mar 212014
 
Yukatas © Personal archive

Yukatas © Yukatayasan

YUKATA é um quimono de passeio em algodão, fechado por uma faixa especial de gorgurão chamada OBI, que é amarrada com nós decorativos nas costas.

Há poucas décadas toda dona de casa japonesa fazia Yukatas para sua família. Infelizmente esse conhecimento prático que havia no Brasil caiu no esquecimento; está quase perdido.
Por ironia, nos últimos anos o Yukata voltou à moda no Japão. Quimono versátil, que varia do tradicional ao fashion, o Yukata atraiu uma nova geração e através da Internet vem também conquistando jovens no exterior.
Para difundir e preservar o quimono no Brasil, a Associação Brasileira de J-Fashion, em parceria com a ABRADEMI – Assoc. Bras. de Desenhistas de Mangá e Ilustrações e a Associação da Província de Mie (Mie Kenjinkai) vai realizar o WORKSHOP inédito “COMO FAZER O VERDADEIRO YUKATA JAPONÊS” em São Paulo.

Antigamente o YUKATA era uma roupa simples para ser usada em casa e posteriormente tornou-se um traje de passeio, muito usado nos festivais de verão. Nos últimos anos o YUKATA ganhou sofisticação e tomou as ruas como um quimono fashion, caindo no gosto dos e das jovens no Japão. A popularidade do street fashion japonês na Internet vem difundindo o YUKATA pelo mundo.
O YUKATA NÃO é um robe ou saída de banho, que são muito pequenos e de caimento ruim devido ao uso de tecidos moles. Apesar de ser fácil no corte e na costura, existem “manhas” que dão ao YUKATA a amplitude e a forma elegante que se usa no Japão.
Os pequenos segredos de como se faz um legítimo YUKATA, antes restritos a poucas famílias japonesas, serão revelados no workshop COMO FAZER O VERDADEIRO YUKATA JAPONÊS. Serão abordados temas como dicas de modelagem e adaptação de medidas para os tecidos disponíveis no Brasil.

O WORKSHOP será composto por:
– Apresentação (Introdução e Estilismo de Yukatas) por Cristiane A. Sato, presidente da Associação Brasileira de J-Fashion
– Aula “Como Fazer o Verdadeiro Yukata Japonês”, ministrada por Ryuka Sensei,  formada pela Kyoto Kimono Gakuin College e professora de dança clássica japonesa pela tradicional Escola Hanayagi Ryu
– Demonstração prática: “Como Vestir Corretamente um Yukata” (Yukata no Kitsuke)

O workshop será dado em português e japonês, com tradução da profa. Rosa Sato.

Os participantes deverão levar o seguinte material para a Oficina de Yukata:

1) tesoura comum
2) agulha de costura
3) linha de costura comum – qualquer cor exceto branco (para alinhavo sobre tecido branco)
4) cola em bastão
5) fita métrica ou metro de costura
6) material de anotação.

Taxa única: R$ 35,00 – Data: 10/maio/2014 (sábado) – Horário: das 14 às 17 horas

Local: Associação Cultural Mie Kenjin – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – Estação Vila Mariana do metrô, São Paulo/SP.

Inscrições antecipadas no próprio local com a Amélia, ou pelo Sympla:

Veja matéria completa sobre o Quimono

mar 202014
 

O uniforme escolar feminino japonês, conhecido como sailor fuku, foi derivado do uniforme da escola naval européia e está em uso desde o final do século 19. Os trabalhadores também usam seus uniformes e todos se sentem pertencer a um determinado grupo. O programa Begin Japanology produziu um belo documentário sobre o uso de uniformes no Japão. Esse programa pode ser visto semanalmente na TV NHK do mundo inteiro, mas no Brasil só passa de vez em quando.

Para quem lembra de 'Sound of Music' com a Julie Andrews. há a famosa cena com os uniformes das crianças

Para quem lembra de ‘Sound of Music’ com a Julie Andrews, há a famosa cena com os uniformes das crianças

mar 202014
 

A Fundação Japão em São Paulo e a Faculdade Santa Marcelina (FASM) promovem, em 27 de março, às 19h, o Tokyo Fashion Festa (TFF) São Paulo~Brasilicious!~. O evento contará com a palestra do empresário Nichi Kashihara e um desfile de moda urbana contemporânea de Tóquio.
A palestra, com tradução simultânea, será uma excelente oportunidade para saber um pouco mais sobre a criatividade e a originalidade que circulam pelas ruas de Tóquio.
Os looks virão diretamente do Japão através da loja conceito idealizada por Kashihara, Madame-Killer, em Nova Iorque. Passarão pela passarela exemplares das marcas Motonari Ono, Neb aaran do, Yukihero Pro-Wrestling e Dress and Tights. O evento contará com a participação dos alunos da FASM como modelos.

moda tokyofesta2014

Motonari Ono – O estilista que dá nome à grife tem sido destaque do Tokyo Fashion Week. Atualmente, é um dos estilistas top de Tóquio.

Neb aaran do – A grife oferece um toque urbano a uniformes de colegiais.

Yukihero Pro-Wrestling – Na moda de Tóquio, esta é uma marca ímpar que tem como inspiração a luta-livre.

Dress and Tights – Como o próprio nome diz, vestidos e meias-calças são os produtos desta singular grife conceitual.

Tokyo Fashion Festa
A primeira edição do evento aconteceu em 2010, em Nova Iorque, em parceria com a escola de moda Fashion Institute of Technology (FIT), apresentado estilos como Gothic e Gyaru (Girl) atraindo centenas de veículos da imprensa especializada.
Depois disso, com o trágico acidente que devastou o Japão em 2011, quando foi acometido por terremoto e tsunami, Kashihara decidiu levar o evento para outros países, em prol daqueles que passavam necessidades em sua terra natal.
Foi assim que o TFF veio a São Paulo, trazendo não apenas os diversos aspectos culturais do país, como também auxiliando na recuperação da indústria japonesa. Com o sucesso, diversos outros países passaram a solicitar as suas próprias edições. Costa Rica foi um deles, que teve o TFF inserido no Costa Rica Fashion Week, no verão de 2012. Ainda em 2012, o TFF esteve em Moscou, na Rússia. Em 2013 esteve no Chile e na Argentina apenas com palestras TFF.

Tokyo Fashion Festa São Paulo~Brasilicious!~
Data: 27 de março de 2014 – Horário: 19h
Local: Faculdade Santa Marcelina (FASM) – Rua Dr. Emílio Ribas, 89 – Perdizes, São Paulo/SP

A entrada é gratuita e as vagas limitadas. As inscrições podem ser feitas enviando nome completo e telefone para: info@fjsp.org.br

mar 172014
 

A pesquisadora Cristiane A. Sato, autora de Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa, recomenda esses vídeos do programa Begin Japanology, da TV NHK World. Apresentado por Peter Barakan, o programa é falado ou legendado em inglês e é exibido em várias partes do mundo, mas no Brasil, infelizmente, a programação da NHK World não é a mesma de outros países. Mesmo assim, alguns desses Begin Japanology são exibidos no Brasil, de vez em quando (lá fora é um por semana). Se o público se manifestar, talvez isso seja alterado. A TV NHK faz parte do pacote étnico da TV paga.

Um belíssimo documentário sobre quimonos:

As revistas de moda japonesa são muito segmentadas. O documentário mostra parte desse universo:

mar 102014
 

No dia 24 de fevereiro de 2014, um pequeno grupo deu entrada no 3º Cartório de Títulos e Documentos de São Paulo para registrar a Associação Brasileira de J-Fashion. Seria apenas mais uma entidade não fosse o curioso e específico tema chamado “J-Fashion”, ou “Japanese Fashion”, que pode ser traduzido como moda japonesa.
A nova entidade é encabeçada por Cristiane A. Sato, autora do livro Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa (2007), e que vem há muitos anos palestrando sobre esse tema. Fazem parte da associação, entre outros, os organizadores do “Harajuku Fashion Meeting”, evento que reuniu em São Paulo mais de cem jovens simpatizantes da moda alternativa japonesa de diversas partes do Brasil.
“Há um crescente interesse do Ocidente pelo que se produz no Japão em termos de moda”, explica Cristiane.
Nas últimas 3 décadas estilistas, designers, caçadores de tendências, artistas, a indústria da moda e a mídia internacional vêm acompanhando atentamente tudo que ocorre no Japão porque lá ocorrem inovações estéticas e comportamentais únicas. Isso acontece devido a condições específicas do país. Entre tais condições destacam-se:
1 – Devido sua forte identidade cultural, o Japão é provavelmente o único país rico e industrializado que mantém o uso de suas roupas tradicionais como moda (o que implica em viabilidade comercial e constante inovação), não as relegando a mero traje folclórico como ocorreu nos demais países industrializados.
2 – Embora o Japão aprecie produtos e estilos ocidentais, o mercado e a produção local não se limitam a importar ou copiar o que vem do exterior, e é da mistura de estilos japoneses (Wafuku) com estilos ocidentais (Yofuku) que surgem inovações estéticas e comportamentais.
3 – Caracterizada pela complexidade e rigidez de normas de comportamento na vida cotidiana, a sociedade japonesa curiosamente permite e tolera o uso da moda como válvula de escape social, o que criou no país um ambiente único de alto grau de experimentalismo, criatividade e o maior mercado de moda alternativa do mundo.
Seria essa rigidez da sociedade que, por exemplo, obriga crianças e adolescentes a usarem uniformes até em excursões escolares a origem da revolta que criou a moda alternativa, como a que se vê nas ruas do bairro de Harajuku em Tóquio?
A especialista diz que não. “O primeiro movimento de moda alternativa no Japão aconteceu por volta de 1925, com os chamados ‘moga-mobo’, ou ‘modern girl’ e ‘modern boy’, e o ponto era o bairro luxuoso de Ginza, em Tóquio”. Cristiane comenta que naquela época o quimono ainda era muito utilizado pelos japoneses e esse grupo era considerado moderno por usar roupas ocidentais. “Mesmo usando roupas da Europa, as jovens faziam adaptações nos acessórios e nas combinações porque queriam adequá-las à estética japonesa. Elas consideravam, por exemplo, o leque um acessório obrigatório, ao invés da bolsa”, resume a pesquisadora.
O objetivo da Associação Brasileira de J-Fashion é divulgar a moda japonesa no Brasil, incluindo reunir adeptos e combater o bullying e o preconceito contra os que se vestem de maneira diferente da maioria.

Palestra da Cristiane lotou a sala da Associação Mie no dia 9 de março de 2014: um tema específico como Moda Japonesa tem muitos seguidores no Brasil.

Palestra da Cristiane lotou a sala da Associação Mie no dia 9 de março de 2014: um tema específico como Moda Japonesa tem muitos seguidores no Brasil.

Apesar disso, a nova entidade não tratará apenas da moda alternativa do oriente. Ela pretende difundir o uso do quimono no Brasil como traje apropriado para festas e cerimônias. A própria Cristiane é adepta dessa moda, usando-a em várias ocasiões. Uma das propostas da entidade é, por exemplo, fazer uma campanha para convencer os proprietários de restaurantes japoneses a concederem um generoso desconto para clientes que vierem trajando quimono completo. Com isso, os restaurantes ganham uma aparência típica e o quimono sairá dos armários para ser usado no dia a dia.
“A Associação quer fazer com que a moda japonesa deixe de ser mero conceito em palcos e passarelas, e passe para as ruas. Moda que não é usada, quando muito, vira peça de museu”, finaliza Cristiane Sato.

mar 012014
 

moda japonesa banner

Palestra: Introdução à Moda Japonesa – Dia 9 de março de 2014 (d0mingo) – das 14 às 17 horas
Taxa única: R$ 10,00
Local: Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 – na saída do metrô Vila Mariana, São Paulo.

Conteúdo:
Um país pequeno de 127 milhões de habitantes, mas cujo mercado de moda moveu impressionantes 128 bilhões de Euros (ou US$ 172.800 bilhões, ou R$ 414.720 bilhões) em 2013 e que vem crescendo de forma estável, na casa de 2% ao ano. Estamos falando do Japão, onde modernidade e tradição coexistem, e para onde os caçadores de tendências vão se antenar com a vanguarda.
Muito do que o olhar ocidental traduz como mera extravagância ou esquisitice étnica tem na verdade fundamentos históricos e culturais – conhecimento sem o qual é difícil identificar os movimentos sólidos de moda e comportamento do Japão, e que também dificulta a penetração de produtos estrangeiros no variado e competitivo mercado nipônico. Conhecer as características da moda japonesa – gostos, estéticas e valores da sociedade – é fundamental para saber como encontrar um nicho num mercado extremamente variado e competitivo e o que produzir.

A palestra MODA JAPONESA é uma introdução aos 3 “mundos” diferentes que convivem em termos de conceito, estilo de vida e estética no país (wafuku, yõfuku e moda alternativa), ao dress code japonês, e sobre como designers e as ruas do Japão vêm influenciando a moda no Ocidente.

A quem se destina:
Profissionais da moda, estudantes de moda, design e artes em geral, e interessados em cultura pop japonesa.

Palestrante: Cristiane A. Sato
Formada em Direito pela Universidade de São Paulo, publica artigos sobre cultura popular e história japonesa em jornais e revistas desde 1993. Autora do livro “Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa” (2007), atualmente prepara um livro sobre moda japonesa. Ministrou palestras em eventos no Centro Cultural Itaú, Sesi, Sesc, Senac, USP, Fundação Japão, Embaixada e Consulado Geral do Japão, entre outros.

Maiores informações: abrademi.com. Inscrições pelo Sympla ou no próprio local.

fev 202014
 
david bowie Kansai

David Bowie provando um dos figurinos do Alladin Sane Tour no estúdio de Kansai Yamamoto em Harajuku, Tóquio. Foto de Masayoshi Sukita (1973).

A primeira atividade social e cultural da Associação Brasileira de J-Fashion foi uma visita à exposição sobre a vida e a carreira de DAVID BOWIE no MIS – Museu da Imagem e Som, em São Paulo (fomos na segunda semana da mostra; na 3a feira a entrada é grátis e houve fila de 1h40 de espera, MAS VALE A PENA). Mais do que um cantor de sucesso, David Bowie é um artista multifacetado, cuja única constância é a busca por algo novo. E não importa se você é fã de Bowie ou não. O que torna essa exposição imperdível é o reconhecimento de que ele é um dos artistas mais influentes de nossa era. Particularmente para a moda alternativa japonesa, Bowie é um ícone.

Preocupado com cada detalhe de suas performances, Bowie fez da moda um de seus mais eficientes meios de expressão. Descobrir novos talentos sempre foi uma de suas qualidades, e assim ele se aliou a jovens estilistas e tornou-se porta-voz e porta-corpo de tendências que hoje encontramos facilmente pelas ruas de Tóquio. Assim, não é de se espantar ver na exposição figurinos marcantes e roupas que ele usou em diversas ocasiões assinadas por Kansai Yamamoto e Yohji Yamamoto (não são parentes). Mas acima de tudo o que está vivo no street fashion japonês é o espírito irreverente e irriquieto que ele despertou em Harajuku ainda no início da década de 70. Nessa exposição é fácil ver, por exemplo, como o Visual Kei recebe influência da maquiagem e da aparência andrógina de Bowie, ou o impacto que o filme “Labirinto” têm nos estilos Hime Gyaru e Ouji.

Em 2013 Bowie voltou a lançar um álbum após 10 anos sem gravar e surpreendeu: “The Next Day” foi o álbum mais vendido na Inglaterra no ano passado, ultrapassando artistas como Adele e Katy Perry. Ele pode estar com 67 anos, mas ainda consegue conquistar os velhos fãs e uma multidão de novos fãs. David Bowie permanece atual como sempre.

DAVID BOWIE, A EXPOSIÇÃO (até 20/abril/2014, no MIS-SP)

Mais informações em: http://www.mis-sp.org.br/icox/icox.php?mdl=mis&op=programacao_interna&id_event=1462

VIDEOCLIPS (posts oficiais da EMI Music)
DAVID BOWIE – UNDERGROUND

DAVID BOWIE – AS THE WORLD FALLS DOWN

nov 112013
 

Aconteceu na Associação Brasileira de J-Fashion em AGOSTO/2014

Dia 13: Expo Coréia no WTC-SP
A convite da Kotra, membros da Associação J-Fashion e da ABRADEMI estiveram na abertura da Expo Coréia no World Trade Center em São Paulo. Assim como o Japão, a Coréia do Sul também está fazendo esforços de divulgação e exportação de sua cultura pop em feiras de negócios. Empresas do setor automotivo, aparelhos eletrônicos, quadrinhos (mangá coreano), games, moda, alimentação e cosméticos participaram do evento com seus produtos. O grupo de K-Pop (boys band) VIXX recebeu diante das fãs brasileiras que lotaram a plateia do evento o título de Embaixador Honorário da Korea Expo 2014.

Dia 23: Tosa Matsuri no Parque da Água Branca
A convite da organização do Tosa Matsuri, que em seu 3º ano já se consagra como um dos grandes eventos oficiais de cultura japonesa em São Paulo, a Cristiane Sato fez um Kawaii Picnic – algo muito comum no Japão, mas praticamente inexistente no Brasil. Uma das propostas do Tosa Matsuri é de, na época do evento, ocupar o parque com o estilo de vida exterior japonês e neste ano, além do piquenique, houve o desfile de taikos. A cantora japonesa Kayoko Honda veio ao piquenique tomar um café com torta de ricota e não parou de falar em português do quanto ela estava amando o Brasil. Agradecimentos ao Augusto Takeda e ao Noriyuki!

Dia 30: Reprise da Oficina Como Fazer Kawaii Bentô
Como as vagas da primeira oficina se esgotaram em julho, o chef Cláudio topou realizar mais uma aula e as 48 vagas se esgotaram mais de um mês antes do evento. Sucesso total!

nov 112013
 

Aconteceu na Associação Brasileira de J-Fashion em JULHO/2014

Dia 19 (manhã): 1º Kimono Walk na Liberdade
A idéia de fazer um passeio usando quimonos surgiu durante o Workshop de Yukata em maio, aproveitando a festa do Tanabata Matsuri. Afinal, há vários anos as pessoas que vão ao festival não usam mais quimonos, excetuando as que vão fazer alguma apresentação de dança ou no palco. Como a Associação J-Fashion também preconiza o resgate do quimono de moda no Brasil, um pequeno grupo de simpatizantes da moda tradicional se reuniu na parte da manhã da Praça da Liberdade apenas com a intenção de dar uma volta para ver a decoração e as barracas. Mas o grupo com quimonos sem querer virou atração; centenas de pessoas cercaram o grupo para tirar fotos por mais de uma hora. Na hora do almoço o grupo se reuniu no Espaço Kazu onde foi extremamente bem recebido pelo gerente e pelo staff da casa. Agradecimentos a todos que participaram dessa iniciativa e ao Espaço Kazu.

Dia 19 (tarde): Oficina Como Fazer Kawaii Bentô

Em conjunto com a ABRADEMI (Assoc. Bras de Desenhistas de Mangá e Ilustrações) a Assoc. J-Fashion realizou a oficina de Como Fazer Kawaii Bentô, ministrada pelo chef Cláudio Kitamura (chef de criação de receitas da Sakura e dono do Buffet Pimenta Real, especializado em catering oriental). A idéia da oficina é não apenas dar dicas básicas de como fazer um lanche oriental com apresentação artística infantil, mas apresentar a estética kawaii como um estilo de vida, que é o que de fato ocorre no Japão. Sendo uma iniciativa inédita no Brasil, o interesse pela oficina surpreendeu a todos, inclusive pela participação de crianças. Fotos tiradas por Roberto Kakazu, disponíveis no site.

nov 112013
 

Aconteceu na Associação Brasileira de J-Fashion em JUNHO/2014

Dia 8: Reprise da Palestra Introdução à Moda Japonesa

Num domingo, no meio de uma greve de transportes e manifestações, foi realizada a reprise da palestra Introdução à Moda Japonesa pela Cristiane A. Sato. A vinda de 20 participantes num dia com tantas dificuldades foi uma surpresa extremamente positiva e o coffee break virou uma intensa troca de informações e ideias.

Dia 19: Encontro no Fran’s Café Avenida Paulista

Dia frio, de jogo da Copa em São Paulo, os membros da Associação se reuniram para avaliar os primeiros meses de atividade e as mudanças que estão ocorrendo com a economia no Brasil. Também foi a oportunidade para dizer “até logo” para a associada Júlia Sakai, que vai passar um mês em Nova York fazendo um curso de moda. Foi uma tarde produtiva: o café estava cheio de torcedores da Inglaterra que não tiveram muito ânimo para comemorar. Deu dó.