jun 192015
 

Com o último show no dia 20 de Junho, sábado, no 4º Festival do Japão de Brasília, o grupo “Yui” se despede do Brasil. O trio veio a convite da Fundação Japão, como um dos shows comemorativos do 120º aniversário do Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e 0 Japão.

Tocando instrumentos tradicionais do Japão, Chie Hanawa (Tsugaru Shamisen), Ko Kakinokihara (Koto) e Yoshimi Tsujimoto (Shakuhachi) deram um belo show e incluiram na programação a explicação dos instrumentos e o som de cada um, sabendo que tais equipamentos são raros no Ocidente. Assim, o som típico do Japão pôde ser conhecido, assim como as tradicionais músicas, como “Tsugaru Jonkara Bushi”, “Sakura Sakura”, “Hanagasa Ondo”, “Tokyo Ondo” e “Soran Bushi”. O repertório incluiu uma música composta por Chie Hanawa, “Experience” onde o shamisen se transforma numa guitarra. A música fez parte do comercial do Sony Xperia. A surpresa foram as duas músicas brasileiras no repertório: “Brasileirinho” e “Tico-tico no Fubá”, que foram muito bem executadas. O show contou com a participação especial do brasileiro Shen Kyomei, com shakuhachi,  na música “Koujou no Tsuki”, composta por Rentaro Taki em 1901. Todos os quatro se formaram na mesma Tokyo University of the Arts. Em São Paulo, na apresentação feita na Sala Adoniram Barbosa do Centro Cultural São Paulo, faltou lugar para todos os interessados e o grupo foi aplaudido em pé.

Ao final da apresentação, o trio ainda teve fôlego para enfrentar os jornalistas.  Algumas perguntas feitas na ocasião:

Como surgiu a oportunidade de montar o trio “Yui”?

Chie Hanawa: Nós três estudamos na mesma universidade, e são poucos os que se destacam tocando instrumentos tradicionais. Assim nos conhecíamos e, mantendo os nossos afazeres com outros grupos e como artistas solo, resolvemos formar o “Yui”.

Soube que começaram muito cedo. O que as levou a se interessarem por esses instrumentos?

Chie Hanawa: O meu avô tocava “shamisen” por hobby e eu disse que queria aprender. Ele tocava um outro tipo de “shamisen” e aconselhou-me a aprender o “tsugaru shamisen”, que seria mais adequado para jovens. Eu comecei com 9 anos de idade.

Ko Kakinokihara: Eu comecei com 5 anos de idade. Na minha família ninguém tocava “koto”, mas eu assisti a um “taiga dorama” (novela de época) da TV NHK e uma personagem tocava “koto”. Me interessei e disse que queria aprender, e não parei mais.

Yoshimi Tsujimoto: Eu comecei a tocar “shakuhachi” muito mais tarde, aos 16 anos. Resolvi aprender a tocá-lo.

O que viram no Brasil até agora?

Chie: Foi impressionante conhecer a Amazônia. Fizemos um passeio de barco pelo Rio Amazonas e não fazia idéia de que o rio fosse tão grande.

Yoshimi: Vimos a pesca de piranhas!

Ko: No meu caso, eu tinha um objetivo bem particular nesta primeira viagem ao Brasil. É que a minha avó materna é brasileira. Filha de imigrantes japoneses, ela nasceu no Brasil, gostava muito e falava bem do Brasil. Não sei exatamente quando a família veio para o Brasil, mas a minha avó tinha 20 anos quando retornou ao Japão, pegando o último navio para o Japão antes da Segunda Guerra Mundial. Ela disse que foi uma viagem longa e complicada, pois não pôde seguir a rota normal por causa do conflito. Eu trouxe algumas lembranças da minha avó na viagem. Uma delas é uma foto onde ela aparece com a família na frente do Monumento de D. Pedro, no Museu do Ipiranga. Fomos lá, e com a ajuda do grupo e de outras pessoas, conseguimos tirar uma foto muito parecida. Foi um acontecimento emocionante.

Quando treinaram as duas músicas brasileiras no estilo Chorinho?

Todas: Nós ouvimos as músicas pela primeira vez em janeiro deste ano, e treinamos juntas apenas em maio. Essas músicas são difíceis, o compasso é outro, muito rápido e tudo é diferente, mas deu certo.

20150613_YUI_SP (16) 20150613_YUI_SP (11) 20150613_YUI_SP (13) 20150613_YUI_SP (14)

 

20150613_YUI_SP (15)

fev 212015
 
Com objetos trazidos especialmente do Japão, o evento integra as comemorações dos ‘120 Anos de Amizade Japão-Brasil’
Cerâmica Yokkaichi Banko da província de Mie

Cerâmica Yokkaichi Banko da província de Mie

A Fundação Japão promove, de 21 de fevereiro a 22 de março, a exposição itinerante Artesanato do Japão – Tradições e Técnicas. Em cartaz na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – Bunkyo, a exposição traz um recorte do artesanato do Japão, sob o olhar das tradições e técnicas adotadas por reconhecidos artesãos, compartilhando a habilidade e criatividade de seus trabalhos.

Segundo Kazuko Todate, curadora do Museu de Arte em Cerâmica de Ibaraki, no Japão, estarão expostos utensílios criados ao longo dos anos na vida cotidiana, em cerâmica, tingimento de tecidos, metais, marchetaria, laqueados, bambu e madeira, papel, entre outros, sempre trabalhados com técnicas adequadas, de acordo com a natureza de cada material, criando objetos práticos e com seu toque de beleza.

Técnica tradicional de papel

Técnica tradicional de papel

“Os materiais tradicionais e característicos de cada região foram transformados em utensílios práticos e artigos altamente criativos, com a esmerada técnica e talento dos artesãos, que desenvolveram a produção e a criação de obra de arte, contribuindo para aumentar o estrato do setor artístico e qualitativamente como um todo.”

As tradicionais artes que fazem parte da mostra incluem artesanato de técnicas tradicionais e materiais típicos de várias regiões do Japão, que pouco a pouco foram substituídas por modernas máquinas e produção em grande escala. A transição, explica a curadora, começou durante a era Meiji (1868 – 1912), quando o Japão ingressou na fase de industrialização.

Yosegi Zaiku, marchetaria tradicional de Hakone

Yosegi Zaiku, marchetaria tradicional de Hakone

Workshop de Marchetaria

Uma atividade paralela à exposição acontecerá nos dias 7, 14 e 21 de março, comandada por Danilo Blanco, artista visual e designer de superfície, que tem reconhecimento pelos trabalhos de marchetaria que vem desenvolvendo desde os anos 90. Nestes dias, o público está convidado a participar de workshops de marchetaria, que é a arte de combinar diferentes tipos de madeira. Os workshops acontecerão das 15h às 17h, no espaço anexo do 9º andar, com participação gratuita. São 14 vagas por turma. A distribuição de senhas para participação será feita no mesmo dia da atividade, a partir das 14h30, no 9º andar.

Exposição Artesanato do Japão – Horário de funcionamento: De 21 de fevereiro a 22 de março de 2015, de terça à domingo, das 13h30 às 17h30

Local: Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – Bunkyo
Rua São Joaquim, 381 – 9º andar (próximo ao Metrô São Joaquim) Tel: (11) 3208-1755

Entrada gratuita –  Informações: Fundação Japão em São Paulo = Tel: (11) 3141-0110

jan 192015
 
setsubun_mamemaki_siteVenha conhecer como os japoneses afastam o diabo de suas casas e iniciam um novo ciclo de vida nesta época do ano.

A Fundação Japão em São Paulo promove, no dia 24 de janeiro, a partir das 13h, a Marugoto Oficina Cultural. O tema do evento nesta edição será o Setsubun.

O tema está ligado à época do ano, que no Japão separa o inverno da primavera. Assim, Setsubun significa, literalmente, “separar uma estação da outra”, representando um novo ciclo de vida. Neste período, dizem que surgem os Oni (ogros) para causarem mal às pessoas.

Estes rituais e histórias sobre o surgimento do Setsubun, tanto em japonês como em português, serão revelados na oficina. Também serão realizadas brincadeiras e origami envolvendo o tema, bem como curiosidades sobre o mamemaki, uma das tradições neste dia, criada para afujentar o Oni.

A duração da oficina é de cerca de 1h30, com participação gratuita a partir de 14 anos de idade. Interessados devem realizar inscrição antecipada, pois as vagas são limitadas (20 participantes).

Serviço: Marugoto Oficina Cultural – SETSUBUN

Data: 24 de janeiro de 2015, sábado – Horário: a partir das 13h

Local: Fundação Japão em São Paulo, Avenida Paulista, 37 – 2º andar
Próximo a estação Brigadeiro do metrô – Vagas limitadas (máximo de 20 participantes)

Informações e inscrições até 22 de janeiro de 2015. Tel.: (11) 3141-0110
E-mail: info@fjsp.org.br (Para inscrição, enviar no e-mail o nome completo, telefone para contato e indicar o evento “Marugoto Oficina Cultural”)

nov 232014
 
BRUNA EMI OKAI de 10 anos, a grande vencedora

BRUNA EMI OKAI de 10 anos, a grande vencedora

Desde 2000, a Fundação Japão em São Paulo realiza o Concurso de Desenhos com a participação de alunos que estudam japonês em escolas de ensino fundamental e médio e os 12 melhores desenhos são escolhidos para ilustrarem o calendário de nossa instituição para o ano seguinte. Este ano, o tema para os desenhos foi “Brincadeiras das crianças japonesas”.

Natasha Brígida S. Souza, 17 anos

Natasha Brígida S. Souza, 17 anos

Ana Gabriela B. Kozuki, 14 anos

Ana Gabriela B. Kozuki, 14 anos

Foram enviados 564 desenhos de alunos de escolas do estado de São Paulo, Paraná, Amazonas, Pará, Distrito Federal, Pernambuco e Rio Grande do Sul, com idade entre 6 e 18 anos.

BRUNA EMI OKAI de 10 anos, da OEN – Organização Educacional Nippaku, de São Paulo, foi a vencedora de 2014.

Ana Nagamatsu Ragucci, 8 anos

Ana Nagamatsu Ragucci, 8 anos

Faça uma visita à biblioteca da Fundação Japão e ganhe um calendário!

Fundação Japão em São Paulo – Profª. Sandra Terumi Takahashi Suenaga
Av. Paulista,  37 – 2º andar – Paraíso     CEP: 01311-902      São Paulo – SP
Tels: (11) 3141-0110/3141-0843 – E-mail: sandra@fjsp.org.br
fev 252014
 

origami_site_origami

A Fundação Japão em São Paulo promove, em março, uma série de atividades relacionadas ao Origami, uma tradicional forma de interpretar, por meio de dobras no papel, elementos existentes em nosso meio, tais como flores, animais ou objetos. Especialmente para os eventos, virá ao Brasil o professor Yoshihiro Umemoto, membro da Nippon Origami Association – NOA e representante da região de Osaka da Associação.
As atividades incluem, em 19 de março, duas oficinas abertas ao público. A Oficina I – Kusudama (bolas decorativas) acontece das 10h30 às 12h. Depois, das 14h30 às 16h, acontece a Oficina II – acessórios (anéis, pulseiras, etc). A participação é gratuita e aberta a maiores de 12 anos. Também serão realizadas oficinas em uma escola, restrita aos alunos e professores; e outra no Hospital do GRAACC, da qual participarão funcionários e pacientes.
Nestes encontros, o professor Umemoto ensinará algumas técnicas e permitirá aos participantes praticá-las, produzindo lindas dobraduras. Também serão abordados os aspectos terapêuticos do Origami, por meio de suas experiências pessoais ao longo de seus mais de 30 anos na área.

origami kusudama_flyer_leveOrigami e qualidade de vida
Há relatos de positivos resultados no trabalho com pessoas portadoras de necessidades especiais e até mesmo com estudantes que por motivos diversos acabaram se afastando da vida escolar. O Origami, explica o professor, melhora a coordenação motora e minimiza os efeitos negativos de outros problemas que podem afastar os jovens da escola, fazendo com que retornem para as aulas.
“O Origami é uma cultura transmitida desde os tempos antigos no Japão, largamente divulgado pelo mundo como um idioma comum”, avalia Yoshihiro Umemoto. Para ele, cuja especialidade são os acessórios e as peças modulares e para brincar, um dos prazeres do Origami é não haver limite de tempo, espaço, idade, sexo ou nacionalidade para a sua prática.
“Os resultados são eficazes tanto na educação, na reabilitação ou como passatempo, oferecendo variadas possibilidades, em qualquer lugar e em qualquer momento.”
Para Mari Kanegae, professora de Origami na Aliança Cultural Brasil-Japão, a arte tem conquistado cada vez mais admiradores, desde crianças até adultos.
“A transformação de um simples pedaço de papel em formas da natureza, orgânicas ou geométricas, aguçam os nossos sentidos e trazem inúmeras possibilidades, desde um passatempo que une diferentes gerações, até o desenvolvimento da coordenação motora fina, da atenção, da concentração, do raciocínio e da criatividade.”
Segundo a professora, o Origami também tem demonstrado eficácia como instrumento para melhorar a qualidade de vida das pessoas, principalmente daquelas que necessitam de cuidados especiais.
“As oficinas de Origami proporcionam a pacientes, familiares e também aos profissionais envolvidos em tratamentos de saúde momentos de relaxamento e comunhão, amenizando a tensão ocasionada pela doença.”
Natural do Japão, Umemoto é professor de escola fundamental desde 1973, ano em que se graduou na Tsury University, na Província de Yamanashi, Japão. Desde 1982, é membro da Nippon Origami Association, e em 1994 obteve a certificação para atuar como professor de Origami, concedido pela mesma Associação. No ano de 1999, apresentou inovadores projetos como o “A I U E O hyo”, e “Furusato Mirai 21” no 26º Simpósio de Origami. Em 2000, realizou uma exposição tátil de Origami na Escola para Deficientes Visuais da Cidade de Osaka. No ano seguinte, lançou o primeiro DVD de origami no mundo. Em 2005, assumiu o cargo de diretor da região de Osaka da Nippon Origami Association. E desde 2007 tem participado em eventos internacionais de origami, como exposições, cursos e oficinas, tendo passado por países como Polônia, Estados Unidos, Inglaterra, Coreia do Sul, etc.
Data: 19 de março de 2014

Horários
Das 10h30 às 12h – Oficina I – Kusudama (bolas decorativas)
Das 14h30 às 16h – Oficina II – Acessórios (anéis, pulseiras, etc)

Local – Associação Cultural e Assistencial Mie Kenjin do Brasil – Av. Lins de Vasconcelos 3352 – Vila Mariana (próximo ao terminal de ônibus). Como as vagas são gratuitas e limitadas, as inscrições devem ser feitas com antecedência pelo e-mail: info@fjsp.org.br (para maiores de 12 anos)

maio 092013
 

Com o apoio da Fundação Japão, a Cinemateca Brasileira apresenta, entre os dias 14 e 22 de maio, um ciclo de filmes policiais japoneses, gênero narrativo que ocupa lugar de destaque na cinematografia do Japão.

PROGRAMAÇÃO
14.05 | TERÇA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 MUITA ADRENALINA e 21h00 SONATINE – ADRENALINA MÁXIMA

15.05 | QUARTA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 SEQUESTRO e 21h00 VERÃO NEGRO – FALSA ACUSAÇÃO

16.05 | QUINTA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 SONATINE – ADRENALINA MÁXIMA e 21h00 MUITA ADRENALINA

17.05 | SEXTA – SALA CINEMATECA BNDES – 18h30 RECANTO SECRETO

18.05 | SÁBADO – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 VERÃO NEGRO – FALSA ACUSAÇÃO

19.05 | DOMINGO – SALA CINEMATECA BNDES – 18h00 SONATINE – ADRENALINA MÁXIMA e 20h00 SEQUESTRO

22.05 | QUARTA – SALA CINEMATECA BNDES – 19h00 VERÃO NEGRO – FALSA ACUSAÇÃO e 21h00 RECANTO SECRETO

FICHAS TÉCNICAS E SINOPSES
Muita adrenalina (Adrenaline drive), de Shinobu Yaguchi, Japão, 1999, 35mm, cor, 112′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Masanobu Ando, Reila Aphrodite, Hikari Ishida, Kirina Mano. Funcionário de uma locadora de automóveis, o jovem Suzuki se envolve num acidente com um mafioso, e é forçado a ir com ele até seu esconderijo. O bandido está prestes a torturá-lo quando uma explosão atinge o local. Enquanto isso, Shizuko, uma enfermeira tímida, se refugia do assédio das colegas numa loja de conveniências, quando é atraída pela explosão do prédio. Ela encontra Suzuki ferido e decide ajudá-lo. A partir daí, eles se envolvem numa trama de perseguição, tendo que escapar da fúria sanguinária da yakuza. Comédia policial estrelada por dois nomes importantes da nova geração de atores japoneses que despontou nos anos 1990 e 2000 – Masanobu Ando, que atuou em Kids return, de Takeshi Kitano, e Hikari Ishida, estrela de televisão em seu país. Não indicado para menores de 16 anos

Recanto secreto (Himitsu no Hanazono), de Shinobu Yaguchi, Japão, 1997, 35mm, cor, 83′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Naomi Nishida, Go Riju, Kazue Kadakae, Noriko Tanaka. Passeando por uma floresta, jovem apaixonada por dinheiro é raptada por ladrões de um banco. Andando pelo lugar, o bando se acidenta, e somente ela consegue sobreviver. Resgatada, a jovem tentará retornar ao local para reaver a mala com o dinheiro do roubo. Não indicado para menores de 14 anos.

Sequestro (Yukai), de Takao Okawara, Japão, 1997, 35mm, cor, 109′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Tetsuya Watari, Masatoshi Nagase, Miki Sakai, Akira Emoto. Filme de suspense contado a partir do sequestro de um executivo de uma grande empresa. O resgate pedido é de 300 milhões de ienes, mas o inusitado fica por conta do pedido dos sequestradores, que exigem que as negociações e o pagamento do resgate sejam transmitidos ao vivo pela televisão. Não indicado para menores de 16 anos

Sonatine – Adrenalina Máxima (Sonatine), de Takeshi Kitano, Japão, 1993, 35mm, cor, 94′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Takeshi Kitano, Aya Kokumai, Tetsu Watanabe, Masanobu Katsumura. Durante uma luta entre os clãs da máfia yakuza, um grupo de criminosos, liderado por um gângster cruel, tem que se refugiar numa praia, depois de uma emboscada.Um dos pontos altos da carreira do cineasta, comediante, ator e apresentador de televisão Takeshi Kitano, Sonatine – Adrenalina máxima foi indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes de 1993. Não indicado para menores de 16 anos.

Verão Negro – Falsa Acusação (Nihon no kuroi natsu – enzai), de Kei Kumai, Japão, 2000, 35mm, cor, 119′ | Legendas em português | Exibição em 16mm, com Kiichi Nakai, Akira Terao, Naomi Hosokawa, Nagiko Tono, Yukiya Kitamura. Dois estudantes decidem fazer uma pesquisa sobre o ataque de gás sarin ocorrido em 1994, num conjunto habitacional da cidade de Matsumoto. Meses depois, o incidente se repetiu no metrô de Tóquio. Em suas investigações, os dois rapazes procuram entender a série de falsas acusações feitas pela imprensa a pessoas inocentes. Exibido no Festival de Berlim de 2001. Não indicado para menores de 16 anos.

Entrada Franca – A Cinemateca Brasileira fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207,próximo ao Metrô Vila Mariana. Informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

mar 302013
 

A Fundação Japão promoveu uma palestra e desfile da estilista Sueko Oshimoto, no dia 7 de março de 2013, no auditório do MASP em São Paulo. O público, formado principalmente por estudantes de moda, lotou o espaço. Em sua palestra, a estilista falou sobre o quimono tradicional e o moderno, e explicou as partes que compõem essa vestimenta.
Sueko Oshimoto nasceu em Okinawa, no Japão, e desde 1999, mora em Los Angeles, Estados Unidos. Ela teve a sua formação no Japão, e desde 2005, é diretora executiva da Yamano-ryu Kimono Dressing School, ensinando a arte do quimono em Los Angeles e Las Vegas. É estilista de revistas como Vogue, e também criou modelos para artistas para a entrega do prêmio Grammy. Criou modelos para diversos filmes, para Miss Asia EUA, e para o ator George Takei. Sua empresa recebeu o nome de Kimono Suehiro, e no dia 24 de março, lançou o livro fotográfico digital “Visions of Kimono”, que está à venda na Amazon.com.
Aqui está uma entrevista da Sueko Oshimoto para a TV Nikkey, em duas partes.

fev 202013
 

A Fundação Japão realiza a exposição do projeto “Ukiyo-e Heroes”, com 15 obras (xilogravuras) do ilustrador norte-americano Jed Henry, durante o período de 04 de março a 12 de abril de 2013 no JOH MABE Espaço Arte & Cultura, Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 4.225 – Jardim Paulista – São Paulo – Tel: (11) 3885-7140.

“Ukiyo-e Heroes” é um projeto sem precedentes. Uma série de paródias envolvendo personagens de videogames já foi feita, é verdade. Mas o que eles (Jed, o artista ilustrador e David, o gravador) fizeram quando decidiram juntar cultura pop com gravura tradicional japonesa resgata o próprio pensamento do Ukiyo-e. Para tal é preciso enfatizar que as estampas japonesas, que encantaram os impressionistas europeus do século XIX, sobretudo pela nostalgia e exotismo, eram, na verdade, retratos da vida cotidiana e de ícones, tais como as cortesãs e os atores famosos, contemporâneos à época em que foram feitas. Jed, ao trazer sua paixão por videogames, juntamente com seu magnífico traçado e composição, para o universo da gravura japonesa, o qual David domina e executa com exímio talento há mais de 30 anos, atualiza a tradição desta arte e nos aponta para as origens dos videogames.”, afirma Fernando Saiki, autor do artigo sobre a prática da estampa japonesa no livro “Imagens do Japão II”, organizado por Christine Greiner e Marco Souza.

Além da exposição, haverá um bate papo e demonstração da técnica do “Mokuhanga “(Imagem impressa pela madeira), no dia 02 de março de 2013 (sábado), em dois horários, às 10h e 14h, com o ilustrador, Jed Henry. O artista plástico brasileiro Fernando Saiki, que desenvolve obras em xilogravura japonesa, também participa do evento. A conversa, toda em inglês, terá tradução consecutiva para o português. As inscrições para o bate papo, limitadas a 35 pessoas por turma, devem ser feitas pelo site www.fjsp.org.br.

Durante a passagem pelo Brasil, Jed também profere uma palestra fechada aos alunos da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo.

Ukiyo-e Heroes – O projeto iniciado em abril de 2012, em parceria com o gravador anglo-canadense residente em Tóquio, David Bull, já arrecadou U$ 313,000 na plataforma digital Kickstarter, ganhando destaque na mídia internacional, noticiado no jornal The Japan Times, na revista GQ, no site CCN Money e na versão digital da revista Wired (edição japonesa e inglesa).

Ukiyo-e – A tradução de Ukiyo-e (“Figuras de um mundo flutuante”), nascido no Japão durante o Período Edo (1603-1868), refere-se a um termo budista sobre a brevidade e a incerteza da vida. Sua criação reflete basicamente às mudanças comportamentais da época (como o nascimento da classe burguesa), quando a arte se tornou popular. As primeiras gravuras foram realizadas para ilustrar livros, mas Ishikawa Moronobu (?-1694), considerado o pai do Ukiyo-e, cunhou a gravura Ichimai-e ou Ichimai-zuri, ou seja, folha avulsa, sem ligação com qualquer livro. Mas foi com Okumura Masanobu que o ukiyo-e ganhou inovação, com o desenvolvimento da gravura de perspectiva (uki-e) e de pilastra (hashira-e). E o artista Suzuki Harunobu a elevou a um grau de complexidade e sofisticação, compondo imagens de até dez cores impressas em blocos diferentes.

A temática era variada, mas se concentrava na vida urbana e as cenas do cotidiano (cortesãs, lutadores de sumô e atores de teatro kabuki, também nascido na época), com destaque, para as paisagens, cidades japonesas e as inúmeras representações/vistas do monte Fuji, um dos maiores cartões postais nipônicos. Com a abertura do Japão ao Ocidente, na Era Meiji (1868-1912), e a popularização de métodos mais baratos, como a gravura em metal, litografia e a fotografia, o ukiyo-e cai em desuso. Usado como papel de embrulho de porcelanas e cerâmicas exportadas para Europa, iria influenciar drasticamente pintores impressionistas franceses, como Claude Monet.

Jed Henry – Ilustrador norte-americano, graduado em Bacharel em Fine Arts Animation (2005-2008) pela Brigham Young University (BYU), em Utah, Estados Unidos. Na área da animação, estagiou na SONY Pictures e ganhou prêmios como o primeiro lugar (Student Emmys) e terceiro (Student Academy Awards), com “KITES”, seu filme/tese de graduação, em 2008. Ilustrou livros infantis da editora Houghton Mifflin, entre outras como a Penguin, Harper Collins e Candlewick. Além disto, se considera um jogador de videogames profissional, japanófilo e nerd assumido.
Fernando Saiki – Artista plástico formado pela Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP), com especialização em Escultura, em 2004. Pesquisa e desenvolve trabalhos plásticos em xilogravura japonesa (mokuhanga), além de ministrar cursos e oficinas, desde 2006.
jan 112013
 

A Fundação Japão realiza o seu curso de língua japonesa (JF Koza-Curso da Fundação Japão) em 24 países, inclusive em São Paulo. O curso, com capacidade para atender 30 pessoas, iniciou-se no final de setembro. A partir do final do mês de janeiro de 2013, serão oferecidos mais dois módulos.

O Curso da Fundação Japão adota o “JF Standard for Japanese-Language Education” (JFS), baseado no QECR (Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas Estrangeiras), que é utilizado no ensino de línguas europeias como língua estrangeira em institutos como Goethe, Aliança Francesa e Cervantes.

A utilização do JFS possibilita, por exemplo, comparar o nível de proficiência em japonês e em alemão e com isso, saber claramente o nível de cada aluno em cada língua. O JFS vem sendo utilizado para delinear o curso, o cotidiano das aulas e também para a preparação das provas. A meta de cada classe é descrita, por exemplo, utilizando a língua japonesa de acordo com as situações da vida real.

O conteúdo e as formas de avaliação deste curso são planejados por professores com treinamento especializado no parâmetro JFS e na utilização do material didático MARUGOTO, fazendo dele um curso com uma nova metodologia que incorpora os mais recentes estudos relacionados ao ensino de língua japonesa. Neste curso são estudadas, não somente a língua, mas também a sociedade e a cultura em sua totalidade.

O curso de Língua Japonesa MARUGOTO da Fundação Japão é realizado em parceria com a Aliança Cultural Brasil-Japão. A cada semestre há a previsão de abertura de turmas em nível sequencial. Nos cursos de língua japonesa tradicionais é comum estudar estruturas gramaticais mais simples no início para depois aprender as mais complexas. Neste curso, porém, mesmo as expressões consideradas complexas para os níveis básicos, se forem muito utilizadas ou adequadas a um determinado contexto, são ensinadas a partir das etapas iniciais.

Nos níveis introdutório e básico, há dois módulos para cada etapa: KATSUDO (Atividades) e RIKAI (Compreensão). No módulo KATSUDO aprende-se como utilizar a língua japonesa de forma adequada às situações e aos objetivos. No módulo RIKAI, estuda-se enfocando a escrita, o vocabulário, a parte gramatical e das sentenças-padrão. Em contraste com os métodos tradicionais, em que primeiramente se compreendia a estrutura da frase para se prosseguir com as atividades, neste curso, o conhecimento da língua japonesa adquirido nas aulas de KATSUDO é organizado posteriormente nas aulas de RIKAI. Desse modo, o aluno perceberá as regras gramaticais através dos vocábulos utilizados ao ouvir e falar nas aulas de KATSUDO, sendo esta aprendizagem de língua a mais próxima da realidade de quando uma pessoa é submetida a um ambiente de língua estrangeira.

As turmas oferecidas:

【A1 KATSUDO】 – Período: 30/Jan a 26/Jun de 2013
30 horas (90 minutos x 20) – Horário: Quarta-feira das 19:00 às 20:30
Local: Aliança Cultural Brasil-Japão (Vergueiro)
Material Didático: 『まるごと 日本のことばと文化』 (Marugoto Língua e Cultura Japonesa) volume “A1 KATSUDO”(入門) e “Glossário”
Idade: a partir de 14 anos. Número de alunos: 10 a 15 alunos

【A1 RIKAI】 – Período: 2/Fev a 29/Jun de 2013
40 horas (120 minutos x 20) – Horário: Sábado das 13:00 às 15:00
Local: Fundação Japão
Material Didático: 『まるごと 日本のことばと文化』 (Marugoto Língua e Cultura Japonesa)
volume “A1 RIKAI”(入門)
Idade: a partir de 14 anos. Número de alunos: 10 a 15 alunos

【A2-1 KATSUDO】 Período: 31/Jan a 27/Jun de 2013
40 horas (120 minutos x 20) Turmas: A1-K1 Quinta-feira das 19:00 às 21:00
Local: Aliança Cultural Brasil-Japão (Vergueiro)
Material Didático: 『まるごと 日本のことばと文化』 (Marugoto Língua e Cultura Japonesa)
volume “A2-1 KATSUDO”(初級1)
Idade: a partir de 14 anos. Número de alunos: 10 a 15 alunos

※Informações sobre o curso: Fundação Japão em São Paulo, Tel: (11) 3141-0110
E-mail: marugoto@fjsp.org.br, www.fjsp.org.br

※Assistam a uma aula gratuita mediante agendamento. Aliança Cultural Brasil-Japão – Tel: (11) 3209-6630 – www.aliancacultural.org.br

Informações sobre outros cursos de idioma japonês

dez 032012
 

O próximo domingo, 9 de dezembro de 2012, é o último dia para ver a 30ª Bienal de São Paulo, que conta com dois artistas plásticos japoneses convidados pela Fundação Japão. São eles Yuki Kimura e Ei Arakawa (com Sergei Tcherepnin).
Local: Pavilhão Bienal, Parque do Ibirapuera, São Paulo
Horários: terça, quinta, sábado e domingo, das 9 às 19 horas. Quarta e sexta, das 9 às 22 horas. Entrada Franca.
Outras informações em: http://www.bienal.org.br/30bienal/pt/