts oficiais da EMI Music)
DAVID BOWIE – UNDERGROUND

DAVID BOWIE – AS THE WORLD FALLS DOWN

fev 192014
 

palestra_watsukiA Fundação Japão em São Paulo promove, em 27 de fevereiro, a partir das 19h30, na FNAC Pinheiros, em São Paulo, um encontro com a escritora e roteirista de mangá e anime Kaworu Kurosaki. Vinda diretamente do Japão, Kaworu falará sobre o processo de criação de um mangá e comentará a trajetória do Rurouni Kenshin, sucesso em todo o mundo, inclusive no Brasil, onde foi lançado com o nome de Samurai X, em 2001, pela editora JBC.
Aos futuros manga-ka (como são denominados no Japão os autores de mangá), Kaworu explicará os caminhos a ser percorridos, fazendo um paralelo com a sua própria experiência. A escritora promete, inclusive, revelar algumas curiosidades por trás dos bastidores a partir da sua participação na concepção da história da obra Rurouni Kenshin – Dai Zero Maku (Episódio Zero), lançado no Japão, em 2012.
Outro aspecto interessante deste bate-papo será participar da análise das características e diferenças de uma mesma cena da obra Rurouni Kenshin (Samurai X) na visão de um escritor, de um autor de mangá e de um autor de animê.
Nascida no Japão, Kaworu Kurosaki passou sua infância no Brasil (fala português). Casada com Nobuhiro Watsuki, autor de Rurouni Kenshin (Samurai X) e Busou Renkin, Kaworu atualmente escreve adaptações literárias e roteiros. Kaworu também foi roteirista do animê Captain Tsubasa, lançado no Brasil com o título de “Super Campeões”, e games como Wild Arms the 5th Vanguard, lançado para o Playstation 2.

Data: 27 de fevereiro de 2014 (quinta) – Horário: 19h30
Local: FNAC – Loja Pinheiros – Praça dos Omaguás, 34, Pinheiros, São Paulo
Próximo a estação Faria Lima do metrô (Linha Amarela)
Informações: (11) 3579-2000 – Capacidade: 80 lugares – Evento gratuito
Retirada da senha 1 hora antes do evento, no local