nov 082016
 

teatro-no-casarao-do-chaO teatro Nô é uma arte japonesa do século XIV que combina canto, dança, poesia e música de uma maneira refinada e altamente simbólica. Em 2001, a Unesco reconheceu o teatro Nô como Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade.
A Associação Brasileira de Nogaku, formada por imigrantes japoneses e atores brasileiros, estará se apresentando nesta oportunidade o 10º Encontro de Nôgaku, no Casarão do Chá de Mogi das Cruzes, no no dia 27 de novembro de 2016 das 14 às 16 horas.

Na primeira parte, será realizado um workshop onde o grupo explicará e demonstrará todo o universo do Nô. Na segunda parte, será apresentada a peça Imin Nô “Funa Benkei” (Benkei sobre o barco). O workshop será no idioma português!

Nesse dia, o grupo estará arrecadando alimentos não perecíveis como arroz e feijão (exceto sal e açúcar), que serão doados para as crianças em idade pré-escolar, em parceria à Associação das Damas de Caridade São Vicente de Paulo.


teatro-no-casarao-do-cha_nEstão abertas as inscrições para novos participantes de Nôgaku. Contato: Associação Brasileira de Nôgaku – Sr. Shigeru Matsumoto – Fone 4312-0156 – Cel: 98487-2335 – shigerumatsumoto@ymail.com
Facebook: Imin Nô
Evento: https://www.facebook.com/events/363774917299820/

FUNABENKEI

benkei-estatua

Estátua de Benkei, em Ishikawa

Após a vitória do clã Genji contra o clã Heike, soberanos do Japão por vinte anos, um boato mentiroso alastra uma conspiração contra o líder Genji, Yoritomo, colocando-o contra seu próprio irmão, Yoshitsune. Para evitar uma luta, e para pedir a compreensão de Yoritomo calmamente, Yoshitsune e seus seguidores fogem da capital na calada da noite. Na praia onde estão prestes a tomar um barco, Benkei, monge e servo de Yoshitsune, o aconselha que deixe para trás a sua amante, Shizuka, devido aos perigos da viagem, e dos boatos que surgiriam por ele levar uma mulher neste percurso. Benkei chama Shizuka e lhe passa a decisão. Ela não acredita nas palavras de Benkei e pede para que Yoshitsune as fale pessoalmente; o que ele faz, e Shizuka chora, lamentando ter se tornado um obstáculo para seu amante. Benkei recomenda que volte à capital, e Yoshitsune a oferece saquê, enquanto seu servo pede para que ela dance uma dança, desejando-lhes uma boa viagem. Ela veste suas roupas de dançarina, e canta a fraternidade trazida por Kannon, bodhisattva da compaixão. Eles partem e Shizuka, cujo nome significa “calmaria,” fica para trás, chorando na praia. Agora Yoshitsune e seus companheiros navegam pelo mar do oeste, quando uma tormenta cai sobre eles. Os espectros de todos do clã Heike, mortos em sua última batalha, se erguem do mar. Entre eles, Tomomori, que os ameaça. Yoshitsune se defende com sua espada, mas Benkei os aparta, pois lutar contra um espectro com armas, é inútil. Ele esfrega as contas do seu rosário e invoca Fudô e todos os seus bodhisattvas protetores, sendo cada um de um ponto cardeal, e Fudô o centro. Tomomori enfraquece, tenta uma última investida, mas novamente é repelido, sumindo no branco das espumas das ondas.

27/11/2016 – 10° Encontro de Nôgaku – Imin Nô: FUNABENKEI
Das 14h às 16h  Entrada Franca.
Local : Casarão do Chá, Estrada do Chá cx 05, bairro Cocuera, Mogi das Cruzes, SP.
Casarão do Chá: (11) 4792-2164, acasaraodocha@gmail.com
https://www.facebook.com/events/363774917299820/

Obs. Só o Casarão do Chá, construído no estilo japonês, sem o uso de pregos, já vale uma visita para quem aprecia a cultura japonesa!

このたび「第十回能楽の集い」を催す運びとなりました。前半はお能の世界を実演とともに説明するワークショップ、後半は移民能「船弁慶」です。皆様方のこれまでのご支援に深く感謝致し、また新たなる私どもの挑戦をご高覧いただければ幸いと存じます。どうぞふるってお越しください。

なお当日は食料を欠いた子供達へのクリスマスプレゼントとしてお米やフェジョンなどの保存食(塩、砂糖を除く)の寄付をお受けさせて頂きます。志ある多くの方々の参加をお待ち申し上げております。
謹白

ブラジル能楽連盟会長 竹下康義

お預かりしたご寄付はAssociação das Damas de Caridade São Vicente de Pauloとの協力により幼稚園児たちに送られます。なお随時能楽への参加者を募集しております。

連絡先 電話4312-0156 ( Shigeru Matsumoto)

out 202016
 

20150613_YUI_SP (11)Depois do enorme sucesso no ano passado, o grupo YUI – Trio de Instrumentos Tradicionais do Japão volta ao Brasil para duas únicas apresentações. O primeiro show acontece em Salvador, em 27 de outubro, seguindo para São Paulo, em 30 de outubro.

O trio é formado por Chie Hanawa (tsugaru shamisen), Ko Kakinokihara (koto) e Yoshimi Tsujimoto (shakuhachi) e apresenta em seu repertório músicas tradicionais japonesas e algumas peças originais do trio, destacando a harmonia e sonoridade e as novas possibilidades de sons dos três instrumentos tradicionais japoneses.

20150613_YUI_SP (16)wagakki_yui_02TRIO YUI

Formado por três musicistas graduadas pelo Curso de Música Tradicional Japonesa do Departamento de Música da Universidade de Belas Artes de Tóquio, o trio foi aclamado logo em sua primeira apresentação, em Quioto, em outubro de 2009. No ano seguinte, as jovens criaram uma obra original, que se tornou música tema para promover o “TBS Akasaka Sacas”, um grandioso empreendimento comercial em Tóquio.

Sua discografia traz o primeiro álbum, Hajimari no oto (O som do início), e Tada, kimi ni (Apenas, para você). Hoje em dia, o Yui atua principalmente em Tóquio.

Veja a matéria da viagem anterior do grupo no Brasil e uma entrevista exclusiva:
http://www.culturajaponesa.com.br/?p=5594

SALVADOR
Data e horário: 27 de outubro de 2016 (quinta) às 20h
Local: Cine Teatro SESC Casa do Comércio (546 lugares) – Av. Tancredo Neves, 1109 – Pituba
Duração: 90 minutos – Classificação: livre
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) | R$ 5,00 (meia)
Ingressos a venda na bilheteria do Sesc e também pelo site www.compreingressos.com
SÃO PAULO
Data e horário: 30 de outubro de 2016 (domingo) às 16h
Local: Teatro FECAP (400 lugares) Av. Liberdade, 532 – Liberdade
Duração: 90 minutos – Classificação: livre
ENTRADA FRANCA – Retirar os ingressos na entrada do Teatro FECAP duas hora antes do início do espetáculo. Máximo de 2 ingressos por pessoa, sujeito à lotação do espaço.
out 112016
 
yukata-kitagawa-975_nSinta-se linda e naturalmente elegante com um YUKATA. O Workshop é para ensinar mulheres para se vestirem sozinhas, como as japonesas fazem. Além de segredinhos de beleza e elegância à japonesa, dicas de etiqueta e postura, usos mais “fashionistas” e “sport chic”, e um pouco da cultura do YUKATA será explicada. Dicas de como fazer seu próprio YUKATA e acessórios.
YUKATA é o quimono de algodão estampado usado no verão especialmente em passeios e festivais. No Japão é sinônimo de feminilidade e de elegância informal e natural.
O workshop: “Como se Vestir um Yukata” será realizado no dia 06 de novembro de 2016, na sede da Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil (Avenida Lins de Vasconcelos, 3352 – saída do metrô Vila Mariana, São Paulo), das 9 às 12 horas.
Obs. Após o workshop, que termina às 12 horas, quem quiser poderá participar de um passeio de metrô até a Avenida Paulista para experimentar o Yukata, se o tempo permitir.
Esta oficina é exclusiva para mulheres.yukata-kitagawa-61_n
Material necessário:

– Tendo seu próprio YUKATA, verifique se tem também os acessórios (check-list abaixo):
–  Yukata
– Faixa principal da cintura (obi)
– Placa para faixa principal (obi ita)
– 2 faixas simples de amarrar (himos) OU elásticos c/ clipes de fecho (kõrin belts)
– sandália (calçado ocidental), chinelos de dedo tipo havaianas ou a sandália de madeira (getá).
– flor para decorar o cabelo (opcional)

yukata-kitagawa-41_nRoupa de Baixo (venha vestindo por baixo, uma das opções)
  a – Bermuda ciclista OU legging + Camiseta branca (tipo regata sem mangas OU com mangas e decote “V”)
  b – Saiote + Camiseta branca (tipo regata sem mangas OU com mangas e decote “V”)
  c – roupa de baixo apropriada para Yukata, se tiver
Além da sua própria maquiagem (por questões de higiene e saúde, não recomendamos compartilhar maquiagem) e material para pentear o cabelo.
Taxas de inscrição: R$ 35,00 para quem trouxer o próprio YUKATA
                                   R$ 60,00* para quem NÃO tem o próprio YUKATA
obs. *Será emprestado YUKATA para workshop (limitado a 5 vagas)
Inscreva-se já pelo Sympla

Professora: Cristiane A. Sato, Formada em Direito pela Universidade de São Paulo, publica artigos sobre cultura popular e história japonesa em jornais e revistas desde 1993. Autora do livro “Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa” (2007), atualmente prepara um livro sobre moda japonesa. Ministrou palestras em eventos no Centro Cultural Itaú, Sesi, Sesc, Senac, USP, Fundação Japão, Embaixada e Consulado Geral do Japão, entre outros. Foi bolsista da JICA na Universidade de Kanazawa, onde participou de cursos e oficinas sobre tecidos, confecção e uso do quimono, técnicas de arte tradicional, etc.
ago 012016
 

Casarão do Chá de Mogi das CruzesO 3º Festival de Cerâmica será no dia 07 de agosto de 2016, domingo, das 9 às 17h, no Casarão do Chá – Estrada do Chá, bairro Cocuera, Mogi das Cruzes, SP.

Programação:

09:00 – Abertura do evento

10:00 às 16:00 – Mão Livre – Oficina aberta de modelagem com o grupo de cerâmica Temtempu.

10:00 às 16:00 – brincando com torno – Oficina aberta de torno com Sueli Massuda.

13:00 – Raku – Demonstração de queima com Marcelo Conegliam.

14:00 às 16:00 – #MAOSNAMASSA – Demonstração e Workshop de torno com Sergio Onodera.

Outros Atrativos:

– exposição e venda de mais de 2.000 peças de cerâmica

– degustação de chá.

– comida caseira:  porco no rolete, comida árabe, pastel, pizza no forno à lenha, comida japonesa, café caipira no fogão à lenha, biscoitos, queijos e doces caseiros.

– venda de artesanatos diversos, plantas e animais.

*A entrada e as atividades são gratuitas. Para participar basta chegar e se inscrever na atividade aberta ao público.

Organização: Associação Casarão do Chá, com o apoio da Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes – Tel: (11) 4792-2164

E-mail: acasaraodocha@gmail.com
facebook.com/acasaraodocha

https://www.youtube.com/watch?v=61ajY376qTs

abr 222016
 

palestrasABJICA800A ABJICA – Associação dos Ex-Bolsistas da JICA está iniciando um ciclo de palestras, onde os ex-bolsistas da JICA terão a oportunidade de compartilharem o que aprenderam no Japão. A ideia é reunir, a cada dois meses, vários palestrantes dentro de um mesmo tema para contarem as experiências. Por exemplo, “saúde”, “administração”, “educação”.

Essas três primeiras palestras do dia 7 de maio  são experimentais, por isso, os três temas são bem diferentes entre si. Convidamos a todos os ex-bolsistas e os futuros bolsistas a participarem dessa oportunidade única de trocar ideias com os palestrantes, se atualizar e compartilhar experiências.
A entrada é franca para todos os interessados. Inscreva-se antecipadamente pelo Sympla, ou no dia do evento, comparecendo com 20 minutos de antecedência. Venha saborear o famoso chá de Ishikawa!

Informações:

Data: 7 de maio de 2016
Horário: das 8h30 às 11h30
Local: Associação Cultural e Assistencial Mie Kenjin do Brasil – Av. Lins de Vasconcelos, 3352 (próximo ao metrô Vila Mariana)

jan 122016
 

Karuta_Georgetown_Univesity1A Fundação Japão em São Paulo promove no próximo sábado, 16 de janeiro, das 15h às 19h, um “Workshop de Karuta Competitivo” com a presença da atleta japonesa Mutsumi Stone.
O evento acontece na Associação Beneficente Provincianos Osaka Naniwa Kai e é aberto ao público, mas com vagas limitadas.
O evento será dividido em três partes: palestra, workshop e demonstração de kyogi karuta. Será mostrada a história do karuta, como se joga o kyogi karuta (karuta competitivo) e as técnicas básicas necessárias para o jogo, tais como o posicionamento das cartas, o que são kimari-jis, como pegar as cartas e também dicas para auxiliar a memorização.
Na terceira parte, um workshop apresentará partidas rápidas junto do público, que será dividido em dois grupos. Aqueles com conhecimento de hiragana jogarão chirashidori, no qual todas as cartas são espalhadas e o objetivo é pegar o maior número de cartas. Os demais, que não tiverem conhecimento de japonês, jogarão uma versão que traz nas cartas as letras romanas.
Depois, uma simulação de torneio, com partidas de verdade, será realizada para que o público possa assistir e se familiarizar ainda mais com o jogo.
Ao final, a partir das 19h, será servido um lanche para confraternização entre o público e os praticantes de kyogi karuta.

Mutsumi Yoshida Stone – Mutsumi Stone é uma jogadora de kyogi karuta de 6º dan e também instrutora, dedicada a introduzir e promover o jogo e os poemas de Hyakunin-isshu ao redor do mundo. No período de 2000 a 2012, quando viveu em países como Inglaterra, Casaquistão, Tailândia e China, promoveu o karuta por onde passou, retornando aos Estados Unidos no começo de 2013. Lá, ela criou o DC Inishie Karuta Club, e desde então vem promovendo o karuta entre alunos de colégios e universidades, e em eventos como o Sakura Matsuri Festival e New Year Festival em Washington DC, entre outros.

karuta_baralho_okKyogi Karuta – O termo “Karuta” vem do português “carta”, no sentido de “baralho”, e Kyogi Karuta é um jogo de cartas que utiliza 100 poemas antigos japoneses, escritos por 100 poetas diferentes, chamados Hyakunin-isshu.
O jogo é composto de dois conjuntos de cartas, cada um composto por 100 cartas. Um deles é chamado de Yomifuda, ou cartas de leitura, e o outro Torifuda, ou cartas de pegar.
Há um poema completo em cada Yomifuda, juntamente com o nome e uma figura do poeta que escreveu o poema. Já no Torifuda, há apenas a segunda parte do poema, escrito em hiragana.
Na partida, as cartas Torifuda são dispostas no chão, visíveis aos competidores. O leitor passa então a ler, aleatoriamente, as cartas Yomifuda, uma a uma, enquanto os jogadores, que estão ajoelhados, disputam para pegar o complemento correto da carta. O jogador mais rápido, que tocar primeiro a carta, fica com ela.
Hoje em dia, mais de 60 campeonatos de Kyogi Karuta acontecem pela All Japan Karuta Association no Japão anualmente. Há cinco níveis de jogador, desde a classe E até a mais alta classe A.

Palestra, Workshop e Torneio de Kyogi Karuta (50 vagas)
Data: sábado, 16 de janeiro de 2016 – Horário: das 15h às 19h
Local: Associação Beneficente Provincianos Osaka Naniwa Kai
Rua Domingos de Morais, 1581, Vila Mariana, São Paulo
Indicado para maiores de 15 anos

Entrada franca – Os interessados devem se inscrever pelo email info@fjsp.org.br.

set 302015
 

Hiroshima Kagura foto5O Teatro Kagura nasceu como forma de agradecer aos Deuses pela colheita de arroz no outono. O prato principal do japonês foi sempre o arroz. O povo japonés, desde a antiguidade, acreditava que os alimentos são feitos pela força dos Deuses da Terra, da Água, do Sol, ou seja, da Natureza. E também achava que vários Deuses do Cosmos protegiam o seu povo.

Hiroshima Kagura do JapaoDesde a antiguidade, o Kagura vem assimilando outras culturas e, atualmente, não é apenas o festival de outono oferecido aos Deuses, mas sim, a apresentação de fatos históricos e da mitologia japonesa em forma de artes cênicas. E assim, há cerca de 70 peças diferentes de Kagura e de vários grupos no Japão, mas há uma concentração maior na região de Hiroshima. “Iwami Kagura” é um dos estilos mais populares desse teatro, e cerca de 100 grupos se concentram nessa região de Iwami que fica na divisa entre Shimane e Hiroshima. Para a apresentação, que será única no Brasil, 17 artistas foram selecionados dentre esses grupos. Hoje, o Teatro Kagura, que teve origem rural dentre os produtores de arroz, é considerado patrimônio cultural do Japão e é divulgado no mundo inteiro.

Apresentação única: Dia 25 de outubro de 2015, às 15 horas. ENTRADA FRANCA.

Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo – Rua São Joaquim, 381 – Liberdade – São Paulo.

Hiroshima Kagura foto1Distribuição de convites a partir das 13h30 no local (máximo 2 convites por pessoa). O auditório será aberto às 14 horas.

Serão apresentadas duas peças: “Momijigari” e “Yamata no Oroti” (as fotos são dessas duas peças)

Realização: Centro Cultural Hiroshima do Brasil, com patrocínio do Governo da Província de Hiroshima. O evento é realizado como parte das comemorações do 60º aniversário do Centro Cultural Hiroshima do Brasil.

jul 292015
 

hibiki akito oiranHibiki Family é um grupo formado no Japão, cujos integrantes têm formação em Nihon Buyo (dança japonesa), em instrumentos musicais tradicionais, e em teatro popular japonês. O grupo, que se apresentou no Brasil em 2007 e 2008, na comemoração do Centenário da Imigração Japonesa, volta com o repertório renovado, que mistura o teatro tradicional com bastante humor.
Na apresentação no Bunkyo, Hibiki Family contará com a participação do grupos Yuubi – Japanese Dance Company e Kiraku (de Taikô estilo Sukeroku).
No final de semana, dias 8 e 9 de agosto, Hibiki Family e os dois grupos fazem três apresentações. Sábado às 14h e domingo às 11h e também às 15h.

Show do Hibiki Family, Yuubi Dance Company e Taiko Shuudan Kiraku
Dias: 8 e 9 de agosto de 2015 – Sábado, às 14h – Domingo, às 11h e às 15h
Local: Grande Auditório do Bunkyo – R. São Joaquim, 381 – Liberdade – São Paulo – SP – (Estação São Joaquim do Metrô)
Convite: R$ 100,00 – Locais de venda: Pontos de Venda: Bunkyo: (11) 3208-1755 – Rua São Joaquim, 381,
Jukunen-kai: (11) 3209-5935 – Rua Siqueira Campos, 134, Restaurante Kidoairaku: (11) 3207-8569 – Rua São Joaquim, 394, e Doceria Segredo dos Doces (Akashiya): Rua Galvão Bueno, 13, Liberdade.

O Hibiki Family fará um jantar beneficente em prol do Hospital Santa Cruz no dia 5 de agosto.
Local: Blue Tree Hotels Premium Morumbi – Av. Roque Petroni Junior, 1000 – São Paulo – SP
Convite: R$ 350,00 – Informações: (11) 5080-2045 / 5080-2352, com Yuli, Juliana e Daniela

hibiki familyHIBIKI FAMILY

HIBIKI AKITO, nascido em Hokkaido (Japão), foi criado no Brasil e a partir dos 6 anos começa a aprender o Nihon buyo, taiko, shamisen e kendo, além de canto. Retorna ao Japão aos 20 anos de idade e entra no grupo de Taishuu Engeki – tradicional teatro popular no Japão. Aos 24 anos, junto com Kazuma e Yuka, cria seu próprio grupo: o Hibiki Family, que neste ano comemora 10 anos.

HIBIKI KAZUMA, nascido em São Paulo, a partir dos 4 anos começa a aprender Nihon Buyo, wadaiko, tsugaru shamisen e kendo. Junto com Akito vai ao Japão e entra no grupo de Taishuu Engeki. Com a criação do Hibiki Family passa a integrar o grupo.

HIBIKI YUKA começou suas atividades com o famoso artista Nakamoto Koji. Junta-se ao Hibiki Family e desde então vem realizando inúmeros shows no Japão.

jul 282015
 

ceramica casarao do cha mogi

A arte da cerâmica se desenvolveu em diversas partes do mundo, inclusive no Japão, onde foram recuperadas peças feitas no período Neolítico (11 mil a.C.). A partir do século IV, o país recebeu grande influência chinesa, porém, criou seu próprio caminho ao valorizar o trabalho de artesãos que criaram métodos próprios de produção da cerâmica. Hoje, existem vários estilos reconhecidos e as peças continuam sendo produzidas manualmente, uma a uma, como objetos de grande valor artístico.

A HISTÓRIA DO TORNO

Os primeiros tornos surgem como meio de facilitar a modelagem da peça, sem a necessidade de o ceramista andar em volta dele.  Provavelmente eram compostas de uma roda pesada que girava entorno de um eixo fixado ao chão, rodada por um bastão. Na etapa seguinte, surgem tornos movidos com o pé, que consiste numa base circular conectada por um eixo a uma roda pesada. Logo, surgem tornos de pé com pedais que facilitaram o trabalho do ceramista. Os tornos sempre foram largamente utilizados no Japão, para fazer todos os tipos de instrumentos domésticos, como vasos, copos e pratos.

Hoje, é mais comum os ceramistas utilizarem tornos elétricos que são movidos por um motor e possuem um pedal para a regulagem da velocidade.

A TÉCNICA

O torno é um importante instrumento do ceramista para a modelagem das peças cerâmicas. A peça é torneada colocando-se a argila macia em cima do disco, no centro do aparelho, molha-se as mãos ou os instrumentos para diminuir o atrito com o barro e, então a argila é afinada e modelada no formato do objeto. O Processo é rápido: em pouco tempo as peças são modeladas.

Nascido em Mogi das Cruzes, filho do ceramista Akinori Nakatani inicia-se na cerâmica aos 15 anos. Em 2008 conclui o curso de Bacharelado em Artes Visuais pela Faculdade Belas Artes e, desde então, dedica-se à pesquisa das possibilidades da cerâmica de Alta Temperatura no seu atelier em Mogi das Cruzes. Foto: Jonny Ueda, Jornal O Diário de Mogi, 2014

Nascido em Mogi das Cruzes, filho do ceramista Akinori Nakatani inicia-se na cerâmica aos 15 anos. Em 2008 conclui o curso de Bacharelado em Artes Visuais pela Faculdade Belas Artes e, desde então, dedica-se à pesquisa das possibilidades da cerâmica de Alta Temperatura no seu atelier em Mogi das Cruzes. Foto: Jonny Ueda, Jornal O Diário de Mogi, 2014

No dia 2 de agosto, domingo, será realizada uma demonstração do uso de torno na cerâmica, pelo artista Yuuki Nakatani, no Casarão do Chá de Mogi das Cruzes. A atividade faz parte do 2º Festival de Cerâmica, com exposição e vendas de 70 ceramistas, área de lazer e área de alimentação com pratos variados e o chá preto, que deu origem ao Casarão de Chá. Aliás, o próprio Casarão, construido pelo japonês Kazuo Hanaoka, em estilo japonês, aproveitando-se as curvaturas próprias das árvores em sua estrutura, já vale o passeio. O Festival de Cerâmica tem entrada franca.

DEMONTRAÇÃO DE TORNO
DATA: 02/08/2015
LOCAL: CASARÃO DO CHÁ
13:00 – INÍCIO DA DEMONSTRAÇÃO
14:00 – TÉRMINO DA DEMOSTRAÇÃO

No mesmo dia, o artista Osvaldo Perez fará demonstração da técnica de Raku Tradicional e de Raku Nu, com queima, das 9 às 15h30. Também será realizada uma oficina de apitos e ocarinas de Mayy Koffler, das 10 às 15h30 (com pausa para almoço). Essa oficina é paga. Informações: acasaraodocha@gmail.comhttp://www.casaraodocha.org.br/

Veja como chegar ao Casarão do Chá, que fica na Estrada Nagao, km 3, bairro Cocuera, Mogi das Cruzes http://casaraodocha.org.br/wp/?page_id=24

ceramica mayy kofflerceramica osvaldo perez

 

maio 202015
 

seja um ninjaConta-se que o guerreiro Nobunaga Oda levou 46 mil homens para atacar os revoltosos camponeses de Iga, matando 4 mil deles em 1581. Os líderes de Iga se refugiaram nas montanhas e treinaram técnicas para enfrentar as armas de fogo da tropa de Nobunaga, o que deu origem aos ninjas que hoje conhecemos. As lendas contam, entretanto, que os ninjas existiam desde o final do Período Heian (794 a 1185), nas montanhas nos arredores de Kyoto, onde eles faziam treinamentos e frequentemente eram confundidos com “yamabushi”, que também treinavam nos mesmos locais.

Iga, hoje uma cidade da província de Mie, ficou conhecida por esse passado histórico e até hoje mantém um museu exclusivamente voltado aos ninjas: o Iga Ninja Museum.

O livro “Seja um Ninja!: Como vestir um traje Ninja (Cool Japan)” escrito por Ikunen Kosaiji e Lawrence Lein, e publicado pela editora Kosaiji Books do Japão, teve o total apoio do Iga Ninja Museum. O livro mostra, com muitas fotos, todos os instrumentos utilizados pelos ninjas de verdade e as regras do ninja, entre outros assuntos. A versão em idioma português foi feita pela Cristiane A. Sato.

Adquira a versão digital na Amazon.com.br por R$ 10,08. Parte do conteúdo pode ser vista na versão em inglês do mesmo livro.

Em São Paulo, há um grupo que treina a arte ninja, na Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil (11) 5549-6857. E-mail: miekaikan100@hotmail.com